Império Bizantino: Origem, Características Cultura, Economia

O Império Bizantino ou Império Romano do Oriente, foi um dos três centros de poder na Idade Média . Ele nasceu após a divisão do Império Romano, em 395. A parte ocidental permaneceu, muito enfraquecida, com a capital em Roma. A oriental, estabeleceu sua capital em Bizâncio, hoje chamada Istambul, e também conhecida como Constantinopla.

Foi Teodósio quem decidiu realizar a divisão. Durante seu reinado, ele achou impossível manter as fronteiras do império seguras e, além disso, manter o vasto território economicamente inviável.

Império Bizantino: Origem, Características Cultura, Economia 1

Finalmente, ele decidiu dividir seus domínios em dois. O recém-criado Império do Oriente passou para as mãos de seu filho Acadius e acabou sobrevivendo ao seu colega ocidental. O último desapareceu em 476, incapaz de se defender dos ataques dos alemães.

Por seu turno, o Império Bizantino conseguiu superar esses ataques. Passou por tempos de grande boom, sendo um dos eixos políticos e culturais mais prestigiados da Europa. Foram os turcos que, no ano de 1453, terminaram o Império, quando conquistaram a capital. Essa data é considerada o fim da Idade Média.

Uma de suas principais características é que, ao longo dos anos, acabou se tornando um ponto de encontro entre oeste e leste, entre Europa e Ásia. De fato, durante as cruzadas, os francos acusaram os bizantinos de ter muitos costumes orientais.

Origem

Império Bizantino: Origem, Características Cultura, Economia 2

Antecedentes

Os antecedentes geográficos, políticos e culturais do Império Bizantino remontam às conquistas feitas por Alexandre, o Grande. Parte do território conquistado pelos macedônios permaneceu unido por séculos, embora com frequentes confrontos entre a Anatólia e a Grécia.

No final, os governantes de ambas as terras viram como Roma acabou tomando o poder e se tornou províncias do Império. Apesar disso, eles conseguiram manter suas próprias características culturais, uma mistura da herança helenística com influências orientais.

A primeira divisão administrativa do Império Romano foi estabelecida por Diocleciano, no final do terceiro século. Ele dividiu o Império em duas partes, com um imperador diferente em cada zona. No entanto, quando ele perdeu o poder, ele retornou ao sistema tradicional com um único centro de poder, Roma.

Foi Constantino quem conseguiu pacificar o território após os anos de guerra que se seguiram à decisão de eliminar a divisão acima mencionada. Em 330, ele ordenou a reconstrução de Bizâncio, que ele chamou de Nova Roma. Como homenagem ao imperador, a cidade também era conhecida como Constantinopla.

Criação do Império

Em 395, Roma estava passando por tempos difíceis. Suas fronteiras foram sitiadas e atacadas por alemães e outras tribos bárbaras. A economia era muito precária e incapaz de suportar as despesas necessárias à defesa de um território tão grande.

Essas circunstâncias, entre outras, foram o que levou o Imperador Teodósio a dividir definitivamente o Império. Seus dois filhos foram os designados para ocupar os respectivos tronos: Flavio Honorio, no Ocidente; e Acadio, no leste.

A capital desta segunda corte foi estabelecida em Constantinopla, época em que os historiadores marcam o nascimento do Impero bizantino. Embora Roma caísse algumas décadas depois, Bizâncio permaneceria por quase um milênio.

Consolidação

Enquanto o que restava do Império Romano do Ocidente estava em declínio, o oposto estava acontecendo no Oriente. Ao contrário do que aconteceu com Roma, eles foram capazes de resistir às invasões bárbaras, fortalecendo-se no processo.

Constantinopla estava crescendo e ganhando influência, apesar das ondas contínuas que visigodos, hunos e ostrogodos lançavam contra ele.

Quando o perigo das tentativas de invasão terminou, o Império Ocidental havia desaparecido. O do leste, por outro lado, estava às portas de viver seu momento de maior esplendor.

Este chegou sob o mandato de Justiniano, que supôs a extensão de suas fronteiras até quase atingir a mesma extensão que teve o Império Romano.

Características principais

O desenvolvimento do cristianismo ortodoxo

Em assuntos religiosos, o Império Bizantino foi caracterizado como um estado cristão. De fato, seu poder político foi fundado na autoridade da igreja.

O imperador foi o segundo na hierarquia eclesiástica, porque sempre acima dele estava o papa em Roma.

Dentro do Império Bizantino, a Igreja Cristã Ortodoxa se originou. Essa tendência religiosa foi de grande importância nos territórios da Bulgária, Rússia e Sérvia e atualmente é uma das maiores igrejas do mundo.

Desenvolvimento comercial

Graças à sua localização estratégica entre Europa, Ásia e África, o Império Bizantino foi um dos principais terminais da Rota da Seda e o mais importante centro comercial da Idade Média.

Devido a isso, a invasão otomana causou uma ruptura na rota da seda, o que forçou as potências européias a procurar outras rotas comerciais. Pesquisa que foi concluída no Discovery of America .

Desenvolvimento cultural

O Império Bizantino teve um amplo desenvolvimento cultural e uma participação fundamental na conservação e transmissão do pensamento clássico. Sua tradição historiográfica manteve viva a tradição artística, arquitetônica e filosófica.

Por esse motivo, considera-se que o desenvolvimento cultural desse império foi importante para o desenvolvimento cultural de toda a humanidade.

O legado artístico

Uma das principais contribuições culturais do Império Bizantino foi o seu legado artístico. Desde o início de seu declínio, os artistas do império buscaram refúgio em países vizinhos, onde levaram seu trabalho e sua influência que mais tarde nutriria a arte do renascimento.

A arte bizantina foi muito apreciada em seu tempo; portanto, os artistas ocidentais estavam abertos a suas influências. Um exemplo disso é o pintor italiano Giotto, um dos principais expoentes da pintura renascentista.

O legado arquitetônico

O estilo arquitetônico bizantino é caracterizado por um estilo naturalista e pelo uso das técnicas dos impérios grego e romano, misturadas com os temas do cristianismo.

A influência da arquitetura bizantina pode ser encontrada em diferentes países, do Egito à Rússia. Essas tendências são especialmente visíveis em edifícios religiosos, como a Catedral de Westminster, típica da arquitetura neo-bizantina.

Discussões bizantinas

Uma das principais práticas culturais que caracterizaram o Império Bizantino, foram debates e discursos filosóficos e teológicos. Graças a isso, a herança científica e filosófica dos pensadores gregos antigos permaneceu viva .

De fato, o conceito “discussões bizantinas”, cujo uso permanece em vigor até hoje, vem dessa cultura de debate.

Refere-se, em particular, às discussões que ocorreram nos conselhos do início da Igreja Ortodoxa, onde os tópicos foram discutidos sem muita relevância, motivados por um grande interesse no próprio fato do debate.

O papel das mulheres

A sociedade no Império Bizantino era extremamente religiosa e familiar. As mulheres tinham um status espiritual igual ao dos homens e também ocupavam um lugar importante na constituição dos núcleos familiares.

Embora fossem necessárias atitudes submissas, algumas delas participavam de política e comércio. Eles também tinham o direito de herdar e, em alguns casos, possuíam uma riqueza independente de seus maridos.

Os eunucos

Os eunucos, homens que sofreram castração, eram outra característica do Império Bizantino. Havia o hábito de praticar a castração como punição por certos crimes, mas também se aplicava a crianças pequenas.

Neste último caso, os eunucos passaram a ocupar altos cargos no tribunal porque eram considerados confiáveis. Isto devido à sua incapacidade de reivindicar o trono e ter descendentes.

Diplomacia

Uma das características mais importantes do Império Bizantino foi a capacidade de permanecer vivo por mais de 1000 anos.

Essa conquista não se deveu à defesa armada do território, mas às capacidades administrativas que incluíam uma gestão bem-sucedida da diplomacia.

Os imperadores bizantinos estavam inclinados a evitar guerras o máximo possível. Essa atitude foi a melhor defesa, considerando que, devido à sua localização estratégica, eles poderiam ser atacados a partir de qualquer uma de suas fronteiras.

Graças à sua atitude diplomática, o Império Bizantino também se tornou uma ponte cultural que permitia a interação de diferentes culturas. Uma característica que foi decisiva no desenvolvimento da arte e da cultura na Europa e em todo o mundo ocidental.

Visão greco-romana de si mesmos

Uma das características mais importantes do Império Bizantino era a visão deles mesmos. Era uma mistura entre sua consideração de ser os romanos autênticos após o desaparecimento do império e sua herança cultural grega.

No primeiro caso, chegou o momento em que os únicos herdeiros da tradição romana se sentiram, desmerecendo o resto dos europeus que haviam sido conquistados pelos bárbaros.

Os escritos de Ana Comneno, filha do imperador Alejo I, refletem claramente a opinião dos bizantinos no modo de ser, bárbaro para eles, dos cavaleiros cruzados que passaram por Constantinopla.

Por outro lado, a cultura grega oriental era evidente nos costumes bizantinos. Daí o conceito de “discussões bizantinas”, que os cruzados ridicularizaram como brandos, intelectuais e muito semelhantes aos orientais.

Em um aspecto prático, a influência grega foi refletida no nome de seu monarca. No século VII, eles mudaram o antigo título romano de “Augustus”, para o grego “basileus”. Da mesma forma, o idioma oficial tornou-se grego.

Crescimento Justiniano

Foi durante o reinado de Justiniano quando o Império Bizantino atingiu seu máximo esplendor e, portanto, quando eles melhor refletiram suas características.

O reinado ocorreu no século VI e, durante o mesmo, houve uma grande extensão territorial. Além disso, Constantinopla era o centro mundial em termos de cultura.

Grandes edifícios foram construídos, como a Basílica de Hagia Sophia e o palácio imperial. Foi abastecido com água por um aqueduto nos subúrbios e em numerosas cisternas subterrâneas que atravessavam a cidade.

No entanto, as despesas incorridas pelo imperador acabaram afetando os cofres públicos. A isso se juntou uma grande epidemia de peste, que matou quase um quarto da população.

Sociedade e política

O exército era uma das chaves da sociedade bizantina. Ele manteve as táticas que levaram Roma a conquistar toda a Europa e as uniu a algumas das desenvolvidas pelos exércitos do Oriente Médio.

Isso lhe deu força para resistir à correria dos bárbaros e, posteriormente, para expandir-se por um amplo território.

Por outro lado, a situação geográfica de Bizâncio, no meio da rota entre o oeste e o leste, tornou o controle marítimo essencial para o Império. Sua marinha controlava as principais rotas comerciais, além de impedir que a capital fosse sitiada e não podia fornecer suprimentos.

Quanto à estrutura social, ela foi fortemente hierarquizada. No cume estava o imperador, chamado “basileus”. Seu poder veio diretamente de Deus, então ele foi legitimado diante de seus súditos.

Por isso, ele teve a cumplicidade da Igreja. Bizâncio tinha o cristianismo como religião oficial e, embora houvesse algumas heresias que ganharam força, no final, uma visão muito ortodoxa das escrituras foi firmemente estabelecida.

Cultura

Uma das coisas que surpreendeu os primeiros cruzados que chegaram a Bizâncio foi o gosto pelo luxo que seus habitantes demonstravam. As classes mais favorecidas tinham um gosto, segundo alguns historiadores europeus da época, mais perto do leste que do oeste.

A principal característica foi, no entanto, a diversidade cultural. A mistura do grego, do romano, do oriental e do cristianismo resultou em um modo de vida único, refletido em sua arte. A partir de um dado momento, o latim foi substituído pelo grego.

No aspecto educacional, a influência da igreja foi muito perceptível. Parte de sua principal tarefa era lutar contra o Islã e, para isso, formou as elites bizantinas.

Arte

Os habitantes do Império Bizantino deram grande importância ao desenvolvimento da arte. A partir do século IV e com o epicentro em Constantinopla, houve uma grande explosão artística.

A maior parte da arte executada tinha raízes religiosas. De fato, o tema central era a imagem de Cristo, muito representada no Pantocrator.

Ele destacou a produção de ícones e mosaicos, além das impressionantes obras arquitetônicas que marcaram todo o território. Entre eles estavam Santa Sofia, Santa Irene ou a Igreja de São Sérgio e Baco, que ainda hoje é conhecida pelo apelido de pequena Santa Sofia.

Economia

A economia do Império Bizantino permaneceu por quase toda a sua existência sob controle estatal. O tribunal vivia com grandes luxos e parte do dinheiro arrecadado pelos impostos era gasto na manutenção do padrão de vida.

O exército também precisava de um orçamento muito grande, assim como o aparato administrativo.

Agricultura

Uma das características da economia durante a Idade Média foi a primazia da agricultura. Bizâncio não foi uma exceção, embora também tenha aproveitado outros fatores.

A maioria das terras de produção no Império estava nas mãos da nobreza e do clero. Às vezes, quando as terras vinham de conquistas militares, eram os chefes do exército que recebiam suas propriedades como pagamento.

Eram grandes propriedades, trabalhadas por servos. Apenas pequenos proprietários e moradores rurais, pertencentes às camadas pobres da sociedade, deixaram a norma.

Os impostos a que estavam sujeitos faziam as colheitas apenas para sobreviver e, muitas vezes, tinham que pagar grandes quantias aos senhores para protegê-las.

Indústria

Em Bizâncio, havia uma indústria baseada em manufaturas que, em alguns setores, ocupavam muitos cidadãos. Essa foi uma grande diferença com o resto da Europa, na qual prevaleceram pequenas oficinas de guildas.

Embora tais oficinas também fossem frequentes em Bizâncio, o setor têxtil possuía uma estrutura industrial mais desenvolvida. O assunto principal com o qual se trabalhava era a seda, em princípio tirada do Oriente.

No século VI, alguns monges descobriram como produzir seda por si mesmos e o Império aproveitou a oportunidade para estabelecer centros de produção com muitos funcionários. O comércio de produtos fabricados com esse material foi uma importante fonte de renda para o Estado.

Comércio

Apesar da importância da agricultura, em Bizâncio havia outra atividade econômica que gerava muito mais riqueza. O comércio aproveitou a posição geográfica privilegiada da capital e da Anatólia, bem no eixo entre a Europa ou a Ásia. O Estreito de Bósforo, entre o Mediterrâneo e o Mar Negro, permitia o acesso ao leste e também à Rússia.

Dessa forma, tornou-se o centro das três principais rotas que deixaram o Mediterrâneo. A primeira, a Rota da Seda, que chegou à China através da Pérsia, Samarcanda e Bukhara.

O segundo estava indo em direção ao Mar Negro, chegando na Crimeia e continuando para a Ásia Central. O último, por outro lado, foi de Alexandria (Egito) ao Oceano Índico, passando pelo Mar Vermelho e pela Índia.

Eles negociavam normalmente com itens considerados de luxo, além de matérias-primas. Eles destacaram, entre os primeiros, marfim, seda chinesa, incenso, caviar e âmbar e, entre os últimos, trigo do Egito e da Síria.

Religião

A religião era de grande importância no Império Bizantino, tanto como legitimador do poder do monarca quanto como elemento de união do território. Essa importância se refletiu no poder exercido pela hierarquia eclesiástica.

Desde o início, o cristianismo foi implantado na área com grande força. Tanto é assim que, já no ano 451, no Conselho de Chalcedon, quatro dos cinco patriarcas criados estavam no Oriente. Somente Roma obteve uma sede fora dessa região.

Com o tempo, diferentes lutas políticas e doutrinárias afastaram as diferentes correntes cristãs. Constantinopla sempre alegou estar na ortodoxia religiosa e manteve alguns confrontos com Roma.

Movimento iconoclasta

Uma das maiores crises que a Igreja Ortodoxa sofreu ocorreu entre os anos 730 e 797 e, posteriormente, na primeira metade do século IX. Duas correntes religiosas mantiveram um grande confronto para uma questão doutrinária: a proibição que a Bíblia faz de adorar ídolos.

Os iconoclastas fizeram uma interpretação literal do mandato e sustentaram que a criação de ícones deveria ser proibida. Hoje, você pode ver em áreas do antigo Império, pinturas e mosaicos em que os santos têm o rosto apagado pela ação dos partidários dessa corrente.

Por outro lado, os iconódulos mantiveram a opinião oposta. Não foi até o Concílio de Nicéia, em 787, quando a Igreja decidiu a favor da existência dos ícones.

Cisma Oriental

Se o primeiro era um assunto interno no Império, o Cisma Oriental significava a separação definitiva entre as Igrejas do Oriente e do Ocidente.

Várias discordâncias políticas e interpretações das escrituras, juntamente com figuras controversas como o Patriarca Focio, levaram ao fato de que, em 1054, Roma e Constantinopla começaram a se separar.

No Império, acabou assumindo a criação de uma autêntica Igreja nacional. O patriarca aumentou seu poder, colocando-o quase no nível do imperador.

Arquitetura

Em princípio, a arquitetura desenvolvida no Império Bizantino começou com claras influências romanas. Um ponto de diferenciação foi o surgimento de alguns elementos provenientes do paleocristianismo.

Era, na maioria dos casos, uma arquitetura religiosa, que se reflete nas impressionantes basílicas construídas.

Caracteristicas

O principal material utilizado nas construções foi o tijolo. Para ocultar a humildade desse componente, o exterior costumava ser coberto com lajes de pedra, enquanto o interior estava cheio de mosaicos.

Entre os desenvolvimentos mais importantes, está o uso do cofre, principalmente o barril. E, é claro, destaca a cúpula, que deu aos recintos religiosos uma grande sensação de espaço e altura.

A planta mais comum era a cruz grega, com a cúpula mencionada no centro. Também não devemos esquecer a presença da iconostase, onde foram colocados os ícones pintados característicos.

Etapas

Os historiadores dividem a história da arquitetura bizantina em três estágios diferentes. O primeiro durante o período do imperador Justiniano. É quando alguns dos edifícios mais representativos são erguidos, como a igreja dos santos Sérgio e Baco, a de Santa Irene e, acima de tudo, a de Santa Sofia, todas em Constantinopla.

O próximo estágio, ou Idade de Ouro, como são chamados, está situado no chamado Renascimento da Macedônia. Isso ocorreu durante os séculos XI, X e XI. A Basílica de São Marcos em Veneza é um dos exemplos mais conhecidos desse período.

A última Era de Ouro começou em 1261. Destaca-se pela expansão da arquitetura bizantina ao norte e oeste.

Outono

O declínio do Império Bizantino começou a partir do reinado dos imperadores paleológicos, a partir de Miguel VIII em 1261.

A conquista da cidade, meio século antes, pelos cruzados, aliados teóricos, marcou um ponto de virada após o qual não se recuperaria. Quando eles conseguiram retomar Constantinopla, a economia estava muito deteriorada.

Do leste, o Império foi atacado pelos otomanos, que conquistaram grande parte de seu território. No oeste, ele perdeu a área dos Balcãs e o Mediterrâneo o escapou por causa da força de Veneza.

Os pedidos de ajuda aos países ocidentais para resistir aos avanços turcos não encontraram resposta positiva. A condição que eles estabeleceram era reunir a Igreja novamente, mas os ortodoxos não aceitaram.

Em 1400, o Império Bizantino mal consistia em dois pequenos territórios separados um do outro e da capital Constantinopla.

Tiro de Constantinopla

A pressão dos otomanos atingiu seu auge quando Mehmed II abriu espaço para Constantinopla. O cerco durou dois meses, mas as muralhas da cidade não eram mais o obstáculo intransponível que haviam sido por quase mil anos.

Em 29 de maio de 1453, Constantinopla caiu nas mãos dos atacantes. O último imperador, Constantino XI, morreu no mesmo dia em batalha.

O Império Bizantino deu lugar ao nascimento dos otomanos e, para os historiadores, na época a Era Moderna começou a deixar a Idade Média para trás.

Referências

  1. História universal. Império Romano do Oriente: Império Bizantino. Obtido em mihistoriauniversal.com
  2. EcuRed. Império Bizantino Obtido de ecured.cu
  3. Briceño, Gabriela. Império Bizantino Obtido de euston96.com
  4. John L. Teall Donald MacGillivray Nicol. Império Bizantino. Obtido em britannica.com
  5. Khan Academy Cultura e sociedade bizantina. Obtido em khanacademy.org
  6. Jarus, Owen. História do Império Bizantino (Bizâncio). Obtido de livescience.com
  7. Enciclopédia da Ucrânia. Império Bizantino. Obtido em encyclopediaofukraine.com
  8. Cartwright, Mark. Comércio no Império Bizantino. Obtido em ancient.eu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies