Fray Pedro Simón: Biografia, Obras

Frei Pedro Simón era um missionário e educador pertencente à ordem franciscana. Ele se destacou por seu trabalho como cronista do Novo Continente; Durante os tempos da conquista espanhola, esse território foi chamado de Índias Ocidentais. O trabalho mais relevante de Frei Pedro Simón foi registrar por escrito tudo o que acontecia nos lugares que visitava.

Mais tarde, ele a enviou ao rei para que ele conhecesse os costumes, maneiras e idiomas dos habitantes originais das terras americanas. Também teve que registrar o que está relacionado à vegetação e espécies animais. Frei Pedro Simón fez duras críticas a outros cronistas da época por escrever sobre coisas que nunca haviam testemunhado.

Fray Pedro Simón: Biografia, Obras 1

Diante disso, esse frade se preocupou em aparecer nos lugares onde contou muitas de suas histórias e tentou relatar o mais fielmente possível – de acordo com sua apreciação – o que testemunhou.

Biografia

Frei Pedro Simón nasceu no município de San Lorenzo de la Parrilla, na província de Cuenca, Espanha. Ele nasceu no ano de 1574; está certa dessa data porque o próprio Fray Pedro a afirmou em um de seus manuscritos.

No que diz respeito à infância, juventude e treinamento, mais informações são desconhecidas. Contudo, pelas acusações que ele sustentava dentro de sua ordem religiosa e de seus escritos, segue-se que ele era um homem de fé.

Além disso, presume-se que ele era extremamente estudioso, amante de pesquisas, conhecedor do poder da palavra escrita e fiel sujeito da coroa espanhola.

Presença na América

Ele chegou às Américas em resposta ao chamado de seu superior, Fray Agustín de la Muela. Isso o notificou sobre a inauguração de um convento de Recoletas na cidade de Santa Fe, e solicitou seu apoio para a prática como professor de artes e teologia.

Ele foi professor por 14 anos e, além de seu trabalho como cronista e pesquisador, ocupou vários cargos administrativos importantes. Estes incluem o guardião do Convento da Purificação, qualificador do Santo Ofício e leitor aposentado em teologia.

Trabalhos

A narração de Fray Pedro é conhecida como Notícias Históricas , embora ele tenha dado o título de Notícias Históricas das conquistas de Tierra Firme nas Índias Ocidentais.

Este religioso visitou muitos locais; no entanto, havia dois em particular nos quais ele permaneceu por muito tempo. Desses lugares, ele conseguiu coletar informações cada vez mais detalhadas: a Capitania Geral da Venezuela (atualmente a República Bolivariana da Venezuela) e o Novo Reino de Granada (atual República da Colômbia).

Suas anotações descobrem as raízes históricas de ambas as nações. Essa é uma das razões pelas quais eles constituem documentos de referência obrigatórios para estudantes de história e antropologia.

As informações compiladas ao longo de seu trabalho foram distribuídas em cinco volumes. O primeiro deles dedicado à sua passagem pela Venezuela. Cada volume, por sua vez, foi dividido em 7 partes, e cada uma dessas partes poderia ter mais de 50 capítulos.

Frei Pedro Simón trabalhou como historiador e linguista. Em suas viagens, ele tentou aprender palavras nativas dos grupos étnicos locais, a fim de compilar dados para um glossário. Essa lista de vocabulário, composta principalmente de substantivos, tinha o objetivo de facilitar o trabalho dos espanhóis que chegavam a esses territórios.

Estilo

Sua maneira de contar histórias é reconhecida por vários motivos:

– Para usar uma linguagem divertida e simples. Seu estilo narrativo se assemelha aos romances de cavalheiros, que estavam precisamente na moda na época.

– Pela sua utilidade. Frei Pedro Simón não quis contar contando. Ele procurou que seu trabalho cumprisse uma função moralizante. Por esse motivo, suas páginas estavam cheias de exemplos que mostram personagens honrosos (de acordo com seus critérios), em contraste com outros de comportamento repreensível e imoral.

Posição antes da conquista

Os escritores nunca são imparciais e Fray Pedro Simón não é exceção. Em seus textos, ele usou ornamentos literários, filosóficos e religiosos para justificar as atrocidades cometidas pelos espanhóis.

Seus escritos estão longe de reconhecer o genocídio cometido pelos europeus aos habitantes étnicos originais das terras americanas.

Isso é fácil de demonstrar quando se observa em seus trabalhos que quase sempre aqueles que estão do lado luminoso e heróico de suas histórias são seus navios de guerra compatriotas, enquanto os aborígenes, nus e desprovidos de equipamentos avançados de guerra, sempre carregam qualificações depreciativas. Segundo o cronista, este exerceu as ações mais cruéis e vis.

Para Frei Pedro Simón, todos os castigos infligidos aos índios foram justos, porque ocorreram por vontade divina. Para dar glória ao nome de Deus e exaltar a honra da Coroa, era legítimo empregar qualquer método. Os açougueiros e os excessos de violência eram naturais e compreensíveis aos olhos de Frei Pedro Simón.

O Conselho das Índias foi encarregado de exigir a todos os cronistas a lealdade ao rei espanhol em suas narrativas. Eles não tinham o direito de questionar seus procedimentos ou ordens.

Apenas um deles, também franciscano, ousou questionar com ousadia os métodos bárbaros usados ​​contra os índios inocentes: Fray Bartolomé de las Casas.

Méritos

Devemos reconhecer o esforço de Frei Pedro Simón para compilar e defender seus escritos, pois, na época, havia muitos que escreviam e poucos que concluíam seus escritos.

O número de escritores que conseguiram superar os filtros e as censuras impostas pela Coroa, requisito indispensável para ver seus textos publicados, também foi pequeno.

Além disso, se uma idéia que não gostasse da Inquisição fosse expressa, não apenas a publicação seria proibida, mas também haveria o risco de ter que pagar algumas das penalidades impostas pela Santa Inquisição.

Essas sentenças variaram da prisão à morte na fogueira, pois consideravam a seriedade do crime. Frei Pedro Simón, morreu na Espanha em 1628.

Referências

  1. Echeverry, A (2005) Dialética das utopias: do lugar ao lugar perfeito no imaginário franciscano 1550 – 1630. Revista científica de Guillermo de Ockham. Vol. 3, nº 1. Recuperado de: bibliotecadigital.usb.edu.co:8080
  2. Mantilla, L. (1989). Os franciscanos no novo mundo (século XVII): Frei Pedro Simón, historiador e linguista. Recuperado de: dspace.unia.es
  3. Rey, C (2016) A história de Aguirre contada por Fray Pedro Simón. Recuperado de: revije.ff.uni-lj.si
  4. Roldán, A. (2015) Pedro de Ursua, Francisco Cesar e Sir Francis Drake após os tesouros de Nova Granada: em Notícias históricas das conquistas de terras firmes nas Índias Ocidentais. Recuperado de: academicworks.cuny.edu
  5. Shüntz, G. (1988) Thesaurus. Volume XLIII Nos. 2 e 3 Julgamentos, revisão de Frei Pedro Simón e seu Dicionário de Americanismos. Recuperado de: cvc.cervantes.es

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies