Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas

A excreção de plantas é um processo fundamental para o equilíbrio de substâncias em seus organismos. As plantas excretam diversas substâncias, como oxigênio, água, sais minerais, metabólitos secundários e resíduos metabólicos. Essas substâncias são eliminadas por diferentes processos, como transpiração foliar, exsudação radicular e excreção de compostos específicos pelas folhas, flores e frutos. Além disso, as plantas possuem estruturas especializadas, como tricomas glandulares e estruturas epidérmicas, que auxiliam na excreção de substâncias. Neste contexto, a excreção de plantas desempenha um papel crucial na regulação de nutrientes, na defesa contra patógenos e na interação com outros organismos do ambiente.

Mecanismos de excreção em plantas: como ocorre a eliminação de resíduos no organismo vegetal.

A excreção em plantas é um processo fundamental para manter o equilíbrio interno e garantir o bom funcionamento do organismo vegetal. Assim como nos animais, as plantas também precisam se livrar de substâncias tóxicas e resíduos metabólicos para garantir sua sobrevivência.

Existem diferentes tipos de substâncias que as plantas precisam excretar, como por exemplo oxalatos, taninos e alcaloides. Essas substâncias podem ser tóxicas para a planta se acumularem em altas concentrações, por isso é essencial que sejam eliminadas do organismo vegetal.

Os processos de excreção nas plantas acontecem principalmente através das folhas e raízes. Nas folhas, a excreção ocorre através da transpiração, onde substâncias indesejadas são eliminadas juntamente com a água. Já nas raízes, a excreção pode ocorrer através da liberação de substâncias para o solo, onde são degradadas por microrganismos presentes no ambiente.

Além disso, algumas estruturas especializadas nas plantas também auxiliam no processo de excreção, como os tricomas glandulares que secretam substâncias tóxicas, e os estômatos que permitem a liberação de gases e líquidos indesejados.

Em resumo, a excreção em plantas é um processo complexo e essencial para a manutenção da saúde e do equilíbrio interno do organismo vegetal. Através de mecanismos variados e estruturas especializadas, as plantas conseguem eliminar resíduos e substâncias tóxicas, garantindo sua sobrevivência e desenvolvimento saudável.

Descubra as principais estruturas secretoras do corpo humano e suas funções.

As principais estruturas secretoras do corpo humano são as glândulas exócrinas e endócrinas. As glândulas exócrinas, como as glândulas sudoríparas e as glândulas sebáceas, produzem substâncias que são liberadas para o exterior do corpo. Já as glândulas endócrinas, como a tireoide e as glândulas adrenais, produzem hormônios que são liberados diretamente na corrente sanguínea.

As glândulas sudoríparas são responsáveis pela produção de suor, que ajuda a regular a temperatura do corpo. Já as glândulas sebáceas produzem o sebo, que ajuda a manter a pele hidratada e protegida. A tireoide produz hormônios que controlam o metabolismo, enquanto as glândulas adrenais produzem hormônios que estão envolvidos na resposta ao estresse.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas.

Assim como os seres humanos, as plantas também precisam se livrar de substâncias indesejadas. As plantas excretam principalmente oxigênio, água e compostos nitrogenados. O oxigênio é liberado durante a fotossíntese, enquanto a água é eliminada através da transpiração. Os compostos nitrogenados, como a ureia e os nitratos, são excretados pelas raízes das plantas.

Para realizar a excreção, as plantas possuem estruturas especializadas, como os estômatos, que permitem a transpiração, e os pelos radiculares, que absorvem e excretam nutrientes. Além disso, as plantas também podem excretar substâncias tóxicas através das folhas, como mecanismo de defesa contra predadores.

Relacionado:  Agar Thayer Martin: fundação, preparação e usos

Estruturas secretoras relacionadas à secreção de substâncias atrativas: uma investigação detalhada.

As plantas possuem diversas estruturas secretoras responsáveis pela produção e liberação de substâncias atrativas. Estas substâncias desempenham um papel importante na interação com outros organismos, como polinizadores e dispersores de sementes, além de proteger a planta contra herbívoros e patógenos.

Uma das estruturas secretoras mais comuns nas plantas são as glândulas secretoras, que podem ser encontradas em diferentes partes da planta, como folhas, flores, frutos e raízes. Estas glândulas são responsáveis pela produção de substâncias voláteis, como óleos essenciais e terpenos, que atraem insetos polinizadores e inimigos naturais de herbívoros.

Outra estrutura secretora importante são os tricomas glandulares, que são projeções especializadas encontradas na superfície da planta. Estes tricomas produzem e liberam substâncias químicas, como compostos fenólicos e alcaloides, que podem atrair insetos benéficos e repelir herbívoros.

Além das glândulas secretoras e tricomas glandulares, as plantas também podem possuir estruturas secretoras especializadas, como nectários extraflorais e néctarinos, que produzem néctar para atrair insetos predadores e parasitoides. Estas estruturas são importantes para o controle biológico de pragas e para aumentar a eficiência reprodutiva da planta.

Em resumo, as plantas possuem uma variedade de estruturas secretoras relacionadas à secreção de substâncias atrativas, que desempenham um papel fundamental na interação com o meio ambiente e na sua sobrevivência e reprodução.

Classificação dos tecidos vegetais: conheça os 4 principais tipos e suas funções no organismo vegetal.

A excreção de plantas envolve a eliminação de substâncias indesejadas do organismo vegetal. Os principais tipos de substâncias excretadas pelas plantas incluem sais minerais, metabólitos secundários e oxigênio em excesso. Para realizar esse processo, as plantas possuem estruturas especializadas, como estômatos, lenticelas e glândulas excretoras.

Os estômatos são pequenas aberturas presentes na epiderme das folhas e caules das plantas, responsáveis pela troca gasosa e pela excreção de oxigênio em excesso. Já as lenticelas são estruturas semelhantes aos estômatos, mas presentes nos caules e raízes, permitindo a excreção de gases e a entrada de ar para os tecidos internos.

Além disso, algumas plantas possuem glândulas excretoras que produzem substâncias específicas para eliminar toxinas e resíduos do metabolismo. Essas glândulas estão presentes em diversas partes da planta, como folhas, caules e raízes, e desempenham um papel fundamental na excreção de compostos indesejados.

Em resumo, a excreção de plantas é um processo essencial para manter o equilíbrio interno do organismo vegetal, eliminando substâncias tóxicas e regulando o ambiente interno. As estruturas especializadas, como estômatos, lenticelas e glândulas excretoras, desempenham um papel fundamental nesse processo, garantindo a saúde e o bom funcionamento das plantas.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas

A excreção de plantas , como tal, não existe, porque as plantas não têm estruturas especializadas para esta função. Uma excreção é um processo fisiológico, através do qual um organismo pode expelir substâncias que não são utilizáveis ​​ou são tóxicas.

Nas plantas, a função de excreção para excluir substâncias que podem então ser reutilizados em vários processos fisiológicos, tais como CO 2 e H 2 O nos processos de fotossíntese e da respiração, e a acumulação de sais nos vacúolos ou nutrientes.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas 1

Estomata Fonte: flickr.com

Como qualquer organismo vivo, as plantas têm uma atividade metabólica que gera resíduos. No entanto, nos vegetais, essa atividade se desenvolve em menor grau, pois os resíduos tendem a ser reciclados.

Relacionado:  Trehalose: características, estrutura, funções

O processo de excreção é realizado por tecidos localizados ao longo da superfície da planta, principalmente na área caule e foliar, através de estômatos, lenticelas e glândulas especializadas.

Várias substâncias produzidas pela excreção de plantas são muito úteis para o homem. Gomas de mascar, látex ou borracha natural e aguarrás são elementos que, por processos industriais, favorecem as atividades humanas.

Tipos de substâncias de excreção

Dependendo do seu estado físico, as substâncias de excreção podem ser sólidas, líquidas e gasosas:

  • Sólidos: como os sais de oxalato de cálcio excretados pelas glândulas salgadas dos manguezais.
  • Líquidos: como óleos essenciais, resinas, taninos ou látex (borracha).
  • Refrigerantes: como dióxido de carbono da respiração e etileno que contribuem para o amadurecimento das frutas.

Dependendo de sua natureza e composição, as substâncias de excreção produzidas pelos diferentes processos metabólicos são divididas principalmente em metabólitos primários e metabólitos secundários.

Metabolitos primários

Eles são o resultado de processos metabólicos primordiais, como fotossíntese, respiração e síntese de proteínas. Geralmente esses elementos, como água, dióxido de carbono ou oxigênio, são reutilizados nos processos de fotossíntese ou respiração celular, respectivamente.

Metabólitos secundários

São compostos que não atuam diretamente nos processos fisiológicos essenciais, mas contribuem para os processos ecológicos e de adaptação das plantas.

Os elementos terpenóides, alcalóides e fenólicos são o resultado de processos de excreção de plantas com alto valor industrial, agrícola e medicinal.

Processo

Nas plantas, a taxa catabólica é baixa, portanto os resíduos metabólicos são armazenados lentamente e a maioria deles é reutilizada. Água, dióxido de carbono e elementos de nitrogênio são reciclados, o que reduz a necessidade de excreção.

O processo de excreção é baseado na eliminação de resíduos formados em catabolismo, osmorregulação e regulação de ionização. Os vegetais não possuem órgãos excretores específicos; portanto, as substâncias são descartadas através de estômatos, lenticelas ou vacúolos.

Estruturas envolvidas

As plantas não possuem um sistema excretor pelo qual eliminar resíduos. No entanto, possui estruturas especializadas que permitem excluir ou armazenar esses tipos de elementos.

Estomata

Os estômatos são um conjunto de células especializadas, cuja função é regular as trocas gasosas e a transpiração. De fato, eles estão localizados na superfície da epiderme, principalmente no feixe e na parte inferior das folhas.

Essas estruturas permitem a eliminação do excesso de água e gases acumulados no interior das plantas. Durante o processo de transpiração, a planta remove a água através dos estômatos e também ativa a absorção de líquidos.

A transpiração e absorção permitem manter o equilíbrio osmótico dentro da planta. Após a transpiração, a planta, dependendo da disponibilidade de água no solo, estimula a absorção de novas moléculas pelas raízes.

Durante o processo fotossintético e a respiração, o oxigênio e o dióxido de carbono são produzidos e excretados pelas plantas. A excreção desses elementos ocorre através de estômatos durante as trocas gasosas.

Alterações nos níveis de oxigênio ou gás carbônico dentro da planta estimulam a abertura ou o fechamento das células estomáticas. Esse processo é regido pelas necessidades fisiológicas e pelas condições ambientais em que a planta está localizada.

Lenticels

Lenticelas são estruturas localizadas nas hastes, galhos e troncos de plantas lenhosas. Consiste no acúmulo de células soltas de suberificação inferior que atravessam a epiderme e comunicam as células internas do parênquima com o exterior.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas 2

Lenticels Fonte: wikipedia.org
Relacionado:  O que é uma apomorfia? (Com exemplos)

Sua principal função é a troca de gases de dentro da planta para a atmosfera circundante. É assim que ele intervém no equilíbrio interno, eliminando o excesso de oxigênio e dióxido de carbono que se acumula nos tecidos da planta.

Vacuolas

Os vacúolos são organelas citoplasmáticas características das células vegetais, formadas por um espaço de armazenamento cercado por uma membrana plasmática. Eles servem para armazenar resíduos ou reservar substâncias, como água, açúcares, sais, enzimas, proteínas, nutrientes e pigmentos.

Essas organelas permitem manter as células hidratadas, uma vez que o conteúdo vacuolar influencia o aumento da pressão do turgor. Da mesma forma, eles intervêm na desintegração de algumas substâncias, reciclando seus elementos dentro da célula.

Células secretoras

São células especializadas de origem parenquimatosa ou epidérmica, que secretam diferentes substâncias como óleos, resinas, gengivas, bálsamos e sais. Exemplos dessas células especializadas são células de óleo, células mucilaginosas e células de tanino.

Células de óleo

Células de secreção do córtex que contêm óleos essenciais. Exemplos são o aroma de canela ( Cinnamomum zeylanicum ) que emite a casca da planta ou o gengibre ( Zingiber officinale ) que possui essas células no rizoma.

Células mucilaginosas

Células de armazenamento e secreção de mucilagem, substância vegetal viscosa com alto teor de polissacarídeos e água. A mucilagem se acumula entre a parede celular e a cutícula e é removida quando o tecido cuticular se rompe.

Células de tanino

As células de taninos acumulam taninos que funcionam como mecanismos de defesa nas plantas lenhosas contra ataques de patógenos e parasitas. Taninos são elementos fenólicos presentes em plantas e frutas, solúveis em água, com sabor áspero e amargo.

Glândulas especializadas

Glândulas salinas

As glândulas salinas são estruturas vesiculares localizadas principalmente nas superfícies foliares. De fato, eles são cobertos por uma cutícula que possui poros minúsculos que os conectam ao mesófilo das folhas.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas 3

Glândula de sal Fonte: umpedeque.com.br

Sua função é a excreção de sal em plantas que crescem em ambientes salinos, como os manguezais marinhos que absorvem sais da água. Através dessas glândulas, origina-se um fluxo unidirecional que permite a remoção do excesso de íons potássio, sal, cálcio e cloro.

Osmophors

Osmóforos são glândulas que eliminam ou expulsam óleos muito voláteis que causam o cheiro de flores. Em algumas espécies, esses óleos são formados nos vacúolos das células da epiderme e mesofilo das pétalas

Hidratos

Os hidratos são um tipo de estoma que secreta soluções aquosas através de um processo chamado evisceração. Esse processo ocorre quando as plantas favorecem a transpiração minina, devido às condições de umidade do solo.

Nectários

Os nectários são glândulas especializadas que secretam uma solução açucarada ou néctar, consistindo essencialmente em glicose, sacarose, frutose, maltose e melobiose. São células diferenciadas de tecido epidérmico em tecido secretório ou tricomas nectaríferos, localizadas na cutícula de folhas e flores.

Excreção de plantas: tipos de substâncias, processos e estruturas 4

Nectários Fonte: Frank Vincentz [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)] , do Wikimedia Commons

Referências

  1. Excreções Vegetais (2013) Ciências Naturais. Recuperado em: webnode.es
  2. Epiderme (2013) Morfologia de Plantas Vasculares. Recuperado em: biologia.edu.ar
  3. García Bello Francisco J. (2015) Tecidos de secreção. Recuperado em: euita.upv.es
  4. A excreção em plantas (2018) Plataforma E-ducativa Aragonesa. Recuperado em: e-ducativa.catedu.es
  5. Noguera Hernández A. e Salinas Sánchez M. (1991). Metabolismo do indivíduo. Biologia II, Faculdade de Bacharelado.

Deixe um comentário