Gabriel García Moreno: biografia, presidência e obras

Gabriel García Moreno (1821-1875) foi advogado, escritor e político que atuou como presidente do Equador por dois períodos, nos quais implantou uma poderosa linha conservadora e autoritária.

Ele assumiu um papel ativo na turbulenta vida política do século XIX no país sul-americano, convencido de que o remédio para os problemas de sua nação residia na aplicação dos princípios morais ensinados por um líder poderoso e decisivo.

Gabriel García Moreno: biografia, presidência e obras 1

Presidência da República do Equador [Domínio público]

Durante seus dois mandatos presidenciais, ele centralizou o governo, reduziu a corrupção, manteve uma paz relativa no país, fortaleceu a economia e estabeleceu um forte vínculo entre a Igreja Católica e o Estado.

Para atingir seus objetivos, García Moreno reformou duas vezes a constituição da república e liderou um regime indubitavelmente autocrático. Isso causou uma forte oposição liberal que terminou sua vida quando ele estava prestes a iniciar um terceiro mandato presidencial.

Biografia

Primeiros anos

Gabriel García Moreno nasceu em 24 de dezembro de 1821 em Guayaquil, região de Quito, sob o domínio espanhol. Ele era o oitavo filho de Gabriel García Gómez e Mercedes Moreno, que na época de seu nascimento ocupava uma alta posição social naquela cidade.

A família perderia sua economia confortável após a morte dos pais, quando o jovem Gabriel tinha apenas nove anos de idade. Isso colocou em risco sua educação e, por isso, ele recebeu os estudos primários em sua própria casa, ministrados por um padre da Ordem de Nossa Senhora da Misericórdia e por um amigo da família que os historiadores analisam apenas por seu sobrenome: Betancourt.

Essa educação precoce, com tendência religiosa, teve uma grande influência em suas decisões futuras. Por enquanto, García Moreno, com apenas 15 anos, mudou-se para Quito, onde duas irmãs Betancourt o hospedaram para que ele pudesse comparecer ao Convictorio de San Fernando.

Naquele estágio, ele ensinou aulas de latim para crianças das séries mais baixas, um emprego que lhe rendeu uma bolsa de estudos com a qual ele poderia continuar seus estudos.

Em 1838, com 17 anos, manifestou ao mundo sua forte inclinação religiosa para receber ordens menores do bispo de Guayaquil, mas finalmente tomou outro caminho e, no mesmo ano, começou seus estudos de direito na Universidade de Quito, uma instituição em que mais tarde serviu como reitor em 1857.

Vida pessoal

Gabriel García Moreno casou-se com Rosa Ascásubi Matheu em 1846, que morreu em 1856. Seis meses depois de ser viúvo, ele se casou novamente, desta vez com Mariana del Alcazar, sobrinha de sua falecida esposa.

Relacionado:  Alexandre, o Grande: biografia, territórios conquistados, personalidade

Pensa-se que Garcia Moreno tenha uma doença genética que ele transmitiu aos seus filhos, já que ele teve quatro filhos com sua primeira esposa e todos morreram antes dos dois anos de idade.

Este evento foi repetido com sua segunda esposa, com quem ele teve três meninas que também morreram depois de viver uma infância curta. Apenas um filho dessa união sobreviveu até a idade adulta.

Um homem multifacetado

Em 1844, ele já havia se formado como advogado, mas seu amor pelas leis também era acompanhado por outras facetas, desde que dominava a química, a filosofia, a matemática, as ciências exatas e a escrita. Ele estudou francês, inglês e italiano e gostava de vulcanologia e montanhismo.

Sua carreira política começou em tenra idade. Com 24 anos, ele é nomeado Comissário de Guerra na Jurisdição do Norte, com 25 foi Regidor do Cabildo de Quito e com 26 anos foi escolhido como governador de Guayaquil.

Anos de exílio

Em 1849, ele apoiou a presidência de Vicente Ramón Roca, antes da ameaça do ex-presidente deposto Juan José Flores de retomar o poder, mas depois do fim do mandato que ele apoiou, ele teve que se exilar para proteger sua vida.

Por esse motivo, ele viajou para a Europa, onde viu os traços das revoluções que haviam acabado de varrer o continente um ano antes. Isso o levou a desenvolver uma rejeição ao liberalismo e à violência descontrolada.

Em 1850, ele retornou ao Equador, sendo já conhecido na época como um bom orador e escritor da causa conservadora. Em 1856, ele se opõe ao presidente José María Urbina, e é novamente exilado.

Em 1859, ele liderou uma rebelião que derrubou o presidente Francisco Robles e, antes desse vácuo de poder, fazia parte de um triunvirato que compartilhava com Patricio Chiriboga e Gerónimo Carrión para tomar as rédeas do país até 1861.

Nesse mesmo ano, o Congresso equatoriano elegeu Gabriel García Moreno como Presidente da República.

Presidência

Igreja e Estado

Quando García Moreno assumiu a presidência, o Equador era um país jovem com apenas trinta anos de fundação, por isso não tinha uma tradição nacionalista, havia fortes ressentimentos regionais e uma divisão de classes entre europeus e indianos que não compartilhavam um linguagem comum

Gabriel García Moreno entendeu que a única coisa que a sociedade equatoriana compartilhava era a religião e, com base nela, concedia uma importante abertura à Igreja Católica durante seus dois períodos de governo estabelecidos entre 1861-1865 e 1869-1875.

Ele promoveu um governo centralizado e um vínculo direto entre a Igreja e o Estado depois que a Concordata assinou em 1862 com o Vaticano. Este acordo abriu as portas do país às ordens jesuítas e deixou a educação do país nas mãos da Igreja.

Relacionado:  Gerolamo Cardano: biografia, contribuições, invenções

O fervor religioso não parou por aí, alguns padres considerados liberais foram exilados, outras religiões foram desencorajadas e foi declarado que apenas os católicos eram os verdadeiros e únicos cidadãos. Em 1873, ele exortou o Congresso a dedicar a República do Equador ao Sagrado Coração de Jesus e a enviar dinheiro do Estado equatoriano ao Vaticano.

Autoritarismo

García Moreno impôs um regime autocrático de costas para a liberdade de imprensa e introduziu uma nova constituição em 1861, que mais tarde substituiu por outra em 1869 porque considerava a anterior muito liberal.

A segunda constituição foi chamada por seus oponentes de “Carta da Escravidão” ou “Carta Negra”, porque consideravam que ela foi projetada para atender aos requisitos de García Moreno e ignorada quando suas restrições interromperam as ações do presidente.

O Congresso Nacional só existia para aprovar suas decisões e seus críticos mais fortes tiveram que se exilar devido à feroz caçada aos liberais que se opunham ao seu regime.

No entanto, alguns historiadores suavizam os modos de García Moreno, afirmando que ele realmente agiu para o bem de seu povo, seguindo instruções morais de um poder maior, justificando-o especialmente por seu estilo de vida austero e por ser um forte inimigo da corrupção.

Trabalhos Presidenciais

Os historiadores apontam que, embora alguns aspectos do governo de Gabriel García Moreno tenham sido muito negativos, eles marcaram o primeiro período de progresso genuíno para o Equador, especialmente na área de obras públicas e educação. Durante seus mandatos presidenciais, ele conseguiu:

– Aprovar a Lei Orgânica da Instrução Pública.

– Inaugurar escolas e hospitais.

– Promover a educação das mulheres.

– Criar a Academia Nacional Científica e Literária.

– Fundou a Escola Politécnica Nacional de Educação.

– Melhorar o regime de caridade pública.

– Iniciar reformas do sistema fiscal e financeiro.

– Melhorar o crédito internacional do Equador.

– Promover investimentos estrangeiros.

– Encontrou o Observatório Meteorológico.

– Construa novas estradas.

– Iniciar o trabalho das linhas ferroviárias que eventualmente se juntariam às regiões das montanhas e da costa.

– Implementar uma linha telegráfica.

– Executar reformas na agricultura que lentamente conseguiram aumentar a produção.

Morte pública

Em 1875, depois de completar seu segundo mandato, García Moreno convocou eleições e foi eleito para um terceiro mandato. No entanto, em 6 de agosto do mesmo ano, antes de tomar posse do novo período, ele foi morto por um grupo de liberais nos portões do Palácio Presidencial.

Relacionado:  Roman Jakobson: biografia, modelo de comunicação e contribuições

García Moreno veio caminhando para o local da Catedral Metropolitana, onde havia ido rezar. Quando ele subiu os degraus do Palácio Carondelet, o liberal colombiano Faustino Rayo, que se escondia atrás das colunas, o atacou com um facão. Imediatamente, outras quatro pessoas que fizeram parte da emboscada dispararam armas de fogo contra o presidente.

O edecán presidencial poderia fazer pouco antes da magnitude do ataque chocante. De todos os atacantes, apenas Lightning foi preso, morto durante sua transferência por um fuzil disparado por um cabo encarregado de sua guarda.

García Moreno foi transferido ainda vivo para a Catedral e colocado aos pés do altar de Nossa Senhora das Dores, onde ele finalmente morreu, aos 54 anos. No local, uma placa é exibida em comemoração à sua morte.

E, embora oficialmente seja um assassinato, escritores liberais como Juan Montalvo, que exerceram forte oposição contra García Moreno, afirma que o que aconteceu ao presidente foi um “tiranicídio” devido à natureza autocrática de seu regime.

Legado

Os escritos mais lembrados de García Moreno são: «Epístola a Fabio», «Defesa dos jesuítas» e «A verdade aos meus caluniadores». Ele também deixou centenas de cartas e discursos ao longo de sua carreira política que ainda são preservados para o estudo de suas abordagens no contexto histórico da época.

Os historiadores ainda debatem sua imagem positiva ou negativa e a maioria concorda que não pode colocar suas ações em apenas um lado da balança.

Ele é considerado um estadista brilhante que também era qualificado como tirano, um devoto religioso que também era fanático. Ele levou o Equador ao progresso, mas sob um regime autocrático, entre outros aspectos sobre seu comportamento como figura pública.

Por esse motivo, suas verdadeiras intenções e o alcance de suas realizações até o atual período do Equador continuarão sendo uma questão de discussão e análise sensível.

Referências

  1. Os editores da Encyclopedia Britannica. Gabriel Garcia Moreno Retirado de britannica.com Chritopher Minster. (2017). Gabriel Garcia Moreno Retirado de thoughtco.com
  2. Fernando Pascual. (2015). Gabriel García Moreno: político e católico. Retirado de es.catholic.net
  3. Valverde León, Jorge Gustavo e Llumiquinga Gualotuña, Sandra Elizabeth. (2017). Governo de Gabriel García Moreno. Retirado de dspace.uce.edu.ec
  4. Eduardo Kingsman Garcés e Ana María Goetschel. (2014). Presidente Gabriel García Moreno, concordata e administração da população no Equador na segunda metade do século XIX. Retirado de redalyc.org
  5. Enciclopédia Católica: Gabriel García Moreno. (2019). Retirado de newadvent.org

Deixe um comentário