Estuário: características, localização, flora, fauna, clima, exemplos

Os estuários são ecossistemas costeiros únicos e diversificados que se formam na foz de rios, onde a água doce se mistura com a água do mar. Essas áreas possuem características únicas, como a presença de uma grande diversidade de vida marinha e terrestre, além de desempenharem um papel crucial na regulação do clima e na proteção da costa contra a erosão.

Localizados em regiões de transição entre ambientes terrestres e marinhos, os estuários são encontrados em diversas partes do mundo, como a Baía de Chesapeake, nos Estados Unidos, o Estuário do Tejo, em Portugal, e o Delta do Rio Ganges, na Índia.

A flora dos estuários é composta por plantas adaptadas às condições de salinidade variável, como gramíneas, mangues e algas. Já a fauna inclui uma grande variedade de peixes, crustáceos, aves migratórias e mamíferos marinhos, que utilizam esses ambientes para se reproduzir, se alimentar e se abrigar.

O clima nos estuários varia de acordo com a região, mas geralmente apresenta temperaturas amenas e índices pluviométricos elevados, devido à proximidade com o mar e à influência das correntes oceânicas.

Em suma, os estuários são ecossistemas vitais para a biodiversidade e para a manutenção do equilíbrio ambiental, desempenhando um papel fundamental na saúde dos ecossistemas marinhos e na sustentabilidade das comunidades locais.

Significado e características do estuário na disciplina de Geografia: uma explicação completa.

Um estuário é um ambiente costeiro de transição entre um rio de água doce e o oceano, onde a água doce se mistura com a água salgada. Este ecossistema único é influenciado pelas marés e pela ação das correntes, o que resulta em características específicas que o distinguem de outros ambientes aquáticos.

Características do estuário:

Os estuários são caracterizados por uma grande diversidade de vida marinha, devido à mistura de água doce e salgada. Além disso, apresentam uma variabilidade de salinidade ao longo do dia devido às marés. A vegetação predominante nos estuários são os manguezais, que conseguem sobreviver em ambientes salinos. A presença de lama e sedimentos é comum, formando bancos de lodo que abrigam uma abundante vida microscópica.

Localização e clima:

Os estuários podem ser encontrados em diversas partes do mundo, principalmente em regiões de clima temperado e subtropical. Eles são formados em áreas onde rios deságuam no oceano, criando assim essa zona de transição. O clima nos estuários varia de acordo com a região geográfica, mas geralmente são influenciados pela proximidade com o mar e pela presença de correntes oceânicas.

Flora e fauna:

A flora e fauna dos estuários são muito diversificadas, devido às condições únicas desse ambiente. Além dos manguezais, é possível encontrar uma grande variedade de peixes, crustáceos, aves e mamíferos marinhos que dependem dos estuários para se alimentar e se reproduzir. As plantas aquáticas também desempenham um papel fundamental na manutenção da biodiversidade nesse ecossistema.

Exemplos de estuários:

Alguns exemplos de estuários famosos incluem o estuário do Rio Amazonas, no Brasil, o estuário do Rio Ganges, na Índia, e o estuário do Rio Tâmisa, na Inglaterra. Esses locais são importantes não apenas pela sua biodiversidade, mas também pela sua importância econômica e social para as comunidades locais.

Sua importância ecológica, econômica e social fazem deles áreas de grande interesse para estudos e conservação ambiental.

Uma das principais características dos ambientes estuarinos: a mistura de água doce e salgada.

Os estuários são ambientes únicos que se formam pela interação entre rios e mares, caracterizados pela mistura de água doce e salgada. Essa mistura cria condições especiais que favorecem uma grande diversidade de vida marinha, tornando os estuários ecossistemas ricos e produtivos.

Essa mistura de água doce e salgada nos estuários é resultado da influência das marés e da foz dos rios, que trazem água doce carregada de nutrientes para o ambiente marinho. Essa combinação de águas cria gradientes de salinidade e temperatura, que influenciam diretamente a distribuição e o comportamento das espécies que habitam o estuário.

Além da mistura de água doce e salgada, os estuários também são conhecidos pela sua importância como áreas de reprodução, alimentação e abrigo para diversas espécies de flora e fauna. As condições de água calma e protegida dos estuários oferecem um ambiente propício para o desenvolvimento de peixes, crustáceos, aves e plantas aquáticas.

Portanto, a mistura de água doce e salgada é uma das principais características dos estuários, contribuindo para a sua biodiversidade e produtividade. É essencial proteger e preservar esses ambientes, garantindo a sua importância para o equilíbrio ecológico e o bem-estar das comunidades que dependem deles.

Relacionado:  O que é o prato da América do Sul? Características principais

Conheça os diferentes tipos de animais que habitam no ecossistema do estuário marinho.

O estuário marinho é um ecossistema único que abriga uma grande diversidade de animais. Entre os diferentes tipos de animais que habitam nesse ambiente, podemos destacar os peixes, aves, crustáceos e mamíferos marinhos.

Os peixes são uma parte importante do ecossistema do estuário, sendo encontrados uma variedade de espécies como robalos, tainhas e linguados. Eles são essenciais para a cadeia alimentar e contribuem para a biodiversidade do local.

As aves também são comuns no estuário marinho, sendo possível observar garças, gaivotas e flamingos. Elas utilizam o estuário como local de alimentação e descanso, sendo essenciais para o equilíbrio do ecossistema.

Os crustáceos, como caranguejos e camarões, são outro grupo de animais que habitam o estuário marinho. Eles desempenham um papel importante na cadeia alimentar, sendo uma fonte de alimento para outros animais.

Por fim, os mamíferos marinhos, como golfinhos e focas, também podem ser encontrados no estuário. Eles utilizam o local como área de reprodução e alimentação, contribuindo para a riqueza da fauna do ecossistema.

Entendendo o ambiente estuarino: características e importância para a biodiversidade marinha.

Os estuários são ambientes únicos que se formam pela mistura de água doce de rios com água salgada do mar. Eles são caracterizados por uma grande variedade de flora e fauna, e desempenham um papel fundamental na biodiversidade marinha.

Localizados em regiões costeiras, os estuários são frequentemente abrigados por barreiras naturais, como ilhas ou penínsulas. Isso cria condições ideais para o desenvolvimento de ecossistemas diversificados e ricos em nutrientes.

A flora dos estuários é composta por plantas adaptadas a ambientes salinos, como manguezais e gramíneas aquáticas. Essas plantas desempenham um papel crucial na estabilização do solo e na filtragem de poluentes.

A fauna dos estuários é igualmente diversificada, com uma variedade de peixes, crustáceos, aves e mamíferos marinhos que dependem desse ambiente para se reproduzir e se alimentar. Espécies como o caranguejo-ferradura e o peixe-espátula são exemplos de animais encontrados em estuários.

O clima nos estuários é influenciado pela proximidade com o mar e pelos padrões de vento e correntes. Isso cria um ambiente dinâmico e em constante mudança, que favorece a vida marinha.

Alguns exemplos de estuários famosos incluem o estuário do Rio Amazonas, no Brasil, e o estuário do Rio Ganges, na Índia. Esses locais são conhecidos por sua rica biodiversidade e importância para a pesca e o turismo.

Proteger esses ecossistemas é fundamental para garantir a saúde dos oceanos e a sustentabilidade das comunidades costeiras.

Estuário: características, localização, flora, fauna, clima, exemplos

Estuário: características, localização, flora, fauna, clima, exemplos

Um estuário é um acidente geomorfológico que compõe um ecossistema localizado na foz de um grande rio no mar. É identificado pela existência de uma única saída para o mar, com forte influência das marés que impedem a sedimentação.

O que define o estuário é a dinâmica que é estabelecida entre a água doce do rio e a água salgada do mar. O ecossistema resultante atende às características dos ecossistemas ribeirinho (rio) e marinho.

Os estuários são encontrados em todas as costas do mundo, onde um grande rio deságua sob marés fortes. É considerado um bioma de grande importância, devido à diversidade de ecossistemas que gera.

Nos estuários localizados em zonas tropicais e subtropicais, se desenvolvem manguezais e prados subaquáticos. A fauna abriga uma grande variedade de peixes, tartarugas aquáticas, crustáceos, moluscos e mamíferos marinhos, como os golfinhos do rio.

O clima dos estuários é variável, dependendo da latitude em que se encontra, e pode ocorrer em climas tropicais, temperados ou frios. No entanto, devido à sua condição costeira, seu clima é temperado pela influência da massa oceânica.

A produtividade no estuário é alta devido aos diferentes ambientes aquáticos que abriga e à carga de nutrientes fornecida pelo rio. Neles estão algumas das áreas de pesca mais importantes.

Alguns exemplos de estuários são o rio La Plata, entre Argentina e Uruguai, e o estuário de Guadalquivir, na Espanha.

Características do estuário

O estuário é uma zona de transição entre um rio de grande fluxo e profundidade e o mar, onde as marés determinam a dinâmica hidrológica. A forma clara e aberta, com um único canal de saída que caracteriza o estuário, deve-se às marés.

Nesta área, as marés são fortes e, quando sobem, retêm a água do rio, deixando fluir ao se retirar, impedindo assim a sedimentação. Isso o diferencia dos deltas onde o rio acumula sedimentos que formam os canais característicos com várias bocas.

As marés

A maré é o movimento de subida e descida experimentado pelas águas marinhas antes da atração gravitacional do Sol e da Lua. Esse fluxo (subida) e vazante (descida) das águas marinhas ocorre a cada 6 horas, ou seja, duas vezes ao dia.

Maré alta e baixa

A maré alta é o ponto máximo de altura atingido pela maré em uma determinada área, bem como a duração desse fenômeno. Enquanto a maré baixa é o ponto mais baixo do nível do mar atingido no fluxo da maré.

Dinâmica no estuário

Durante a maré alta, o aumento das águas marinhas em direção ao continente pressiona as águas dos rios que avançam para esvaziar. Esta força das águas marinhas retém as águas do rio, pelo que o canal na abertura se alarga.

Da mesma forma, causa transbordamento, formando pântanos (pântanos de água salgada). Então, quando as águas marinhas recuam na maré baixa, as águas do rio avançam fortemente em direção ao mar.

O fluxo atingido pelo rio, a força da maré e a direção e velocidade dos ventos também afetam essa dinâmica. Por exemplo, se o fluxo do rio for baixo, a ação da maré domina e a salinidade da água será máxima.

Gradiente de salinidade

No estuário, há um gradiente dinâmico de salinidade, com áreas onde há mais água doce e outras onde a água salgada domina. Este é um produto da interação da água doce do rio com a água do mar.

Zoneamento e estratificação

O gradiente de salinidade ocorre horizontal e verticalmente. Portanto, há água doce em direção à entrada do rio e água salgada no mar, com uma zona estuarina intermediária de salinidade média.

Por outro lado, dada a diferença de densidade entre água doce e salgada, diferentes camadas são apresentadas. Como a água doce é menos densa, ela tende a ocupar a camada superior, enquanto a água salgada forma a camada inferior do estuário.

Essas camadas se movem em direções opostas, onde a água doce vai para o mar e a água salgada tende a penetrar no interior.

Produtividade

Devido à contribuição de nutrientes transportados pelo rio, os estuários são muito produtivos, atraindo um grande número de espécies marinhas, fluviais e terrestres. Em alguns estuários, a contribuição da água doce com nutrientes é considerável, como a do rio La Plata, onde os rios Paraná e Uruguai fornecem 20.000  m 3 / s.

Tipos de estuários

Dada a complexidade dos fatores marinhos e fluviais que atuam, vários tipos de estuários aparecem.

Pela largura de suas marés

Fala-se de estuários de micro-marés quando a diferença de altura entre a maré alta e a maré baixa é inferior a 2 m. Enquanto no mesomareales a diferença é de 2 a 4 me no macromareales entre 4 e 6 m.

Da mesma forma, existem estuários hipertensos em que a diferença entre as marés alta e baixa é superior a 6m.

Devido à sua topografia (forma da terra)

Tendo em conta o relevo costeiro no estuário, são apresentados estuários de planícies costeiras, fiordes e estuários de barreira. Os primeiros são formados pela inundação do vale em que a boca ocorre.

Estes estuários das planícies costeiras têm a forma de um funil em direção ao mar e uma profundidade não superior a 30 m, exceto em direção à foz. Se o vale costeiro é inundado pelo mar em vez do rio, forma-se um estuário.

Os fiordes ocorrem em regiões cobertas de gelo no Pleistoceno. O peso dessas massas de gelo escavava vales preexistentes, tornando-os estreitos, profundos e de forma retangular, com paredes quase verticais.

Por sua vez, os estuários de barreira são semelhantes aos da planície costeira, mas a sedimentação formou uma barreira transversal na boca.

Estuários tectônicos

Também existem estuários causados ​​por movimentos tectônicos, por exemplo, levantamentos de terra. Por exemplo, o estuário que constitui a Baía de São Francisco nos Estados Unidos.

Localização

Os estuários estão localizados na foz de grandes rios nas costas de todos os continentes.

Flora

Como o estuário é um ecossistema definido por características geomorfológicas e hidrológicas, presente em diferentes latitudes, a flora varia muito de um para o outro. Em todos os casos, plantas de pântano e halófitas são frequentes.

Por outro lado, os estuários abrigam vários ecossistemas associados a suas próprias espécies, como manguezais, prados subaquáticos, planícies de maré e pântanos enlameados. Por exemplo, os campos de Spartina são comuns nos pântanos de zonas temperadas , combinados com diferentes espécies de algas.

Relacionado:  Os 6 recursos naturais mais importantes de Chihuahua

Manguezais e prados subaquáticos

Nos estuários localizados em zonas tropicais e subtropicais, cujas águas não ultrapassam 20 ºC, o ecossistema de mangue se desenvolve em suas costas. Da mesma forma, você pode encontrar pradarias submersas de ervas aquáticas, como Thalassia e Zostera .

Animais selvagens

Assim como na flora, a fauna varia dependendo de onde o estuário ocorre, seja de latitude tropical, temperada ou fria. Um animal de destaque em muitos estuários tropicais e subtropicais é o golfinho do rio, dos quais existem quatro gêneros (superfamília Platanistoidea).

Pássaros

Um grupo abundante nas áreas estuarinas são aves, com várias espécies de aves marinhas associadas. Entre estes estão o albatroz ( Morus bassanus ) e a gaivota (família Laridae).

Em geral, as espécies aquáticas mais abundantes são as euryhalina, ou seja, aquelas que suportam grandes variações na salinidade. Isso é natural se considerarmos as diferenças desse fator ao longo do estuário.

Por outro lado, existem muitas espécies de peixes, tartarugas, crustáceos e moluscos, tanto fluviais quanto marinhos.

Área de reprodução

Para algumas espécies marinhas, o estuário constitui uma área para o desenvolvimento de suas larvas que sobem o rio e retornam ao mar quando adultos. É o caso do sável do Atlântico ( Brevoortia tyrannus ), um peixe do grupo arenque.

Clima

Os estuários podem se originar em qualquer clima, tanto em regiões tropicais, temperadas quanto frias, dependendo da latitude em que são encontrados. Mas, devido ao seu caráter costeiro, seu clima é temperado pela influência de massas oceânicas.

De tal maneira que, mesmo em uma zona fria, seu clima será menos extremo do que o característico clima interior.

Exemplos de estuários no mundo

– estuário do rio La Plata (Argentina e Uruguai)

Este estuário emerge na foz dos rios Paraná e Uruguai, no Atlântico, entre Argentina e Uruguai. É uma das maiores do mundo, com 40 km de largura em sua zona interna e 200 km em sua zona externa.

Nas suas costas existem pântanos povoados por espécies de Spartina e outras plantas que sustentam a salinidade (halófitos).

Clima

Tem um clima temperado temperado pela incidência da massa oceânica do Atlântico ocidental.

Animais selvagens

O golfinho do rio chamado franciscano ou golfinho de prata ( Pontoporia blainvillei ) é típico de suas águas e o golfinho ( Tursiops gephyreus) também está localizado . Por outro lado, existem várias espécies de tartarugas aquáticas, como a tartaruga de sete quilhas ( Dermochelys coriacea ) e a tartaruga de cabeça grande ( Caretta caretta ).

Entre os peixes são reconhecidas 72 espécies, entre elas a anchova ( Engraulis anchoita ) e a corvina branca ( Micropogonias furnieri ).

– Estuário de Guadalquivir (Espanha)

Forma-se na foz do rio Guadalquivir, na província de Andaluzia, Espanha, perto da cidade de Sevilha. Nos tempos antigos, o estuário se abria para uma lagoa ou golfo (golfo tartessiano ou Lacus Ligustinus ), que se estabeleceram.

Os chamados pântanos de Guadalquivir, parte da reserva de Doñana, foram estabelecidos nesses sedimentos pantanosos.

Gramíneas halófitas, como espartilhos ( Spartina spp.), Dominam neste ecossistema . Árvores como azinheira ( Quercus rotundifolia ) e álamo branco ( Populus alba ) também são encontradas em suas margens .

Clima

A área do estuário de Guadalquivir está sujeita a um clima oceânico no Mediterrâneo, com verões quentes e invernos amenos.

Animais selvagens

Os peixes são abundantes, como a enguia ( Anguilla anguilla ), o jarabugo ( Anaecypris hispanica ), a bolota ( Cobitis paludica ) e a truta comum ( Salmo trutta ). Enquanto o lince ibérico ( Lynx pardinus ), o veado ( Capreolus capreolus ) e o javali ( Sus scrofa ) são encontrados nas fazendas vizinhas .

Da mesma forma, abundam pássaros como a águia imperial ibérica ( Aquila adalberti ), a malva-de-cabeça-branca ( Oxyura leucocephala ) e o flamingo ( Phoenicopterus roseus ).

Referências

  1. Boschi, E. (1987). O ecossistema estuarial do Rio da Prata (ARGENTINA E Uruguai). Anais do Instituto de Ciências Marinhas e Limnologia.
  2. Calow P (Ed.) (1998). A enciclopédia de ecologia e gestão ambiental.
  3. Cole, S. (1998). O surgimento de zonas úmidas de tratamento. Ciência e Tecnologia Ambiental.
  4. Convenção RAMSAR (vista em 21 de setembro de 2019). ramsar.org/es
  5. Cowardin, LM, Carter, V., Golet, FC e LaRoe, ET (1979). Classificação de zonas úmidas e habitats em águas profundas dos Estados Unidos.
  6. Malvárez AI e Bó RF (2004). Documentos da oficina do curso “Bases ecológicas para a classificação e inventário de áreas úmidas na Argentina”.
  7. Secretaria da Convenção de Ramsar (2016). Introdução à Convenção sobre Áreas Úmidas.
  8. World Wild Life (Ver 26 de março de 2020). worldwildlife.org ›ecorregiões

Deixe um comentário