Jeffrey Dahmer: biografia, vítimas e perfil psicológico

Jeffrey Dahmer: biografia, vítimas e perfil psicológico

Jeffrey Dahmer (o açougueiro de Milwaukee) foi um serial killer americano que matou 17 pessoas (adultos e jovens) por 13 anos consecutivos, de 1978 a 1991. Um dos elementos mais característicos de Dahmer é que ele não apenas matou suas vítimas Ele também fez sexo com vários cadáveres e atuou como canibal.

Entre os traços de Dahmer, destacavam-se a atratividade física, a imagem de um homem menos perigoso e uma alta capacidade de sedução; Graças a isso, ele conseguiu enganar a polícia em várias ocasiões.

Em 1991, ele foi capturado pelas autoridades e foi forçado a admitir seus crimes. Ele recebeu uma sentença que o confinou a 957 anos de prisão e morreu na prisão, assassinado por outro dos presos do complexo. Dhamer foi um dos primeiros assassinos em série a surgir nos Estados Unidos.

Primeiros anos

Jeffrey Dahmer Lionel veio ao mundo em 21 de maio de 1960 em Wisconsin, especificamente na cidade de Milwaukee. O pai de Jeffrey se chamava Lionel e era farmacêutico; Por esse motivo, toda a família costumava viajar com frequência.

A infância de Jeffrey foi calma e pacífica. Ele recebeu carinho e carinho de seus pais e costumava pescar com seu pai. Desde pequeno, atraíra muita atenção graças aos olhos azuis, cabelos loiros e boas maneiras.

Quando criança, Jeffrey era caracterizado por ser bastante extrovertido e com muita vitalidade. Ele tinha muitos amigos, gostava de fazer piadas e era muito curioso, principalmente em relação aos animais.

No entanto, uma vez que ele cresceu um pouco mais, Jeffrey ficou muito mais tímido e fechado; Ele até foi rejeitado por seus colegas de classe depois de ser um dos mais populares.

Interesse em animais mortos

Nesse momento, Dahmer começou a tirar animais mortos das ruas, e então os abriu e desossou com grande prazer. Da mesma forma, já na adolescência, Dahmer fantasiava em dormir com homens e depois assassiná-los; Esse interesse explica a relação entre sexo e violência que foi característica de Dahmer ao longo de sua vida.

As constantes mudanças da família começaram a criar em Jeffrey um sentimento de instabilidade e o medo de ser abandonado. Esse medo se tornou parte de sua vida permanentemente.

Estudos

Durante seus estudos no ensino médio, a personalidade de Dahmer passou por uma grande transformação: de ser o garoto engraçado da classe até o mais introvertido e isolado.

Ao se formar no ensino médio, os pais de Dahmer decidiram se divorciar; Isso certamente teve um efeito negativo sobre ele e contribuiu para a instabilidade que já era evidente em seu comportamento. De fato, logo após terminar o ensino médio, ele começou suas atividades criminosas.

Dahmer pretendia ir para a universidade, mas falhou em todas as matérias que estava cursando e decidiu abandonar. Depois disso, ele se juntou ao exército, mas também foi expulso desta instituição, e teve que se retirar.

Vítimas

Steven hicks

O primeiro crime de Jeffrey Dahmer ocorreu no verão de 1978 e a vítima foi Steven Hicks. Nesse momento, os pais de Dahmer se divorciaram, o pai foi morar em um motel perto de sua casa e a mãe se mudou para Wisconsin, juntamente com David, o irmão mais novo de Jeffrey. Jeffrey morava sozinho.

A noite do seu primeiro assassinato, Jeffrey saiu para tomar algumas cervejas. No caminho para casa, ele pegou um jovem que estava pedindo carona e o convidou para ir a sua casa.

Uma vez na casa de Dahmer, Steven o instruiu a sair, e Dahmer imediatamente usou um haltere contra ele, batendo e estrangulando-o. A primeira reação de Dahmer foi de pânico e, sem saber o que fazer, levou o corpo ao porão.

Relacionado:  Tobe Hooper: o criador do Massacre do Texas

Quartering

Na manhã seguinte, Dahmer saiu para comprar uma faca de caça especial e a usou para cortar a barriga de Steven. Com as tripas transbordando no chão, Dahmer teve vontade de se masturbar nelas.

Ele acabou rasgando o corpo e colocando-o em sacos de lixo pretos. Ele levou as malas para o carro, colocou-as no porta-malas e se dirigiu para a lixeira.

Dahmer excedeu o limite de velocidade, fazendo com que ele fosse parado por um policial. Eles pediram para ele abrir a mala e perguntaram sobre as malas. Dahmer indicou que estava levando lixo para o aterro, o policial aceitou sua palavra e não verificou mais nada.

Steven toumi

O jovem Steven Toumi foi o segundo homem morto por Dahmer. Antes deste episódio, Dahmer havia sido levado a estuprar e matar homens com mais intensidade, mas tentara restringir esses impulsos através de várias estratégias.

Algumas das ações que Dahmer tomou foram se mudar com a avó, se envolver ativamente com a religião e, quando os impulsos eram muito intensos, roubar um manequim e usá-lo para a masturbação.

Dahmer não conseguiu mais se conter e, em 1986, foi a um bar gay, onde conheceu Steven. Ambos deixaram o bar para um hotel com a intenção de fazer sexo.

Steven não estava consciente há muito tempo, pois Dahmer colocou comprimidos para dormir no copo e ele estava inconsciente.

Memórias apagadas

Dahmer garante que não se lembra absolutamente de nada do que aconteceu naquela noite; isso apenas indica que ele acordou na manhã seguinte e observou o corpo de Steven, que foi severamente espancado e com a cabeça pendurada na beira da cama.

De uma maneira fria e controlada, Dahmer foi procurar uma mala grande com rodas. Ele colocou o corpo de Steven lá e pegou um táxi que o levou ao porão da casa de sua avó. Nesse cenário, ele estuprou, massacrou e desossou o cadáver, e dessa vez manteve o crânio como lembrança.

Depois disso, Dahmer parou de querer refrear seus impulsos assassinos e deu rédea livre a seus desejos, até criando uma espécie de museu com partes dos corpos de várias de suas vítimas.

James Doxtator

A terceira vítima de Dahmer foi James Doxtator, que tinha 14 anos. Seu assassinato ocorreu em 1988 e o procedimento foi semelhante ao seguido com Steven Toumi.

Dahmer encontrou Doxtator em um ponto de ônibus, ofereceu-lhe dinheiro em troca de sexo e depois o drogou e matou. Nesse caso, Dahmer ficou com o corpo por uma semana inteira e fez sexo com o cadáver. À medida que o cheiro do corpo se tornava mais forte, Dahmer o separou e o descartou.

Richard Guerrero

O quarto morto por Dahmer foi Richard Guerrero, com quem ele realizou o mesmo procedimento que com sua vítima anterior: ele se aproximou de Richard fazendo uma oferta sexual e depois o drogou. Este crime ocorreu em março de 1988.

Anthony Sears

Em 1989, Jeffrey passou por um processo judicial após ser acusado de abuso infantil. No meio desse processo, ocorreu o seguinte ato criminoso de Dahmer: o assassinato de Anthony Sears, que ele conheceu em um bar.

Dahmer ofereceu a Sears uma quantia em dinheiro com a condição de acompanhá-lo até sua casa e ser seu modelo para algumas fotografias. Dahmer levou a vítima para a casa da avó e lá o estrangulou, estuprou o corpo e depois o desmembrou.

No processo judicial, Dahmer foi considerado culpado pela acusação de abuso infantil, razão pela qual foi condenado. No entanto, no final de sua sentença, Dahmer continuou com os assassinatos, que no total eram 17.

Relacionado:  Inés Arredondo: biografia, estilo e obras

Konerak Sinthasomphone

Em uma ocasião, Dahmer estava muito perto de ser pego; estava no processo de assassinar o Konerak Sinthasomphone. Este jovem era o irmão do garoto que foi abusado por Dahmer, por quem o assassino havia sido processado.

Depois de se submeter ao Sinthasomphone, Dahmer perfurou o crânio várias vezes e injetou um tipo de ácido, o que gerou um efeito sonolento na vítima. Como conseqüência, seu comportamento se assemelhava ao de um zumbi.

Dahmer saiu para comprar bebidas e o Sinthasomphone conseguiu escapar. Ele correu nu pelo bairro e os vizinhos chamaram a polícia. Dahmer percebeu o que havia acontecido e conseguiu convencer a polícia de que o jovem louco era seu parceiro e que estava bêbado.

Sinthasomphone não conseguiu se articular muito bem devido ao ácido que Dahmer injetou nele, então não pôde refutar o argumento do assassino. O que aconteceu então foi que a polícia acompanhou os dois jovens ao departamento de Dahmer, acreditou plenamente na história do criminoso e saiu. Sinthasomphone morreu naquele dia.

Tracy edwards

A última vítima malsucedida de Dahmer foi Tracy Edwards, em julho de 1991. Este homem de 31 anos foi salvo porque escapou do departamento.

Edwards estava algemado. Ao fugir, ele interceptou um carro da polícia e explicou o que havia acontecido com ele. Os policiais foram ao departamento de Dahmer para investigar e finalmente descobriram as evidências que o ligavam a todos os assassinatos que cometera.

Esses testes incluíram corpos mutilados, manchas de sangue nas paredes, fotografias de cadáveres, torsos colocados em tambores ácidos, vários ossos e caveiras de sete corpos humanos.

Convicções

Jeffrey Dahmer foi tratado por vários psiquiatras e todos concluíram que estava doente. Como conseqüência disso, Dahmer se declarou culpado, mas com loucura mental; A intenção disso era manter Dahmer confinado em uma prisão especial para pessoas com doença mental.

Por fim, esse número legal não pôde ser aplicado; portanto, Dahmer foi tratado como um condenado regular, sem levar em consideração seu status psiquiátrico. Isso aconteceu porque Dahmer estava determinado a ser capaz de reconhecer o bem do mal.

A princípio, ele se declarou inocente, mas a avalanche de evidências contra ele foi tanta que ele teve que mudar sua declaração. O julgamento durou três semanas e comoveu profundamente toda a comunidade.

A estratégia de Dahmer era enfatizar seu delicado estado mental, mas no final o júri decidiu que o assassino poderia enfrentar uma sentença de prisão. O julgamento foi televisionado e representa um marco na história contemporânea dos Estados Unidos.

Intervenção de Dahmer e decisão final

Um dos momentos mais esperados foi o discurso que o próprio Dahmer fez perante o júri.

Em sua comunicação, ele expressou de maneira muito fria que achava que havia cometido os assassinatos de que era acusado, que entendia os membros de sua família e que entendia que eles o odiavam. Suas palavras não tiveram um efeito positivo sobre os jurados, que o consideraram não sincero.

A condenação do tribunal ocorreu em 15 de fevereiro de 1992: Dahmer foi condenado a 957 anos de prisão (15 penas de prisão perpétua). Dahmer teve que cumprir sua sentença na Instituição Correcional de Columbia, localizada em Indiana.

Ele tinha apenas 2 anos na referida instituição correcional, pois foi morto por outro prisioneiro; Este homem bateu nele várias vezes com um barbell até que ele foi morto.

Relacionado:  Lieserl Einstein Maric: biografia

Perfil psicológico

Jeffrey Dahmer era um homem muito complexo. Por um lado, ele tinha as características típicas de um serial killer (termo que emergiu mais tarde, tomando-o como referência principal), mas não teve episódios violentos na infância e adolescência, que geralmente são desencadeadores do tipo de comportamento que ele apresentou. .

O próprio Dahmer não se considerava sádico, pois alegava não estar interessado em torturar suas vítimas: ele só queria um parceiro “zumbi”, a quem ele pudesse controlar o tempo todo.

Dahmer continuou dizendo que o motivo pelo qual massacrou suas vítimas foi poder descartar os corpos de uma maneira simples, não pelo prazer de desmembrar.

Quanto à sua saúde mental, antes do início do julgamento, havia controvérsia sobre se ele era mentalmente saudável o suficiente para comparecer em tribunal comum ou se deveria ser imediatamente confinado a uma instituição psiquiátrica.

Finalmente, os médicos que examinaram seu caso determinaram que ele poderia ser julgado de maneira comum, pois estava claro que Dahmer podia reconhecer entre o bem e o mal; Isso é evidenciado pelo fato de ele sempre tentar esconder seus crimes.

Alcoolismo

Uma das características de Dahmer é que ele era alcoólatra desde muito jovem; Já em 1978, quando terminava o ensino médio, Dahmer sofria de alcoolismo. Os especialistas indicam que essa condição pode ter acelerado e aprofundado a instabilidade que mostrou desde tenra idade.

Houve duas grandes falhas na vida de Dahmer que estavam diretamente relacionadas ao alcoolismo: quando ele abandonou a faculdade e quando foi expulso do exército. Especialistas apontam que esses episódios podem ter minado o moral de Dahmer e o impedido de desenvolver sua auto-estima.

Impulsos incontroláveis

Dahmer mencionou em várias ocasiões que suas ações reagiram a impulsos que ele não podia controlar. De fato, já em cativeiro, ele indicou que a prisão era o local ideal para ele, pois não lhe era permitido beber álcool e não tinha oportunidade de assassinar.

Naquela época, a explicação que Dahmer deu a esses impulsos era que o diabo o possuía e o forçou a cometer todos os crimes, portanto era um comportamento que estava além de seu controle.

Referências

  1. “Avaliando Jeffrey Dahmer” (2012) em Psicologia Forense Online. Retirado em 8 de outubro de 2019 de Forensic Psychology Online: forensicpsychologyonline.com
  2. Ullman, J. “’Eu levei longe demais, isso é certo’” (junho de 2016) em Psychology Today. Retirado em 8 de outubro de 2019 de Psychology Today: psychologytoday.com
  3. Suazo, C. “Jeffrey Dahmer: o açougueiro sádico cujo sonho era criar um namorado ‘morto-vivo'” (2018) na Bio Bio Chile. Retirado em 8 de outubro de 2019 de Bio Bio Chile: biobiochile.cl
  4. Montañez, T. “Oito notas sobre Jeffrey Dahmer, o açougueiro de Milwaukee” em Jot Down. Recuperado em 8 de outubro de 2019 de Jot Down: jotdown.es
  5. Grandío, A. “Jeffrey Dahmer: vida e crimes do terrível ‘açougueiro de Milwaukee’” em Psychology and Mind. Retirado em 8 de outubro de 2019 de Psychology and Mind: psicologiaymente.org
  6. “Jeffrey Dahmer” na Wikipedia. Retirado em 8 de outubro de 2019 da Wikipedia: wikipedia.org
  7. Álvarez, M. “O ‘Canibal de Milwaukee’, um fã de ‘Guerra nas Estrelas’ que procurava se parecer com o Imperador Palpatine” (2019) em La Vanguardia. Recuperado em 8 de outubro de 2019 de La Vanguardia: lavanguardia.com
  8. Goldman, D. “Pistas para um terreno sombrio para um assassino em série” no The New York Times. Retirado em 8 de outubro de 2019 do The New York Times: nytimes.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies