Golfinhos: características, evolução, habitat, reprodução

Os Golfinhos (Delphinidae) ou golfinhos oceânicos são mamíferos Placentário da ordem dos cetáceos que vivem nos oceanos e mares, ao contrário dos golfinhos de rio (Platanistoidea) encontrados em rios.

Independentemente do habitat, os golfinhos devem subir à superfície da água para respirar. Esses ciclos respiratórios, onde emergem e depois submergem, são realizados em diferentes intervalos de tempo, de acordo com as características das espécies.

Golfinhos: características, evolução, habitat, reprodução 1

Fonte: pixabay.com

A anatomia deste animal sofreu várias adaptações que lhe permitem viver na água. Embora todas as espécies desta família compartilhem alguns aspectos morfológicos e anatômicos, elas diferem entre si pela cor, forma e tamanho.

Em seu habitat natural, os golfinhos podem viver entre 10 e 50 anos. Seu tamanho é variado, sendo a baleia assassina ( Orcinus orca ) o espécime desse gênero maior e mais pesado que existe.

Freqüentemente, toninhas podem ser confundidas com golfinhos. Isso ocorre porque sua aparência é bastante semelhante. No entanto, as toninhas são menores e têm um focinho mais arredondado do que os golfinhos.

Perigo de extinção

Golfinhos que fazem animais selvagens enfrentam riscos naturais que colocam suas vidas em risco. No entanto, a principal ameaça é a que provém do ser humano.

Muitas são as espécies que estão em perigo de extinção . Um deles é o golfinho comum ( Delphinus delphis ), que corre o risco de desaparecer do mar Mediterrâneo. Isso se deve, entre outras coisas, à perda das melhores condições ambientais do local onde ele mora, como resultado da poluição.

Algumas atividades do homem afetam a população da família Delphinidae de várias maneiras. Entre esses fatores, destacam-se:

Cativeiro

O processo de captura de golfinhos para transferi-los para institutos científicos, a fim de fazer parte da pesquisa, está contribuindo para a morte desses animais.

Quando removidos do ambiente natural, os golfinhos são expostos a muitas ameaças. Podem ser procedimentos de captura, métodos de transporte e exposição a doenças em cativeiro

Contaminação química

Esse tipo de poluição, causado por derramamentos na água de petróleo, compostos químicos e metais pesados, afeta significativamente o habitat do golfinho. Os efeitos que produz no animal são doenças e a alta taxa de mortalidade em golfinhos jovens.

As águas contaminadas também afetam outros peixes, que são a base da dieta dos golfinhos. Dessa forma, o risco de extinção aumenta para esse grupo de animais.

Contaminação acústica

Este tipo de contaminação representa um perigo para os golfinhos. Os ruídos que ocorrem nas atividades de extração de petróleo e nos motores dos navios criam correntes de ruído subaquáticas que podem assustar ou desorientar os golfinhos.

Isso poderia forçá-los a se afastar de seus habitats naturais de alimentação e reprodução, causando alterações em seus ciclos de vida.

Trauma corporal

Outra causa de morte são os ferimentos que esses animais sofrem quando se enredam nas redes de pesca. As quedas de golfinhos contra barcos também são muito frequentes.

Adaptações ao habitat aquático

Morfologia corporal

Seu corpo em forma de torpedo e a falta de pêlos facilitam seu movimento na água, reduzindo sua resistência. As barbatanas frontais ajudam na direção e a dorsal a usa para alcançar um equilíbrio ao nadar. Sua cauda é orientada horizontalmente, o que ajuda seus corpos pesados ​​a serem movidos e movidos mais rapidamente.

Em vez de narinas, como no resto dos mamíferos, os golfinhos respiram através de um buraco na parte superior da cabeça.

Ecolocalização

Embora muitas espécies possam ter pouca visão, os golfinhos podem ser caçadores eficientes. Isto é graças à ecolocalização.

Este sistema sofisticado é baseado na emissão de ondas de alta frequência por golfinhos. Quando colidem com objetos sólidos, as ondas retornam e são capturadas pelo animal. Essas ondas são transformadas em impulsos nervosos que atingem o cérebro.

A interpretação desses impulsos informa ao golfinho onde a presa está localizada, qualquer outro objeto ou predador. As informações são tão detalhadas que eu pude conhecer as dimensões e a que distância está o objeto ou o outro animal.

Nadadores rápidos

Os golfinhos nadam com grande velocidade e agilidade. Isso favorece sua capacidade de caçar e evitar seus predadores. As espécies de golfinhos podem atingir uma velocidade superior a 18 mph. Em geral, os membros dessa família podem saltar até 6 metros fora da água.

Características gerais

-Tamanho e forma do corpo

Golfinhos variam acentuadamente em peso e tamanho. O golfinho Maui é uma espécie que mede em média 1,7 metros de comprimento e pesa cerca de 50 kg. A baleia assassina é o representante mais importante da família Delphinidae, pode pesar 10 toneladas e ter quase 10 metros de comprimento.

O corpo é aerodinâmico, projetado para atingir altas velocidades enquanto nada, mesmo a longas distâncias. Nos machos adultos, há uma corcova pós-anal, localizada na parte inferior do corpo.

Além disso, o corpo é fusiforme e hidrodinâmico, o que lhes permite viver em vários habitats aquáticos.

-Esqueleto

A estrutura óssea é mais leve que a dos mamíferos que habitam a terra. Isso se deve ao fato de o golfinho ter um peso menor, pois vive na água. Seu pescoço é curto, suas 7 vértebras cervicais estão fundidas.

-Pele

A pele de espécimes da família Delphinidae é muito sensível, podendo ser facilmente ferida se riscar superfícies ásperas. No entanto, o golfinho tem um processo de cicatrização muito rápido, mesmo que tenha feridas muito profundas.

Esses animais podem nascer com alguns pêlos, que perdem muito cedo. Desta forma, em seu estado jovem, a pele está livre de qualquer tipo de cabelo.

Ao toque, a pele é macia, dando a sensação de parecer borracha. A camada externa, conhecida como epiderme, é até 20 vezes mais espessa que a de outros mamíferos. É coberto por células cornificadas e não há glândulas sudoríparas.

Sob a pele, os golfinhos têm uma espessa camada de tecido adiposo. Essa gordura ajuda a controlar a temperatura do corpo, isolando seu corpo das baixas temperaturas do oceano. Também ajuda o animal a flutuar na água.

-Cor

A cor da pele dos golfinhos é principalmente azul acinzentado na área dorsal e branco ou cinza claro na barriga. No entanto, também existem espécies que podem tê-lo em tons preto, cinza, branco ou azulado.

A baleia assassina ( Orcinus orca ) tem tons completamente diferentes do que o resto da família Delphinidae. A área dorsal é preta nas laterais e na barriga a pele é branca. Por trás dos olhos, a baleia assassina tem uma mancha branca que as caracteriza.

O golfinho comum é facilmente reconhecido porque sua região dorsal é escura, com um V de cor creme nas laterais.

Essas cores são úteis para o animal porque, vista de cima, sua pele é confundida com a escuridão do oceano. Enquanto visto de baixo, o branco de sua barriga é confundido com a luminosidade da superfície da água.

-Finers

O golfinho tem duas barbatanas curvas em cada lado do corpo, chamadas barbatanas peitorais, que ele usa para direcionar seu corpo enquanto nada. A barbatana dorsal está de costas e proporciona equilíbrio.

A barbatana ou cauda caudal é formada por duas barbatanas. Eles funcionam como propulsores ao nadar, uma vez que se move de cima para baixo, ao contrário dos peixes que o fazem de um lado para o outro.

-Cabeça

Cérebro

Este grupo de cetáceos tem um cérebro grande. A pesquisa mostra que sua estrutura é complexa, muito mais do que outros mamíferos.

Olhos

Estes estão localizados em ambos os lados da cabeça, o que dá ao golfinho um campo de visão bastante amplo. Cada olho pode se mover de forma independente, mas dificilmente se levanta para cima ou para baixo.

Orelhas

Esses animais não têm ouvidos externos. No entanto, eles têm aberturas muito pequenas localizadas atrás dos olhos que levam a um canal auditivo.

Spiracle

Este é um orifício localizado no topo da cabeça. Sua função é participar do processo respiratório e da emissão de sons. Para impedir que a água entre no organismo do golfinho, quando está submersa, o espiráculo possui uma membrana muscular.

Através do espírito, esse cetáceo inala e exala oxigênio. Eles também expulsam dióxido de carbono e muco. Este órgão se conecta com os pulmões do golfinho através da traquéia.

Melão

Este órgão tem uma forma esférica, devido ao tecido adiposo que o forma. Está localizado na parte da frente do crânio, dando-lhe a forma característica que esta espécie apresenta.

Focinho

O focinho do golfinho é longo e de forma cônica. Nele estão os dentes, que ele usa para agarrar sua presa. Além disso, algumas espécies usam essa estrutura para explorar o fundo do mar ou do rio.

Boca

A boca tem vários dentes, cujo número varia de acordo com a espécie. No entanto, eles geralmente variam entre 80 e 100 dentes. As mandíbulas têm uma forma alongada, desempenhando um papel muito importante no sistema sensorial do animal.

Pulmões

Golfinhos são mamíferos que habitam a água e, para respirar, usam os pulmões. Os membros da família Delphinidae estão cientes da respiração, decidindo quando precisam subir para procurar oxigênio.

História evolutiva

Os cientistas acreditam que os ancestrais dos golfinhos não eram animais que viviam na água. Segundo estudos, eles viviam em terra e migraram para o mar.

Durante muito tempo, pensou-se que os golfinhos eram descendentes da mesoníquia, uma ordem extinta de mamíferos terrestres, ungulados e carnívoros. No entanto, estudos genéticos recentes mostram que os cetáceos, incluindo golfinhos, estão relacionados aos artiodáctilos.

O estudo dos fósseis encontrados em Indohyus indica a estreita relação desta espécie com os cetáceos. Indohyus é um membro da família Raoellidae, que pertencia a artiodáctilos primitivos. Ele viveu no Eoceno inferior e médio, entre 55 e 45 milhões de anos atrás.

Uma das características que sustenta essa posição é a forma de alguns dos ossos que compõem a orelha. As paredes do ouvido médio são formadas por um osso chamado ectotímpano. Nos artiodáctilos, a espessura dessa parede é invariável, enquanto nos cetáceos a parte interna é mais espessa do que a parte externa.

O ectotimpano em Indohyus tem um lábio interno muito espessado. Esta é uma base importante que sustenta sua estreita relação com os cetáceos.

-Ancestros

Pakicetus

Pakicetus, pertencente a Artiodactyls, é considerado o precursor dos cetáceos. Esta espécie viveu cerca de 50 milhões de anos atrás.

Foi distribuído no que é atualmente conhecido como Oriente Médio. Esta região, naquela época, era uma área pantanosa, que fazia fronteira com um mar raso.

Os Pakicetus estavam aprimorando suas habilidades de pesca, que possivelmente foram herdadas pelas gerações posteriores. Além disso, a capacidade de nadar foi herdada, bem como a adaptação sofrida por seus olhos e ouvidos para funcionar debaixo d’água.

Ambuloceto

Os ambulocetídeos eram mamíferos semi-aquáticos que formaram uma família, cerca de 48 milhões de anos atrás. Eles eram melhores nadadores que Pakicetus, porque tinham pés palmados e pernas curtas.

Além disso, suas vértebras dorsais foram adaptadas para permitir movimentos ondulantes para cima e para baixo, sincronizados com as patas traseiras. Seu mergulho é comparável às lontras atuais.

A mandíbula inferior, ligada à recepção de ondas na ecolocalização, e a orelha, sofreram alterações significativas.

Protocetídeo

Os primeiros fósseis conhecidos de Pakicetus e ambulocetus são da Índia e do Paquistão. Com o surgimento de protoetídeos, os cetáceos se espalharam pela Ásia, África, Europa e América do Norte. Esta espécie viveu no meio do Eoceno, entre 49 e 40 milhões de anos atrás.

Esses cetáceos primitivos foram adaptados à vida na água. Provavelmente eles só se aproximaram da terra para reproduzir e criar a prole.

Outra mudança que ocorreu foi a perda de pêlos e o depósito de gordura sob a pele. Os sentidos se desenvolveram para ouvir e ver debaixo d’água. As narinas evoluíram, aparecendo nelas estruturas em forma de tampão que impediam a passagem de água para os pulmões.

Basilosauridae

No final do Eoceno Médio, aproximadamente 41 milhões de anos atrás, surgiu uma nova espécie de cetáceo, muito mais parecida com os atuais cetáceos: Basilosauridae. Isso se caracterizou por ter uma abertura nasal deslocada em direção aos olhos, formando uma narina.

Os membros dianteiros têm barbatanas e as traseiras são muito pequenas para suportar seu peso no chão.

Taxonomia

Reino animal.

Subreino Bilateria.

Filum Cordado.

Subfilum de vertebrados.

Superclasse Tetrapoda.

Classe de mamíferos.

Subclasse de Theria.

Eutheria infraclase.

Ordem Cetacea.

Subordem Odontoceti.

Família Delphinidae

Gêneros: Cephalorhynchus, Globicephala, Grampus, Sotalia, Lagenodelphis, Pseudorca, Lagenorhynchus, Lissodelphis, Orcaella, Orcinus, Peponocephal, Sousa, Stenella, Steno, Tursiops e Delphinus.

Golfinhos: características, evolução, habitat, reprodução 2

Classificação

A família Delphinidae é dividida nos seguintes gêneros:

Delphinus

O golfinho oceânico comum ( Delphinus delphis ) é fino, com focinho curto. Na zona dorsal, apresenta tons de cinza escuro e a zona ventral é branca. No lado, da cabeça à cauda, ​​a cor é cinza claro.

Tursiops

Um representante deste gênero é o golfinho ( Tursiops truncatus ). Estes habitam os mares quentes ao redor do mundo, encontrando-se em todos os oceanos, exceto no Ártico e Antártico. Eles podem nadar entre 5 e 11 km / h.

Stenella

O golfinho listado ( Stenella coeruleoalba ) tem a parte ventral do seu corpo branca ou rosa. Dos dois olhos até a cauda, ​​saem faixas azuis escuras. As costas, a barbatana dorsal, o focinho e o melão também são azul-escuros.

Sousa

A este gênero pertence o golfinho rosa de Hong Kong ( Sousa chinensis ). Este animal tem uma corcova gorda sob a barbatana dorsal. Mede cerca de 2 metros de comprimento. Quando a pele nasce, ela é preta, mas, à medida que amadurece, a cor muda, atingindo um tom rosa.

Peponocephal

Um dos representantes é o golfinho-cabeça-de-melão ( Peponocephala electra ). Seu corpo tem a forma de um torpedo, com uma cor cinza claro, exceto a cabeça que é cinza escuro.

Orcinus

A baleia assassina ( Orcinus orca ) possui uma tez robusta, sendo a maior espécie de Delphinidae. Sua região dorsal é preta; O peito, a área ventral e os flancos são brancos. Ele também tem uma mancha branca atrás de cada olho. A baleia assassina tem uma barbatana dorsal grande na forma de um triângulo.

Lissodelphis

O golfinho liso do sul ( Lissodelphis peronii ) tem um corpo esbelto e alongado. Sua principal característica é a falta de barbatana dorsal. A área dorsal é preta e o ventral é branco.

Orcaella

Um dos membros desse gênero é o golfinho do rio Irawadi ( Orcaella brevirostris ). A cabeça dele é arredondada. A barbatana dorsal é de forma triangular.

Lagenorhynchus

O maior golfinho escuro ( Lagenorhynchus obscurus ) é encontrado no Peru, com 210 cm de comprimento e 100 kg de peso. A área dorsal é cinza escura, quase preta. Possui longas manchas nos dois lados, em tom cinza claro. Sua garganta e área ventral são brancas.

Pseudorca

A este gênero pertence a orca negra ( Pseudorca crassidens ), cujo comprimento varia entre 3,7 e 5,5 metros. Seu peso pode estar entre 1 e 2 toneladas. Sua barbatana dorsal pode atingir 30 cm de altura. A baleia assassina falsa, como também são conhecidas, tem uma coloração uniforme do cinza escuro ao preto.

Lagenodelphis

O golfinho Fraser ( Lagenodelphis hosei ) atinge 2,75 metros, pesando cerca de 200 kg. A parte dorsal pode ser cinza-azulada. Do focinho à cauda, ​​eles têm uma faixa de creme. A barriga é branca.

Sotalia

O tucuxi ( Sotalia fluviatilis ) é cinza azulado na área lateral e dorsal. A barriga é cinza. A barbatana dorsal tem a forma de um gancho.

Cephalorhynchus

A esse grupo pertence a tonina overa ( Cephalorhynchus commersonii ), cujo tamanho não é superior a 1,45 metros. Os machos pesam cerca de 42 kg, enquanto as fêmeas atingem 50 kg.

Globicephala

O calderón comum ( Globicephala melas ) tem pele cinza escura, marrom ou preta. Possui algumas áreas claras, como um ponto pálido atrás de cada olho.

Grampus

O golfinho cinza ( Grampus griseus ) é representativo desse gênero. Sua pele é cinza, com inúmeras marcas. Possui corpo robusto, principalmente na base da barbatana dorsal.

Habitat

A família Delphinidae ou golfinhos oceânicos são amplamente distribuídos em todo o mundo. Eles podem ser encontrados em todos os oceanos e mares do mundo, exceto nos ecossistemas dos oceanos Ártico e Antártico, e no Mar Cáspio e Aral, na Ásia Central.

A baleia assassina é o único animal pertencente à família Delphinidae que pode ser encontrado vivendo nas áreas do Ártico. No entanto, prefere águas temperadas ou levemente frias.

Eles podem ser distribuídos da zona do equador para as áreas subpolares. No entanto, a grande maioria das espécies está concentrada em áreas com clima temperado ou tropical.

Além disso, esse grupo de mamíferos aquáticos está localizado nos mares com águas rasas, como as do Mediterrâneo e do Mar Negro. Eles também vivem em portos, estuários, baías, golfos e estuários.

O habitat de Delphinidae pode ser afetado por fatores ambientais e disponibilidade de alimentos. Isso faz com que, às vezes, esses animais precisem migrar de seu habitat natural.

É o caso da baleia assassina, que pode viajar milhares de quilômetros em busca de um local adequado para viver e se reproduzir.

Habitats extensos

Alguns espécimes são encontrados em habitats bastante grandes, enquanto outros podem ser regionais ou mesmo característicos de uma pequena localização geográfica.

Atualmente, afirma-se que esses animais podem nadar até 300 metros de profundidade no oceano. Isso se deve ao fato de que restos de peixes, como os bênticos, foram encontrados que habitam o estômago dos golfinhos em grandes profundidades.

As espécies de golfinhos que se desenvolvem em águas abertas tendem a tolerar temperaturas mais baixas da água do que os golfinhos costeiros. Estes últimos preferem águas quentes e tropicais.

Um exemplo disso é o golfinho Hector ( Cephalorhynchus hectori ), que só pode viver em águas rasas, perto da costa. Enquanto o golfinho acrobata ( Stenella longirostris ) vive quase exclusivamente no meio do oceano.

Habitats específicos

Alguns golfinhos são endêmicos de uma área, sendo encontrados exclusivamente nas águas salinas de um país, enquanto outros mal separam quilômetros de outras espécies irmãs. Eles podem até ser encontrados no mesmo habitat, separados por barreiras naturais.

É o caso do golfinho, encontrado em três regiões do mar Mediterrâneo e do mar Negro, naturalmente divididas.

Essa barreira não os impede de se mover, mas define as características de cada área. Em relação ao golfinho, as três populações são geneticamente diferentes das espécies que vivem a nordeste do Oceano Atlântico.

Distribuição geográfica

Os membros da família Delphinidae vivem em todos os oceanos do planeta, exceto no Ártico e na Antártica. Eles geralmente habitam o Atlântico tropical, entre os trópicos de Câncer e Capricórnio.

Isto é devido às temperaturas constantes durante o ano, às marés calmas e à variedade abundante de alimentos.

Golfinhos podem migrar estacionários. As razões que levam a isso podem ser variações significativas na temperatura da água e o movimento para outros habitats de peixes que fazem parte de sua dieta.

Além disso, variações nas características físico-químicas da água, como ph, salinidade e densidade, fazem com que esses animais deixem seu habitat natural e procurem outros onde possam se desenvolver.

Essas migrações são mais comuns em alguns golfinhos costeiros que habitam altas latitudes, que geralmente viajam para o sul no inverno. Aqueles que vivem em águas temperadas raramente migram devido a mudanças sazonais.

Várias espécies habitam o Oceano Pacífico, como o golfinho. Isso se estende do Japão à Austrália e da América do Norte ao Chile. Esta espécie também é encontrada no Atlântico, dos Estados Unidos à Argentina e da Noruega à África do Sul.

Distribuição do golfinho comum

O golfinho comum ( Delphinus delphis ) é a espécie com maior distribuição em todo o mundo. Pode ser encontrada nos mares temperados, subtropicais e tropicais.

Oceano Atlântico

No oeste do Oceano Atlântico, está localizado ao longo da costa sul-americana, da Venezuela ao Uruguai. Ele também vive no Caribe e nas Pequenas Antilhas.

Também pode ser encontrada na Nova Escócia, uma das províncias marítimas do Canadá, até a costa da Flórida, nos Estados Unidos.

A área do Atlântico Este inclui as áreas do Mar do Norte e nas águas do Reino Unido, Golfo da Biscaia e Ilhas dos Açores.

Na costa africana, o golfinho comum pode ser localizado do Marrocos ao Golfo da Guiné. Existem algumas populações nos mares Negro e Mediterrâneo.

Oceano Pacífico

A faixa geográfica desta espécie no Oceano Pacífico ocidental é constituída pelas águas salinas do Japão, Indonésia e Filipinas. Além das costas da Nova Zelândia e do mar de corais, perto da Austrália.

A costa oeste da América do Norte, América Central e as costas da América do Sul ao sul da República Chilena são exemplos da distribuição no Pacífico oriental.

Oceano Índico

Neste oceano, o golfinho comum está localizado no Sri Lanka e na Índia. Além do Árabe, do Golfo de Áden e da costa de Natal e Madagascar.

Reprodução

A maturidade sexual dos golfinhos dependerá das características de cada gênero e espécie. Em média, os machos podem começar a se reproduzir por volta dos onze anos de idade, enquanto as fêmeas o fazem aos nove anos de idade.

Ocasionalmente, eles podem começar a ter algum contato sexual antes de poderem se reproduzir. Esses animais são espécies sexualmente ativas, o que significa que um macho pode copular repetidamente com uma fêmea ou com várias delas no mesmo tempo reprodutivo.

Além disso, ao longo da vida, eles poderiam ter diferentes parceiros sexuais, dentro de seu próprio grupo ou com mulheres de outros grupos familiares.

Os machos têm duas aberturas. No mais longo são os órgãos genitais, enquanto no mais curto é o ânus. Durante a ereção, o pênis se estende para a frente, a partir da fenda onde está localizado.

As fêmeas têm uma fenda na qual estão localizados os órgãos genitais externos e a abertura anal. Nos dois lados, existem dois sulcos, onde as glândulas mamárias estão localizadas.

Acasalamento

Fatores externos, como algumas situações ameaçadoras que podem causar estresse no animal, podem afetar o acasalamento dos golfinhos. Isso ocorre porque, naquele momento, a prioridade do animal é sua própria sobrevivência.

No entanto, se as condições forem favoráveis, os golfinhos podem acasalar ao longo do ano, tendo preferência pelos meses mais quentes.

Muitas vezes, os homens precisam brigar entre si para poderem se juntar a uma mulher. Essa luta pode estar quebrando seus corpos, medindo assim suas forças. Também um dos homens podia emitir vocalizações, alertando o outro para se afastar.

O namoro faz parte de um tipo de ritual de acasalamento. O macho começa a fazer acrobacias, nadando e esfregando a fêmea com o focinho. A fêmea responde emitindo alguns assobios. Quando os dois estão prontos, eles juntam suas barrigas, iniciando o acoplamento.

Gestation

O período de gestação da família Delphinidae pode variar, dependendo de cada espécie. No entanto, estima-se que o tempo de gestação possa estar entre 10 e 12 meses. Na baleia assassina, esse período pode chegar a 17 meses.

Depois que o homem e a mulher copulam, produzindo fertilização do gameta feminino, o desenvolvimento embrionário começa. Isso ocorre no útero, em um órgão transitório chamado placenta.

Durante a gravidez, a fêmea geralmente migra para regiões com clima ameno, com águas quentes. O apetite da fêmea aumenta, devido à forte demanda por energia que ela precisa nesta nova etapa de sua vida.

Entrega

Depois que o recém-nascido é expelido do útero materno, o cordão umbilical é quebrado. Primeiro sai o rabo do recém-nascido e, finalmente, sai a cabeça. Então, a mãe leva seus filhos à superfície, para que ela respire pela primeira vez.

A fêmea geralmente dá à luz apenas um filho para cada nascimento. Em algumas espécies, devido ao seu tamanho pequeno, eles podem gerar até dois filhotes.

Alimento

Nos primeiros meses, o jovem golfinho se alimenta do leite da mãe. Então, quando ele pode se defender, ele começa a comer um peixe pequeno.

Golfinhos são animais carnívoros. Eles podem adaptar seus hábitos alimentares às características do ambiente em que são encontrados.

Sua dieta é baseada em peixes, lulas, crustáceos e cefalópodes. Golfinhos perseguem suas presas para caçá-los, transformando-os em predadores ativos

Eles têm vários dentes, todos do mesmo tamanho. No entanto, eles não usam dentes para mastigar comida, eles usam para segurar suas presas. Uma vez capturados, eles engolem inteiros. Se o animal for muito grande, ele o agita ou o esmaga em pedaços.

O estômago do golfinho tem três seções. A primeira cavidade é uma adaptação que sofreu a parte distal do esôfago. Nisto, os alimentos consumidos são armazenados. Na segunda e terceira cavidades é realizada a digestão dos alimentos.

Os membros da família Delphinidae comem cerca de 6% do seu peso corporal diariamente. Se for uma mulher em estado de gestação, poderá ingerir até 8% do seu peso.

Técnicas de caça

Os golfinhos costumam caçar em grupos, totalizando entre 6 ou 10. Isso é feito para se beneficiar dessa técnica de perseguição. Para realizá-lo, os golfinhos cercam um cardume de peixes e se revezam um a um para comer os animais que cercaram.

Outra técnica é levar as presas para uma área menos profunda, onde é mais difícil escapar do golfinho. Eles também costumam bater no animal que vão consumir com o rabo, atordoando-o para que ele possa pegá-lo mais facilmente.

Delphinidae usa ecolocalização para detectar a localização de barragens. Além disso, eles emitem sons para atordoar o outro animal, facilitando a caça.

Baleias assassinas podem criar, com sua cauda poderosa, grandes ondas para derrubar as focas ou pinguins encontrados em blocos de gelo. Eles também vão à praia para pegar leões-marinhos.

Esses animais tentam transformar tubarões antes de matá-los, induzindo a chamada “imobilidade tônica”. Esta é uma paralisia temporária que os tubarões sofrem quando sentem que estão de cabeça para baixo.

Comportamento

Protecção

Durante a gravidez, as amostras que compõem o rebanho, especialmente o macho, protegem a fêmea grávida até o nascimento. Eles ainda fazem isso por um longo tempo depois disso. Dessa maneira, impedem que predadores, atraídos pelo sangue do parto, se aproximem da mãe ou dos filhotes.

Nos grupos de golfinhos, geralmente existem algumas fêmeas que cumprem a função de parteiras. Eles são responsáveis ​​por ajudar a fêmea durante o parto.

Solidariedade

Muitas investigações argumentam que esses animais têm empatia e apoiam outros animais, inclusive os humanos.

Os golfinhos estabelecem laços fortes com outros de sua espécie. Se um golfinho é ferido, os outros membros do grupo o ajudam a alcançar a superfície e podem respirar.

A terapia de golfinho assistida é um método terapêutico que ajuda as pessoas com deficiência em seu desenvolvimento mental, físico ou emocional. Graças a essas técnicas, é possível aliviar a dor e aumentar as habilidades motoras desses pacientes. No entanto, é uma prática que tem críticas porque os golfinhos não estão em seu habitat natural.

O sucesso dessa terapia baseia-se no amor incondicional oferecido pelo golfinho às pessoas que participam dela, ajudando-as a fortalecer sua confiança e auto-estima.

Alguns pensam que este é simplesmente um método para modificar um comportamento, recompensando o indivíduo com a possibilidade de nadar com golfinhos. No entanto, alguns cientistas acreditam que a interação com os golfinhos aumenta os níveis de endorfina.

Social

Esses animais formam grupos sociais de até 12 membros, podendo sair livremente do grupo ao qual pertencem e se juntar a outro. Entre elas, as algas são perseguidas e lançadas, uma atividade que pode estar preparando-as para a caça.

Viver em grupo permite que caçam cooperativamente, além de monitorar e defender os membros que o compõem. Isto é conseguido através da comunicação entre si, usando gritos, assobios, entre outros sons.

Os golfinhos-nariz-de-garrafa são geralmente incorporados a grupos de outras espécies, como o golfinho-dente-duro, o golfinho Risso e o golfinho malhado. A partir dessa relação, o animal obtém maior proteção e maior eficiência na caça de peixes.

Nos grupos familiares de golfinhos-nariz-de-garrafa, existem hierarquias. Os machos mantêm sua liderança mostrando agressividade, mantendo o domínio batendo suas caudas contra a água, perseguindo e impactando o corpo de outros machos e emitindo nuvens de bolhas através do espiráculo.

Apesar de ser um animal dócil, o golfinho-nariz-de-garrafa pode se tornar muito hostil, mordendo membros de sua própria espécie com os dentes. Esse comportamento é mais difícil quando se luta contra tubarões, para defender sua vida.

Predadores

No oceano, todos os golfinhos são vulneráveis. Golfinhos são raramente presas a outros animais. Isso se deve ao seu tamanho, velocidade de nado, ecolocalização e inteligência. Além disso, sua organização social permite que permaneçam em grupos e intimide o agressor.

No entanto, existem animais predadores dos Delphinidae. Dois deles estão em seu habitat natural; Baleias assassinas e tubarões. O outro feroz predador é o homem.

Baleias assassinas

As baleias assassinas se alimentam de uma variedade de peixes, crustáceos e moluscos. Se eles já viram um golfinho, apesar de pertencer à mesma família, não hesita

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies