Eudemonismo: origem, características e representantes

O eudemonismo é um conceito filosófico, melting pot de várias teorias éticas, que defende a idéia de que ele é válido qualquer método utilizado para obter a felicidade. Um dos defensores dessas idéias, considerado o principal representante dessa corrente, foi o filósofo grego Aristóteles.

Do ponto de vista etimológico, eudemonismo ou eudaimonia vem das palavras gregas eu (“bom”) e daimon (“espírito”). Então, eudaimonia , em seu conceito mais básico, pode ser entendida como “o que o espírito faz bem”; isto é, felicidade ou bem-aventurança. Recentemente, também foi interpretado como “floração humana” ou “prosperidade”.

Eudemonismo: origem, características e representantes 1

Aristóteles, defensor do eudemonismo

Para estar localizado no contexto cultural, social e político que cercou o nascimento dessa corrente de pensamento, é necessário voltar à história até o momento do surgimento da civilização ocidental e, mais especificamente, do grande império grego.

Estima-se que a filosofia tenha surgido na Grécia no século VI aC, e seu principal fator foi um dos chamados “sete sábios da filosofia”: Thales of Miletus. A filosofia nasceu então pelo interesse de dar explicações racionais a fenômenos desconhecidos pelo homem ou que, de qualquer forma, o transbordaram.

Nesse contexto, o eudemonismo se tornou um dos muitos conceitos filosóficos que os grandes pensadores de uma época desenvolveram com a intenção de dar sentido à existência, além de explicar tudo o que os cercava.

Origem

A Grécia do século VI aC foi sem dúvida o berço de muitas das correntes de pensamento que, ao longo da história, forjaram o curso das nações.

Pensadores de todos os tipos viam na Grécia clássica as condições ideais para desenvolver teorias divergentes e controversas, e com isso as condições para o chamado debate aberto e o confronto de idéias foram atendidas.

Demócrito, Sócrates, Aristóteles e Platão, todos filósofos da época, sugeriram que a origem ou ponto de partida da filosofia é a capacidade de espanto do ser humano. Essa capacidade de admiração por seu ambiente é o que deve levá-lo a analisar e querer fazer perguntas que buscam chegar à raiz do problema.

De fato, a palavra “filosofia” – cuja criação é atribuída a Heráclito e foi usada pela primeira vez por Pitágoras quando se refere a ela como uma nova ciência – vem da philia grega , que se traduz como amor; e Sophia , que significa conhecimento.

Não é outra coisa senão a necessidade do homem saber, conhecer e ser capaz de explicar sua existência.

Relacionado:  Líquido Intracelular: Características, Composição e Funções

Ética, uma palavra grega derivada do ethos que traduz “hábito” ou “costume”, era uma das disciplinas da filosofia que na Grécia antiga estava girando e tentando explicar como os seres humanos se desenvolveram nas sociedades. , como um reflexo consciente de como essa sociedade foi conduzida.

A partir dessa disciplina, surgiram várias teorias que levaram a conceitos ou correntes de pensamento, como o eudemonismo.

Caracteristicas

-Seu principal objetivo é alcançar a felicidade.

– Ele defendeu que a felicidade humana poderia e deveria consistir em desenvolver ao máximo o uso da razão.

– Ele sugeriu que viver e agir com razão deveria ser a característica superior buscada por todo ser humano.

– Ele alertou que parar de viver com razão e se deixar levar pelo lado apaixonado e visceral do ser humano geralmente não nos leva à felicidade e, pelo contrário, nos deixa suscetíveis a problemas e complicações.

– Ele explicou que o desenvolvimento de virtudes como a ética pode ser alcançado e, além disso, promove o hábito. Esse hábito refere-se a colocar rédeas em excessos e, em geral, aprender a controlar a parte irracional do ser.

Pode-se dizer que, a partir da reflexão profunda e crítica do ambiente moral da Grécia clássica, surgiram várias teorias éticas que agora podem ser descritas como um elemento central que possui um grande número de bifurcações. O essencial desse elemento central, a base de todas as teorias, é baseado no “bom”.

Teorias éticas: contexto intelectual do eudemonismo

Sendo “bom” o ponto de partida, é possível referir-se a algo ou alguém como “bom”, mas duas versões podem ser identificadas.

Na primeira versão, “o bom” é porque de fato é assim, significa que ser bom faz parte de sua essência e não há dúvida sobre isso. Este seria o primeiro ramo principal que se separa do tronco central, chamado teoria cognitiva.

Na segunda versão, “o bom” não é necessariamente bom; Nesse caso, quem identifica “o bem” apenas expressa um estado de espírito causado pela impressão deixada pelo que ele identificou anteriormente. Este segundo grande ramo é a teoria não cognitiva.

Seguindo essa mesma linha de pensamento, aparece a teleologia, que é o ramo da ética que analisa em profundidade a razão final da existência de algo para alguém.

Relacionado:  Cellobiose: características, estrutura, funções

Ele estima que o universo está marchando com uma conquista de fins que as coisas tendem a realizar, e não eventos concatenados de causa e efeito.

Subdivisões acima, chegaremos às teorias éticas que defendem que a felicidade é o objetivo final que todo ser humano busca com qualquer uma das ações que ele desenvolve durante sua existência. É então que o eudemonismo é apresentado como a teoria mãe que se alimenta de várias outras, a saber:

Hedonismo

Baseia-se na obtenção de prazer proveniente de fontes consideradas boas (no debate moral do bem e do mal). De qualquer forma, alcançar essa felicidade não deve causar nenhum inconveniente para quem a procura durante o processo.

É uma corrente de pensamento que se concentra no indivíduo, no prazer individual e não no ambiente. Ele consegue identificar duas maneiras de obter prazer: o tangível, aquele que pode ser registrado pelos sentidos; e o espiritual

Estoicismo

Em contraste com o hedonismo, o estoicismo proclamou três séculos aC que a busca da felicidade não era material, não estava em prazeres excessivos.

Segundo os estoicistas, a verdadeira felicidade estava no controle racional de fatos, coisas e a intangibilidade de ser que, de uma maneira ou de outra, poderia atrapalhar o equilíbrio pessoal. Quem conseguiu fazê-lo alcançaria o desenvolvimento da virtude e alcançaria a felicidade plena.

Utilitarismo

Essa teoria, desenvolvida mais recentemente, também é considerada eudêmica porque certamente busca e acredita no princípio da “maior felicidade”.

Nesse caso em particular, a teoria aponta que “o bem” é melhor, quanto maior o grupo de pessoas que beneficia, e mais diretamente relacionada a elas é sua utilidade.

Essa teoria deixa de lado o ser humano como uma entidade isolada de seu entorno e reconhece a interação do ser com seu ambiente e com seus pares, interação da qual a felicidade pode surgir.

Representantes

Entre os representantes mais proeminentes do eudemonismo podem ser mencionados filósofos como Sócrates, Aristipo, Demócrito e, é claro, Aristóteles, que é considerado o pai dessa corrente.

Aristóteles teve uma vida produtiva durante a qual se envolveu ativamente com muitos campos da ciência e das atividades humanas, sendo assim uma referência cultural importante da época.

Nascido em Estariga, Grécia, em 384 aC, ele escreveu nada menos que 200 tratados de vários tipos; deles, apenas cerca de 30 sobrevivem até hoje.

Relacionado:  Reino animal: características, tipos, reprodução, nutrição

A educação recebida durante a juventude – na Academia de Atenas, de Platão – despertou nele a chama e a necessidade de se perguntar por que as coisas eram do jeito que eram e não de qualquer outra.

Com um espírito empirista, ele tentou apoiar o conhecimento humano com base na experiência. Ele criticou profundamente as teorias de seu mentor e professor Platão, construindo assim seu próprio sistema filosófico.

Para Aristóteles, todas as ações humanas buscam ou têm apenas um propósito: obter felicidade. Pode-se dizer que a ética de Aristóteles é um dos bens, pois, para ele, as ações do ser humano se concentram em obter um bem, a felicidade sendo o bem supremo; Com isso, a sabedoria se tornou.

Exemplos

Existem muitos exemplos de eudemonismo na vida cotidiana, e podemos até identificar as diferenças que fazem com que eles se tornem parte do pensamento hedonista, estoico ou utilitarista:

Monges tibetanos orando e ajudando os necessitados.

-As grandes empresas ou ONGs que prestam seus serviços sem nenhum custo na solução de problemas ambientais.

-O professor que dedica seu tempo a educar, sem esperar receber pagamento, em locais remotos que não aparecem nos mapas.

-A pessoa que sofre um duro golpe moral sem se curvar; Dizem que ela é uma pessoa estóica.

-Qualquer pessoa que domine suas emoções em situações nas quais outros sucumbirão; Diz-se ser alguém estóico.

-A pessoa que busca e encontra prazer em objetos ou ações que não causam nenhum tipo de desconforto ou desconforto como resultado do prazer alcançado; Esta é uma pessoa hedonista.

Referências

  1. “Eudemonismo” em Filosofia. Retirado em 17 de dezembro de 2018 de Philosophy: filosofia.org
  2. “Eudemonismo” em EcuRed. Retirado em 17 de dezembro de 2018 de EcuRed: ecured.cu
  3. “Eudemonismo” em Definição. Recuperado em 17 de dezembro de 2018 de Definição: definition.mx
  4. “Eudaimonia” na Wikipedia. Recuperado em 17 de dezembro de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org
  5. “Filosofia” na Wikipedia. Recuperado em 17 de dezembro de 2018 da Wikipedia: wikipedia.org
  6. “Teorias éticas” no nó 50. Recuperado em 17 de dezembro de 2018 no nó 50: node50.org
  7. “Eudaemonism” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 17 de dezembro de 2018 da Encyclopaedia Britannica: britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies