Sistema nervoso entérico: características, partes, funções

Sistema nervoso entérico: características, partes, funções

O sistema nervoso entérico é uma rede intrínseca de neurônios do sistema autonômico, distribuída nas paredes do intestino e com funções semi-independentes. O número de neurônios na parede do intestino (100 milhões) é quase tão numeroso quanto os da medula espinhal.

O sistema nervoso entérico é freqüentemente considerado a terceira divisão do sistema autonômico e, portanto, é chamado de “divisão entérica do sistema autonômico”. Outros autores consideram o deslocamento do sistema nervoso central (SNC) para a regulação do sistema gastrointestinal.

Essa divisão entérica funciona de forma relativamente independente, mas se conecta ao sistema nervoso central através dos sistemas simpático e parassimpático. Sua função é controlar a motilidade intestinal, secreção e absorção de nutrientes.

Inclui neurônios sensoriais que detectam alterações químicas, dor e inchaço do trato digestivo; neurônios motores que coordenam a atividade do músculo liso intestinal e interneurônios que integram a atividade intrínseca e que recebem sinais das divisões simpática e parassimpática.

Embora a função do sistema nervoso entérico seja autônoma, é regulada e controlada pela inervação extrínseca do sistema digestivo, que consiste na divisão simpática e parassimpática do sistema nervoso autônomo.

Características do sistema nervoso entérico

Dupla Inversão

O sistema digestivo possui uma dupla inervação, uma intrínseca e uma extrínseca. O sistema nervoso entérico é o sistema de inervação intrínseco do sistema digestivo, enquanto a inervação extrínseca é representada pelo sistema autonômico com sua divisão simpática e parassimpática.

Regulado pelo sistema nervoso autônomo

O sistema nervoso entérico age de maneira bastante independente, mas é regulado pelo sistema nervoso autônomo, que é o sistema de inervação extrínseca do trato digestivo.

Um exemplo dessa dupla inervação é a inervação dos vasos sanguíneos que nutrem o sistema digestivo. Estes são inervados pelo sistema intrínseco ou sistema nervoso entérico e pelo sistema extrínseco através da divisão simpática.

Ainda não se sabe se existe alguma inervação colinérgica (acetilcolina) parassimpática do sistema vascular entérico.

O sistema nervoso entérico inerva esses vasos sanguíneos e através dos neurotransmissores óxido nítrico (NO) e peptídeo vasoativo (VIP) causa hiperemia ou aumento do fluxo sanguíneo por vasodilatação, que acompanha a digestão.

Por outro lado, esses vasos entéricos são inervados pelo sistema nervoso simpático através de fibras pós-ganglionares simpáticas que liberam noradrenérgicas (noradrenérgicas). Quando esse sistema é estimulado, ocorre vasoconstrição e o fluxo sanguíneo na área diminui.

Efeitos antagônicos

Os efeitos simpáticos e parassimpáticos na função do sistema digestivo são antagônicos. A estimulação simpática diminui a motilidade, secreção, absorção e fluxo sanguíneo digestivo.

O parassimpático aumenta a motilidade, absorção e secreção. A estimulação simpática aumenta o tônus ​​dos esfíncteres do sistema gastrointestinal, enquanto a estimulação parassimpática diminui.

Partes do  sistema nervoso entérico

O sistema nervoso entérico é organizado formando dois grandes grupos de neurônios e fibras nervosas interconectadas chamadas plexos.

Esses plexos estão distribuídos entre as diferentes camadas que compõem a parede do trato digestivo e são conhecidos como plexo de Auerbach e plexo de Meissner.

Descrição do trato digestivo

As camadas da parede do trato digestivo são semelhantes em todo o tubo, mas mostram características particulares em cada segmento.

Relacionado:  O ciclo de vida das plantas (para crianças e adultos)

São quatro camadas concêntricas que, de dentro para fora, são: a mucosa, a submucosa, o músculo externo e a serosa ou adventícia. Todos os quatro são encontrados em todo o trato digestivo.

– A mucosa é composta por um epitélio, uma lâmina própria e a mucosa muscular com duas camadas musculares lisas. Ele também contém glândulas, vasos linfáticos e nódulos linfóides.

– A submucosa é uma camada de tecido solto que possui apenas glândulas no esôfago e no duodeno.

– A camada muscular externa é composta por duas camadas musculares lisas, uma organizada longitudinalmente do lado de fora e a outra circularmente do lado de dentro.

– A serosa ou adventícia é uma fina camada de tecido conjuntivo e é a camada mais externa da parede do tubo.

Distribuição entérica do plexo

Na camada muscular externa do trato digestivo, entre as camadas circular e longitudinal, está o plexo de Auerbach, também chamado de plexo mioentérico. Esse plexo inerva as duas camadas do músculo liso e é responsável pelo peristaltismo.

Distribuídas ao redor do plexo de Auerbach também estão as fibras dos neurônios simpático e parassimpático.

Na camada submucosa, o plexo de Meissner ou plexo submucoso do sistema nervoso entérico é distribuído por todo o trato digestivo. Existem também fibras do sistema nervoso parassimpático nessa área.

O plexo submucoso de Meissner inerva o epitélio glandular, as células endócrinas intestinais e os vasos sanguíneos da submucosa. Esse plexo regula a função secretora, os movimentos das mucosas e o fluxo sanguíneo local.

Distribuídas ao longo da parede do trato digestivo, existem muitas fibras sensoriais que transportam informações diretamente sobre o conteúdo luminal e o estado secretório e muscular local para os plexos próximos e distantes.

Esta informação sensorial também é transmitida ao sistema nervoso central através do sistema autonômico.

Organização anatômica da inervação do sistema digestivo

A organização geral do sistema nervoso entérico e do sistema autonômico que fornece o trato digestivo é complexa e interconectada.

De um modo geral, a maioria das fibras parassimpáticas se conecta às células ganglionares do plexo entérico e não diretamente às células ou glândulas do músculo liso.

As fibras parassimpáticas alcançam o trato digestivo através dos nervos vago e pélvico, e a estimulação parassimpática aumenta a motilidade e a atividade secretora do intestino.

O plexo mesentérico celíaco, superior e inferior e o plexo hipogástrico fornecem a inervação simpática do intestino. A maioria dessas fibras termina nos plexos de Auerbach e Meissner.

A ativação simpática diminui a atividade motora, reduz as secreções e produz vasoconstrição local. Algumas fibras terminam diretamente nas camadas musculares externas, nas mucosas musculares e em alguns esfíncteres.

Nas camadas musculares externas, o simpático diminui a atividade motora atuando através do plexo mioentérico que está em contato com as células musculares externas. Nos músculos mucosas e nos esfíncteres, a atividade simpática causa sua contração.

A contração da mucosa muscular gera as dobras e criptas da mucosa.

Existem fibras aferentes que fazem parte dos reflexos locais e centrais. Para reflexos centrais, as fibras aferentes são aquelas que vão e se conectam com os neurônios localizados no sistema nervoso central.

Relacionado:  Histonas: características, estrutura, tipos e funções

Essas fibras aferentes enviam informações detectadas por quimiorreceptores, mecanorreceptores e outros receptores sensíveis.

Os reflexos locais são estabelecidos por conexões diretas das fibras sensoriais com as células nervosas dos plexos mioentérico e submucoso, que enviam uma resposta que pode ser direcionada à atividade da camada muscular externa, glândulas, células endócrinas, vasos sanguíneos ou musculares mucosas.

Recursos

Os dois plexos do sistema nervoso entérico desempenham funções diferentes. O plexo de Auerbach está relacionado ao peristaltismo, com as contrações destinadas à mistura de quimosos e com o tônus ​​dos músculos lisos.

O plexo de Meissner está associado a funções secretoras locais, a algumas secreções hormonais e a regulação local do fluxo sanguíneo.

Peristaltismo e atividade da musculatura externa

O peristaltismo pode ser definido como uma resposta reflexa iniciada pela distensão que ocorre na parede do trato digestivo quando o bolo alimentar entra. Essa reação ocorre em todo o trato digestivo, do esôfago ao reto.

Inicialmente, a distensão ou alongamento do tubo gera uma contração circular da zona anterior, ou seja, aquela localizada atrás do estímulo (bolo alimentar ou conteúdo luminal) e uma zona de relaxamento na frente ou na frente do estímulo.

O alongamento que ocorre na parede do trato digestivo quando o bolo alimentar entra ativa os neurônios sensoriais que, por sua vez, ativam os neurônios do plexo mioentérico. Os neurônios colinérgicos na área estão distribuídos em direções opostas.

Alguns neurônios emitem fibras colinérgicas na direção anterógrada e outros na direção retrógrada. Ou seja, alguns são direcionados caudalmente (em direção ao reto) e outros por via oral (em direção à boca).

Aqueles que sobem geram contração muscular lisa e aqueles que descem geram relaxamento do músculo liso.

Essa zona de contração e relaxamento ao redor do bolo alimentar gera uma onda de contração que impulsiona o conteúdo luminal e o direciona caudalmente no tubo.

Atividade elétrica basal

Além dessa atividade peristáltica, o trato digestivo exibe atividade elétrica básica que regula a motilidade do sistema. Essa atividade elétrica se origina de células especializadas chamadas células Cajal estreladas ou células marcapasso.

As células estelares de Cajal são encontradas na camada muscular interna circular do músculo liso, próximo ao plexo mioentérico. O esôfago e a parte superior do estômago não possuem esses tipos de células.

A atividade elétrica rítmica é iniciada nas células Cajal, que desencadeiam a despolarização espontânea do potencial da membrana, chamado ritmo elétrico básico (REB), que geralmente não produz solavancos musculares por si só, mas sim ondas de despolarização.

A função do REB é coordenar e regular o peristaltismo e outras atividades motoras típicas do sistema; eles também regulam o tônus ​​do músculo liso das paredes do trato digestivo.

Neurotransmissores

Os neurotransmissores do sistema digestivo são muitos. Na primeira instância, estão os neurotransmissores das fibras pós-ganglionares simpáticas e parassimpáticas, como a noradrenalina e a acetilcolina, respectivamente.

Para o sistema nervoso entérico, existe uma longa lista de neurotransmissores e neuromoduladores com uma grande variedade de receptores que determinam a função da ativação local do referido sistema.

Relacionado:  Quelato de ferro: características, tipos, propriedades, dosagem

Entre estes, os mais importantes são acetilcolina, noradrenalina, serotonina, dopamina , glicina, GABA (ácido γ-aminobutírico), NO, CO, ATP (trifosfato de adenosina), CCK (colecistocinina), o VIP e o peptídeo YY, etc.

Muitas das descrições de cada uma das vias intracelulares, conexões e mecanismos estão em estudo e ainda não foram totalmente elucidadas.

Doenças

Existem várias patologias relacionadas a alterações do sistema nervoso entérico, um exemplo das quais são:

Achalasia

É uma doença que afeta a motilidade do esôfago e impede o esvaziamento eficiente, como conseqüência, o alimento se acumula e o esôfago se dilata. Devido ao aumento do tônus ​​do esfíncter inferior do esôfago, não relaxa completamente após a deglutição.

Nesta patologia, há uma alteração do plexo mioentérico no esfíncter inferior do esôfago, com uma alteração na liberação de VIP e NO.

Refluxo gastroesofágico

É uma disfunção esofágica que ocorre quando o esfíncter inferior do esôfago se torna incompetente, ou seja, não fecha bem e causa refluxo gastroesofágico.

Em outras palavras, parte do conteúdo do estômago retorna ao esôfago, causando irritação na mucosa, acidez e úlceras esofágicas.

Íleo paralítico

Outra disfunção da motilidade do intestino é o chamado “íleo paralítico ou adinâmico”. Nesta patologia, devido a trauma direto no intestino ou cirurgia abdominal, ocorre inibição difusa do peristaltismo, principalmente no intestino delgado.

A redução do peristaltismo da área evita o esvaziamento intestinal no cólon, de modo que o intestino delgado se distende e se enche de líquidos e gases. A atividade peristáltica do intestino delgado retorna em cerca de 6 ou 8 horas e a do cólon após cerca de 2 ou 3 dias.

Megacólon aganglionar e diarréia crônica

A ausência congênita de células ganglionares dos plexos mioentérico e submucoso nas porções distais do cólon gera o que é chamado de “megacólon aganglionar” ou doença de Hirschsprung. É acompanhado por constipação intensa e inchaço abdominal e do cólon.

A diarréia crônica que dura mais de duas semanas acompanha a síndrome do intestino irritável, uma doença que afeta a função do cólon.

Pode ocorrer devido ao aumento das contrações musculares da parede do cólon devido a alterações na coordenação funcional entre o sistema nervoso central e o sistema nervoso entérico.

Referências

  1. Berne, R. & Levy, M. (1990). Fisiologia . Mosby; Edição Ed internacional.
  2. Dudek, RW (1950). Histologia de Alto Rendimento (2ª ed.). Filadélfia, Pensilvânia: Lippincott Williams & Wilkins.
  3. Guyton, A. & Hall, J. (2006). Manual de Fisiologia Médica (11ª ed.). Elsevier Inc.
  4. Johnson, K. (1991). Histologia e Biologia Celular (2ª ed.). Baltimore, Maryland: A série médica nacional para estudo independente.
  5. Kuehnel, W. (2003). Atlas de cores de citologia, histologia e anatomia microscópica (4ª ed.). Nova York: Thieme.
  6. Ross, M. & Pawlina, W. (2006). Histologia. A Text and Atlas com correlação celular e biologia molecular (5ª ed.). Lippincott Williams e Wilkins.
  7. William, FG, & Ganong, MD (2005). Revisão de fisiologia médica. Impresso nos Estados Unidos da América, décima sétima edição, Pp-781 .

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies