Escravidão na América: casa, lugares e destinos, abolição

A escravidão na América foi um dos capítulos mais sombrios da história do continente, marcado pela exploração e brutalidade contra milhões de africanos e seus descendentes. Do trabalho nas plantações de algodão e cana-de-açúcar ao serviço doméstico nas casas dos senhores de escravos, os cativos eram submetidos a condições desumanas e desprovidos de seus direitos mais básicos. Este sistema de opressão perdurou por séculos, até que movimentos abolicionistas e a luta pela igualdade racial culminaram na abolição da escravidão em diversos países das Américas. Neste contexto, as casas, os lugares e os destinos dos escravizados desempenharam um papel fundamental na construção de uma sociedade marcada pela desigualdade e pelo preconceito. A abolição da escravidão representou um marco na história do continente, mas seus impactos ainda reverberam na sociedade contemporânea, evidenciando a necessidade de reconhecer e enfrentar as injustiças do passado.

Principal destino dos escravos no continente americano: para onde eram levados os escravos?

A escravidão na América foi um período sombrio da história do continente, onde milhões de africanos foram capturados e vendidos como escravos. O principal destino dos escravos no continente americano era o Brasil, que recebeu o maior número de africanos escravizados durante o período colonial. Além do Brasil, os escravos também eram levados para os Estados Unidos, o Caribe e outras colônias europeias na América.

Os escravos eram utilizados principalmente nas plantações de cana-de-açúcar, café, tabaco e algodão, onde eram submetidos a condições desumanas de trabalho. Além disso, muitos escravos eram vendidos para trabalhar nas minas de ouro e prata, contribuindo para a exploração dos recursos naturais do continente.

A luta pela abolição da escravidão na América foi longa e difícil, envolvendo movimentos de resistência dos próprios escravos, bem como campanhas abolicionistas lideradas por ativistas e intelectuais. A abolição da escravidão ocorreu em diferentes momentos em cada país, mas deixou marcas profundas na sociedade e na cultura americana.

Quais países da América tiveram escravidão ao longo da história colonial e pós-colonial?

A escravidão foi uma prática comum em diversos países da América ao longo da história colonial e pós-colonial. Alguns dos principais países que tiveram escravidão incluem o Brasil, os Estados Unidos, Cuba, Haiti, Jamaica e Colômbia.

No Brasil, por exemplo, a escravidão foi uma instituição que perdurou por mais de 300 anos, tendo sido abolida somente em 1888 com a Lei Áurea. Os Estados Unidos também tiveram uma longa história de escravidão, com milhões de africanos sendo trazidos para o país como escravos para trabalhar nas plantations do sul.

Em Cuba, a escravidão foi abolida em 1886, após décadas de luta dos escravos pela liberdade. No Haiti, a primeira república negra independente das Américas, a escravidão foi abolida em 1804, após uma revolta bem-sucedida dos escravos contra os colonizadores franceses.

A Jamaica e a Colômbia também tiveram períodos de escravidão em sua história, com a abolição ocorrendo em momentos distintos em cada país. A escravidão deixou marcas profundas na sociedade e na cultura desses países, influenciando suas relações raciais e sociais até os dias de hoje.

Origem e desenvolvimento do sistema escravocrata nas Américas ao longo da história.

A escravidão nas Américas teve sua origem principalmente no processo de colonização realizada pelos europeus, que utilizaram mão de obra escrava para explorar os recursos naturais das terras recém-descobertas. Os povos indígenas foram os primeiros a serem escravizados, porém devido às condições desfavoráveis de trabalho e a falta de imunidade às doenças trazidas pelos colonizadores, muitos morreram, levando os europeus a buscarem outra fonte de escravos.

Foi então que se iniciou o tráfico de africanos, que se tornou a principal fonte de mão de obra escrava nas Américas. Milhões de africanos foram capturados em suas terras natais, transportados em condições desumanas nos porões de navios negreiros e vendidos como escravos para trabalhar nas plantações de cana-de-açúcar, tabaco, algodão e café.

O sistema escravocrata nas Américas se desenvolveu ao longo dos séculos, com os escravos sendo tratados como propriedade dos seus donos, sem direitos ou liberdade. Eles eram submetidos a trabalhos extenuantes, castigos físicos, separação de suas famílias e condições de vida precárias.

A resistência dos escravos foi constante, com revoltas, fugas e formação de quilombos como forma de resistir à opressão. A abolição da escravidão nas Américas foi um processo lento e gradual, que ocorreu em diferentes momentos em cada país, culminando na assinatura da Lei Áurea no Brasil em 1888, que pôs fim oficialmente à escravidão no país.

Apesar da abolição da escravidão, seus efeitos ainda são sentidos na sociedade contemporânea, com marcas profundas deixadas pela exploração e violência sofrida pelos escravos ao longo da história.

Primeiros países a abolir a escravidão: descubra as nações pioneiras no fim da escravidão.

A escravidão foi uma prática cruel e desumana que marcou profundamente a história da América e de várias outras regiões do mundo. Felizmente, ao longo dos séculos, movimentos abolicionistas surgiram para lutar contra essa injustiça e libertar os indivíduos que eram tratados como propriedade.

Entre os primeiros países a abolir a escravidão estão o Haiti, que se tornou independente em 1804 e aboliu a escravidão em 1807, e o Reino Unido, que aprovou a Lei de Abolição da Escravatura em 1833. Outros países como a França, os Estados Unidos e o Brasil também seguiram o exemplo e deram fim a essa prática abominável.

A escravidão na América era especialmente comum em plantações de cana-de-açúcar, café, algodão e tabaco. Os escravos eram submetidos a condições de trabalho desumanas e sofriam constantes abusos físicos e psicológicos por parte de seus senhores.

Relacionado:  Quem foi o primeiro Inca do Peru?

A abolição da escravidão representou um avanço significativo na luta pelos direitos humanos e pela igualdade. No entanto, mesmo após a abolição formal da escravidão, muitos ex-escravos continuaram enfrentando discriminação e desigualdade em diversas áreas da sociedade.

É fundamental estudar e refletir sobre a história da escravidão na América para que possamos compreender as origens das desigualdades e injustiças presentes até os dias atuais. A luta contra o racismo e a discriminação deve ser constante e coletiva, em busca de uma sociedade mais justa e inclusiva para todos.

Escravidão na América: casa, lugares e destinos, abolição

A escravidão nos Estados Unidos afetou ambos os índios e africanos em seu continente capturados e transferidos para as várias colônias que tinham os países europeus. Inicialmente, os afetados eram os nativos, apesar das leis emitidas pela coroa espanhola para evitá-lo.

Essas leis falharam em eliminar a escravidão, que continuou a ocorrer ilegalmente ou nas parcelas. Por várias razões, no século XVI, os colonos começaram a importar escravos da África. Os espanhóis e portugueses, primeiro e depois inglês, holandês e francês, foram os mais ativos nesse tráfico de pessoas.

Escravidão na América: casa, lugares e destinos, abolição 1

Fonte: Jean-Baptiste Debret [Domínio público ou CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Os escravos indígenas foram designados para trabalhar nas minas e nas propriedades agrícolas da maior parte do continente. Por outro lado, os africanos foram levados principalmente para o Caribe, o Brasil e o que é hoje os Estados Unidos.

A abolição da escravidão ocorreu principalmente durante o século XIX. Na América Latina, as leis que o proibiam foram promulgadas, em muitas ocasiões, logo após a independência dos países. Por seu lado, nos Estados Unidos a reivindicação de eliminar a escravidão acabou causando guerra civil.

Página inicial

Embora a figura da escravidão já existisse nos Estados Unidos antes da chegada dos conquistadores, considera-se que seu número aumentou exponencialmente após a descoberta.

Os espanhóis logo começaram a usar os índios capturados para trabalhar duro. Mais tarde, eles começaram a usar africanos nascidos em seu continente.

Os espanhóis foram imediatamente acompanhados por português, inglês ou francês. Em geral, todos os poderes colonizadores participaram desse tráfico de seres humanos. Curiosamente, a Coroa Espanhola promulgou leis contra a escravização de povos indígenas, mas em muitas ocasiões eles foram violados no terreno.

O cálculo dos africanos usados ​​como escravos na América é complicado. Algumas fontes afirmam que entre 1501 e 1641, cerca de 620.000 foram transferidas da África.

Indígena

Os espanhóis tiveram que submeter os povos indígenas militarmente para dominar suas terras. Cada batalha deixou um número significativo de prisioneiros que, na maioria dos casos, se tornaram os primeiros escravos.

De fato, sabe-se que a primeira atividade comercial de Cristóvão Colombo após a descoberta foi enviar 550 escravos para a Europa para leilão.

Os índios taínos de Hispaniola foram os primeiros a sofrer esse destino, embora os espanhóis normalmente agissem menos diretamente. Assim, muitas vezes preferiram que os índios pagassem impostos em ouro ou os enviassem para trabalhar nas parcelas.

Lembre-se de que a rainha espanhola Isabel de Castilla já havia promulgado uma lei em 1477 que proibia a escravidão. Mais tarde, essa posição tornou-se clara novamente em diferentes regulamentos.

Assim, quando os primeiros navios chegaram ao novo continente, em 1492, e antes do início da prática de escravos, a rainha consultou teólogos e juristas sobre o que fazer.

O resultado foi a proibição de tal prática, com exceção de que serviu para condenar tribos canibais, beligerantes etc. Isso deixou uma brecha aproveitada por muitos colonos.

Escravidão oculta

Como observado acima, a Espanha foi a primeira potência que proibiu a escravidão, embora apenas dos indígenas. Estes foram protegidos por leis emitidas em 1542, que eliminaram exceções para os rebeldes.

No entanto, isso não significava que os colonos da América Latina parassem de usar escravos indígenas. Apesar da proibição, os proprietários de encomendas continuaram a usar mão-de-obra nativa de graça.

Alguns, como Frei Bartolomé de las Casas ou Frei Antonio de Montesinos, denunciaram essas práticas e conseguiram ser ouvidos pelo rei espanhol Carlos V.

Malocas

As Novas Leis, promulgadas por Carlos V em 1542, proibiam estritamente a escravidão dos nativos. Isso não impediu os espanhóis de realizar expedições armadas em algumas áreas para capturar nativos para escravizá-los. Esses novos escravos eram chamados de malocas.

O rei espanhol também tentou resolver os abusos ocorridos nas parcelas. Por isso, ele proibiu a criação de qualquer, mas não suprimiu o hereditário.

Africanos

Espanhol e português aproveitaram seu controle marítimo para estabelecer rotas de escravos africanos para a América. As primeiras rotas levavam de Arguin ou as ilhas de Cabo Verde a São Tomé e San Jorge de la Muna.

O rei de Portugal aproveitou a chamada Casa dos Escravos e, por outro lado, os espanhóis venderam licenças para permitir escravos negros. Somente no século XVI, mais de 120.000 dessas licenças foram concedidas.

Na América, houve várias epidemias que reduziram o número de povos indígenas. Enquanto isso, a demanda por trabalho não parou de crescer. A solução foi aumentar o número de escravos africanos.

O próprio Frei Bartolomé de las Casas, defensor dos nativos, propôs sua substituição pelos africanos. Mais tarde, ele mudou de idéia e começou a escrever para a libertação de todos os tipos de escravos, independentemente de sua origem.

Relacionado:  Povos pré-hispânicos: mesoamericanos, aridoamericanos, sul-americanos

Assentos

No início do século XVI, o comércio de escravos na África começou na direção da América. O ano chave nesse aspecto foi 1518, quando a coroa de Castela concedeu a primeira licença. Com isso, foi dada permissão para vender 4000 escravos nas Índias por oito anos. Assim, os chamados “assentos pretos” foram inaugurados.

A partir desse momento, o comércio de escravos se tornou uma importante fonte de renda para a Europa. Além disso, além desse comércio oficial, o contrabando de escravos realizado por piratas e comerciantes também começou.

Em meados da segunda década do século XVI, o rei português Juan III assinou um acordo com o da Espanha, Carlos I. Com essa assinatura, a Espanha autorizou os portugueses a enviar escravos de Santo Tomás. O tráfego aumentou ainda mais com a união conjuntural entre os dois países europeus em 1580, sob o reinado de Filipe II.

A coroa organizava o tráfego através dos assentos. Estes consistiram em autorizar uma pessoa privada (ou uma entidade privada) a realizar o comércio de escravos. Por meio de um leilão, qualquer um poderia optar por um assento, pagando à Coroa um valor acordado.

Estados Unidos

Enquanto tudo isso acontecia na América Latina, nos Estados Unidos o desenvolvimento da escravidão era um pouco diferente. Seu início já ocorreu durante a era colonial britânica, sendo reconhecido pelas Treze Colônias quando a independência chegou em 1776.

Foi a partir dessa data que cresceu o número de escravos, principalmente os africanos. No entanto, a situação era muito diferente, dependendo da área do país recém-criado.

Assim, os estados do norte começaram a promulgar leis abolicionistas, mas os do sul, com uma economia muito agrária, mantiveram o sistema escravo.

Além disso, os sulistas tentaram estender seu sistema aos novos territórios ocidentais. Dessa maneira, em alguns anos, os Estados Unidos se viram fortemente divididos nesse aspecto: um escravo escravo sul e norte contrários a essa prática.

Estima-se que o número de escravos africanos possa ser de cerca de 4 milhões antes de ser completamente banido.

Lugares e destinos de escravos

Segundo os historiadores, os frades franciscanos e a Audiência Real de Santo Domingo foram os primeiros a solicitar escravos para trabalhar nas plantações. Depois disso, a escravidão se espalhou pelo México, Peru e Rio da Prata.

Os indígenas estavam destinados a trabalhar nas minas, sempre com grande demanda de mão-de-obra. Eles também tiveram que lidar com boa parte do trabalho agrícola.

Nesse sentido, destaca-se o estabelecimento das encomiendas, que, segundo regras teoricamente não escravistas, obrigaram-nos a trabalhar gratuitamente e, na prática, vincularam esses trabalhadores aos proprietários.

Crianças e mulheres indígenas

Um professor mexicano da Universidade da Califórnia, Andrés Reséndez, conduziu há alguns anos uma investigação sobre a escravidão dos nativos que encontraram descobertas surpreendentes. Assim, consultando documentos antigos, ele descobriu que havia mais escravos entre mulheres e crianças do que entre homens.

No caso das mulheres, a explicação era que a maioria dos colonos eram homens. Por esse motivo, houve a captura de muitos povos indígenas, que foram explorados sexualmente. Além disso, eles eram usados ​​para tarefas domésticas, como escravos domésticos.

Quanto aos filhos, parece que a intenção era criá-los para que se adaptassem à condição de criados. Eles eram mais moldáveis ​​que os adultos e, portanto, mais fáceis de manusear.

Escravos africanos

A falta de mão de obra indígena e as tentativas de abolir a escravidão pela Coroa de Castill fizeram com que os colonos procurassem novas alternativas. A solução foi a introdução de escravos africanos no novo continente.

A princípio, os espanhóis levaram esses escravos para os territórios do Caribe. Em vez disso, eles não conseguiram usá-los nas minas de prata das montanhas, uma vez que os africanos não se adaptaram àqueles locais altos.

Com o tempo, essa força de trabalho escrava foi usada em grandes plantações de algodão, tabaco ou cana-de-açúcar. Da mesma forma, os mais ricos costumavam usá-los no serviço doméstico.

Brasil e Estados Unidos

Juntamente com os espanhóis, a outra potência colonial que começou a usar escravos africanos era Portugal. Depois de conquistar o Brasil, os portugueses precisavam de trabalho para trabalhar nas minas e nos campos. Para resolvê-los, eles começaram a traficar com seres humanos de suas colônias na África.

Juntamente com eles, os holandeses também entraram nesse negócio. Foram eles que levaram os primeiros escravos para a margem sul dos atuais Estados Unidos em 1619. Mais tarde, os ingleses seguiram a mesma prática.

Rio da Prata

Basta olhar para a atual composição demográfica dos países da América Latina para ver os lugares onde mais escravos africanos chegaram. No entanto, há um caso que não corresponde a essa composição: o Rio da Prata.

Os historiadores afirmam que, em 1778, havia cerca de 7.000 africanos em Buenos Aires, 29% da população total. Essa proporção aumentou um pouco em 1806, quando atingiram 30% de todos os habitantes.

Os números começaram a declinar gradualmente durante a primeira metade do século XIX, embora sem grandes mudanças. No entanto, um novo censo realizado em 1887 mostrou que a população africana havia diminuído para apenas 1,8% da população.

As teorias sobre essa queda são diversas, sem nenhuma confirmação. As reivindicações mais comuns morreram muito durante a guerra contra o Brasil e o Paraguai. Outra falha nas epidemias, como a febre amarela de 1871, que afetou mais os setores mais desfavorecidos.

Relacionado:  Lucas Alamán: Biografia e Contribuições

Abolição

A abolição da escravidão na América ocorreu durante o século XIX, muitas vezes ligada aos diferentes processos de independência.

México

Um dos primeiros que propôs a abolição da escravidão foi Miguel Hidalgo , um herói da independência mexicana. Logo após, nos primeiros meses da guerra contra o vice – reinado da Nova Espanha , os independenteistas promulgaram uma lei que proibia qualquer tipo de escravidão.

Quando a guerra terminou, com o nascimento do México independente, Guadalupe Victoria e Vicente Guerrero ratificaram a abolição por meio de dois decretos emitidos em 1824 e 1829, respectivamente.

Chile, Rio da Prata e Uruguai

A lei que decreta “liberdade de útero” foi aprovada no Chile em setembro de 1811. Por meio dela, os filhos de escravos nasceram como homens livres. Em 1823, a Constituição do país estabeleceu a abolição definitiva dessa prática.

Por seu turno, as Províncias Unidas do Rio da Prata deram o primeiro passo para a abolição em 1813, aprovando a “lei das barrigas”. O próximo passo foi esperar até 1853, quando a proibição da escravidão se refletiu na Constituição.

Algo semelhante aconteceu no Uruguai. Primeiro, em 1830, ele estabeleceu a “liberdade dos úteros” e, em 1842, a total abolição da escravidão.

Nova Granada e América Central

A atual Colômbia e Panamá foram então unidas sob o nome de Nueva Granada . O Caribe colombiano era um dos lugares com mais escravos africanos, portanto, não é de surpreender que, já em 1810, uma iniciativa tentasse abolir a escravidão em Cartagena das Índias.

O passo seguinte foi responsabilidade de Simón Bolívar, que, em 1816, libertou todos os escravos que se alistaram em suas fileiras. Em 1821, foi decretada uma lei de “liberdade de barriga” e, em 1823, Nova Granada proibiu o comércio de escravos. A abolição total ocorreu em 1851.

Enquanto isso, as Províncias Unidas da América Central (Costa Rica, El Salvador, Nicarágua, Honduras e Guatemala) aprovaram a lei contra a escravidão em 1824.

Paraguai

A legislação anti-escravidão no Paraguai passou por diferentes estágios. O país, mesmo antes da abolição, havia se tornado um refúgio para os escravos que fugiam do Brasil, mas em 1828 a situação mudou completamente.

Naquele ano, foi criada a chamada escravidão estatal, uma agência responsável pela compra e venda de escravos em todo o país.

Até a morte do ditador Rodríguez de Francia, uma lei de “Liberdade de ventre” não era promulgada para alguns escravos e somente após os 25 anos. De fato, durante a Guerra da Tríplice Aliança, o Paraguai alistou 6.000 escravos negros.

Não foi até 1869 quando a escravidão foi completamente abolida. Naquela data, restavam apenas 450 escravos no país. O resto morreu durante a guerra e por outros motivos.

Peru e Equador

O Peru aboliu a escravidão em 1854 usando um novo método. Assim, o estado comprou todos os escravos e os libertou. Por outro lado, no Equador a escravidão foi abolida em 1851.

Brasil

Entre todos os países latino-americanos, o Brasil foi o que mais utilizou escravos africanos. Por esse motivo, a abolição ocorreu mais tarde do que em outros países do continente.

Em 28 de setembro de 1871, a “lei da barriga” foi promulgada. Ao contrário do que foi publicado em outros lugares, é permitido que os donos dos filhos dos escravos mantenham sua tutela até que completem 21 anos.

Nove anos depois, em 1880, um grupo de intelectuais, jornalistas e advogados criou a chamada Sociedade Brasileira contra a Escravidão, com a intenção de pressionar o imperador a aboli-lo. Seu primeiro sucesso ocorreu cinco anos depois, quando escravos com mais de 65 anos foram libertados.

Finalmente, em 13 de maio de 1888, a Lei de Ouro foi promulgada que aboliu a prática da escravidão.

Estados Unidos

A independência dos Estados Unidos levou a parte de seu território, os estados do norte, a começar a promulgar leis abolicionistas. No entanto, aqueles no sul mantiveram o sistema, muito benéfico para sua economia principalmente agrícola.

O tráfico de escravos da África foi proibido em 1808, mas não o tráfico interno. Isso permitiu que a população escrava crescesse nos estados do sul.

A situação, com o país dividido por essa questão, eclodiu na segunda metade do século XIX. O sul proclamou seu direito de manter a escravidão e o norte, após a vitória de Lincoln, nas eleições de 1860, exigiu sua abolição.

A ruptura entre as duas partes do país acabou causando a Guerra Civil, com os estados do sul buscando a independência do norte. A vitória do lado sindicalista acabou com a escravidão. Isso se refletiu na Constituição quando a Décima Terceira Emenda foi incorporada em 1865, revogando essa prática.

Referências

  1. Garcia, Jacobo. Escravidão indígena não contada. Obtido em elpais.com
  2. História e Biografias História dos escravos na América colonial. Obtido em historiaybiografias.com
  3. Canal Histórico Povos nativos: os primeiros escravos da América Latina. Obtido em mx.tuhistory.com
  4. Lynch, Hollis. Escravidão nos Estados Unidos. Obtido em britannica.com
  5. Nem mesmo o passado. Escravidão e raça na América Latina colonial. Obtido em notevenpast.org
  6. Gale, Thomas. Escravos em fuga na América Latina e no Caribe. Obtido em encyclopedia.com
  7. A Fundação Colonial de Williamsburg. Escravidão nas Américas. Obtido em slaveryandremembrance.org
  8. Museu Internacional da Escravidão. Abolição da escravidão nas Américas. Obtido em liverpoolmuseums.org.uk

Deixe um comentário