Éter de petróleo ou benzina: fórmula, estrutura, usos

O éter de petróleo, também conhecido como benzina, é um líquido incolor, inflamável e volátil, com uma fórmula molecular de C6H6. Sua estrutura é composta por uma cadeia de seis átomos de carbono ligados a átomos de hidrogênio, sendo um composto aromático. O éter de petróleo é amplamente utilizado em laboratórios químicos como solvente para a extração de substâncias orgânicas, na indústria farmacêutica para a produção de medicamentos e na indústria de tintas e vernizes. Além disso, é utilizado como combustível para motores de combustão interna em algumas regiões do mundo. Devido à sua inflamabilidade, é importante manuseá-lo com cuidado e seguir as medidas de segurança adequadas.

Utilizações do éter de petróleo na indústria e em laboratórios químicos.

O éter de petróleo, também conhecido como benzina, é um líquido incolor e inflamável com diversas aplicações na indústria e em laboratórios químicos. Sua fórmula química é C6H14 e sua estrutura molecular consiste em uma cadeia de átomos de carbono e hidrogênio.

Na indústria, o éter de petróleo é amplamente utilizado como solvente em processos de extração de óleos, graxas e resinas. Ele também é empregado na fabricação de tintas, vernizes e adesivos, devido à sua capacidade de dissolver diversas substâncias orgânicas. Além disso, o éter de petróleo é utilizado como diluente em formulações de produtos químicos e farmacêuticos.

Em laboratórios químicos, o éter de petróleo é frequentemente utilizado como solvente para reações de síntese orgânica, extração de compostos e purificação de substâncias. Sua baixa polaridade e alta volatilidade o tornam uma escolha ideal em diversas aplicações laboratoriais. Além disso, o éter de petróleo é empregado na limpeza de equipamentos e na conservação de amostras sensíveis à umidade.

Sua utilização contribui para a eficiência e qualidade de processos químicos e experimentos científicos.

Qual é a utilidade da Benzina?

A Benzina, também conhecida como éter de petróleo, é um líquido incolor e inflamável que é amplamente utilizado em diversas aplicações. Sua fórmula química é C6H6 e sua estrutura molecular é composta por seis átomos de carbono e seis átomos de hidrogênio.

A principal utilidade da Benzina está relacionada ao seu poder solvente, sendo utilizada como solvente em diferentes processos industriais, como na fabricação de tintas, vernizes, adesivos e produtos de limpeza. Além disso, também é utilizada como solvente em laboratórios químicos e na indústria farmacêutica.

Outro uso importante da Benzina é como combustível, sendo utilizada em motores de combustão interna, especialmente em motores de dois tempos, como os usados em motosserras, cortadores de grama e motocicletas. Sua alta octanagem a torna uma opção viável para o uso em motores de alta compressão.

Por fim, a Benzina também é utilizada na indústria de borrachas e plásticos, como agente de vulcanização e como matéria-prima na produção de polímeros. Sua versatilidade e propriedades químicas fazem dela um componente essencial em diversos setores da indústria.

Sua versatilidade e eficiência a tornam um componente fundamental em diversos processos industriais.

Locais adequados para aplicar benzina em diferentes situações e materiais específicos.

O éter de petróleo, também conhecido como benzina, é um líquido inflamável e volátil com muitos usos industriais e domésticos. Sua fórmula química é C6H6 e sua estrutura molecular consiste em um anel de seis átomos de carbono ligados a átomos de hidrogênio. A benzina é frequentemente utilizada como solvente em tintas, vernizes, colas e na limpeza de peças metálicas.

Relacionado:  Tetracloreto de carbono (CCl4): estrutura, propriedades, usos

É importante aplicar benzina em locais adequados para garantir a segurança e eficácia do seu uso. Em superfícies de metal, como ferramentas e peças de máquinas, a benzina pode ser aplicada em áreas bem ventiladas, longe de chamas abertas ou faíscas, para remover óleos e graxas. Em casos de derramamentos de tintas ou vernizes à base de óleo, a benzina pode ser utilizada para limpar as manchas, desde que a área seja ventilada e segura contra incêndios.

Para limpar superfícies de plástico ou borracha, é importante testar a compatibilidade da benzina com o material, pois ela pode danificar certos tipos de plásticos. Em caso de dúvida, é recomendável consultar o fabricante do material ou realizar um teste em uma pequena área discreta. A benzina também pode ser usada para remover adesivos teimosos de superfícies de vidro, metal ou cerâmica.

Em situações de emergência, a benzina pode ser usada como agente de limpeza ou desengordurante em motores de veículos automotivos. No entanto, é essencial seguir as precauções de segurança recomendadas e evitar o contato direto com a pele ou inalação dos vapores. Em caso de contato com a pele, é importante lavar a área afetada com água e sabão e procurar assistência médica se ocorrer irritação.

Seguindo as precauções recomendadas e testando a compatibilidade com os materiais, é possível aproveitar os benefícios da benzina sem riscos desnecessários.

Benzina e benzeno: entenda as distinções entre esses compostos químicos importantes.

A benzina e o benzeno são dois compostos químicos importantes que possuem diferenças significativas em suas estruturas e propriedades. A benzina, também conhecida como éter de petróleo, é uma mistura de hidrocarbonetos que pode ser obtida a partir do petróleo bruto. Por outro lado, o benzeno é um composto aromático formado por um anel de seis átomos de carbono ligados a átomos de hidrogênio.

Uma das principais distinções entre a benzina e o benzeno é a sua estrutura molecular. Enquanto a benzina é uma mistura de hidrocarbonetos alifáticos, o benzeno possui uma estrutura cíclica que confere propriedades únicas ao composto. Além disso, o benzeno é considerado altamente tóxico e cancerígeno, enquanto a benzina pode ser utilizada em diversas aplicações industriais e comerciais.

Em relação aos usos, a benzina é amplamente utilizada como solvente em indústrias de tintas, vernizes e produtos de limpeza. Por outro lado, o benzeno é utilizado na produção de plásticos, borrachas e produtos químicos diversos. Ambos os compostos desempenham papéis importantes na indústria química e possuem aplicações distintas.

Enquanto a benzina é uma mistura de hidrocarbonetos alifáticos utilizada como solvente, o benzeno é um composto aromático tóxico amplamente utilizado na indústria química. É importante compreender as distinções entre esses compostos para garantir um uso adequado e seguro em diferentes aplicações.

Éter de petróleo ou benzina: fórmula, estrutura, usos

Éter de petróleo ou benzina: fórmula, estrutura, usos

O éter de petróleo ou benzeno é uma fração de destilação de óleo. Seu ponto de ebulição varia de 40 ºC a 60 ºC. É considerado economicamente importante porque é composto por hidrocarbonetos alifáticos de cinco carbonos (pentanos) e seis carbonos (hexanos), com pouca presença de hidrocarbonetos aromáticos.

Relacionado:  Hidróxidos: propriedades, nomenclatura e exemplos

O nome de éter de petróleo é devido à sua origem e à volatilidade e leveza do composto que o torna semelhante ao éter. No entanto, o éter etílico possui uma fórmula molecular (C 2 H 5 ) O; enquanto o éter de petróleo tem uma fórmula molecular: C 2 H 2n + 2 . Portanto, pode-se dizer que o éter de petróleo não é um éter em si.

O éter de petróleo é agrupado em compostos com pontos de ebulição entre 30-50 ºC, 40-60 ºC, 50-70 ºC e 60-80 ºC. É um solvente não polar eficiente para dissolver gorduras, óleos e ceras. Além disso, é usado como detergente e combustível, bem como em tintas, vernizes e fotografias.

Fórmula e estrutura

O éter de petróleo não é um composto: é uma mistura, uma fração. É constituído por hidrocarbonetos alifáticos, que possuem uma fórmula molecular geral C 2 H 2 n + 2 . Suas estruturas são baseadas apenas em ligações CC, CH e em um esqueleto de carbono. Portanto, esta substância não possui fórmula química formal.

Nenhum dos hidrocarbonetos que compõem o éter de petróleo, por definição lógica, possui átomos de oxigênio. Assim, não só não é um composto, como também não éter. É referido como éter simplesmente porque possui um ponto de ebulição semelhante ao do éter etílico; o resto não tem nenhuma semelhança.

O éter de petróleo consiste em hidrocarbonetos alifáticos lineares e de cadeia curta, tipo CH 3 (CH 2 ) x CH 3 . Sendo de baixas massas moleculares, não é de surpreender que este líquido seja volátil. Seu caráter apolar devido à ausência de oxigênio ou qualquer outro heteroátomo ou grupo funcional faz dele um bom solvente gordo.

Propriedades

Aparência

Líquido incolor ou ligeiramente amarelado, translúcido e volátil.

Outros nomes para éter de petróleo

Hexano, benzina, nafta e ligroína.

Massa molar

82,2 g / mol

Densidade

0,653 g / mL

Ponto de fusão

-73 ºC

Ponto de ebulição

42 – 62 ºC

Solubilidade em água

Insolúvel. Isso ocorre porque todos os seus componentes são apolares e hidrofóbicos.

Pressão de vapor

256 mmHg (37,7 ºC). Essa pressão corresponde a quase um terço da pressão atmosférica. Como tal, o éter de petróleo é uma substância menos volátil em comparação ao butano ou diclorometano.

Densidade do vapor

3 vezes a do ar

Índice de refração (nD)

1.370

ponto de ignição

<0 ºC

Temperatura de auto-ignição

246,11 ºC

Formulários

Solventes

O éter de petróleo é um solvente não polar usado em lavanderias para dissolver manchas de graxa, óleo e cera. Também é utilizado como detergente, combustível e inseticida, além de estar presente em tintas e vernizes.

É usado para limpar artigos de papelaria, tapetes e carpetes. Também é usado para limpar motores, peças automotivas e todos os tipos de máquinas.

Dissolve e remove a borracha das vedações auto-adesivas. Portanto, faz parte dos produtos removedores de etiquetas.

Cromatografia

O éter de petróleo é usado em conjunto com a acetona na extração e análise de pigmentos vegetais. A acetona cumpre a função de extração. Enquanto isso, o éter de petróleo tem uma alta afinidade por pigmentos, portanto serve como separador em cromatografia.

Indústria farmacêutica

O éter de petróleo é usado na extração de estigmasterol e β-sitosterol de uma planta do gênero Ageratum. O estigmasterol é um esterol vegetal, semelhante ao colesterol em animais. Isso é usado como precursor do hormônio semi-sintético progesterona.

Relacionado:  Óxido de estanho (II): estrutura, propriedades, nomenclatura, usos

O éter de petróleo também é usado na extração de substâncias imunomoduladoras de uma erva, conhecida como Anacyclus pyrethrum. Por outro lado, você obtém um extrato de mirra com atividade anti-inflamatória.

Vantagem

Em muitos casos, o éter de petróleo é usado nos processos de extração de produtos naturais das plantas como o único solvente. Isso reduz o tempo de extração e os custos do processo, pois a produção de éter de petróleo é mais barata que o éter etílico.

É um solvente apolar não miscível com água, portanto pode ser utilizado na extração de produtos naturais em tecidos de plantas e animais com alto teor de água.

O éter de petróleo é menos volátil e inflamável que o éter etílico, o principal solvente usado na extração de produtos naturais. Isso determina que seu uso nos processos de extração é menos arriscado.

Riscos

Inflamabilidade

O éter de petróleo é um líquido que, como seus vapores, é altamente inflamável; portanto, existe o risco de gerar explosões e incêndios durante o manuseio.

Exposição

Este composto age prejudicial em vários órgãos considerados como alvos; como o sistema nervoso central , pulmões, coração, fígado e ouvido. Pode ser fatal se ingerido e entrar no trato respiratório.

É capaz de causar irritação na pele e dermatite alérgica, causada pela ação desengordurante do solvente. Também causa irritação nos olhos quando em contato com os olhos.

A ingestão de éter de petróleo pode ser fatal e acredita-se que a ingestão de 10 mL seja suficiente para causar a morte. A aspiração pulmonar do éter ingerido causa danos aos pulmões e pode até causar pneumonite.

A ação do éter de petróleo no sistema nervoso central manifesta-se com dores de cabeça, tonturas, fadiga, etc. O éter de petróleo produz danos nos rins, manifestados pela excreção urinária de albumina, bem como hematúria, e um aumento na presença de enzimas hepáticas no plasma.

A exposição excessiva aos vapores de éter de petróleo pode causar irritação no trato respiratório, com as mesmas consequências que a ingestão do solvente. Experimentos com ratos não indicam que o éter de petróleo tenha uma ação carcinogênica ou mutagênica.

Referências

  1. Graham Solomons TW, Craig B. Fryhle. (2011). Química Orgânica . (10 ª edição). Wiley Plus.
  2. Carey F. (2008). Química Orgânica . (Sexta edição). Mc Graw Hill.
  3. Wikipedia. (2020). Éter de petróleo. Recuperado de: en.wikipedia.org
  4. Elsevier BV (2020). Éter de petróleo. ScienceDirect. Recuperado de: sciencedirect.com
  5. Livro de Química. (2017). Éter de petróleo. Recuperado de: chemicalbook.com
  6. M. Wayman e GF Wright. (1940). Extração Contínua de Soluções Aquosas por Acetona-Éter de Petróleo. doi.org/10.1021/ac50142a012
  7. Parasuraman, S., Sujithra, J., Syamittra, B., Yeng, WY, Ping, WY, Muralidharan, S., Raj, PV e Dhanaraj, SA (2014). Avaliação dos efeitos tóxicos subcrônicos do éter de petróleo, um solvente de laboratório em ratos Sprague-Dawley. Jornal de farmácia básica e clínica, 5 (4), 89-97. doi.org/10.4103/0976-0105.141943
  8. Sigma-Aldrich. (2013). Éter de petróleo. Ficha de dados de segurança do material. [PDF]. Recuperado de: cgc.edu
  9. Ing. Agr. Carlos Gonzalez. (2002) Pigmentos fotossintéticos. Recuperado de: botanica.cnba.uba.ar

Deixe um comentário