Fatores que modificaram o metabolismo dos seres vivos

O desenvolvimento dos diferentes processos industriais, agrícolas e urbanos são orientados, de uma maneira ou de outra, para o progresso e a melhoria da qualidade de vida. Essas atividades, às quais os domésticos se juntam, geraram uma poluição ambiental globalizada muito séria .

A grande maioria dos produtos químicos antropogênicos usados ​​na industrialização altera o meio ambiente. Como conseqüência, fatores ligados à poluição, como pesticidas e dióxido de nitrogênio, afetam o metabolismo celular e o ambiente dos seres vivos .

Fatores que modificaram o metabolismo dos seres vivos 1

Poluição ambiental. Fonte: Gabriel Villena, de Albacete, Espanha [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Os processos metabólicos estão associados ao cumprimento de todas as funções vitais, como respiração, digestão e homeostase. Nestas ocorrem um conjunto de reações físico-químicas, influenciadas por variações de pH e temperatura, entre outras.

O metabolismo participa, entre outros processos, na criação e decomposição dos tecidos corporais e na obtenção e reserva de energia como fonte primária para o funcionamento do organismo.

Fatores que modificaram o metabolismo dos seres vivos e seu meio ambiente em relação à poluição ambiental

Uso de pesticidas

O desenvolvimento de atividades agrícolas resultou na necessidade do uso de substâncias controladoras de insetos, que afetam a viabilidade das culturas.

Atualmente, pesticidas muito potentes são usados, como organoclorados, que são estáveis ​​no ambiente. Também são utilizados organofosforados, menos estáveis ​​que os anteriores, mas com alto nível de toxicidade.

A contaminação ambiental por pesticidas deve-se principalmente à sua aplicação direta em culturas agrícolas. Isso se deve também à manutenção inadequada dos armazéns e dos resíduos encontrados no solo, entre outros.

Dessa forma, partículas tóxicas são incorporadas ao ar, água e solo, modificando suas próprias características. Por exemplo, o solo está degradado, causando mudanças em seu pH, umidade e temperatura, entre outros fatores.

Os resíduos de pesticidas são transferidos do solo para a forragem, que é consumida pelos animais. Essas substâncias tóxicas são armazenadas na gordura, aumentando assim sua concentração no leite e na carne.

Os pesticidas se dispersam no ambiente, tornando-se poluentes para os seres bióticos que compõem os diferentes ecossistemas. Assim, a estabilidade metabólica está ameaçada, representando um sério risco à saúde pública.

Neurotoxicidade

Especialistas realizaram pesquisas sobre o efeito de pesticidas organofosforados em animais. Os resultados mostram que, mesmo em baixas concentrações, essas substâncias tóxicas são desreguladores endócrinos.

Dessa forma, poderiam causar alterações na transmissão sináptica, bem como modificar os mecanismos homeostáticos do sistema neuroendócrino.

Os estágios de maior sensibilidade à exposição a pesticidas são o desenvolvimento embrionário e os primeiros anos de vida, períodos em que os processos de crescimento celular são controlados por hormônios.

Qualquer modificação em algum processo metabólico afeta o sistema imunológico, o desenvolvimento do cérebro e órgãos, como a tireóide.

O eixo do hipotálamo, hipófise e tireóide é sensível aos pesticidas. Estes atuam diminuindo a produção do hormônio da tiroxina, devido à baixa resposta do TSH à TRH. Dessa forma, há uma disfunção entre o hipotálamo e a hipófise.

Quando a homeostase é afetada pela ação de pesticidas, a produção do hormônio da tireóide também é perturbada. Consequentemente, a modulação do funcionamento serotoninérgico e catecolaminérgico, uma ação executada pelo referido hormônio, modifica os diferentes metabolismos que ocorrem no nível cerebral.

Dioxinas

As dioxinas são consideradas poluentes orgânicos persistentes, caracterizados por alto potencial tóxico. Uma vez que entram no corpo, permanecem nele por um longo período de tempo, devido à sua grande estabilidade química e fixação ao tecido adiposo, onde são armazenados.

No ambiente, eles se acumulam em toda a cadeia trófica, de modo que quanto maior o animal, ele pode ter uma quantidade maior de dioxinas armazenadas em seu corpo. Outra via de transmissão é de mãe para filho, através da placenta e do leite materno.

As dioxinas são subprodutos de processos industriais, como fundição, branqueamento de papel com produção de cloro e herbicida. Eles também podem ocorrer em incêndios florestais e erupções vulcânicas.

A incineração de resíduos e sólidos hospitalares, como plástico ou papel, é geralmente a principal causa de poluição ambiental por esse elemento, porque essa combustão é incompleta.

Essa ação faz com que as dioxinas se dispersem no ar para os ecossistemas, tendo a maior concentração no solo e nos sedimentos. Eles também são armazenados em alimentos, como carnes, laticínios, frutos do mar e peixes.

Efeitos nos seres vivos

Este composto tóxico é considerado pela Organização Mundial de Saúde como “carcinogênico humano”. Além disso, pode afetar o desenvolvimento e os sistemas reprodutivo, nervoso, imunológico e hormonal.

Nos seres humanos, a exposição a dioxinas pode causar manchas escuras e acne com cloro. Também causa deterioração nos diferentes processos metabólicos hepáticos. Em altas concentrações, pode causar alterações nos níveis hormonais e no metabolismo da glicose.

Nos animais, pode causar danos no fígado, perda de peso e um desequilíbrio endócrino. Algumas espécies têm problemas no nível imunológico, diminuindo a capacidade de combater vírus e bactérias.

Dióxido de nitrogênio

Estudos recentes confirmam os efeitos da poluição do ar no metabolismo. Segundo a OMS, esse tipo de poluição é responsável por mais de 5,4% das mortes de pessoas em todo o mundo.

O dióxido de nitrogênio é um composto químico, cuja principal fonte é a combustão de veículos automotores. Também é encontrado em gases emitidos por indústrias. Naturalmente, ocorre em erupções vulcânicas e incêndios florestais.

A poluição atmosférica geralmente está quase exclusivamente relacionada a problemas respiratórios e distúrbios cardiovasculares. Atualmente, relatórios de pesquisa relatam que pessoas que foram expostas a esse elemento contaminante podem estar em maior risco de diabetes tipo 2.

Os cientistas estabeleceram que um nível mais alto de exposição ao NO2 aumenta a resistência à insulina. Além disso, uma vez que há uma alteração nas funções metabólicas das células β, há uma diminuição na secreção de insulina.

Também foi demonstrado que quando um corpo está em contato com dióxido de nitrogênio, pode haver um aumento no tecido adiposo abdominal subcutâneo.

Quando ocorre uma exposição do feto à contaminação atmosférica com NO2, o bebê pode ter um rápido ganho de peso ao nascer. Isso pode resultar em aumento do risco cardiometabólico no estágio intermediário da infância.

Referências

  1. OMS (2019). Dioxinas e seus efeitos na saúde humana. Recuperado de who.int.
  2. Françoise Brucker-Davis (2009). Efeitos de produtos químicos sintéticos ambientais na função tireoidiana. Recuperado de liebertpub.com.
  3. Kim JT, Lee HK. (2014). Síndrome metabólica e poluentes ambientais sob perspectivas mitocondriais. NCBI Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov.
  4. Brigitte Le Magueresse-Battistoni, Hubert Vidal e Danielle Naville (2018). Poluentes ambientais e distúrbios metabólicos: o cenário de exposição múltipla da vida. Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov.
  5. Fiorella, Sarubbi e Palomba, Raffaele, Assunta, Arrichiello e Auriemma, Giuseppe. (2016). Efeito da poluição ambiental na produção e perfil metabólico em vacas bubalinas. Researchgate Recuperado de researchgate.net.
  6. Parque Sung Kyun (2017). Poluição do ar ambiente e diabetes tipo 2: os efeitos metabólicos da poluição do ar começam cedo na vida? Associação Americana de Diabetes. Recuperado de diabetes.diabetesjournals.org.
  7. Yasmin Morales Ovalles, Letícia Miranda de Contreras, Maria Luisa Di Bernardo Navas (2014). Neurotoxicidade de pesticidas como agentes desreguladores endócrinos: uma revisão. Recuperado de scielo.org.ve.
  8. Brian A. Neel1 e Robert M. Sargis (2011). O paradoxo do progresso: rompimento ambiental do metabolismo e a epidemia de diabetes. Associação Americana de Diabetes. Recuperado de diabetes.diabetesjournals.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies