Independência do Chile: Antecedentes, Causas, Consequências

A Independência do Chile foi um processo que começou em 18 de setembro de 1810 com a nomeação do Primeiro Conselho Nacional de Governo e culminou em 12 de fevereiro de 1818 com o juramento e proclamação da Independência. O Chile tornou-se independente do reino espanhol através do Ato de Independência, datado em Concepcion, em 1º de janeiro de 1818.

Foi assinada por O’Higgins um mês depois, mas a cerimônia foi realizada no dia 12 do mesmo mês em Talca e depois em Santiago, quando foi o primeiro aniversário da batalha de Chacabuco. Nas batalhas de Chacabuco (12 de fevereiro de 1817) e Maipú (5 de abril de 1818), também vencidas pelos Patriots, foi selada a emancipação do Chile da Espanha.

Independência do Chile: Antecedentes, Causas, Consequências 1

Proclamação da Independência do Chile em 12 de fevereiro de 1818.

No entanto, a independência do país não foi reconhecida pela Espanha até 24 de abril de 1844. O movimento de emancipação do Reino do Chile começou em 18 de setembro de 1810, com a prefeitura aberta em Santiago. Nesse dia, o Primeiro Conselho Nacional de Governo foi nomeado para substituir a Capitania Geral.

O governador provisório, Mateo de Toro Zambrano, renunciou ao cargo. Em substituição ao Governo do Chile (Capitania Geral), foi proposta a formação do Conselho Nacional de Governo, sob o Conselho Supremo Central da Espanha. A acusação também foi presidida por Mateo de Toro Zambrano.

Em princípio, o objetivo da Junta Governamental do Chile e de todas as colônias americanas era defender os direitos do rei espanhol deposto Fernando VII. No entanto, o movimento de independência chileno e o continente começaram a tomar forma lá.

As figuras mais destacadas do processo de independência chilena foram Bernardo O’Higgins, José Miguel Carrera, Manuel Rodríguez e José de San Martín. Eles são considerados os pais fundadores da nação chilena.

Antecedentes

Uma série de eventos precedeu e desencadeou o processo de emancipação do Chile e do resto das colônias americanas. A influência das idéias de iluminação e liberalismo indubitavelmente pagou o terreno fértil da independência.

Na época, a Espanha acusou uma grande erosão de sua monarquia com uma economia atrasada e uma sociedade com características obscurantistas. Enquanto isso, outros países europeus estavam avançando, como era o caso da Inglaterra, França e Alemanha.

Essa situação contrastava com as idéias em voga do Iluminismo, que promovia modernidade, liberdade e razão sobre a religião e os governos despóticos da época.

A nova classe dominante crioula da sociedade colonial do final do século XVIII cresceu precisamente no auge dessas idéias. Contudo, nas duas primeiras décadas do século XIX na América, o próprio regime monárquico não foi questionado, mas a maneira de governar e os privilégios dos espanhóis peninsulares.

Influência estrangeira

Nas colônias americanas, foi proposto fazer correções à sociedade colonial decadente e reformar o sistema de produção feudal e semi-feudal.

Durante esse período, a influência da independência dos Estados Unidos em 1776 e da revolução francesa em 1789 também ajudou a alimentar o pensamento libertário.

As idéias políticas liberais foram dosadas durante o processo de independência do Chile. Havia o perigoso precedente para a independência do Haiti em 1804, onde mestiços e escravos negros se levantaram e assassinaram proprietários de terras brancos. Portanto, o conceito de soberania popular não excitou os brancos crioulos.

Outro antecedente da independência chilena foi a situação econômica que as colônias americanas tiveram após as reformas dos Bourbon.

A liberalização do comércio modificou completamente os monopólios; isso gerou conflitos de interesse entre comerciantes brancos crioulos e espanhóis peninsulares.

Causas

Entre as principais causas que levaram ao processo de independência do Chile, destacam-se:

– A abdicação do rei Fernando VII e seu filho Carlos ao trono espanhol, vinculado por Napoleão Bonaparte. A Espanha foi ocupada em 1808 pelas tropas francesas, que se aproveitaram da situação de fraqueza política, econômica e militar que o reino espanhol teve que conquistá-lo.

Relacionado:  O que foi a Revolução Neolítica na América?

– Os privilégios dos espanhóis peninsulares nas posições administrativas do governo e do comércio, desfavorecendo os filhos crioulos de espanhóis nascidos na América, que sentiam que tinham os mesmos direitos. Isso foi acentuado após a deposição do rei, o que causou maior desconforto.

– Após a morte súbita do governador Luis Muñoz de Guzmán, um vácuo de poder foi criado no reino do Chile em fevereiro de 1818. Muñoz de Guzmán gozava de popularidade e autoridade e não havia ninguém para substituí-lo, porque o rei Fernando XVII não teve tempo de substituí-lo por outro.

– Após a regência provisória de Juan Rodríguez Ballesteros, a posição de governador do Chile foi reivindicada e mantida pelo comandante militar Francisco Antonio García Carrasco, por ser o militar mais antigo. Esse funcionário era corrupto e incompetente. Sua grosseria alterou as elites locais, o que aumentou a preocupação e a incerteza.

– O governador García Carrasco esteve envolvido em um grande escândalo em outubro de 1808. Ele foi acusado de roubar uma carga de roupas de contrabando de um navio baleeiro inglês e o assassinato do capitão e parte da tripulação durante o ataque. Após esse episódio, ele não pôde mais continuar governando e teve que se refugiar em sua fazenda.

– Naquele momento, foi decidido que o mais saudável era deixar a administração da propriedade e o governo do Chile nas mãos de uma Junta Provisória do Governo do Reino (esse era o nome oficial da Junta do Governo Nacional).

Etapas

Quase todo o processo de independência no Chile ocorreu durante uma longa guerra entre monarquistas monarquistas e patriotas em favor da independência.

Este período foi dividido em três etapas: a Antiga Pátria (1810-1814), a Reconquista ou Restauração Monárquica (1814-1817) e a Nova Pátria (1817-1823).

A Antiga Pátria (1810-1814)

Este período compreende dois marcos históricos fundamentalmente:

A Primeira Junta do Governo (1810)

Seu objetivo inicial não era proclamar a independência do Chile, mas preservar os direitos de Fernando VII. No entanto, na prática, significou o primeiro passo para a emancipação desta colônia espanhola, porque era composta por brancos crioulos. Eles eram os vizinhos mais importantes de Santiago com seus próprios interesses e desejos de autonomia.

O Conselho teve três grandes tarefas e conquistas:

– Convocar o Primeiro Congresso Nacional.

– Decreto da liberdade de comércio.

– a formação de corpos armados.

Primeiro Congresso Nacional (1811)

Durante suas funções legislativas, este congresso alcançou:

– Conceda às pessoas o direito de organizar e escolher suas autoridades.

– sancionar a Lei da liberdade de barriga, para que todos os filhos de escravos nascidos no território chileno e qualquer outra pessoa que vivesse nele fossem livres.

Governo de José Miguel Carrera

– Durante esse período iniciado em 1812, o governo de Cabrera introduziu profundas reformas políticas para pavimentar o caminho para a independência.

– Foi emitido o Regulamento Constitucional de 1812, que será a primeira Constituição chilena. Nesse sentido, foi estabelecido que o poder Executivo deveria ser composto por um triunvirato ou conselho de três membros, enquanto o poder Legislativo era formado pelo Senado por sete membros. Esse era um dos maiores desejos dos crioulos chilenos brancos.

– Por decreto, os conventos católicos foram forçados a fundar escolas primárias para meninos e meninas.

– Foi criada a primeira bandeira nacional, composta por três faixas horizontais nas cores azul, branco e amarelo.

– A liberdade de impressão foi decretada, a qual foi posteriormente alterada por censura prévia.

– O governo de Carrera respeitou a soberania de Fernando VII. No entanto, foi expressamente estipulado que o rei deveria cumprir a Constituição chilena. Também ficou claro que “nenhum decreto, providência ou ordem” emitido por uma autoridade diferente fora do território do Chile seria cumprido ou teria qualquer efeito.

Relacionado:  Anastasio Bustamante: Biografia, Governo e Contribuições

Reconquista espanhola (1814-1817)

Este período começou com a batalha de Rancagua, também chamada de desastre de Rancagua de 1814, e terminou com a vitória patriótica na batalha de Chacabuco em 1817.

Após a derrota patriótica na batalha de Rancagua, começou uma nova etapa na vida do Chile, caracterizada por uma crescente resistência à ordem colonial. O retorno ao poder do monarca absolutista Ferdinand VII na Espanha (em 1813) aumentou o desejo de emancipação.

A monarquia espanhola tentou retomar o poder e, no mesmo ano, enviou tropas ao Chile para enfrentar o exército patriótico. Após várias lutas, os monarquistas espanhóis derrotaram o exército crioulo.

Durante esse período, o governo chileno estava sob o poder dos governadores espanhóis nomeados pelo rei: primeiro Mariano Osorio (1814 – 1815) e depois Francisco Casimiro Marcó del Pont (1815 – 1817).

Essa etapa representou um revés para a causa da independência chilena, quando as instituições coloniais foram restauradas. Da mesma forma, as liberdades recém-estabelecidas na Constituição foram abolidas.

Muitos líderes patrióticos foram perseguidos e fugiram para o exílio, outros foram banidos para a ilha de Juan Fernández. Enquanto isso, no Chile, a resistência clandestina local permaneceu dirigida por Manuel Rodríguez; Isso facilitou o contato entre os patriotas chilenos e argentinos.

Em Mendoza, onde alguns patriotas chilenos se exilaram, receberam apoio do então governador de Cuyo e do herói da independência, José de San Martín.

A partir daí, organizou um exército comandado pelo próprio San Martín e Bernardo O’Higgins: foi o Exército Libertador dos Andes, que atravessou a Cordilheira para enfrentar os monarquistas.

Nova Pátria (1817-1823)

Este período da história da independência chilena começou em 12 de fevereiro de 1817 com a vitória do Exército dos Andes na batalha de Chacabuco. Terminou com a renúncia de Bernardo O’Higgins em 1823.

O Exército Libertador conseguiu atravessar a cordilheira dos Andes e derrotar as forças realistas na batalha de Chacabuco, nos arredores da cidade de Santiago. O duro golpe militar recebido pela fortaleza militar espanhola marcou o início da Nova Pátria e da independência, que se tornou oficial exatamente um ano depois.

O’Higgins recebeu a nomeação de diretor supremo do Chile. Seu governo dedicou-se inteiramente à consolidação da república nascente do ponto de vista militar e político. Assim, em 12 de fevereiro de 1818, na cidade de Talca, O’Higgins proclamou a independência do Chile.

Em resposta a esse ato, o vice-rei do Peru enviou tropas para o Chile, lideradas pelo comandante espanhol Mariano Osorio. O confronto ocorreu na batalha de Cancha Rayada, onde o exército patriótico foi derrotado.

Então, em 5 de abril de 1818, a batalha decisiva foi travada. Na batalha de Maipú, o exército espanhol e as forças patrióticas comandadas por San Martín e Bernardo O’Higgins novamente entraram em conflito. Em Maipú, a Independência do Chile foi finalmente consolidada e a cidade de Santiago não estava sob ameaça espanhola novamente.

A partir dessa vitória, O’Higgins se dedicou a estender a educação em todo o país com a criação de escolas e a fundação de cidades.

O serviço de correios e recados foi criado entre Santiago e Valparaíso e a Academia de Guerra, entre outras obras. No entanto, a independência não pacificou o país.

Consequências políticas, sociais e econômicas

Políticas

A oligarquia chilena que não simpatizava com O’Higgins começou a se opor a ele, especialmente depois de 1822, já que naquela época os espanhóis não representavam mais um perigo.

Não havia sentido em O’Higgins tentar dar à oligarquia mais poder político através de uma nova Constituição. Então, o herói chileno teve que renunciar em 1823 e se exilar.

A divisão política interna entre os oligarcas e o exército patriótico marcou os anos seguintes até 1830. Houve cerca de trinta governos sucessivos e diferentes sistemas governamentais, mas as rivalidades entre as diferentes facções formadas por federalistas e centralizadores, autoritários e liberais, não o fizeram. Eles permitiram.

Relacionado:  Os 50 deuses egípcios mais importantes e suas histórias

Em 1829, os autoritários, apoiados por uma parte do exército, conseguiram tomar o poder e instalar um conselho governamental. José Tomás de Ovalle foi então nomeado presidente provisório, embora o poder real tenha sido ocupado por Diego Portales. Era um governo ditatorial.

Social

Embora o Chile tenha se tornado independente da Espanha, nada mudou na prática. As estruturas coloniais nas áreas social, política e econômica permaneceram.

A aristocracia chilena permaneceu no poder e os trabalhadores agrícolas ficaram mais pobres. Isso levou ao aumento do crime e dos sem-teto.

Econômico

Ao caos político, uniu-se a crise econômica do país, resultado das más colheitas e da desordem financeira, aumentando assim a anarquia.

A pobreza e a fome cresceram e grandes fazendas de gado e agricultura foram destruídas.

Personagens importantes

Bernardo O’Higgins Riquelme (1778-1842)

Independência do Chile: Antecedentes, Causas, Consequências 2

Juntamente com San Martín, O’Higgins foi libertador do Chile, onde ocupou vários cargos administrativos e militares. Ele pertencia à aristocracia chilena, pois seu pai era Ambrosio O’Higgins – governador do Chile e vice-rei do Peru – e sua mãe era Isabel Riquelme Meza.

Ele se tornou um militar depois de participar dos eventos de 1810 e continuar a lutar pela causa da independência. Entre 1817 e 1823, ele foi o diretor supremo do Chile. Após sua renúncia, ele foi para o exílio no Peru, onde morreu em 1842.

José de San Martín e Matorras (1778 – 1850)

Ele foi um dos libertadores do Chile e do Peru, juntamente com Bernardo O’Higgins e Bolívar. Ele era filho de espanhóis e serviu como militar. Ele lutou ao lado dos espanhóis na Europa, mas em 1812 ele voltou a Buenos Aires para servir à causa da independência.

San Martín organizou de Mendoza o Exército dos Andes, que alcançou a independência do Chile em 1818 ao ser vitorioso na batalha de Maipú.

Mateo de Toro e Zambrano (1727-1811)

Ele era um político militar e político chileno que em 1810 assumiu a posição interina de presidente-governador e capitão geral do Chile, depois que Francisco Antonio García Carrasco renunciou.

Então, em 18 de setembro daquele ano, ele assumiu a presidência do primeiro Conselho Nacional de Governo do Chile, apesar de apoiar a Coroa Espanhola.

José Miguel Carrera (1785-1821)

Político e militar chileno que ocupou a presidência do Conselho Provisório de Governo do Chile durante o período de Patria Vieja. Depois de dissolver o Congresso Nacional, ele assumiu o poder ditatorial. Ele fez profundas reformas que prepararam o caminho da independência.

Manuel Rodríguez (1785-1818)

Advogado, político e militar chileno, cuja participação no processo emancipatório durante o período da Reconquista foi fundamental.

Esse patriota chileno ficou encarregado de organizar a resistência clandestina contra os espanhóis no Chile. Após o desastre de Cancha Rayada, ele foi nomeado diretor supremo interino em Santiago por um breve período.

Mariano Osório (1777-1819)

Brigadeiro e governado
espanhol do Chile entre 1814 e 1816. Ele comandou os exércitos monarquistas nas batalhas de Rancagua e Cancha Rayada (19 de março de 1818), vencidos pelos espanhóis. Foi uma peça fundamental da Coroa durante o período de Reconquista.

Francisco Casimiro Marcó del Pont (1765-1819)

Governador militar e espanhol do Chile entre 1815 e 1817.

Referências

  1. A Independência Recuperado em 25 de abril de 2018 de thisischile.cl
  2. Chile: luta pela independência. Consultado em britannica.com
  3. Independência do Chile: quais foram suas causas? Consultado em guioteca.com
  4. 1818: A Declaração de Independência Chilena. Consultado em historyhit.com
  5. Dia da Independência do Chile: 18 de setembro de 1810. Consultado em thoughtco.com
  6. Antecedentes externos e internos. Consultado de memoriachilena.cl
  7. Antecedentes externos da Guerra da Independência. Consultado em infogram.com
  8. Guerra da Independência do Chile. Consultado em en.wikipedia.org
  9. Nascimento de uma nação: causas e consequências. Consultado em educarchile.cl

Deixe um comentário