Os 10 elementos teatrais mais importantes

Os 10 elementos teatrais mais importantes 1

Os elementos do teatro são componentes dessa arte cênica que, quando analisados, nos ajudam a entender o significado das histórias representadas pelos atores, ou permitem uma história contada em primeiro lugar.

Neste artigo, veremos quais são esses elementos do teatro, como eles estão envolvidos nas narrativas e o que os caracteriza.

O que é uma peça?

O teatro é uma das principais artes do espetáculo e vem se desenvolvendo como uma forma de expressão cultural ao longo de milhares de anos. Portanto, há muitos fatores envolvidos que se reúnem no trabalho representado, para tecer histórias. Uma peça é o resultado dessa combinação de elementos e consiste na representação de uma história formada por atos nos quais os atores incorporam personagens na frente de uma platéia.

Inicialmente, as formas de representação cênica que eram a semente do teatro estavam ligadas às tradições místico-religiosas e, através da recriação simbólica de mitos e lendas, procuravam trazer ordem à realidade, aplicando-se nessas ficções narrativas que procuravam explicar o que estava acontecendo. no mundo.

Portanto, não foi dada importância ao autor, dramaturgo ou diretor responsável pela criação do ritual (a criação destes foi, com certeza, o produto de várias gerações trabalhando por décadas). Mais tarde, com a aparência do próprio teatro, o objetivo religioso foi perdido e a capacidade de usar elementos do teatro de maneira criativa e variada aumentou, dependendo do que se quisesse expressar.

Esses elementos do teatro podem ser de vários tipos: materiais, simbólicos, humanos … Todos eles trazem novas camadas de significado à medida que aparecem no palco .

Elementos do teatro: o que são?

Abaixo, você encontrará um resumo sobre os principais elementos do teatro, com explicações sobre o papel de cada um deles na performance.

1. Atores

Os atores são os profissionais responsáveis ​​pela interpretação dos personagens, incorporando sua personalidade, suas motivações e os conceitos que simbolizam . As ações dos atores definem o que acontece no mundo ficcional em que a história se passa, avançam no desenvolvimento da trama e também expressam as emoções que acompanham o trabalho através de sua linguagem não verbal, usando todo o corpo e qualidades de sua voz

Os atores das peças de teatro funcionam de maneira diferente da mídia audiovisual, como o cinema, entre outras coisas pelas características materiais de seu trabalho: não são muitas as tentativas, devemos fazer o que for compreensível por parte do público que está mais distante, e devemos lidar com as limitações de espaço que estão ligadas ao palco.

2. Cenografia

A cenografia é um dos elementos do teatro mais integrados no palco e, de fato, o palco pode ser entendido como parte da cenografia. É o conjunto de objetos e conjuntos que são usados ​​para representar o espaço em que os eventos ocorrem e podem mudar à medida que se movem de um lugar para outro (a substituição de parte ou de todos os objetos no cenário geralmente ocorre no “escuro”, quando o público não consegue ver bem o que acontece).

3. Audição

O público é um dos elementos do teatro que passa despercebido porque é um dado adquirido, mas a verdade é que o público da peça nunca se torna um agente totalmente passivo; Ele participa da criação do trabalho, mesmo que as pessoas que o compõem não estejam cientes disso.

De fato, a concepção de uma peça é realizada com as características culturais, sociais e psicológicas do público em mente, para que tudo o que acontece possa ser entendido. Essa é uma das diferenças entre uma peça e uma representação religioso-ritual, na qual não é essencial que o público entenda o que está acontecendo.

Por outro lado, também existem casos em que os atores interagem com o público verbal ou fisicamente , para desenvolver a narrativa juntos de maneira mais ou menos improvisada.

4. Script

O roteiro é o texto que descreve tudo o que é importante na peça , prestando atenção especial às linhas de diálogo. É o elemento da peça que reflete por escrito as idéias e os temas trabalhados na performance, e seu autor é o dramaturgo.

Além disso, o roteiro ou o texto de uma peça seguem um desenvolvimento no qual a carga dramática da peça aumenta desde os primeiros minutos até os momentos próximos ao fim; Essa estrutura é dividida nas fases conhecidas como abordagem, nó (sem ponto de retorno) e resultado.

Por outro lado, cada uma dessas partes é, por sua vez, dividida em atos, que se distinguem por seu contexto espaço-temporal, o tempo e o local em que a história se passa e são separados por “obscuros” (um desligamento geral) de luzes). Os atos são unidades nas quais o enredo é dividido e aparecem em todas as artes cênicas em geral.

5. Iluminação

Embora em muitas peças de teatro a iluminação seja apenas para ver bem o que acontece no palco e, no máximo, marcar os momentos de transição de uma cena para outra (desligando as luzes), existem muitas possibilidades de usá-lo de uma maneira que dê sentido ao trabalho.

Por exemplo, os holofotes podem ser articulados para direcionar a atenção do público para um certo ponto no palco enquanto certos objetos estão ocultos, vários deles podem ser usados ​​de maneira coordenada para gerar uma sensação concreta através de seus padrões de movimento e também podem preencher o cenário de cores diferentes, dependendo do que acontece.

As possibilidades com esse elemento do teatro são múltiplas, pois podem ser tocadas com o movimento do feixe de luz e as cores que ele projeta. De fato, uma lâmpada pode ser mais um personagem na peça, dialogando com o restante dos personagens, apesar de não ter voz, criando os contextos apropriados.

6. maquiagem

A maquiagem é um dos elementos do teatro de natureza cosmética, embora isso não signifique que seu principal objetivo seja embelezar os personagens: de fato, em muitos casos, o efeito que produz é o oposto, já que com as técnicas corrente pode mudar o alívio da face dos atores para adotar expressões grotescas.

De fato, oferecer ao público personagens atraentes não precisa estar entre as prioridades da peça. A maquiagem é usada com uma ampla variedade de finalidades, entre as quais encontramos várias finalidades técnicas e outras que são de conteúdo .

Entre os objetivos técnicos da maquiagem, destacam-se os efeitos da distância e da iluminação artificial, para que o público tenha uma imagem mais clara e fiel da aparência dos personagens. Dessa forma, mesmo estando nas áreas mais afastadas do palco, é possível ver as linhas de expressão de quem está atuando, e os holofotes não queimam a imagem dos rostos dos atores.

Por outro lado, os objetivos do conteúdo alcançado usando maquiagem são aqueles que têm a ver com o tipo de idéias e simbologias que se destinam a expressar através da aparência dos personagens. Nesse aspecto, entra em jogo a teoria da cor e sua maneira de nos fornecer informações indiretas sobre o que está acontecendo, graças ao uso das cores, associadas a certos conceitos e sensações.

  • Você pode estar interessado: ” Psicologia da cor: significado e curiosidades das cores “

7. Trajes

Como elemento constitutivo de uma peça, os figurinos se parecem muito com a maquiagem, uma vez que também consiste em aplicar produtos aos atores para que eles expressem sentimentos e idéias através de sua simples presença e, nesse caso, também brincam com as paletas de cores. transmitir conceitos imediatamente, sem falar.

No entanto, uma característica do traje é que ** as roupas podem ser trocadas ou removidas rapidamente, mesmo como parte do curso narrativo ** incluído na história, algo que não acontece com a maquiagem.

Por exemplo, se a qualquer momento o protagonista perde o chapéu, esse simples fato pode expressar perda de controle, perda de autoridade que confere sua participação em uma determinada instituição, submissão a outras, etc.

8. Som

O som de uma peça é composto de música e efeitos sonoros complementares que ajudam a entender o que acontece na história . A música pode ser diegética ou extradiegética, ou seja, pode fazer parte da história e ser ouvida pelos personagens, ou pode acompanhar a história, sem fazer parte do que acontece literalmente.

9. Voice over

A narração (ou narração em inglês) é uma série de declarações emitidas por alguém que não pertence ao que está acontecendo no ato da peça e não está à vista do público, geralmente para forneça informações que narrem ou acompanhem o desenvolvimento do enredo, fornecendo informações adicionais . Muitas vezes, é uma gravação de voz complementada por efeitos sonoros.

10. Diretor

O diretor da peça é o responsável por coordenar os demais elementos do teatro , tanto os materiais (decorações, iluminação, etc.) quanto os referentes às ações que os atores devem realizar para interpretar seus personagens, em todos os momentos.

Por outro lado, o trabalho do diretor se torna mais perceptível antes da implementação do trabalho na frente do público do que durante ele; de fato, não está localizado no palco, mas fora dele, para ter uma visão mais geral e panorâmica de tudo o que acontece ao mesmo tempo.

Referências bibliográficas:

  • Counsell, C. (1996). Sinais de performance: uma introdução ao teatro do século XX. Nova York: Routledge.
  • Pavis, P. (1998). Dicionário do Teatro: Termos, Conceitos e Análise. Toronto: University of Toronto Press.
  • Kuritz, P. (1988). A realização da história do teatro. Penhascos de Englewood, Upper Saddle River: Prentice Hall.
  • Trancón, S. (2006). Teoria do teatro. Madri: Fundação

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies