Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo

A erva-doce ( Foeniculum vulgare ) é uma planta herbácea perene pertencendo à família Apiaceae. Conhecido como anado, cañiguera, caramuda, cenoyo, fenojo, fleiteiro, fenollo, capim santa ou salsa é uma espécie aromática natural da bacia do Mediterrâneo.

É uma planta bienal ou perene com caule ereto e estriada no final, ramificada e encimada por umbelas compostas que consistem em pequenas flores amarelas. É caracterizada por um grande bulbo branco que nasce na base do caule de anis, do qual saem numerosas folhas filiformes.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 1

Erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: pixabay.com

O funcho é um tipo de propriedades medicinais e culinárias que é amplamente utilizado para o aroma particular de suas sementes, folhas e bulbos. As raízes têm propriedades apetitosas e diuréticas, as sementes são balsâmicas, carminativas, anti-inflamatórias e ativam o fluxo de leite durante a lactação.

Na cozinha é usada de maneira tradicional desde a época dos romanos. É usado como curativo em ensopados e ensopados, proporcionando um agradável aroma de anis, além de as sementes serem utilizadas na preparação de bolos, pães e bolos.

Características gerais

Aparência

É uma espécie herbácea perene de porte ereto e caule ramificado que pode medir descontroladamente até 2 m de altura. As variedades cultivadas são plantas anuais ou bienais com cerca de 60 a 80 cm de altura e têm uma raiz articulada.

Toda a planta, composta de caule, bulbo, folhas e flores, forma uma espécie de roseta no chão. Dessa estrutura, emerge um caule verde longo, firme e muito ramificado, com folhas embainhadas que terminam em uma pluma.

Caule

O caule da erva-doce é ereto, moldado, cilíndrico ou tubular, ligeiramente sulcado, muito ramificado e verde claro ou esbranquiçado. Sua altura varia, dependendo da variedade e hábito de crescimento, de 60 a 80 cm a 2-3 m.

Folhas

As folhas alongadas de cor verde intensa têm as pontas divididas em numerosas lacinias que tendem a endurecer para evitar a perda de umidade. Eles têm um crescimento alternativo e são revestidos, semelhantes ao feno, daí o nome « Foeniculum ».

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 2

Flores de erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: Isidre blanc [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Flores

As minúsculas flores amareladas estão localizadas em uma posição terminal em um pedúnculo fino e dilatado, dispostas em umbelas compostas. De simetria pentâmera, pétalas ligeiramente aparentes, ginecologista bicarpelar e cinco estames, eles são geralmente agrupados de 10 a 40 unidades por inflorescência.

Frutas

O fruto seco e indiscutível é um esquizocarpo. Primeiro fica verde e quando maduro marrom-preto. Tem uma forma alongada e pentagonal e mede cerca de 5 mm de comprimento, destacando cinco nervuras bem marcadas de cor clara.

Composição química

A análise fitoquímica da espécie Foeniculum vulga re permitiu determinar a presença de terfenos canfeno , dipenteno, felandreno e ácido metil cavicolo. Assim como a cetona anísica, a fencona cetona, a difina e o composto aromático de anetol ao qual é devido o aroma característico do funcho.

Valor nutricional por 100 g

– Energia: 30-35 kcal

– Carboidratos: 7,2-7,5 g

– Gorduras: 0,2-0,3 g

– Proteínas: 1,2-1,5 g

– Tiamina (vitamina B 1 ): 0,01 mg

– Riboflavina (vitamina B 2 ): 0,032 mg

– Niacina (vitamina B 3 ): 0,64 mg

– Ácido pantotênico (vitamina B 5 ): 0,232 mg

– Vitamina B 6 : 0,047 mg

– Ácido fólico (vitamina B 9 ): 27 μg

– Vitamina C: 12 mg

– Cálcio: 49 mg

– Fósforo: 50 mg

– Ferro: 0,73 mg

– Magnésio: 17 mg

– Manganês: 0,191 mg

– Potássio: 414 mg

– Zinco: 0,20 mg

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 3

Sementes de erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: Philmarin [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Taxonomia

– Reino: Plantae

– Divisão: Magnoliophyta

– Classe: Magnoliopsida

– Ordem: Apiales

– Família: Apiaceae

– Subfamília: Apioideae

– Tribo: Apieae

– Gênero: Foeniculum

– Espécie: Foeniculum vulgare Mill.

Etimologia

Foeniculum : o nome do gênero deriva da palavra latina “funiculus”, que significa “fios” em alusão à forma das folhas. Por outro lado, alguns autores apontam que o nome genérico deriva de “foenum”, que significa feno, devido à sutileza de suas folhas e ao cheiro aromático.

Relacionado:  O que são níveis taxonômicos?

vulgare : o adjetivo específico se refere à palavra latina que significa “comum, vulgar ou comum”.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 4

Planta de erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: pixabay.com

Variedades

As diferentes variedades de erva-doce cultivadas comercialmente diferem apenas em tamanho e forma, uma vez que a maioria tem um sabor semelhante. Geralmente, as lâmpadas são arredondadas ou quase esféricas, curtas ou alongadas, bem como médias ou maiores.

– Armo: variedade de desenvolvimento inicial, bulbo robusto, arredondado, estanque e branco.

– Carmo: bulbo redondo e sólido, de aparência suave e cor branca.

– Gênio: lâmpada arredondada de tamanho médio e compacto.

– Doce ou de Florença: variedade cultivada exclusivamente na bacia do Mediterrâneo.

– Pólux: lâmpada arredondada e maior.

– Outras variedades: Romanesco ou Tibre.

Habitat e distribuição

A espécie Foeniculum vulgare é nativa do sul da Europa, especialmente na bacia do Mar Mediterrâneo, onde está localizada descontroladamente. Atualmente, está distribuído em áreas temperadas ao redor do mundo.

Cresce em solos argilosos, arenosos, soltos, levemente pedregosos, profundos e frescos e com exposição solar total, do nível do mar a 1.000 metros acima do nível do mar. Ele está localizado associado a outras espécies selvagens em pradarias ou formando matas, mesmo em áreas intervenientes fora de cercas, prédios ou estradas.

Seu habitat ideal está localizado ao longo da costa, onde predomina um ambiente quente devido à maior incidência de radiação solar. No entanto, está regularmente localizado em pousios, terras agrícolas abandonadas, prados ou jardins, sendo facilmente reconhecido pelo seu aroma agradável.

Selvagem ou como uma colheita comercial, é distribuída por toda a Ásia Ocidental e Central, a sudoeste da Europa. Está localizado nas Ilhas dos Açores e nas Canárias, no norte da África, e foi naturalizado em lugares como o Japão e a América.

Na Península Ibérica, é uma espécie muito comum e amplamente distribuída, sendo característica da região de Múrcia. Também está localizado em terreno baldio ou terraços na faixa costeira de Cartagena, San Javier e San Pedro del Pinatar.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 5

Bulbos de erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: pixabay.com

Propriedades

O funcho, como a maioria dos vegetais, vegetais ou plantas aromáticas, tem um baixo nível de energia, mas é rico em fibras e carboidratos. Sendo um alimento ideal para dietas de emagrecimento ou tratamentos sintomáticos específicos.

A semente contém aproximadamente 6% do óleo essencial ” oleum foeniculi “, que é constituído pelos compostos orgânicos anetol e fencona. Ele também contém açúcares, albriminas, fitoesteróis, cumarina, mucilagem e outros óleos essenciais, como estragol e pineno.

Nas folhas são comuns carboidratos, cumarinas e óleos essenciais; nos gomos certos elementos minerais (Ca, Fe e P), fibras e vitaminas (A e B 3 ). De fato, o principal ingrediente ativo são os óleos essenciais de anetol e estragol espalhados por toda a planta, mas concentrados nas sementes.

O mineral mais abundante é o potássio, que participa do balanço hídrico interno e externo das células. Também regula a atividade muscular e participa da formação e transmissão de impulsos nervosos.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 6

Topete de folhas filiformes. Fonte: pixabay.com

Medicinal

A erva-doce é rica em fitoestrogênios que atuam como analgésicos para cólon e cólon irritável, também para doenças relacionadas a rins, fígado, baço e pulmões. Além disso, é usado para aumentar o fluxo de leite, regular a menstruação, tratar a amenorréia, melhorar o sistema digestivo e como inibidor de apetite.

Caso contrário, é comumente usado para tratar angina, azia, pressão arterial e calma depressão e ansiedade. É um remédio eficaz contra asma, congestão nasal, tosse e retenção de líquidos, é até eficaz no aumento da libido e do desejo sexual.

Seu uso é indicado em pacientes com câncer, pois ajuda a regenerar o sistema digestivo após a aplicação de quimioterapia e radiação. Atua como antiespasmódico por causa de seu efeito no músculo liso que reveste o trato digestivo, favorecendo a expulsão de gases.

Relacionado:  22 Animais selvagens, habitats e características

O chá de sementes de erva-doce é um remédio eficaz para diluir o efeito causado pela picada de cobras, insetos ou intoxicação alimentar. É um excelente complemento alimentar por seu efeito diurético que aumenta o fluxo de urina. Gargarejo alivia rouquidão e dor de garganta.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 7

Benefício medicinal da erva-doce. Fonte: pixabay.com

Usos culinários

O funcho é uma planta aromática usada na gastronomia como tempero devido ao sabor característico de suas sementes. De fato, este suplemento é usado seco e moído para vestir molhos, carne e peixe, além de bolos e outros produtos de pastelaria.

Por outro lado, as folhas e caules são usados ​​como ervas aromáticas e o bulbo como um vegetal que confere às receitas um tempero característico. Em algumas regiões, o caule e o bolbo constituem matéria-prima para a preparação de uma bebida ou licor com sabor de anis.

Terapêutico

O óleo essencial obtido a partir de sementes de erva-doce é amplamente utilizado na medicina alternativa devido às suas propriedades terapêuticas. Recomenda-se fricção na testa e nas costas com óleo de erva-doce para o tratamento terapêutico da doença de Alzheimer.

O suco obtido dos tecidos sensíveis é usado para aliviar os olhos cansados ​​e irritados devido a conjuntivite, chiqueiros ou problemas de glaucoma. Além disso, a filtragem do cozimento das sementes é usada com resultados semelhantes lavando os olhos várias vezes ao dia.

Um cataplasma feito de folhas cozidas e esmagadas colocadas no abdômen atua como um analgésico na barriga. Por outro lado, diluir o cozimento de um litro de água com 50 gramas de frutas na água do banho proporciona um efeito relaxante ao corpo.

O atrito do couro cabeludo com uma infusão concentrada de folhas secas permite fortalecer os cabelos e contribui para evitar sua queda. Problemas de mau hálito ou halitose se dissipam mastigando sementes de erva-doce depois de comer.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 8

Planta de erva-doce em seu habitat selvagem. Fonte: Harry Rose, de South West Rocks, Austrália [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Cultivo

O funcho é multiplicado por sementes do meio do outono ao início da primavera, de acordo com as condições climáticas de cada região. Normalmente, 5-8 kg / ha de semente são usados ​​a uma densidade de 0,30-0,40 m entre plantas por 0,70 m entre linhas.

Substrato

Esta cultura requer espaço suficiente para crescer e se desenvolver, por isso requer um solo profundo, solto e bem drenado. Além disso, precisa de um solo com um alto teor de matéria orgânica, que possa ser fornecido com composto ou húmus de minhoca.

Método de semeadura

A semeadura pode ser feita diretamente ou através de mudas em regiões climáticas adversas. Em casa de vegetação, uma temperatura constante de 20 ° C permite que as sementes germinem de 8 a 10 dias após o plantio.

Em regiões de clima quente ou temperado, recomenda-se a semeadura durante os meses de fevereiro ou março. Em áreas de clima frio, é aconselhável estabelecer canteiros em condições controladas para transplante posterior ou realizar plantio tardio.

Transplante

Nas áreas onde os canteiros foram estabelecidos, as mudas estarão prontas para o transplante no local final, um mês após o plantio. Antes de plantar, recomenda-se preparar o solo, aplicar composto e água adequadamente até deixar uma camada solta e úmida.

As mudas são extraídas com muito cuidado e colocadas no local de plantio, tentando não danificar o caule ou as raízes. Eles são cobertos com uma camada de solo solto e é aplicada uma irrigação suave, mantendo uma densidade de 25 a 35 cm entre as plantas.

Aporque

O aporque ou acúmulo de solo na base do caule é realizado 21 a 28 dias após o transplante. Essa tarefa consiste em acumular o solo na base das hastes para favorecer o crescimento do bulbo, uma vez feito, é conveniente regar suavemente.

Relacionado:  Ascaris lumbricoides: características, morfologia, ciclo de vida

Temperatura e radiação solar

A cultura se desenvolve efetivamente com temperaturas médias entre 15 e 25 ºC, sendo suscetível a climas muito quentes ou muito frios. Por outro lado, é uma plantação que requer espaços abertos e, portanto, precisa de exposição solar total para um melhor crescimento.

Rega

O funcho é suscetível ao déficit hídrico, por isso requer rega frequente e relativamente abundante, evitando manter o solo seco por um longo tempo. É aconselhável usar a irrigação por gotejamento para fazer melhor uso da água e manter a umidade constante no solo.

Colheita

A colheita das folhas e bulbos pode ser feita entre 75 e 90 dias após o plantio. As folhas são cortadas da base do caule com uma tesoura limpa e desinfetada, depois as folhas voltam a crescer.

No caso de cultivo da lâmpada, recomenda-se cortar regularmente as hastes para favorecer o crescimento e desenvolvimento da lâmpada. Em um período de aproximadamente 90-100, as lâmpadas podem ser colhidas.

Erva-doce: características, habitat, propriedades, cultivo 9

Cultivo comercial de erva-doce (Foeniculum vulgare). Fonte: AnRo0002 [CC0]

Pragas e doenças

– Pragas

Rosquinha preta ( Spodoptera littoralis )

A lagarta deste inseto lepidóptero é extremamente polifágica e alimenta-se principalmente do pescoço e das folhas da planta. O maior dano é causado por lagartas maduras que devoram rapidamente as folhas, enquanto larvas jovens perfuram os brotos.

Vermes cinzentos ( Agrotis spp .)

Mariposa da família Noctuidae, cujo estado larval afeta o pescoço das mudas e causa o murchamento geral da planta. De fato, o dano ocorre no nível do canteiro, as larvas roem o caule e fazem com que as mudas caiam.

Pulgões ( Aphis sp . Ou Myzus sp .)

Os pulgões são insetos muito polifágicos, que causam danos a várias culturas. No funcho, essa praga suga a seiva através da perfuração de seus tecidos, tende a deformar as folhas e causa um enfraquecimento total da planta.

– Doenças

Podridão branca ( Sclerotina sclerotiorum )

Doença causada por um fungo ascomiceto, fitopatogênico e necrotrófico que ataca várias culturas hortícolas e plantas silvestres. Os sintomas se manifestam como uma lesão coberta de mofo branco na base do caule que causa murcha e podridão subsequente.

Podridão-cinzenta ( Botrytis cinerea )

Botrytis cinerea é um fungo necrotrófico que causa a morte de seu hospedeiro para obter todos os nutrientes necessários. A infecção inicialmente se manifesta como manchas marrons de tecido necrótico e úmido na folhagem que se expande rapidamente por toda a planta.

Podridão da raiz ( Pythium spp .)

As infecções geralmente ocorrem em plantas fracas que sofrem algum tipo de estresse causado por excesso de umidade ou mudanças repentinas de temperatura. Os principais sintomas ocorrem no nível do viveiro, a podridão das raízes interrompe o crescimento e as plantas caem.

Referências

  1. Alonso Esteban, JI (2015) Erva-doce (Foeniculum vulgare Mill.) Em Ciências Farmacêuticas (Tese de Graduação) Universidade Complutense. Escola de Farmácia
  2. Foeniculum vulgare. (2019). Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado em: en.wikipedia.org
  3. Foeniculum vulgare Mill (2007) Asturnatura DB. Recuperado em: asturnatura.com
  4. Funcho (2019) Região de Múrcia Digital. Recuperado em: regmurcia.com
  5. Em vez disso, MA, Dar, BA, Sofi, SN, Bhat, BA e Qurishi, MA (2016). Foeniculum vulgare: Uma revisão abrangente de seu uso tradicional, fitoquímica, farmacologia e segurança. Arabian Journal of Chemistry, 9, S1574-S1583.
  6. Sánchez, E., García, D., Carballo, C. & Crespo, M. (1997). Estudo farmacognóstico de Foeniculum vulgare Mill. (Funcho). Revista Cubana de Plantas Medicinais, 2 (1), 19-24.
Conteúdo relacionado:
Categorias Biologia

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies