Insucesso escolar: algumas causas e fatores determinantes

Insucesso escolar: algumas causas e fatores determinantes 1

Na última década, houve um aumento notável na prevalência de abandono escolar na população espanhola, de 14% em 2011 para 20% em 2015, a ponto de o país atingir a taxa mais alta em comparação com outros membros da União Europeia (Eurostat, 2016).

As dificuldades mais detectadas referem-se a alterações na alfabetização ou dislexia (com taxa média de 10%) ou relacionadas ao Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (com proporção que varia de 2 a 5% dos estudantes).

No entanto, existem outros problemas que, sem serem tão frequentes quanto os indicados, podem causar a existência de um distúrbio de aprendizagem significativo o suficiente para levar a casos de reprovação escolar.

  • Você pode estar interessado: ” Bullying: fatores precipitantes no bullying “

Insucesso escolar e suas causas

O fracasso escolar, entendido como a dificuldade de assimilar e internalizar o conteúdo acadêmico estabelecido pelo sistema educacional com base na idade e no desenvolvimento da criança, pode ser motivado por múltiplas causas de diferentes tipos. Não se pode, portanto, considerar que a responsabilidade recaia exclusivamente sobre o aluno, mas que tanto a comunidade educacional quanto o ambiente familiar têm uma influência muito relevante.

Entre os fatores que podem precipitar o aparecimento de reprovação escolar no aluno, destacam-se:

  • Aspectos relacionados ao nível de maturação psíquico-física do aluno, como habilidades psicomotoras ou cognitivas (atenção, memória, percepção, etc.).
  • Distúrbios específicos do desenvolvimento, ligados à existência de dificuldades significativas em habilidades básicas como leitura (dislexia), escrita (disgrafia) ou raciocínio matemático (discalculia).
  • Distúrbios de aprendizagem, referidos, por exemplo, à presença de mais entidades clínicas, como o Transtorno do Déficit de Atenção e suas diferentes modalidades (com presença de hiperatividade, combinação, impulsividade, etc.).
  • Distúrbios pedagógicos, devido a uma diferença no ajuste entre os objetivos da escola estabelecidos para o aluno e sua adaptação a eles.
  • Transtornos estritamente psicológicos, como presença de medos, medos, fobias, inibição emocional e comportamental e / ou timidez excessiva .
  • Outros problemas relacionados às habilidades básicas de memória, atenção, aptidão verbal ou numérica que afetam inevitavelmente o desempenho do aluno ou outros problemas derivados da sobrecarga de atividades ou conteúdos a serem aprendidos.

Por outro lado, como mencionado acima, existem várias circunstâncias que se referem ao mau funcionamento, em alguns casos, do sistema educacional , que agrava consideravelmente as conseqüências derivadas da existência dos fatores listados acima. Questões metodológicas, atitudes de ensino, estilos de ensino não individualizados e obsoletos fazem com que a figura do ensino não esteja suficientemente preparada para atender esses alunos com as características indicadas, por si só mais complexas.

Relacionado:  As 6 etapas da infância (desenvolvimento físico e psíquico)

Outros fatores que aumentam o insucesso escolar

Abaixo estão três dos problemas que geralmente passam despercebidos, pois diferem das dificuldades usuais relacionadas à alfabetização.

Do mesmo modo que este, os descritos abaixo podem causar o fracasso escolar do aluno se não forem detectados e forem adequadamente intervidos.

Acalculia e problemas de raciocínio numérico

Acalculia é circunscrita nos chamados Transtornos Específicos de Aprendizagem e é definida, como proposto por Salomon Eberhard Henschen (que cunhou o termo pela primeira vez em 1919) por um tipo de alteração na pedra que pode ser derivada de uma lesão cerebral ou também devido à presença de dificuldades no curso da aprendizagem acadêmica.

Segundo esse autor, a acalculia não coexiste com sintomas afásicos ou disfunção lingüística em geral. Posteriormente, seu discípulo Berger, fez a distinção entre cálculo primário e secundário. No primeiro caso, é feita referência a um tipo de alteração da capacidade de cálculo específica e não relacionada a desvios de aptidão de outros processos cognitivos básicos, como memória ou atenção. Pelo contrário, a acalculia secundária tem um caráter mais amplo e geral e está ligada a alterações desses processos cognitivos básicos.

Das abordagens iniciais emergiram as classificações de Henri Hécaen , que distinguiu acalculia alélica (compreensão de caracteres matemáticos) e agográfica (expressão escrita de caracteres aritméticos), espacial (organização e localização de números, sinais e outros elementos matemáticos no espaço) e aritmética (aplicação correta de operações aritméticas).

Algumas peculiaridades dos problemas de cálculo

McCloskey e Camarazza descreveram uma diferenciação entre a natureza da alteração no processamento ou raciocínio numérico (compreensão e produção de caracteres numéricos) em relação àquelas mais relacionadas ao processo de cálculo (procedimentos para realizar operações aritméticas).

Em relação ao primeiro tipo de dificuldade, dois componentes podem ser distinguidos, o que pode levar a dois tipos de alterações: os elementos envolvidos na produção de algarismos arábicos e os envolvidos na produção de números verbais. Esse último componente consiste em dois procedimentos: o processamento lexical (fonológico, relacionado ao som verbal dos caracteres numéricos e grafológico, conjunto de sinais e símbolos escritos) e o sintático (relações entre elementos para dar um significado global ao a expressão numérica).

Relacionado:  A filosofia de aprendizagem faz as crianças melhorarem em matemática

Em relação às alterações no cálculo, deve-se notar que uma operação adequada deve estar disponível no nível do processamento numérico anterior, pois é necessário ter a capacidade de entender e produzir corretamente os elementos numéricos que confirmam uma determinada operação matemática, bem como as relações entre os diferentes caracteres aritméticos e sua operação.

Mesmo assim, com uma capacidade de processamento numérico adequada, pode ser difícil executar uma ordem correta na sequência de etapas a seguir para executar esse tipo de procedimento ou na memorização das combinações aritméticas usuais (conforme tabelas de multiplicação de exemplo).

  • Você pode estar interessado: ” Discalculia: a dificuldade em aprender matemática “

Transtorno psicopedagógico por falta de atenção

O Transtorno Psicopedagógico ocorre quando o aluno não é capaz de assumir os objetivos no nível psicopedagógico proposto para aquele ano letivo específico. Esse fato resulta em um acúmulo de aprendizado psicopedagógico não alcançado que é empilhado em cursos subseqüentes se não for detectado e usado quando os primeiros indicadores confirmatórios são observados.

Os assuntos mais freqüentemente afetados são os elementares : linguagem e matemática. Geralmente, a origem deste tipo de complicações deriva de:

  • A aplicação de metodologias de ensino não adaptadas às características particulares de aprendizagem do aluno, seja por excesso (alunos com baixa escolaridade) ou por padrão (alunos superdotados).
  • Estilos educacionais parentais que não enfatizam a relevância da aquisição da aprendizagem.
  • Características diferenciais do próprio aluno em relação aos colegas (presença de alteração comportamental, competência limitada em uma determinada área, etc.).

Esse tipo de alteração difere do TDAH, pois este deve atender aos critérios nas três áreas afetadas: atenção, impulsividade e / ou hiperatividade.

Superdotação intelectual

Quanto à superdotação intelectual , há vários fatores a serem considerados na prevenção do fracasso escolar em estudantes com habilidades intelectuais muito altas:

A sensibilização do meio ambiente

É muito importante a conscientização e a assimilação por parte da comunidade educacional de que esse tipo de grupo possui características particulares e, portanto, necessidades educacionais especiais.

Mudanças institucionais para criar centros educacionais inclusivos

Superado o ponto anterior, é necessário estabelecer uma adaptação do sistema de ensino geral para criar instituições de ensino (escolas, institutos, universidades, etc.) que permitam que esse tipo de aluno seja atendido. Igualmente importante é o fato de fornecer a essas instituições os recursos materiais, econômicos, pessoais e profissionais que permitem à própria instituição oferecer seu serviço educacional adequadamente.

Relacionado:  9 benefícios do uso das TIC na educação

O mito da era cronológica

Outra questão importante é que a idéia tradicionalmente aceita de que um curso acadêmico deve corresponder a uma idade cronológica específica deve ser banida. Parece ser assimilado em maior medida no caso de estudantes “repetitivos”, mas não tanto naqueles que precisam ir mais “avançados”. Como foi transmitido em toda a agenda, cada aluno apresenta algumas peculiaridades e deve ser o sistema educacional que se adapta às características do aluno e não o contrário. Assim, a consideração da implementação de adaptações curriculares para esse grupo deve ser aplicada sem reticências e de maneira generalizada.

Portanto, os objetivos a serem perseguidos nessas adaptações curriculares devem ter como objetivo:

  • Incentivar o pensamento divergente e criativo dos alunos, a fim de permitir que eles desenvolvam todo o potencial possível;
  • Fortalecer o raciocínio científico e o desenvolvimento lógico.
  • Ofereça acesso gratuito a mídias educacionais mais complexas, especialmente em áreas acadêmicas mais especializadas, como música, ciência ou arte.
  • Incentive e motive o desenvolvimento do potencial por meio de recompensas e reforços positivos, como concursos, exposições ou debates em que o aluno talentoso obtém a satisfação de seu trabalho e esforço.

Como conclusão

Depois do exposto no texto, parece relevante considerar todos os fatores que estão promovendo taxas tão altas de abandono .

Longe de ser responsável exclusivamente pela presença ou ausência de vontade de aprender no aluno, existem muitos outros aspectos relacionados ao tipo de ensino ministrado, à metodologia pedagógica aplicada, aos hábitos e valores transmitidos pela família em relação ao aprendizado que deve ser obtido. também para alcançar uma melhoria no objetivo de reduzir o percentual atual de insucesso escolar.

Referências bibliográficas:

  • Escudero, J.M., González, MT, e Martínez, B. (2009). O fracasso escolar como exclusão educacional: entendimento, políticas e práticas. Iberoamerican Journal of Education, 50, 41-64.
  • Marchesi, A. (2003). O fracasso escolar na Espanha. Madri: Fundação Alternativas. Documento de trabalho 11/2003.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies