Héctor Cuenca: “O discurso do empreendedorismo pode atingir limites absurdos”

Héctor Cuenca: "O discurso do empreendedorismo pode atingir limites absurdos" 1

Aos 21 anos, Héctor Cuenca coordena, como parceiro e diretor de crescimento, um projeto ambicioso: NewGen (também conhecido como Odder ). É uma plataforma nascida em Barcelona que visa conectar jovens profissionais que decidiram apostar em uma idéia promissora.

Além de tentar descobrir mais sobre esse interessante projeto em que ele está imerso, queríamos nos encontrar com esse aluno de Administração e Administração e Direito para falar sobre o conceito de empreendedorismo e a nova realidade de trabalho daqueles que ainda não superaram o trinta.

Psicologia e mente: sabemos que ultimamente você está dedicando seu tempo ao NewGen, que é uma plataforma para conectar empreendedores e facilitar as coisas para que eles desenvolvam seu projeto. Estou no certo?

Héctor Cuenca : Faça isso e tente me fazer duas corridas, nessa ordem de prioridades (risos).

No NewGen, você também teve a idéia de oferecer a possibilidade de que pessoas-alvo tenham o apoio de mentores especializados em diferentes áreas de trabalho. Como surgiu a ideia?

Não é algo novo. o mentoring, como é chamada hoje, é uma instituição tão antiga quanto a humanidade. A novidade é a vontade de criar plataformas que democratizem o acesso a ela. Ou seja, hoje, se você deseja receber orientação de alguém, o máximo que você pode fazer é pedir conselhos a familiares, amigos, ex-professores … E tenha sorte que algum deles tenha fé suficiente no projeto e em você , além de tempo e recursos suficientes para ajudá-lo a desenvolvê-lo. O que significa isto? Que as pessoas com uma extração social mais alta, ou com maiores redes de contatos, são as que realmente conseguem mentores capazes de fazer a diferença. O que propomos – e é algo que está funcionando muito bem nos EUA, facilitando o sucesso de projetos inovadores,fundo profissional e acadêmica, e chamar a atenção de mais convencê-lo, e onde esses mentores também pode ver os perfis de todos os tipos de jovens que solicitam a sua orientação e selecionar entre estes que parece mais qualificado , brilhante, original … É, em suma, uma maneira de o talento e a originalidade prevalecerem sobre o círculo e a extração social.

O>

Empreendedor é, em teoria, aquele que com sua criatividadeidéia de um produto (ou uma variação de um produto) que seja novo e que ofereça um valor agregado completamente diferente daquele existente no mercado e capaz de pelo menos fazer os procedimentos necessários para dar andamento ao projeto. Nem todo empreendedor é empreendedor; nem quem “tem uma idéia” … Devemos desmistificar a de “ter uma idéia”; existe uma piada entre os empreendedores que, como tantas piadas, esconde uma grande verdade: “Eu tenho uma ótima ideia de negócio, só preciso de um investidor disposto a financiá-la e de um engenheiro capaz de fazê-lo. Então, o que você tem?” intelectual que executa castelos no ar, mas um executor. Outra coisa é que isso é desejável: alguém poderia argumentar, com razão, que deveria haver agências, estatais ou privadas,

Eu sou assim, para pertencer ao setor ao qual pertenço, tenho idéias suficientes … Vamos deixar por aí. Para mim, não deve haver diferença entre empreendedorismo e empreendedorismo social : nem podemos esperar uma economia viável baseada simplesmente em “projetos sociais”, que geralmente carecem de rentabilidade, nem uma sociedade que valha a pena pertencer aos projetos Economicamente rentável são prejudiciais para a mesma sociedade. Existe um conceito na economia que, se fosse levado em consideração e corrigido, acabaria com grande parte da crueldade das falhas do mercado: externalidades.Uma externalidade é um resultado (negativo, geralmente) da atividade de uma empresa específica que, por não ter impacto sobre ela, não é contabilizada. É o caso, por exemplo, de derramamentos tóxicos no caso de não haver regulamentação no estado em questão. Como um único dólar não é gasto, essa atividade não é registrada. Somente com os estados calculando, através de auditorias externas, as externalidades de cada empresa, e não permitindo a existência de projetos que, embora em termos puramente econômicos, causem mais danos do que benefícios à sociedade, acabaríamos com a necessidade de diferenciar entre ” Empreendedorismo ”lucrativo, mas sem alma, e“ Empreendedorismo Social ”comprometido, mas inviável. Além disso, acredito que precisamente essa dicotomia é muito prejudicial à nossa visão de mundo:

Você acha que o discurso empreendedor é abusado? Por outro lado, qual você acha que é a relação entre essa nova maneira de entender as relações de trabalho com o fenômeno “precário”?

Claro que é abusado. Trata-se de um discurso muito útil em uma situação como a atual, de galopante crise econômica e institucional e de crescente desengajamento dos Estados em relação a seus cidadãos, bem como de maior flexibilidade trabalhista. E, é claro, às vezes isso leva a pontos absurdos, nos quais parece que você precisa se tornar um empreendedor e freelancer para o trabalhador da construção ou indústria não qualificado. Há um ponto de vista perverso nisso, especialmente quando a legislação espanhola dificulta tanto para freelancers(ou freelancers, como foram chamados para toda a vida). Além disso, voltamos ao conceito de “O que é ser empreendedor?”. E vemos que, pela própria natureza do conceito, só é aplicável a setores em rápida evolução ou a profissões clássicas, mas “criativas”, do Direito à Literatura ou Marketing, no qual as características pessoais do trabalhador podem fazer a diferença.

Um mau uso (e abuso) do conceito é onde os empreendedores fracassados acabam surgindo , geralmente apenas empresários / freelancers precários para os quais a empresa acaba sendo um trabalho mal remunerado e ainda mais escravo do que se fosse de outra pessoa. . Você não pode dizer aos desempregados em todos os setores, independentemente de sua formação, que “vamos ver se eles realizam”, porque então temos casos como Rubí , a cidade-dormitório em que morei muitos anos, em que a rotação de proprietários de bares, lojas etc. É enorme, gerando ainda mais frustração e pobreza para quem procura uma fonte de renda e estabilidade em seus próprios negócios.

Além disso, e como eu disse antes, nem mesmo uma boa idéia em um setor criativo sempre permite avançar: não há instrumentos financeiros suficientes, ajuda ao empreendedor etc. No final, em vez do “criador”, você deve ser, especialmente no início, o chefe e o último macaco ao mesmo tempo. E sim, durante esse tempo, você é um “precário”. E tanto.

Qual>

Bem, a médio e longo prazo, é muito diferente. Como as coisas estão, você não pode competir. A deslocalização , a mecanização crescente, melhorias tecnológicas, fazer a demanda do mercado para trabalhadores não qualificados vão, na Europa e grande parte do mundo ocidental, claramente descendente. Quando alguém pode fazer o seu trabalho, em um mundo com 7 milhões de pessoas em ascensão, encontrará alguém que faz isso mais barato que você. É assim, é por isso que você não pode competir abaixo. Especialmente quando, como Toni Mascaró disse em nosso evento em 13 de novembro, em questão de anos, podemos testemunhar a automação de todos os processos de produção no mundo desenvolvido.

Nesse mundo, a única alternativa real que os jovens da Europa têm é fornecer muito valor agregado. Ser capaz de fazer coisas que literalmente ninguém mais é capaz de fazer, pelo menos não da mesma maneira. Temos a infraestrutura perfeita: cobertura de saúde quase universal; educação básica pública e gratuita; as melhores universidades do mundoe a maior renda per capita do planeta … Com base nisso, ou criamos uma sociedade de elite ou estamos fazendo o idiota. A Espanha, como um exemplo paradigmático do que fazer com o idiota: temos um dos jovens mais treinados do mundo, com uma porcentagem de estudantes no total da população muito notável, e estamos vendo quantos devem deixar o país ou aceitar empregos abaixo de suas capacidades e qualificação. Você não pode pagar, é um verdadeiro desperdício de talento e dinheiro público.

Que características você acha que definem empreendedores? Sua personalidade ou modo de ver a vida são definidos por alguma característica comum?

Suponho que exista uma certa mistura entre ambição (por que a negaremos) e independência, uma combinação, na minha opinião de humanista , com um certo halo de romantismo, como o Corsário de Byron ou o Pirata de Espronceda (risos). Afinal, você se torna um empreendedor naquele momento no que pensa e essas são as oportunidades de emprego que a sociedade me oferece? Penso que posso fazer mais, por isso, se não houver trabalho que mereço, terei de criá-lo e que tenha um toque, você não me negará, de rebelião, quixotismo, de não aceitar o status quo pré-estabelecido.

O empreendedorismo também está relacionado à juventude e, além disso, à capacidade de ser criativo. Pelo que você pôde ver no NewGen, você acha que a criatividade é mais valorizada hoje do que antes?

Ainda não sei se é valorizado ou não, mas acho que deveria ser, pois é um valor ascendente. É a única vantagem competitiva, no nível do trabalho, oferecida pelos jovens europeus e ocidentais em comparação com outras partes do mundo. E em outros níveis, se pararmos para pensar: somos uma pequena parte, tanto geográfica quanto demograficamente, e não exatamente os mais ricos em recursos naturais. A longo prazo, é isso ou nada.

Como>Psychology and Mind é um site dedicado à psicologia, eu gostaria de me aprofundar um pouco mais nesse aspecto. Você acha que a mudança de paradigma no local de trabalho está influenciando, em sentido negativo, nossa capacidade de desenvolver nesta sociedade?

Talvez o façamos, já que a crise nos pegou de surpresa. Éramos a geração mais esperançosa da história deste país (e certamente o mesmo poderia ser dito no resto do Ocidente), e agora temos menos possibilidades do que aquelas que nos precederam … Foi um golpe, claramente. Deixou muitos jovens, e não tão jovens, sem um lugar na sociedade, e aqueles que ainda fazem parte lhes deram posições muito abaixo do que eles esperavam ou mereciam. Agora, acredito que alguns de nós sairão mais fortes disso, especialmente aqueles que cresceram durante a crise. Penso que muitos de nós têm uma atitude de “Se não existe, se não for feito, terá que ser inventado” e isso pode ser uma fonte muito importante de mudança social. Começamos com o trabalho mais básico, sem o qual não temos fonte de sustento ou papel na sociedade … Mas imagine que a mesma atitude se aplique à política ou a qualquer outra área. Que não gostamos dos jogos que existem? Nós criamos um. O que não gostamos deste sistema cultural? Bem, vamos pensar em uma melhor. Poderíamos ser uma das gerações mais influentes da história … Mas, para isso, precisamos entender de onde vem o fenômeno empresarial: a falta de soluções do Papa Estado e da Mamá Corporación (além do tio Gilito da Banca) e considerar que se quando não nos é dado trabalho, nós o montamos, porque talvez devêssemos fazer o mesmo se eles não nos derem justiça ou democracia. O que não gostamos deste sistema cultural? Bem, vamos pensar em uma melhor. Poderíamos ser uma das gerações mais influentes da história … Mas, para isso, precisamos entender de onde vem o fenômeno empresarial: a falta de soluções do Papa Estado e da Mamá Corporación (além do tio Gilito da Banca) e considerar que se quando não nos é dado trabalho, nós o montamos, porque talvez devêssemos fazer o mesmo se eles não nos derem justiça ou democracia. O que não gostamos deste sistema cultural? Bem, vamos pensar em uma melhor. Poderíamos ser uma das gerações mais influentes da história … Mas, para isso, precisamos entender de onde vem o fenômeno empresarial: a falta de soluções do Papa Estado e da Mamá Corporación (além do tio Gilito da Banca) e considerar que se quando não nos é dado trabalho, nós o montamos, porque talvez devêssemos fazer o mesmo se eles não nos derem justiça ou democracia.

Qual o mérito ou valor que você encontrou em Psicologia e Mente que o levou a querer nos incluir como uma das iniciativas mais destacadas da NewGen?

Precisamente isso, que você é um “Juan Palomo: eu o cozinho, como”; Um exemplo de empreendedorismo bem compreendido: começar do zero, com uma boa ideia, muito trabalho e sem que ninguém lhe dê nada. Foda-se, você mói muito. Além disso, você viveu a “precariedade” daquela que inicia um projeto, tornando-o compatível com longas horas de trabalho em uma profissão diferente daquela para a qual você estudou … Você é um paradigma empresarial.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies