Homo ergaster: características, comida, crânio

Homo ergaster é uma espécie de hominídeo que viveu na África entre 1,9 milhões e 1,4 milhões de anos atrás. Caracterizada por sua postura bípede, o Homo ergaster era um caçador-coletor que se alimentava principalmente de carne, frutas, vegetais e raízes. Seu crânio era mais alongado em comparação com outras espécies de hominídeos, o que sugere um cérebro maior e uma capacidade cognitiva mais desenvolvida. Esta espécie é considerada um dos primeiros ancestrais do Homo sapiens.

Alimentação dos Homo ergaster: descubra o que era parte de sua dieta diária.

Os Homo ergaster foram uma espécie de hominídeos que viveram há cerca de 1,9 milhões de anos atrás. Eles eram caçadores-coletores, o que significa que sua alimentação era baseada em alimentos que conseguiam caçar e coletar na natureza.

De acordo com estudos arqueológicos, a dieta dos Homo ergaster era composta principalmente por carne, peixe, frutas, vegetais e raízes. Eles caçavam animais como antílopes, zebras e porcos selvagens, além de pescar em rios e lagos próximos. As frutas e vegetais eram coletados e consumidos sazonalmente, complementando a dieta rica em proteínas provenientes da carne.

Um dos principais fatores que contribuíram para a evolução dos Homo ergaster foi a inclusão de alimentos ricos em proteínas em sua dieta. Isso permitiu o desenvolvimento de um cérebro maior e mais complexo, o que os ajudou a sobreviver e prosperar em seu ambiente.

O crânio dos Homo ergaster também apresentava características adaptativas relacionadas à alimentação. Eles tinham dentes menores em comparação com seus ancestrais, o que sugere uma dieta mais diversificada e menos dependente de alimentos duros e fibrosos.

Anatomia do crânio do Homo: características e evolução ao longo dos milênios.

O Homo ergaster é uma espécie de hominídeo que viveu há cerca de 1,9 milhões de anos atrás. Este antepassado do Homo sapiens apresentava algumas características distintas em relação a outras espécies do gênero Homo. Uma das principais diferenças estava relacionada à anatomia do crânio.

O crânio do Homo ergaster era mais alongado e baixo em comparação com outras espécies. Isso pode indicar uma adaptação para a locomoção bípede, uma vez que um crânio mais alongado ajuda a equilibrar o peso do corpo ao andar em pé. Além disso, o crânio do Homo ergaster apresentava uma capacidade craniana maior do que os seus antecessores, indicando um aumento no tamanho do cérebro.

Em relação à alimentação, o Homo ergaster provavelmente se alimentava de uma dieta variada, incluindo carne de animais caçados e alimentos vegetais. A capacidade de caçar e processar alimentos de origem animal pode ter contribuído para o desenvolvimento do cérebro e, consequentemente, para o aumento da capacidade craniana.

A evolução do crânio do Homo ao longo dos milênios mostra uma progressiva adaptação às demandas do ambiente e das atividades realizadas pela espécie. O crânio do Homo ergaster representa um marco nesse processo evolutivo, mostrando características únicas que o distinguem de outras espécies do gênero Homo.

Qual era a dieta do Homo habilis durante a pré-história?

O Homo habilis foi uma espécie de hominídeo que viveu durante a pré-história, há cerca de 2,4 a 1,5 milhões de anos atrás. Eles eram conhecidos por suas habilidades em fabricar ferramentas de pedra, daí o nome “habilis”, que significa “hábil” em latim. Mas, afinal, o que esses ancestrais humanos comiam?

Os Homo habilis eram provavelmente caçadores-coletores, o que significa que obtinham sua comida caçando animais e coletando frutas, raízes e vegetais. Sua dieta era composta principalmente de alimentos de origem animal, como carne de mamíferos, aves e peixes, além de insetos. Eles também consumiam frutas, sementes e vegetais encontrados em seu ambiente.

Com base em estudos de seus fósseis e ferramentas encontradas em sítios arqueológicos, os cientistas acreditam que o Homo habilis tinha uma dieta variada e adaptável, dependendo das condições locais e das estações do ano. Eles tinham que ser versáteis em sua alimentação para sobreviver em diferentes ambientes e períodos de escassez de alimentos.

Homo ergaster: características, comida, crânio

O Homo ergaster é outra espécie de hominídeo que viveu durante a pré-história, por volta de 1,9 a 1,4 milhões de anos atrás. Eles eram ancestrais diretos do Homo sapiens, ou seja, dos humanos modernos. O Homo ergaster tinha características semelhantes ao Homo habilis, mas com algumas diferenças significativas.

Relacionado:  Batalha de Puebla: História, Personagens, Causas, Consequências

Em relação à alimentação, o Homo ergaster também era caçador-coletor, mas sua dieta provavelmente incluía uma maior quantidade de carne em comparação com o Homo habilis. Eles tinham um crânio mais desenvolvido, com um cérebro maior e mais complexo, o que pode indicar uma dieta mais rica em proteínas e gorduras animais.

Os restos fósseis do Homo ergaster mostram que eles eram bípedes, ou seja, caminhavam sobre duas pernas, o que lhes permitia caçar animais maiores e percorrer distâncias maiores em busca de alimentos. Seus crânios também tinham características distintas, como um rosto menos proeminente e dentes mais adaptados para cortar carne, o que sugere uma dieta mais carnívora em comparação com outras espécies de hominídeos.

Quais atributos definem o gênero Homo?

O gênero Homo é caracterizado por uma série de atributos distintivos que o diferenciam de outros gêneros de hominídeos. Entre esses atributos estão o bipedalismo, o aumento do tamanho do cérebro, a capacidade de fabricar e usar ferramentas e uma dieta mais variada e rica em proteínas. Um exemplo de espécie do gênero Homo é o Homo ergaster, que viveu aproximadamente entre 1,9 e 1,4 milhões de anos atrás.

O Homo ergaster era um caçador-coletor, que se alimentava principalmente de carne e vegetais. Sua dieta incluía uma variedade de alimentos, como frutas, raízes, nozes e carne de animais que caçavam. Essa diversidade alimentar contribuiu para o desenvolvimento do cérebro, que era significativamente maior em comparação com os hominídeos mais primitivos.

Em relação ao crânio, o Homo ergaster apresentava características distintas, como um rosto menos prognata, uma testa mais vertical e um cérebro maior em comparação com seus antecessores. Essas características cranianas refletem a evolução do gênero Homo em direção a uma maior capacidade cognitiva e habilidades sociais mais complexas.

Essas características ajudaram os hominídeos do gênero Homo a se adaptarem com sucesso a diferentes ambientes e a evoluírem ao longo do tempo.

Homo ergaster: características, comida, crânio

Homo ergaster: características, comida, crânio

O Homo ergaster era um hominídeo que apareceu na África há cerca de 2 milhões de anos atrás. Desde a descoberta dos primeiros restos, houve muita controvérsia entre os especialistas. Alguns consideram ergaster e Homo erectus a mesma espécie, enquanto outros afirmam que são diferentes.

A teoria predominante hoje é que o Homo ergaster era o ancestral direto do Homo erectus. Como é considerado o primeiro hominídeo a deixar a África, Homo ergaster é o nome dado a espécimes africanos e Homo erectus a seus descendentes em outras áreas do planeta.

A anatomia do Homo ergaster representa um salto evolutivo sobre as espécies anteriores. Destaca-se, assim, a altura que possuíam, que poderia atingir 1,8 metros. Da mesma forma, sua capacidade craniana é especialmente relevante, bem acima da de seus ancestrais. Muitos autores consideram que o maior consumo de carne explica esse aumento.

O Homo ergaster, que significa Worker Man, trouxe uma grande melhoria na fabricação de ferramentas. Seus utensílios passaram a ser mais complexos e de maior qualidade, favorecendo a caça e outras atividades sociais.

Características gerais do  Homo ergaster

Os estudos realizados sobre os restos mortais de H. ergaster levam os especialistas a considerá-lo o sucessor do Homo habilis . Por outro lado, muitos autores a descrevem como o ancestral de H. erectus. Sobre esse assunto, não há consenso absoluto, já que parte dos paleoantropólogos pensa que ambos podem ter sido uma única espécie.

As primeiras descobertas de H. ergaster foram feitas em 1975, em Koobi Fora (Quênia). Uma expedição encontrou dois crânios lá, um possivelmente feminino, KNM-ER 3733, e outro masculino, KNM-ER 3883. A datação dos restos mostrou que eles tinham 1,75 milhão de anos.

No entanto, a descoberta mais importante ocorreu anos depois, em 1984. No lago Turkana, também no Quênia, o esqueleto de um menino de 11 anos de idade foi desenterrado. Conhecido como o Menino Turkana, permitiu um estudo detalhado de sua anatomia.

Relacionado:  Tratado de Trianón: causas, acordos e conseqüências

Entre as características mais destacadas estava sua altura, 1,60. Dada a idade do indivíduo na data de sua morte, isso significa que ele poderia ter atingido 1,80 metros. Sua capacidade craniana era de 880 centímetros cúbicos e seu corpo tinha uma estrutura óssea semelhante à do homem moderno.

Namoro e âmbito geográfico

O Homo ergaster habitou durante o Pleistoceno Médio, entre 1,9 e 1,4 milhão de anos atrás. Os depósitos encontrados até agora indicam que seu habitat estava na Etiópia, Quênia, Tanzânia e Eritreia. Naquela área, o clima da época era muito árido, com uma seca que durou cerca de cem mil anos.

Especialistas afirmam que H. ergaster foi o primeiro hominídeo a deixar o continente africano e se adaptar a outras áreas do planeta.

Inicialmente, espalhou-se pelo resto da África, dando o salto para o Oriente Médio asiático entre 1,8 e 1,4 milhão de anos atrás. Continuando para o leste, passou a ocupar partes do Cáucaso.

No oeste, sabe-se que atingiu a Itália atual cerca de 1,4 milhão de anos atrás. Além disso, restos foram encontrados na Espanha, especificamente em Atapuerca e Sima Elefante.

Deve-se notar, como dizem os especialistas, que o H. ergaster imediatamente deu lugar ao H. erectus. Alguns cientistas afirmam que é da mesma espécie, variando apenas pelo seu escopo geográfico.

Características físicas

O crânio de H. ergaster tinha uma viseira supra-orbital, a área da sobrancelha, muito menor que a de seus ancestrais, embora ainda maior que a do ser humano atual.

Os restos encontrados permitem afirmar que eram muito robustos, com altura que variava de 1,48 a 1,85 metros. O peso estimado variou de 52 a 68 quilos. Eles eram completamente bípedes, com pernas longas.

Comparado a outros hominídeos anteriores, não há evidências de dimorfismo sexual acentuado. Isso implica que não houve grandes diferenças anatômicas entre os dois sexos, podendo realizar quase as mesmas tarefas.

A aparência do rosto era marcada pelo nariz saliente, semelhante ao de H. sapiens. A mandíbula e os dentes eram menores que os de H. habilis, dando uma aparência mais atual.

Outro aspecto físico fundamental foi o crescimento do cérebro e do neocórtex , causado, certamente, por mudanças na dieta. Da mesma forma, seu sistema de regulação térmica era mais avançado que o de H. habilis.

O peito estreitou-se em direção aos ombros, enquanto os ossos da coxa eram alongados, compensando o pequeno canal de parto.

Outros aspectos físicos

Como observado anteriormente, ocorreu uma grande mudança nessa espécie em sua maneira de regular a temperatura interior. O desenvolvimento da transpiração a médio prazo fez com que H. ergaster perdesse pêlos no corpo, enquanto o da cabeça aparecia.

Da mesma forma, os pulmões também se desenvolveram. Ao desenvolver atividades mais complexas, esse hominídeo precisava de mais energia e se oxigenava com maior frequência.

Para isso, devemos acrescentar que a respiração dele não é mais apenas oral. H. ergaster também começou a respirar pelo nariz. Esses aspectos ajudaram o hominídeo a sobreviver na savana aberta, onde o aumento da mobilidade era essencial para caçar e escapar dos predadores.

Comportamento

Todos os especialistas concordam que H. ergaster parou de usar árvores para se movimentar. Assim, ele abandonou completamente a condição arbórea de muitos de seus ancestrais, vivendo apenas no chão.

Eles eram hominídeos altamente estilizados e sua anatomia foi adaptada ao ambiente em que habitavam, a savana. A maneira de se mover era praticamente a mesma que a dos humanos modernos.

No aspecto social, considera-se que ele poderia ser o primeiro hominídeo a estabelecer relacionamentos complexos nas comunidades. Isso poderia ser favorecido pelo surgimento da linguagem oral, embora nem todos os cientistas concordem com isso.

Parece que eles desenvolveram a capacidade de fazer abstrações rudimentares. O pensamento abstrato , devido ao desenvolvimento de áreas corticais do cérebro , é uma das grandes diferenças entre humanos e animais. Isso indica que H. ergaster tem uma posição muito importante dentro da escala evolutiva.

Relacionado:  Arqueolítico: origem, características, clima, flora e fauna

Socialização

Dentro desse pensamento abstrato está incluído um aspecto que poderia favorecer a socialização das espécies. Uma teoria afirma que o aumento da visibilidade da esclera branca nos H. ergasters poderia dar a eles a capacidade de intuir o humor de seus colegas olhando nos olhos deles.

Apesar desse desenvolvimento mental, eles são incapazes de fazer pensamentos ou planos a longo prazo para o futuro. De fato, o tempo médio de vida era bastante baixo e poucos tinham mais de 20 anos.

Linguagem articulada

Embora os especialistas não o confirmem exaustivamente, parte da comunidade científica pensa que H. ergaster pode ter sido o primeiro hominídeo a desenvolver uma linguagem oral articulada.

Para afirmar isso, eles contam com estruturas cerebrais, o que certamente permitiu ao hominino se comunicar oralmente. No entanto, alguns restos parecem negar essa possibilidade, uma vez que as vértebras cervicais não se adaptam à linguagem falada.

Outra hipótese sugere que ele até criou um tipo de música, mais como um ronronar do que como uma música. Esse ritmo, que não incluía palavras, foi usado para confortar os pequenos.

Alimentando

H. ergaster era onívoro, com uma dieta baseada nos elementos que poderia alcançar em seu ambiente geográfico mais próximo. Os principais elementos foram vegetais e carne.

As análises realizadas nos dentes mostram que sua dieta era composta principalmente de raízes, tubérculos, carne de caça de animais pequenos e carniça.

Além disso, uma expedição da Universidade Complutense de Madri encontrou restos de elefantes em um assentamento de H. ergaster, o que abre a possibilidade de eles comerem animais grandes.

Não há consenso sobre se H. ergaster sabia como lidar com o fogo . Se é certo que seu sucessor, H. erectus, muitos pensam que eles também tinham esse conhecimento.

A introdução de maiores quantidades de carne na dieta, cozida ou não, foi uma das causas do aumento do cérebro, pois contribuiu com uma quantidade maior de proteínas de qualidade para o organismo.

Capacidade craniana

A estrutura craniana era bastante semelhante à de H. habilis, mas sua capacidade era muito maior. Assim, a média entre os restos encontrados é entre 800 e quase 1.000 centímetros cúbicos. Seus antecessores, no entanto, estavam em torno de números entre 600 e 800 cc.

Parece que o desenvolvimento físico e intelectual foi mais lento que o de seus ancestrais. Isso resultou em laços comunitários mais fortes. Precisando de mais tempo para os filhos se defenderem, eles precisavam criar comunidades que colaborassem em sua sobrevivência.

Ferramentas

H. ergaster deu um salto qualitativo na fabricação de ferramentas. Passou dos mais simples, baseados em pedras, aos pertencentes ao período acheuliano. Nisto, eles começam a esculpir bifaces, também conhecidos como eixos alemães.

Essas peças tinham como elemento mais característico uma cabeça com duas arestas e um ponto. Essa forma os tornou muito mais funcionais do que as antigas arestas esculpidas.

H. ergaster começou a produzir essas ferramentas ainda na África e, ao migrar, transferiu a técnica para a Eurásia. O Achelense estava em vigor há muito tempo devido aos seus muitos usos.

Além disso, H. ergaster deixou alguns restos de uma casa, ferramentas de madeira entalhada, alguns também uma lança de madeira e o que é considerado o recipiente mais primitivo, uma tigela do mesmo material.

Referências

  1. O popular. Homo ergaster: suas características. Obtido em elpopular.pe
  2. Tomás, Daniel. Indústria de litíticos. Obtido em mclibre.org
  3. Portal da Ciência. Homo Ergaster. Obtido em portalciencia.net
  4. Aprendizagem Lumen. Homo Ergaster (1,8 milhões). Obtido em cursos.lumenlearning.com
  5. Enciclopédia do Novo Mundo. Homo ergaster. Obtido em newworldencyclopedia.org
  6. Mccarthy, Eugene M. Homo ergaster. Obtido em macroevolution.net
  7. ScienceDaily. Homo ergaster. Obtido de sciencedaily.com
  8. Arqueologia Info. Homo ergaster. Obtido em archeologyinfo.com

Deixe um comentário