Expropriação de petróleo no México: causas e consequências

A expropriação de petróleo no México consistiu na nacionalização da indústria de petróleo sediada no país. Aconteceu em 1938, sob a presidência de Lázaro Cárdenas . A legislação aplicada a esse processo foi a Lei de Desapropriação de 1936 e o ​​artigo 27 da Constituição Mexicana.

Desde a descoberta do primeiro poço de petróleo no país, a exploração desse valioso recurso esteve em mãos particulares. Durante o Porfiriato , os depósitos foram repassados ​​para empresas estrangeiras, principalmente americanas.

Expropriação de petróleo no México: causas e consequências 1

Lázaro Cárdenas del Río – Fonte: Doralicia Carmona Dávila, http://www.memoriapoliticademexico.org/Biografias/CRL95.html sob a licença genérica Creative Commons Attribution 2.5

O triunfo da Revolução Mexicana foi o começo da mudança na política de petróleo do país. A Constituição de 1917 incluía um artigo 27, que declarava que o subsolo mexicano e sua riqueza eram propriedade nacional. Apesar disso, nenhuma ação legal foi tomada.

Na década de 1930, as más condições de trabalho dos trabalhadores levaram à criação de um sindicato. Suas ações foram apoiadas pelo Presidente Cárdenas. A falta de acordo e a alegação de que o Estado obteve os lucros desse recurso energético fizeram o governo nacionalizar o setor por meio de um decreto.

Antecedentes

O primeiro poço de petróleo de superfície foi perfurado em 1862, no estado de Tabasco. O México foi governado pelo imperador Maximilian , que emitiu um decreto que permitia a exploração desse recurso, desde que o governo desse permissão. Com essa legislação, 38 concessões de petróleo foram concedidas a indivíduos.

O Porfiriato

A partir de 1886, já sob a presidência de Porfirio Díaz , as primeiras empresas americanas a assumir os depósitos começaram a chegar ao México. Naquele ano, as primeiras refinarias foram abertas em Veracruz: El Águila e a da Water Pierce Oil Company, ambas da capital dos Estados Unidos.

Em 1890, a Companhia Mexicana de Petróleo da Califórnia foi criada em San Luis Potosí e em 1896 o Grupo Sinclair estabeleceu-se perto da cidade de Tampico. Em pouco tempo, as fazendas se multiplicaram.

A competição para obter concessões foi muito difícil e foi El Águila quem ganhou o prêmio. Em 1910, essa empresa administrava 50% do mercado. Oito anos depois, a maioria de suas ações foi para a Royal Dutch Shell.

Política fiscal durante o Porfiriato

A política econômica do Porfiriato tentou atrair investidores estrangeiros para o país. Assim, ele favoreceu seu controle das minas e campos de petróleo, algo que foi repudiado pelos líderes da Revolução Mexicana.

Entre as medidas adotadas pelo governo de Porfirio Díaz, estava a Lei do Petróleo, promulgada em 1910. Essa regra estabeleceu uma série de privilégios para as empresas petrolíferas estrangeiras, como não ter que pagar impostos de exportação sobre o equipamento necessário para explorar os depósitos.

Da mesma forma, o capital investido estava isento de ônus fiscal durante os próximos dez anos. Finalmente, havia uma maneira gratuita de comprar terras nacionais ao preço de lotes vagos.

Essa lei também indicava que as empresas poderiam realizar explorações e explorar o petróleo encontrado em troca de pagar ao governo central 7% dos benefícios, além de outros 3% ao governo do estado em que os poços estavam.

Revolução Mexicana

A Revolução Mexicana de 1910 significou uma mudança nas políticas de petróleo. Francisco Madero, primeiro presidente após a primeira fase da revolução, iniciou um processo para regular a atividade. Sua derrubada pelo golpe de estado de Victoriano Huerta não lhe permitiu fortalecer sua política.

Durante o breve governo Huerta, os americanos intervieram para que suas companhias de petróleo não pagassem os impostos que Madero havia anunciado.

A segunda fase da Revolução encerrou o regime de Huerta, que foi substituído por Venustiano Carranza. Isso recuperou a política regulatória de Madero e já em seu Plano de Guadalupe estabeleceu a necessidade de promulgar uma legislação nacionalista sobre petróleo.

Relacionado:  Comportamento entre o real e o ideal: principais posições

Em 1915, a Comissão Técnica de Petróleo iniciou suas operações, cuja missão era organizar a indústria no país. O primeiro passo foi restaurar as relações com as empresas que estavam no território mexicano.

Um ano depois, em abril de 1916, a Comissão publicou um relatório em que afirmava a necessidade de estabelecer a riqueza do subsolo como domínio do país. Assim, a nova Constituição, promulgada em 1917, estabeleceu o direito de propriedade nacional sobre a terra e o subsolo relacionados ao petróleo.

Primeiros confrontos

Apesar de ter sido incluída na Constituição, a lei que teve que colocar o artigo em prática levou anos para ser escrita. Os governos de Carranza, de la Huerta e Obregón, tiveram que enfrentar a resistência das companhias de petróleo e as pressões dos Estados Unidos.

Em 1923, o governo de Álvaro Obregón e os representantes americanos assinaram as Convenções de Bucareli. Eles se concentraram na aplicação retroativa da lei de mineração e petróleo, bem como nos impostos aplicados às empresas americanas. Obregón foi forçado a reduzir a pressão fiscal e adiar a lei nacionalista.

O sucessor de Obregón, Plutarco Elías Calles, decidiu não sofrer mais pressão. Assim, acelerou a promulgação da lei reguladora do artigo 27 da Constituição. O Congresso o aprovou em novembro de 1925.

De acordo com a lei, as companhias de petróleo eram obrigadas a renovar e confirmar suas concessões, a pagar mais impostos e a cumprir os regulamentos legais mexicanos. As empresas reclamaram contra o governo, situação que continuou até a chegada de Lázaro Cárdenas à presidência.

Causas

As principais causas da expropriação da indústria do petróleo foram, fundamentalmente, o desejo por parte do México de tirar proveito de sua própria riqueza natural e, por outro lado, as más condições de trabalho dos trabalhadores nos campos.

Exigências sindicais

As demandas dos trabalhadores já haviam começado em meados dos anos 20. As empresas petrolíferas conseguiram impedir a formação de sindicatos por dez anos, mas em 27 de setembro de 1935 apareceu a primeira: o Sindicato dos Trabalhadores do Petróleo da República Mexicana (STPRM) )

Este sindicato logo se tornaria um dos trabalhadores dominantes da Confederação dos Trabalhadores do México, de modo que o direito de seus membros foi reconhecido, entre outras coisas, à greve.

Naquela época, os trabalhadores mexicanos ganhavam muito menos que os estrangeiros. Essa situação alimentou muitas disputas trabalhistas. Logo começaram a surgir greves, interrompendo a produção de vez em quando.

Recursos próprios que não beneficiaram o país

Não apenas as demandas trabalhistas estavam causando desconforto no México em relação às empresas estrangeiras de petróleo. No país, há várias décadas, havia a convicção de que os lucros obtidos com seus recursos não tinham impacto sobre seu próprio bem-estar.

As empresas estrangeiras de petróleo estavam obtendo enormes lucros com o petróleo mexicano, sem que isso resultasse em uma melhoria nas condições de vida da população.

Cárdenas iniciou uma série de reuniões com representantes da empresa para tentar encontrar uma solução negociada. No entanto, as reuniões terminaram sem nenhum acordo.

Reforma do artigo 27 da Constituição

Embora, possivelmente, Cárdenas pudesse ter encontrado alguma maneira de realizar a exploração, não há dúvida de que o artigo 27 da Constituição de 1917 abriu a possibilidade de fazê-lo mais facilmente.

Já em 1914, Luis Cabrera havia proposto que o Estado tivesse mais benefícios com a exploração de petróleo. A partir desse momento, o governo começou a colocar em prática medidas que reivindicavam a propriedade estatal da riqueza do subsolo.

Relacionado:  Qual é a diferença entre liberdade e deboche?

Quando o Congresso Constituinte se reuniu, já havia um consenso claro para distinguir legalmente entre propriedade da terra e propriedade do subsolo. O resultado foi o artigo 27, que indicava que, embora o primeiro pudesse ser de propriedade privada, o segundo, juntamente com sua riqueza, pertencia à nação.

História

A tensão dentro dos campos de petróleo começou antes da década de 1930. Em 1924, os trabalhadores já haviam organizado algumas greves, mas foram violentamente reprimidos pelas forças de segurança do estado.

No entanto, no mesmo ano, foi convocada uma greve em Tampico contra a refinaria de El Aguila, que obrigou a empresa a reconhecer o sindicato e assinar um acordo coletivo de trabalho.

Uma década depois, em 1935, foi fundado o Sindicato dos Petroleiros da República Mexicana. Uma de suas primeiras medidas foi redigir um projeto em que o dia útil de 40 horas foi reivindicado, além de pagar o salário integral em caso de doença.

Em 1937, os trabalhadores começaram a pressionar as empresas para assinar esse projeto. A recusa destes levou o sindicato a processá-los perante a Junta Geral de Conciliação e Arbitragem. Além disso, em 31 de maio começou uma greve que duraria até 9 de junho.

Comissão de Peritos

A desculpa das companhias de petróleo para não atender às demandas dos trabalhadores era que elas não tinham recursos suficientes para isso. No entanto, um estudo realizado por uma comissão de especialistas negou essa alegação, afirmando que seus benefícios eram muito superiores ao que foi declarado.

As empresas saudaram esse relatório. Em 18 de dezembro, eles tiveram que comparecer ao Conselho de Conciliação, que ordenou que pagassem 26 milhões de pesos pelas retenções salariais da greve de maio.

Direito constitucional de expropriar

Em 1936, o governo promulgou uma lei que regula a expropriação de empresas e propriedades por razões de utilidade pública.

Seu primeiro uso foi em junho de 1937, quando o Estado expropriou as Ferrovias Nacionais do México. Com isso, resolveu a greve dos trabalhadores desse setor. Esse pano de fundo foi fundamental para o que aconteceu com a indústria do petróleo.

Últimas tentativas de reconciliação

18 de março de 1938 foi o dia chave na história da expropriação de petróleo. De manhã, foi conhecida a concessão do Conselho Central de Conciliação e Arbitragem, que encerrou o acordo coletivo entre as empresas e o sindicato do petróleo.

Os representantes das empresas vieram rapidamente ao encontro de Cárdenas. Antes da decisão contra eles, eles prometeram aumentar os salários dos trabalhadores, mas o Presidente os alertou que já era tarde.

Segundo os historiadores, a decisão foi praticamente tomada uma semana antes. As empresas ameaçaram o Estado a retirar todos os investimentos e deixar o país, sob a proteção de seus respectivos governos.

Expropriação

O decreto de desapropriação foi apresentado em 18 de março, às dez horas da noite. Por meio dele, Lázaro Cárdenas , com o apoio do Congresso, ordenou a expropriação de todos os bens e imóveis das 17 empresas petrolíferas americanas e britânicas que operam em solo mexicano. As concessões anteriores foram canceladas.

Na manhã seguinte, os trabalhadores tomaram posse das empresas afetadas. O governo emitiu outro decreto para criar um Conselho de Administração de Petróleo para coordenar a administração temporária de bens e atividades.

Consequências

As reações ao decreto de expropriação foram rápidas. O Reino Unido rompeu relações diplomáticas e os Estados Unidos e a Holanda decretaram um embargo comercial, além de retirar todo o pessoal técnico.

Por outro lado, os americanos pararam de comprar petróleo e prata mexicanos, dando preferência ao ouro negro venezuelano.

Suporte popular

No interior do país, por outro lado, o apoio popular à medida foi espetacular. Em 23 de março, houve uma manifestação espontânea de apoio, com a presença de mais de cem mil pessoas. Em 19 de abril, ocorreu outra marcha, com mulheres.

Relacionado:  Mary Anne MacLeod Trump: biografia

A população começou a doar dinheiro para pagar a indenização prevista pela expropriação. O esforço foi notável, embora eles só pudessem reunir cerca de 2 milhões de pesos. A emissão de títulos não conseguiu cobrir o valor a ser pago, apesar de mostrarem a popularidade da medida.

Mesmo setores opostos a Cárdenas, como a Igreja Católica e empresários conservadores, mostraram seu apoio à decisão do governo.

Criação PEMEX

Quando técnicos e engenheiros estrangeiros deixaram o México, o governo teve que assumir as fazendas. A primeira agência que assumiu o cargo foi a Administração Geral Nacional de Petróleo (AGPN).

Um mês depois, o Distribuidor da Petróleos Mexicanos foi criado para controlar a comercialização de petróleo. Em 7 de junho, foi emitido um decreto, que entrou em vigor em 20 de julho, através do qual a Companhia Mexicana de Petróleo (PEMEX) foi formada, para lidar com a exploração, produção e refino de petróleo.

Boicote contra o México

Não apenas os governos estrangeiros reagiram contra o México. A Standard Oil e a Royal Dutch Shell iniciaram uma campanha de boicote contra o país, tentando impedir que ele comprasse alguns produtos químicos essenciais para o refino de petróleo.

Um desses produtos era o chumbo tetraetil. O México resolveu o problema reformando a gasolina. Um pouco mais tarde, estudantes de química do Instituto Politécnico Nacional e da Universidade Nacional Autônoma conseguiram sintetizar o produto.

Com o tempo, o boicote foi perdendo força e o México pôde comprar máquinas da Alemanha, Itália e outros países europeus.

Compensação a empresas petrolíferas

No final de 1939, o governo manteve conversações com os americanos para negociar pagamentos de compensação. Os primeiros números que as empresas colocaram sobre a mesa eram despretensiosos para o México, pois se aproximavam de 32 milhões de dólares.

Durante os meses seguintes, as negociações continuaram. Gradualmente, as reivindicações das empresas desapropriadas foram reduzidas, permanecendo em 14 milhões de dólares.

Finalmente, o acordo foi fechado em 1º de maio de 1940. Os americanos concordaram em receber 8,5 milhões, que seriam pagos em três anos. Além disso, eles receberiam 20 milhões de barris a um preço mais baixo do que o mercado.

Segunda Guerra Mundial

Há muito consenso entre os historiadores sobre o fato de que, sem a pressão da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos não teriam permitido a expropriação. Com a guerra à vista, o Presidente Roosevelt preferiu manter uma aliança com o México.

Por um tempo, o boicote fez com que os únicos compradores de petroleiros mexicanos fossem o Japão e a Alemanha, que duraram até 1937. No entanto, os aliados levantaram o embargo em 1941, em parte devido ao bom relacionamento entre Cárdenas e Roosevelt.

O petróleo também foi o motivo da entrada do México na Segunda Guerra Mundial. Isso aconteceu quando dois de seus navios de petróleo foram afundados por submarinos alemães.

Referências

  1. Serrano Álvarez, Pablo. Entender a expropriação de petróleo. Obtido de relatosehistorias.mx
  2. Navarro, Armando. A expropriação de petróleo, qual é o verdadeiro legado do cardinalismo? Obtido de noticieros.televisa.com
  3. Instituto Mexicano de Propriedade Industrial. 80 anos da expropriação de petróleo no México. Obtido de gob.mx
  4. Gabinete do Historiador, Gabinete de Assuntos Públicos. Expropriação mexicana de petróleo estrangeiro, 1938. Obtido em history.state.gov
  5. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Expropriação de petróleo de 1938 (México). Obtido em encyclopedia.com
  6. Scroggs, William O. Mexican Oil em Política Mundial. Obtido em Foreignaffairs.com
  7. Henry Bamford Parkes, Marvin David Bernstein. México Obtido em britannica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies