Fase maníaca do transtorno bipolar: o que é e suas 7 características

O transtorno bipolar é uma condição que afeta o humor das pessoas, alternando entre episódios de depressão e mania. A fase maníaca do transtorno bipolar é caracterizada por um estado de extrema euforia, agitação e impulsividade. Neste estado, o indivíduo pode apresentar comportamentos de risco e ter dificuldade em controlar seus impulsos. Existem 7 características principais da fase maníaca do transtorno bipolar que ajudam a identificar este estado e buscar o tratamento adequado. Vamos explorar essas características a seguir.

Entendendo a fase maníaca do transtorno bipolar: sintomas, comportamentos e características do episódio.

Entendendo a fase maníaca do transtorno bipolar: sintomas, comportamentos e características do episódio.

Fase maníaca do transtorno bipolar: o que é e suas 7 características

O transtorno bipolar é uma condição mental que causa mudanças extremas de humor, que vão desde a depressão profunda até a euforia extrema. A fase maníaca é uma das fases do transtorno bipolar e é caracterizada por sintomas intensos e comportamentos impulsivos. Vamos entender melhor o que é a fase maníaca e suas principais características.

Os sintomas da fase maníaca incluem grande aumento de energia, irritabilidade, impulsividade, diminuição da necessidade de sono, fala rápida e agitação. Os indivíduos em fase maníaca podem se sentir invencíveis e ter pensamentos acelerados.

Além dos sintomas, os comportamentos durante a fase maníaca podem incluir gastos excessivos, comportamento sexual de risco, uso abusivo de substâncias e busca por sensações fortes. Esses comportamentos podem levar a consequências graves e impactar a vida social, profissional e financeira do indivíduo.

As características do episódio maníaco incluem uma duração de pelo menos uma semana, com sintomas presentes na maior parte do dia. É importante ressaltar que a fase maníaca pode ser seguida por uma fase depressiva, o que torna essencial o acompanhamento médico e o tratamento adequado.

Portanto, é fundamental reconhecer os sinais da fase maníaca do transtorno bipolar e buscar ajuda profissional. Com o apoio adequado, é possível gerenciar os sintomas e levar uma vida mais equilibrada e saudável.

Entendendo o surto maníaco: sintomas, causas e tratamentos para esse transtorno mental.

O transtorno bipolar é uma condição mental que pode causar mudanças extremas de humor, incluindo episódios de mania. A fase maníaca do transtorno bipolar é caracterizada por um estado de extrema excitação, energia elevada e impulsividade. É importante reconhecer os sintomas da fase maníaca para que o tratamento adequado possa ser realizado.

Alguns dos sintomas da fase maníaca incluem irritabilidade, euforia, hiperatividade, insônia, pensamento acelerado, comportamento impulsivo e grandiosidade. Esses sintomas podem causar dificuldades no dia a dia e afetar negativamente a vida da pessoa que sofre com o transtorno bipolar.

As causas do surto maníaco no transtorno bipolar ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que fatores genéticos, biológicos e ambientais desempenham um papel importante. O tratamento para a fase maníaca geralmente envolve uma combinação de medicamentos estabilizadores de humor, psicoterapia e mudanças no estilo de vida.

É fundamental que as pessoas que sofrem com o transtorno bipolar recebam o apoio necessário de profissionais de saúde mental para gerenciar os sintomas da fase maníaca e melhorar sua qualidade de vida. Com o tratamento adequado, é possível controlar os surtos maníacos e viver de forma mais equilibrada.

Enumerando os diferentes tipos de manias para melhor compreensão e identificação de comportamentos.

As manias são caracterizadas por um estado de humor elevado, expansivo ou irritável, que pode incluir sintomas como aumento da energia, diminuição da necessidade de sono, fala rápida e agitada, pensamento acelerado, impulsividade e comportamentos de risco. Para uma melhor compreensão e identificação desses comportamentos, é importante conhecer os diferentes tipos de manias que podem ocorrer. Alguns exemplos incluem:

  • Mania eufórica: caracterizada por um humor extremamente elevado, otimismo exagerado e sensação de grandeza.
  • Mania disfórica: marcada por um humor irritável, explosivo e agressivo, acompanhado de sentimentos de raiva e hostilidade.
  • Mania hiperativa: manifestada por um aumento significativo da energia, inquietação motora, dificuldade em ficar parado e necessidade constante de se envolver em atividades.
  • Mania criativa: caracterizada por um aumento da criatividade, pensamento acelerado e ideias inovadoras, muitas vezes acompanhadas de impulsividade.
  • Mania sexual: marcada por um aumento do desejo sexual, comportamentos sexuais de risco e falta de inibição em relação à intimidade.
  • Mania religiosa: manifestada por obsessão por questões espirituais, crenças religiosas extremas e comportamentos ritualísticos.
  • Mania paranóica: caracterizada por pensamentos persecutórios, desconfiança extrema, ideias de conspiração e comportamentos defensivos.

Esses são apenas alguns exemplos dos diferentes tipos de manias que podem ocorrer durante a fase maníaca do transtorno bipolar. É importante estar atento a esses comportamentos para identificar precocemente a presença de um episódio maníaco e buscar ajuda profissional. A compreensão das características específicas de cada tipo de mania pode auxiliar no diagnóstico e no tratamento adequado desse transtorno.

Relacionado:  Epilepsia refratária: sintomas, causas e tratamento

Características principais do transtorno bipolar: conheça os sintomas e tratamentos adequados.

O transtorno bipolar é uma condição psicológica caracterizada por mudanças extremas de humor, alternando entre episódios de depressão e mania. A fase maníaca do transtorno bipolar é marcada por um estado de euforia, agitação e energia excessiva. Conheça as 7 características principais dessa fase:

1. Elevação do humor: Durante a fase maníaca, a pessoa apresenta um humor exageradamente positivo, podendo se sentir invencível e cheia de energia.

2. Aumento da atividade: O indivíduo pode apresentar um aumento significativo na atividade física e mental, realizando várias tarefas ao mesmo tempo e tendo dificuldade em relaxar.

3. Fala acelerada: Durante a fase maníaca, a pessoa pode falar de forma acelerada, com pensamentos rápidos e dificuldade em manter o foco em uma conversa.

4. Insônia: É comum que as pessoas em fase maníaca tenham dificuldade para dormir, devido à agitação e à energia excessiva que sentem.

5. Comportamento impulsivo: Durante a fase maníaca, a pessoa pode apresentar comportamentos impulsivos e de risco, como gastar dinheiro de forma descontrolada ou se envolver em atividades perigosas.

6. Irritabilidade: Apesar do humor elevado, a pessoa em fase maníaca pode apresentar irritabilidade e impaciência com os outros ao seu redor.

7. Dificuldade de concentração: Devido à aceleração dos pensamentos e da fala, a pessoa em fase maníaca pode ter dificuldade em manter a concentração em uma única tarefa.

O tratamento adequado para o transtorno bipolar envolve o uso de medicamentos estabilizadores de humor, psicoterapia e mudanças no estilo de vida. É importante buscar ajuda de um profissional de saúde mental para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Fase maníaca do transtorno bipolar: o que é e suas 7 características

Fase maníaca do transtorno bipolar: o que é e suas 7 características 1

O tipo I transtorno bipolar é uma das doenças mais graves de humor, como muitas vezes se manifesta como oscilações emocionais pendulan entre os extremos de mania e depressão.

Ambas as formas de expressão clínica ocorrem em uma sequência que não necessariamente se alterna (vários episódios depressivos ocorrem consecutivamente, por exemplo), mas com tratamento oportuno, eles podem ser mediados por períodos de estabilidade.

Por sua vez, a mania é essencial para entender esse problema de saúde mental . Portanto, ele ocupará uma posição central neste artigo.

Qual é a fase maníaca do transtorno bipolar?

Episódios maníacos são períodos em que a pessoa experimenta um humor anormalmente alto , que se manifesta como uma espécie de euforia transbordante. Às vezes, o sintoma pode adquirir uma nuance de irritabilidade, mostrando quem sofre uma atitude crítica em relação aos outros ou a si próprio e reagindo abruptamente a circunstâncias ambientais que podem fazê-lo se sentir chateado.

Em termos estritos, é necessário que o humor seja prolongado por pelo menos uma semana e que condicione (por sua intensidade) a capacidade de desenvolver responsabilidades diárias normais. Nesse sentido, pode comprometer a vida profissional ou acadêmica e até exigir um tempo de hospitalização, a fim de evitar possíveis danos a si ou aos outros.

A mania é o sintoma mais importante no transtorno bipolar tipo I, pois é o único necessário para o diagnóstico (cuja prevalência sobe para 0,6% da população mundial). A depressão , portanto, não deve estar presente em uma necessário (embora seja mais comum). A mania não deve ser confundida com hipomania, uma forma menos incapacitante e que constitui (juntamente com a presença de episódios depressivos) o eixo do transtorno bipolar tipo II (0,4% em todo o mundo).

A seguir, detalharemos os sintomas característicos dos episódios maníacos no transtorno bipolar , exemplificando cada um deles para mostrar seu potencial impacto na vida da pessoa que os sofre e de seus familiares.

1. Auto-estima ou grandiosidade exagerada

Uma das características definidoras da mania é a inflamação na percepção de que a pessoa se projeta sobre si mesma, que sofre uma expansão que excede todos os limites razoáveis. Pode se referir a si próprio usando atributos que sugerem grandeza ou superioridade, superdimensionando suas qualidades pessoais ao extremo. O exagero no valor de alguém também pode ser acompanhado pela desvalorização do valor dos outros .

Esse sintoma adquire sua expressão máxima através do sentimento de onipotência, que abriga crenças irreais sobre as próprias habilidades e que podem estar associadas a comportamentos de risco à vida ou à integridade física, além do desgaste de recursos físicos ou materiais.

Relacionado:  Como lidar com ansiedade e ataque de pânico

Outra circunstância que pode concordar nesse contexto é a erotomania, uma forma de delírio caracterizada por sentir o objeto do amor de outra pessoa, sem apreciar uma causa objetiva que possa apoiar tal raciocínio. Geralmente, é uma figura de notável significado social, que serve para fortalecer algumas crenças de superioridade sobre as quais a auto-imagem é construída. O sintoma é mais comum em casos graves.

2. Diminuição da necessidade de dormir

As pessoas que passam por uma fase maníaca podem reduzir abruptamente o tempo que passam dormindo (limitando-o a três horas por dia ou menos) e até ficar vigilantes por noites inteiras. Isso se deve a uma necessidade premente de se envolver em atividades e, ocasionalmente, à crença de que o próprio sonho constitui uma perda desnecessária de tempo.

O sentimento de cansaço desaparece, e a pessoa dedica todas as suas horas noturnas a manter um ritmo emocionante de atividades intencionais, que são realizadas de maneira errática e excessiva. Como em algum momento é evidente um compromisso intransigente com certos tipos de tarefas, elas podem ser abandonadas inesperadamente em favor de outras que suscitam um interesse incomum, o que implica um uso incessante de energia.

Sob esse estado, há uma óbvia exaustão física e mental, mas da qual a pessoa parece não estar ciente. Existem estudos sugestivos de que essa redução na necessidade de sono é um dos sintomas com maior poder preditivo para o aparecimento de episódios maníacos em pessoas com transtorno bipolar que estavam naquele momento em uma fase de estabilidade.

3. Taquilalia

Outra característica dos episódios maníacos é o aumento substancial da latência da fala , com uma produção de palavras muito maior do que o habitual nos períodos entre os episódios. Alterações como desarrumação (discurso sem fio aparente), tangencialidade (abordando questões irrelevantes para a questão central sendo abordada) ou fala distraída (mudança de assunto em resposta a estímulos encontrados no ambiente) podem surgir. e chame atenção).

Nos casos mais graves, pode ocorrer uma alteração da comunicação verbal conhecida como “salada de palavras”, na qual o conteúdo do discurso é desprovido de qualquer indício de inteligibilidade, de modo que o interlocutor se sente incapaz de apreciar seu significado ou intenção. .

4. Aceleração do pensamento

A aceleração do pensamento (taquipsiquia) está ligada, diretamente, ao aumento do ritmo da produção verbal . Ambas as realidades estão firmemente interconectadas, de modo que o comprometimento com a integridade do conteúdo mental resultará em um discurso afetado. Essa pressão de pensamento transborda a capacidade da pessoa de traduzi-la em termos operacionais para uso eficiente, observando o que é conhecido como “fuga de cérebros”.

Essa fuga de idéias implica a evidente desorganização na hierarquia de prioridades do pensamento, de modo que o discurso com o qual uma conversa começou (e que abrigava uma clara intenção comunicativa) é interrompido por um conjunto de idéias secundárias que se sobrepõem. sim de uma maneira caótica, e que eles acabam sendo diluídos em um emocionante fluxo de conteúdos mentais que fluem para um oceano furioso com palavras não relacionadas.

5. Distrabilidade

As pessoas que vivem em uma fase maníaca do transtorno bipolar podem ver certas funções cognitivas superiores alteradas , em particular processos de atenção. Em circunstâncias normais, eles são capazes de manter atenção seletiva relevante, dando maior importância aos elementos do ambiente necessários para uma operação adequada com base em chaves contextuais. Assim, a projeção do foco sobre o que seria descartável ou acessório para a ocasião seria inibida.

Durante as fases maníacas, uma alteração pode ser vista nesse processo de filtragem, de modo que os vários estímulos ambientais competem para monopolizar os recursos disponíveis para a pessoa, dificultando a expressão do comportamento em termos adaptativos. Por esse motivo, muitas vezes é extremamente difícil manter vigilância constante sobre qualquer estímulo, oscilando a atenção de um ponto para outro sem encontrar uma referência clara.

6. Aumento da atividade intencional

No contexto de um episódio maníaco, geralmenteum aumento peculiar no nível de atividade geral da pessoa . Assim, ele pode dedicar a maior parte do tempo a executar qualquer tarefa que desperte seu interesse, envolvendo-a de tal maneira que ele pareça não sentir fadiga apesar do tempo decorrido. É possível que essa circunstância concorde com o poderoso sentimento de se sentir criativo e construtivo, inibindo o restante das responsabilidades.

Relacionado:  Mageirofobia (medo de cozinhar): sintomas, causas e tratamento

Às vezes, esse fluxo incessante de atividades é resistente às tentativas de outros de forçar sua detenção, dada a preocupação com as possíveis conseqüências do esforço excessivo na saúde da pessoa (que pode permanecer noites inteiras em suas tarefas). Nesses casos, uma resposta de oposição aberta às tentativas de dissuasão pode surgir, acompanhada de alguma irritabilidade e percepção de queixa.

7. Impulsividade

Impulsividade é a dificuldade de inibir o impulso de emitir um comportamento específico na presença de um estímulo detonador (físico ou cognitivo), e isso geralmente implica também a impossibilidade de interrompê-lo no momento em que está em andamento. Esse sintoma permanece como um daqueles com maior poder descritivo nos episódios maníacos do transtorno bipolar, e também pode ser um dos mais prejudiciais à vida pessoal e social.

Não é incomum que, no contexto da fase maníaca do transtorno bipolar, a pessoa assuma decisões arriscadas cujas consequências implicam um comprometimento profundo de seus recursos econômicos ou fiduciários, como investimentos desproporcionais em empresas cujo prognóstico de sucesso é ruim ou duvidoso. Há perdas irreparáveis ​​de bens pessoais ou familiares, que aumentam a tensão relacional que poderia ter sido estabelecida no círculo íntimo de pessoas de confiança.

O envolvimento em outros tipos de atividades de risco, como o uso de substâncias ou comportamentos sexuais sem o uso de estratégias profiláticas apropriadas, pode gerar novos problemas ou até aumentar a intensidade dos sintomas da mania (como seria o caso no caso de uso de cocaína, que atua como agonista da dopamina e aumenta as dificuldades pelas quais a pessoa está passando).

Neurobiologia do transtorno bipolar

Muitos estudos descobriram que episódios agudos de depressão e mania, que ocorrem no curso do transtorno bipolar, aumentam o comprometimento das funções cognitivas que acompanham essa psicopatologia com a evolução do tempo. Tudo isso revelou a possibilidade de haver mecanismos estruturais e funcionais no sistema nervoso central que estão na base de sua expressão clínica específica.

Com relação à mania, foram encontradas evidências empíricas de uma redução no volume total de massa cinzenta no córtex pré-frontal dorsolateral ; Contribui para funções como atenção, inibição de impulsos ou a capacidade de planejar a médio e longo prazo. Achados semelhantes também foram descritos no giro frontal inferior, que participa dos processos de formação de palavras (por ter estreitas conexões com a área motora primária).

Por outro lado, foram detectadas alterações nas áreas do cérebro responsáveis ​​pelo processamento das recompensas, especialmente no hemisfério cerebral esquerdo, que pode estar em uma situação de hiperatividade. Esse fato, juntamente com o distúrbio mencionado anteriormente nas áreas corticais frontais, pode construir os fundamentos da impulsividade e da dificuldade de atenção das pessoas com transtorno bipolar.

É importante que a pessoa que sofre de um transtorno bipolar tente procurar ajuda especializada, pois o uso de estabilizadores de humor é fundamental para equilibrar os afetos e facilitar uma qualidade de vida adequada. Esses medicamentos, no entanto, requerem monitoração cuidadosa pelo médico devido à sua potencial toxicidade em caso de consumo inadequado (o que pode exigir alterações na dose ou até a busca de alternativas medicamentosas).

A psicoterapia, por outro lado, também desempenha um papel importante . Nesse caso, pode ajudar a pessoa a conhecer melhor a doença da qual está sofrendo, detectar com antecedência o aparecimento de episódios agudos (depressivos, maníacos ou hipomaníacos), gerenciar o estresse subjetivo, otimizar a dinâmica familiar e fortalecer estilo de vida que resulta na conquista de maior bem-estar.

Referências bibliográficas:

  • Abé, Ch., Ekman, CJ, Sellgren, C., Petrovic, P., Ingvar, M. e Landén, M. (2015). Os episódios maníacos estão relacionados a alterações no córtex frontal: um estudo longitudinal de neuroimagem do transtorno bipolar 1. Brain A Journal of Neurology, 138, 3440-3448.

  • Rowland, T. e Marwaha, S. (2018). Epidemiologia e fatores de risco para transtornos bipolares. Advances Therapeutic in Psychopharmacology, 8 (9), 251-269.

  • Satzer, D. e Bond, DJ (2016). Mania secundária a lesões cerebrais focais: implicações para a compreensão da neuroanatomia funcional do transtorno bipolar. Distúrbios bipolares, 2016, 205-220.

Deixe um comentário