Gravidez precoce: riscos, causas e consequências

A gravidez precoce é um tema de grande relevância e preocupação na sociedade atual. Caracterizada pela gestação em adolescentes com menos de 19 anos, ela traz consigo uma série de riscos, causas e consequências que impactam não apenas a saúde da jovem, mas também o seu desenvolvimento emocional, social e educacional. Neste contexto, é fundamental compreender os fatores que levam a essa situação, bem como os impactos que a gravidez precoce pode ter tanto na vida da adolescente quanto no seu filho. Este texto abordará de forma sucinta esses aspectos, visando ampliar o debate e promover a conscientização sobre a importância da prevenção e do apoio às jovens gestantes.

Origens e impactos da gravidez precoce: conheça as causas e consequências desse fenômeno.

A gravidez precoce é um fenômeno que traz consigo uma série de riscos, causas e consequências que afetam não apenas a vida da adolescente grávida, mas também de sua família e da sociedade em geral. As origens desse problema estão relacionadas a diversos fatores, como a falta de informação sobre métodos contraceptivos, a pressão social, a baixa autoestima e a falta de acompanhamento adequado dos pais.

Entre os impactos da gravidez precoce estão o abandono dos estudos, a dificuldade de inserção no mercado de trabalho, o aumento da vulnerabilidade social e a sobrecarga emocional e financeira para a adolescente e sua família. Além disso, a gravidez na adolescência está associada a maior incidência de complicações durante a gestação e o parto, aumentando os riscos tanto para a mãe quanto para o bebê.

É importante ressaltar que a gravidez precoce não é apenas um problema individual, mas um reflexo das desigualdades sociais e da falta de políticas públicas eficazes na prevenção e no acompanhamento das adolescentes grávidas. Portanto, é fundamental investir em educação sexual nas escolas, no acesso a métodos contraceptivos e em programas de apoio às jovens mães, visando reduzir os índices de gravidez na adolescência e garantir um futuro mais promissor para essas meninas.

Fatores que contribuem para a ocorrência de uma gravidez precoce na adolescência.

A gravidez precoce na adolescência é um problema que preocupa muitos especialistas da área da saúde e da educação. Diversos fatores podem contribuir para a ocorrência desse fenômeno, que traz consigo uma série de riscos, causas e consequências para as jovens mães e seus bebês.

Um dos principais fatores que contribuem para a ocorrência de uma gravidez precoce é a falta de informação e educação sexual adequada. Muitas adolescentes não têm acesso a informações sobre métodos contraceptivos e sobre como prevenir uma gravidez indesejada. Além disso, tabus e preconceitos em relação à sexualidade ainda persistem em nossa sociedade, o que dificulta o diálogo aberto e honesto sobre o tema.

Outro fator importante é a influência do meio em que a adolescente está inserida. Famílias desestruturadas, falta de acompanhamento dos pais ou responsáveis, baixa autoestima e pressões sociais também podem contribuir para que uma adolescente se envolva em relações sexuais precoces e sem proteção.

Além disso, questões socioeconômicas, como a falta de acesso a serviços de saúde e de planejamento familiar, também podem ser fatores que contribuem para a ocorrência de uma gravidez precoce na adolescência. A falta de oportunidades de educação e de emprego para as jovens pode fazê-las enxergar a maternidade como uma opção de vida.

Para prevenir essa situação, é fundamental investir em educação sexual, promover o diálogo nas famílias e na sociedade, oferecer acesso a métodos contraceptivos e serviços de saúde de qualidade, e criar oportunidades de educação e emprego para as jovens.

Qual é o fator determinante para a ocorrência da gravidez na adolescência?

A gravidez na adolescência é um assunto que preocupa muitos pais, educadores e profissionais de saúde. Os riscos, causas e consequências desse fenômeno merecem atenção especial, pois podem impactar significativamente a vida dos jovens envolvidos.

Um dos fatores determinantes para a ocorrência da gravidez na adolescência é a falta de informação e educação sexual adequada. Muitos jovens não têm acesso a orientações sobre métodos contraceptivos, prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e planejamento familiar. Isso os coloca em maior vulnerabilidade para uma gravidez não planejada.

Além disso, a pressão social e o contexto familiar também podem influenciar na decisão dos adolescentes em relação à sexualidade. A falta de diálogo aberto sobre o tema, a ausência de valores familiares sólidos e a exposição a modelos de comportamento inadequados podem contribuir para a precocidade das relações sexuais e, consequentemente, para a ocorrência de gravidezes não desejadas.

É fundamental que se promova a educação sexual nas escolas e nas famílias, oferecendo informações claras e acessíveis sobre os riscos e consequências da atividade sexual desprotegida. A prevenção da gravidez na adolescência passa pela conscientização dos jovens, pelo acesso a métodos contraceptivos e pelo apoio psicológico e emocional para lidar com questões relacionadas à sexualidade.

Relacionado:  Principais teorias da aprendizagem: características e autores

Portanto, a falta de informação e educação sexual adequada, aliada à pressão social e familiar, são fatores determinantes para a ocorrência da gravidez na adolescência. É preciso investir em políticas públicas e ações educativas que possam prevenir esse problema e garantir o bem-estar dos jovens.

Principais riscos da gravidez na adolescência: descubra quais são e como evitá-los.

A gravidez na adolescência é um tema que preocupa muitas famílias e profissionais da saúde. Além das questões sociais e emocionais envolvidas, é importante destacar os principais riscos que essa situação pode trazer tanto para a mãe quanto para o bebê.

Um dos principais riscos da gravidez na adolescência é a prematuridade do bebê, que pode trazer complicações de saúde e até mesmo levar a óbito. Além disso, as adolescentes grávidas têm maior probabilidade de desenvolver pré-eclâmpsia e outras complicações durante a gestação.

Outro risco importante é a falta de cuidados pré-natais adequados, o que pode levar a baixo peso do bebê ao nascer e outras complicações durante o parto. Além disso, a gravidez na adolescência está associada a um maior risco de abandono escolar e dificuldades financeiras.

Para evitar esses riscos, é fundamental que as adolescentes tenham acesso a informações sobre saúde sexual e reprodutiva e possam contar com o apoio de profissionais qualificados. Além disso, a educação sexual nas escolas e a disponibilidade de métodos contraceptivos são essenciais para prevenir a gravidez precoce.

É importante que haja um esforço conjunto para prevenir a gravidez precoce e garantir um futuro saudável para as adolescentes.

Gravidez precoce: riscos, causas e consequências

A gravidez precoce , precoce ou juvenil é colocado em uma faixa entre 11 e 19 anos de idade, embora este geralmente vem para variar por instituição.

Sem dúvida, é um assunto bastante complicado quando se trata de falar, para não dizer tabu. Muitos são os indivíduos que podem ser escandalizados pela gravidez prematura ou, pelo contrário, para normalizá-la. Isso depende da mentalidade e do caráter das pessoas com as quais a gestante se relaciona e, sobretudo, da situação socioeconômica.

Gravidez precoce: riscos, causas e consequências 1

Fatos sobre gravidez precoce

Nesta seção, os dados são esclarecedores. Somente em nosso país, e de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, entre os anos de 2000 e 2008, houve um total de 1209 gestações em meninas com menos de 14 anos.

Se avançarmos para a idade de 15 anos, vemos o número subir, multiplicando-se praticamente por quatro, com um total de 4119 gestações na adolescência no mesmo período de tempo.

Em relação ao último ano em que esses dados foram registrados, 177 nascimentos ocorreram em meninas com 14 anos ou menos e 537 naquelas que já tinham 15 anos.

Se decidimos mudar alguns anos depois e focarmos em nível internacional, em 2011 o país que apresentou uma taxa de natalidade mais alta em jovens do Níger, com um total de 206 nascimentos por mil, seguido pela Nicarágua, que abriu o fechamento de Países da América Latina, onde já é reduzido exatamente pela metade, com 103. O terceiro lugar no pódio corresponde à República Dominicana, com apenas dois a menos que seu antecessor.

No velho continente, levando em consideração os dados de 2008, a Holanda pega a palma da mão com taxa de natalidade de 7,8 por mil e, como mencionamos anteriormente, a Espanha seguiu muito de perto a segunda posição, com 7,5. .

Causas do início da gravidez

Do ponto de vista psicológico, os jovens adolescentes procuram novas experiências e sensações em um estágio em que muitas mudanças e transformações ocorrem em velocidades vertiginosas, fazendo um grande esforço para tentar ser independente.

Vamos apontar e especificar quais poderiam ser as causas da gravidez na adolescência:

Pratique sexo sem camisinha

Não há dúvida quando falamos que esse é um dos principais e maiores problemas. A prática do sexo sem qualquer precaução pode levar a gestantes, desejadas ou indesejadas, onde 18% dos adolescentes entre 15 e 19 anos de idade não usam nenhum método contraceptivo e se alinham com outros dados que nos dizem que 80 % de gestações nessa idade não são desejadas.

Consciência do papel tradicional da mulher

Um perfil atribuído às mulheres (principalmente em países subdesenvolvidos) e baseado principalmente em mentalidades mais tradicionais e que geralmente é uma causa de nascimentos.

Casamento forçado

Lugares tradicionais onde ainda é prática tradicional casar uma jovem mulher com outra pessoa (velha ou não) de maneira forçada e forçada, principalmente pelas famílias.

Pressão social

Os círculos próximos da idade adolescente, principalmente das amizades que podem induzir à prática do sexo simplesmente pelo fato de ser algo que deve ser feito se ou se.

Falta de comunicação e relacionamento fluido com os pais

Um mau relacionamento com os pais se traduz em problemas de insegurança, ignorância e auto-estima.

Consumo de bebidas alcoólicas ou drogas

A ingestão desse tipo de consumo se traduz na falta de controle do nosso corpo e na criação de atos involuntários.

Falta de informação, orientação e treinamento

Devido à falta de informações em nossa casa ou, diretamente, em nosso centro educacional, especialmente nas escolas, podemos realizar atos que estão além do nosso conhecimento e, é claro, suas conseqüências. Isso é algo que está sendo reivindicado todas as vezes nas escolas.

Estupro

Infelizmente, essa causa é uma das mais impressionantes e dramáticas, e na qual deve ser dada ênfase especial para tentar aumentar a conscientização da população em que entre 11 e 20% das gestações na adolescência são resultado de abuso sexual .

Isso parece incrível se considerarmos um estudo realizado pelo Instituto Guttmacher que concluiu que 60% das jovens que fizeram sexo antes dos 15 anos foram forçadas.

Problemas no início da gravidez

Diferentes problemas podem ocorrer quando se refere à gravidez que ocorreu em tenra idade. Ainda mais se você finalmente decidir seguir em frente e dar à luz.

Problemas durante a gravidez

Placenta prévia

É uma complicação que, como o próprio nome indica, está localizada na placenta, fazendo com que ela viaje até atingir o colo do útero. Esse tipo de problema mostra uma probabilidade de 1 em 200 e geralmente aparece na 20ª semana de gravidez. Um dos sintomas mais comuns é o sangramento vaginal periódico que ocorre sem dor. Podemos encontrar três tipos de placenta prévia:

  1. Placenta anterior ou total: ocorre quando a placenta cobre completamente o colo do útero.
  2. Placenta prévia parcial: quando a placenta cobre parcialmente o colo do útero.
  3. Placenta prévia prévia: quando a placenta cobre apenas parcialmente o colo do útero. É o caminho menos invasivo.

Pré-eclâmpsia

Quando falamos de pré-eclâmpsia , falamos de hipertensão arterial. Outro efeito é a proteinúria, uma aparência de excesso de proteína na urina. Para ser chamado de pré-eclâmpsia como tal, ambos os efeitos devem ocorrer.

As consequências podem levar a sérios danos aos rins e, se piorar, outros órgãos vitais, como o fígado, o cérebro ou até o próprio sangue, também podem ser danificados. Finalmente, se não for controlado, a vida do futuro bebê ou mesmo da mulher poderá estar em perigo.

Entrega prematura

Oficialmente, o produzido entre as 28 e 37 semanas de gravidez é chamado de parto prematuro. Entre as semanas 20 e 28, seria conhecido como nascimento imaturo e, se isso acontecesse antes da semana número 20, seria considerado um aborto.

É um problema obstétrico e neonatal que tem consequências fatais para as mulheres, entre as quais encontramos infecções do trato urinário, diabetes ou anemias graves, entre muitas outras.

Você também pode atingir o aborto ou até anormalidades uterinas, como a incompetência cervical, enquanto a malformação do feto sempre será um risco de execução que estará presente o tempo todo. Isso pode nos levar de volta à primeira complicação da placenta prévia.

Como você pode ver se há chances de ter um parto prematuro? Alguns sintomas disso resultam em fortes contrações constantes, sangramento vaginal ou uma sensação constante de que a criança pressiona como se estivesse exercendo força para sair.

Anemia grave

Conhecemos a anemia como um tipo de infecção criada no sangue. Na gravidez na adolescência, é produzido devido aos baixos níveis de posse de hemoglobina e, portanto, de ferro, uma vez que são portadores desse mineral, de modo que encontramos dois tipos de anemias:

  1. Anemia por deficiência de ferro: Isso é basicamente causado pela falta de ferro que geralmente aparece devido a uma dieta inadequada do corpo.
  2. Anemia gravídica: É um derivado da doença que se desenvolve em um sentido menos sério. Você não precisa de tratamento médico. Isso é produzido quando o volume de sangue em nosso corpo aumenta enquanto a concentração de hemoglobina diminui.
Relacionado:  Pensamento Inferencial: Recursos, Ferramentas, Exemplos

Note-se que os níveis atuais de hemoglobina no sangue de uma mulher grávida variam entre 12-16g / dL, enquanto a mulher não grávida mostra uma alteração nos níveis entre 11-14g / dL.

Ruptura prematura de água

Isso é algo que afeta um terço das adolescentes grávidas. Um dos problemas que pode ocorrer é a entrada de bactérias na bolsa, uma vez que está aberta. Isso é chamado amnionite ou corioamnioniti.A solução? Um parto voluntário deve ser provocado se a mãe ou a criança não quiserem sofrer algum problema realmente sério.

Como curiosidade, às vezes pode haver um parto velado, onde curiosamente o bebê nasce com sua bolsa amniótica em perfeitas condições. Note-se que este tipo de parto não leva a nenhum tipo de problema de saúde para a mãe ou o recém-nascido.

Problemas após a gravidez

  • Isso pode levar à falta de atenção médica de um ginecologista, que ajuda a normalizar e regularizar as visitas por motivos como vergonha ou desinformação direta.
  • Existe um risco maior de não comparecer a consultas ginecológicas ou de não seguir as orientações do médico devido à pouca experiência ou maturidade da jovem mãe.
  • O bebê pode ter grandes chances de nascer com um peso abaixo do normal e com baixos depósitos de gordura, levando a muitas doenças.
  • A alta mortalidade é um problema após a gravidez, especialmente nos países em desenvolvimento.
  • Para o recém-nascido, também pode ser um problema que o faz nascer com espinha bífida ou síndrome da morte súbita do lactente (esta é a morte súbita de uma criança que parece saudável).
  • É possível criar uma rejeição ao bebê devido à falta de responsabilidade por não querer assumir o novo papel de ser mãe.

Consequências da gravidez precoce

As consequências podem ocorrer principalmente nos níveis psicológicos que afetam a moralidade das mulheres (ou do casal em geral) ou nos níveis sociais em que a discriminação ou o abandono se tornam problemas bastante comuns.

Psicológico

  1. Depressão: É uma doença que pode se desenvolver em caso de angústia e oprimir quando enfrenta novas responsabilidades e toma consciência do que foi perdido anteriormente.
  2. Sentimento de frustração: A falta de meios é a principal causa de um sentimento de frustração com vista ao futuro.
  3. Preocupações obsessivas com o bem-estar do feto ou do bebê recém-nascido: A falta de conhecimento e o enfrentamento de algo novo podem levar a pontos obsessivos para o bem-estar do bebê ou do feto. Da mesma forma, essa consequência também pode ocorrer em gestações não adolescentes.
  4. Sentir-se culpado: isso pode acontecer quando ele dá à luz contra a vontade e sentimos que falhamos a nós mesmos ou diretamente a nossos parentes mais próximos.

Social

  1. Casamento compulsório: no caso de você não ser casado, às vezes você pode alcançar a consumação de um casamento forçado devido às notícias de um nascimento prematuro.
  2. Abandono do pai: Às vezes, problemas relacionados ao casal aparecem onde a outra pessoa, sabendo que ele será pai, renuncia e decide deixar a mãe quando ela ainda não deu à luz seu destino.
  3. Rejeição por parentes ou pessoas próximas: Existem outros tipos de problemas sociais que fazem com que familiares ou amigos discriminem a garota devido ao problema que pode ser, em muitos casos, o ônus de ser mãe de um filho.
  4. Abandono dos estudos: gerar e cuidar de um bebê leva muito tempo. Isso significa que os cuidadores precisam renunciar a uma infinidade de práticas que costumavam ser feitas e que devem ser abandonadas. Entre eles, encontramos principalmente o abandono dos estudos, algo muito comum, especialmente no período do ensino médio obrigatório, onde a taxa de evasão em nosso país é uma das mais altas de toda a Europa.
  5. Menor probabilidade de encontrar uma ocupação profissional: Atualmente, a situação do emprego significa que perfis estáveis ​​são contratados e que eles têm tempo livre suficiente, algo que não é possível com um recém-nascido no comando. Se adicionarmos a falta de treinamento acadêmico devido ao abandono, deve-se notar que é um trabalho difícil encontrar estabilidade no emprego.

Referências

  1. https://sites.google.com/site/teenpregnancyabortion/
  2. http://www.mibebeyyo.com/embarazo/psicologia/partos-menores-espana-4657
  3. http://www.webconsultas.com/embarazo/
  4. http://rousmary-elembarazoprecoz.blogspot.com.es/
  5. http://www.webmd.com/baby/guide/
  6. http://www.educarchile.cl/ech/pro/app/detalle?ID=209589
  7. http://www.smith.edu/ourhealthourfutures/teenpreg5.html
  8. http://www.guiainfantil.com/articulos/embarazo/

Deixe um comentário