Idade Média tardia: história, características, arte

Idade Média tardia: história, características, arte

O final da Idade Média é um período da história do século XI ao XV, embora haja pequenas diferenças de opinião entre os historiadores sobre as datas exatas. É a segunda metade da divisão tradicional do período medieval, cujos primeiros séculos são chamados de Alta Idade Média.

Nos últimos anos, a maioria das correntes historiográficas dividiu essa Idade Média Inferior em duas partes. Uma primeira parte é a chamada Plena, que duraria até o século XIII; e uma segunda parte de crise e colapso é a que compreenderia até o século XIV.

A tomada de Bizâncio nas mãos do Império Otomano em 1453 foi tradicionalmente considerada o fim deste período. Contrariamente à crença comum de que a Idade Média foi um período sombrio e de pouca relevância cultural e social, os primeiros séculos da Baja testemunharam inúmeras mudanças que começariam a definir a Era Moderna.

A aparência da burguesia, o estabelecimento de fronteiras e o poder dos reis ou a aparência do românico e gótico são alguns desses eventos relevantes.

Resumo histórico

No final da chamada Alta Idade Média, a Europa e os países vizinhos se deparam com uma estrutura que não se parece mais com a do antigo Império Romano.

O feudalismo apareceu, a Igreja aumentou seu poder afetando até os reis e as guerras foram constantes. Enquanto isso, grande parte da península ibérica permanece nas mãos dos muçulmanos, e persas e otomanos cercam as fronteiras do Império Bizantino.

Finalmente, o ano 1000 traz consigo a aparência de medo no fim do mundo: o chamado milenismo.

Idade Média

Os primeiros séculos do final da Idade Média receberam o nome de Plena, dado o crescimento que ocorreu em muitos assuntos e a consolidação dos diferentes estados europeus.

Muitos dos eventos que ocorreram nessa época são o germe da Europa moderna. Mesmo assim, não devemos perder de vista a existência de uma classe camponesa muito grande que ainda vivia sob feudalismo na semi-escravidão que os mantinha presos à terra.

Politicamente, começou com um confronto entre a Igreja e os diferentes reis e imperadores. Os imperadores procuraram obter mais autonomia e deixar de estar sujeitos a instituições eclesiásticas. Apesar do poder dos monarcas, em muitas ocasiões o papado teve a última palavra e até nomeou os líderes.

Entre os reinos que começaram a se consolidar nesse período, destacam-se os herdeiros do império carolíngio : França e o Sacro Império Romano.

Enquanto isso, os normandos se estabelecem no que é agora o norte da França, estabelecendo um poderoso ducado. Eles também começam a lançar as bases para o que se tornaria a Inglaterra.

Na Espanha, a reconquista avança, deixando os muçulmanos praticamente reduzidos ao território de Al-Andalus.

Crise medieval

Tudo o que foi alcançado durante os primeiros séculos deste período está prestes a desaparecer devido à grande crise que devastou a Europa no século XIV.

No contexto da crise, vários fatores se reuniram que tiveram um grande impacto na economia, na demografia e na política. No século XV, o continente começou a se recuperar, dando lugar à Era Moderna.

Segundo alguns autores, as grandes fomes que ocorreram ocorreram como conseqüência de algumas mudanças climáticas e crescimento populacional dos séculos anteriores. Além disso, a agricultura da época ainda é pouco produtiva. Essas grandes fomes foram capazes de diminuir significativamente o número de habitantes.

Relacionado:  7 Características da Constituição Mexicana de 1917

A fraqueza causada pela falta de comida também causa o aparecimento de epidemias. A mais conhecida e mais mortal foi a peste negra, que atingiu o continente em várias ondas e matou entre 25 e 50 milhões de pessoas na Europa. A população caiu de 80 para 30 milhões de habitantes em apenas uma década.

Finalmente, é um período em que ocorrem várias guerras civis entre senhores diferentes. Embora os estados estivessem se consolidando, ainda havia um longo caminho até que estivessem estáveis.

Cruzadas

Outro elemento importante no final da Idade Média são as cruzadas. É sobre as tentativas de conquistar a chamada Terra Santa e, acima de tudo, Jerusalém, que estava em mãos muçulmanas.

Existem até oito cruzadas ao longo dos anos. A primeira delas ocorre logo após o ano 1000 e com uma grande carga de fanatismo religioso.

Além do sucesso dessas expedições militares, elas tiveram um grande impacto em vários aspectos sociais, políticos e econômicos da época.

A primeira repercussão foi reforçar o poder do papado, capaz de conceder touros e outros benefícios religiosos aos nobres que participaram.

Esses senhores viram duas consequências depois de participar. Muitos deles desperdiçaram parte da riqueza de seus países ou regiões, ficando à mercê de seus rivais.

No entanto, outros conseguiram fortalecer suas posições depois de terem conquistado vitórias em batalha. Finalmente, as cruzadas fizeram surgir ordens religioso-militares que adquiririam muito poder no território europeu, tanto política quanto economicamente. 

Muitas dessas ordens estavam relacionadas a outras de natureza monástica. Devido ao seu poder, a Ordem do Templo ou os Cavaleiros Germânicos se destacam.

Principais características da baixa idade média

Fortalecimento da monarquia

Cansados ​​do sistema feudal que dava tanta importância aos senhores proprietários e à aristocracia, os monarcas assumem a tarefa de fortalecer seu poder às custas deles. Dessa maneira, cada vez eles reduzem as prerrogativas dos nobres e aumentam as deles.

A crescente importância das cidades faz com que os monarcas se apoiem na burguesia nascente, que começa a adquirir poder econômico. Até os parlamentos começam a parecer enfraquecer os nobres.

Eles também fortalecem os laços com a Igreja, a fim de se tornar cada vez mais legítimo como poder absoluto.

Sociedade estatística

A organização social da época era fortemente hierarquizada, embora com alguns elementos novos em comparação com o primeiro feudalismo.

Além disso, era uma organização baseada no nascimento, incapaz de deixar o estrato social da família.

No topo estava o rei, cada vez com mais poder. Abaixo, a aristocracia e a nobreza, mais limitadas, mas ainda com enormes privilégios de todos os tipos.

Ao lado deles estava o clero. Lembre-se de que muitos religiosos vieram de famílias nobres.

Na base estava o resto da população. As mudanças podem ser vistas na aparência, juntamente com os camponeses vassalos, de um pequeno número de camponeses livres: embora tivessem que continuar pagando aos senhores, estavam livres para mudar de local de trabalho.

Relacionado:  10 Características da Guerra Federal na Venezuela

Os burgueses são inicialmente colocados no fundo da pirâmide, mas ao longo dos anos se tornam mais importantes.

Economia

Nos primeiros séculos, durante a Idade Média, a economia melhorou bastante.

Houve uma modernização de certas técnicas agrícolas, o que causou um aumento na produção. Assim apareceram os arados Norman, a rotação de culturas e o moinho de água.

Isso levou à existência de um excedente de alimentos, revitalizando o comércio, uma vez que nem tudo o que era obtido era para consumo em casa. Essa prosperidade aumentada se traduziu em um aumento demográfico.

Embora a agricultura e a pecuária ainda fossem as bases da economia da época, a crescente importância das cidades fez surgir uma nova classe social: a burguesia.

No aspecto econômico, a dinâmica mudou um pouco, pois eram artesãos ou trabalhadores manuais agrupados em sindicatos.

Aparência da burguesia

Como mencionado, o crescimento das cidades e a crescente importância de algumas profissões que se desenvolveram ali dão origem a mudanças importantes.

Os bairros aparecem: é assim que os bairros onde artesãos e comerciantes moravam e trabalhavam eram chamados. Por isso, quem morava lá era conhecido como burguês.

A maneira de ganhar mais influência era agrupar-se em guildas que, além disso, facilitavam a cooperação entre elas.

Os sindicatos tentaram pressionar o poder para alcançar melhorias em suas condições econômicas, tanto no pagamento de impostos quanto na legislação.

Sua importância era tanta que, em algumas cidades, eles se encarregaram da defesa: cada guilda pagava seu próprio exército de mercenários e era responsável por defender uma área da cidade.

Ordens religiosas e militares

Algumas reformas realizadas nos mosteiros fizeram com que a Igreja reforçasse ainda mais seu poder, além de ampliar a influência territorialmente.

Talvez a reforma mais importante seja a cisterciense, com San Bernardo de Claraval à frente.

San Bernardo é o protagonista no aparecimento de outras ordens religiosas de natureza militar. Eles foram criados para as cruzadas, mas alguns, como os Cavaleiros Templários, adquiriram enorme poder econômico.

A certa altura, foram eles que emprestaram mais dinheiro ao rei da França, e isso lhes deu muita influência.

Arte

Os estilos que predominam nesse período são marcadamente religiosos. Esses estilos tinham o apoio material e econômico da burguesia.

As primeiras universidades, também ligadas à Igreja, também estão começando a ser fundadas.

Estilo romântico

É o primeiro estilo artístico que aparece em quase todos os países da Europa. Existem algumas variações dependendo do local, mas elas mantiveram uma série de características que as uniram.

O principal responsável por sua divulgação foi a ordem monástica de Cluny, reforçada após a reforma que sofreu. A construção de mosteiros e igrejas espalhou o estilo românico por todo o continente.

Entre as obras mais importantes estão a Catedral de Worms (Alemanha), as cidades de Zamora e Ávila (Espanha) ou a Catedral de Angouleme (França).

gótico

Aparece durante o desenvolvimento máximo das cidades. Sua origem é no norte da França, mas se espalhou pelo oeste a partir do século XIII.

Relacionado:  Bartolomé Díaz: biografia, viagens e rotas

Dentro da produção artística desse estilo, destacam-se as grandes catedrais. Diante da escuridão e sobriedade do românico, os góticos se enchem de luz, subindo alto.

Para construí-las, foi necessário o surgimento de inúmeras inovações técnicas e a colaboração dos diferentes sindicatos de trabalhadores.

Além disso, outras manifestações artísticas dadas no gótico, como escultura e pintura, começam a ser independentes da arquitetura.

Algumas das obras mais destacadas são a Catedral de Leon, a Notre Dame de Paris e a Abadia de Saint Denis.

Personagens históricos

A seguir, revisaremos alguns personagens notáveis ​​que viveram durante o final da Idade Média. De monarcas e nobres a clérigos, filósofos, navegadores, soldados, escritores e artistas.

Henrique IV

(1050-1106) Imperador do Sacro Império Romano entre 1084 e 1105. Ele teve uma forte disputa contra a Igreja Católica, especificamente contra Gregório VII.

São Tomás de Aquino

(1224 – 1274) Um dos mais importantes teólogos, políticos, pregadores e filósofos, não apenas da Idade Média, mas de toda a história. Sua grande revolução foram suas teorias de que o pensamento aristotélico não estava em desacordo com a fé.

Isabel a Católica

(1451-1504) A rainha de Castela, junto com seu marido Fernando de Aragón, conquistou o reino nasrida de Granada em 1492, pondo fim à Reconquista. Foi também, durante seu reinado, quem deu apoio a Cristóvão Colombo em suas viagens às Américas.

Joana D’arc

(1412 – 1431) Militar francês com uma presença importante na Guerra dos Cem Anos entre a Inglaterra e a França. Ela morreu queimada em 1431 depois de ser capturada pelos britânicos e a Igreja Católica a tornou santa.

Inocente III

(1161-1216) Um dos papas mais poderosos da história da Igreja Católica. Ele promoveu a cruzada para a Terra Santa em 1202 e enfrentou os Almohads que governavam Al-Andalus.

Dante Alighieri

(1265 – 1321) Ele viveu um momento de abertura e democratização das artes e das letras. Sua Divina Comédia é um clássico em que a evolução do pensamento medieval para o Renascimento é capturada.

Outras

Monarquia e nobreza: Almanzor, Ricardo I da Inglaterra, Alfonso X el sabio, Fernando de Aragão, Boabdil, Teodoro I

Clero: Urbano II, Francisco de Asís, Nicolás de Oresme, Alberto Magno.

Militares, conquistadores e navegadores: Gengis Kan, Marco Polo, Rodrigo Díaz de Vivar.

Artes e ciência: Averroes, Gonzalo de Berceo, Acipreste de Hita, Leonardo da Vinci , Avicena, Paracelso, Roger Bacon.

Referências

  1. Projeto Home Lounge. O final da Idade Média 1100 – 1400. Obtido em salonhogar.net
  2. Valenzuela, Sara. O final da Idade Média na Europa: evolução econômica, social, política e cultural. Recuperado de clio.rediris.es
  3. De la Heras, Luis. História: A crise do pontificado no final da Idade Média. Obtido em lebrijadigital.com
  4. Newman, Simon. Idade Média atrasada. Obtido em thefinertimes.com
  5. Sullivan, Donald. O fim da idade média: declínio, crise ou transformação? Recuperado de jstor.org
  6. Linhagem. Europa no final da Idade Média. Obtido em lineagejourney.com
  7. Os editores da Encyclopædia Britannica. Arte gótica. Obtido em britannica.com
  8. Grupo de Pesquisa em História / Universidade de Calgary. O fim da idade média da Europa. Obtido de faculty.umb.edu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies