Jesuítas: história, características e representantes

Os Jesuítas são membros da Companhia de Jesus, uma ordem religiosa fundada por Inácio de Loyola em 1534. Desde sua fundação, os Jesuítas têm desempenhado um papel fundamental na história da Igreja Católica e da sociedade em geral. Caracterizados por sua dedicação à educação, missões evangelísticas e serviço social, os Jesuítas possuem uma longa tradição de trabalho em prol dos mais necessitados.

Alguns dos mais famosos representantes da ordem incluem São Francisco Xavier, responsável pela evangelização no Extremo Oriente, Santo Inácio de Loyola, fundador da ordem, e São Francisco de Borja, terceiro superior geral da Companhia de Jesus. A influência dos Jesuítas ao longo dos séculos tem sido significativa e duradoura, deixando um legado de comprometimento com a fé, a educação e a justiça social.

Características principais dos jesuítas: o que define essa ordem religiosa tão influente?

Os Jesuítas são uma ordem religiosa da Igreja Católica fundada por Santo Inácio de Loyola no século XVI. Conhecidos pela sua forte influência e atuação em áreas como educação e evangelização, os Jesuítas possuem características que os distinguem de outras ordens religiosas.

Uma das características principais dos Jesuítas é a sua ênfase na educação. Eles fundaram diversas escolas e universidades ao redor do mundo, com o objetivo de formar indivíduos capacitados e conscientes. A pedagogia jesuíta é baseada na busca pela excelência acadêmica e na formação integral dos alunos, incluindo aspectos espirituais e éticos.

Além disso, os Jesuítas são conhecidos pela sua atuação missionária. Eles foram responsáveis por difundir o Cristianismo em diversas partes do mundo, incluindo a América Latina, África e Ásia. A sua abordagem de evangelização era marcada pela adaptação aos costumes locais e pelo diálogo intercultural.

Outra característica marcante dos Jesuítas é a sua organização hierárquica. Eles são liderados pelo Superior Geral, que é eleito pelos membros da ordem e exerce autoridade sobre todas as províncias jesuítas ao redor do mundo. Os Jesuítas também se caracterizam pela sua obediência ao Papa e pela sua disposição em servir a Igreja Católica.

Em resumo, as características principais dos Jesuítas incluem a ênfase na educação, a atuação missionária e a organização hierárquica. Esses elementos definem essa ordem religiosa tão influente e importante na história da Igreja Católica.

Jesuítas: sua atuação e objetivos no Brasil durante o período colonial.

Os Jesuítas foram uma ordem religiosa fundada por Santo Inácio de Loyola no século XVI, com o objetivo de propagar a fé católica e promover a educação. No Brasil colonial, sua atuação foi fundamental na catequese dos indígenas e na fundação de escolas e universidades.

Os Jesuítas chegaram ao Brasil em 1549, junto com o governador-geral Tomé de Souza. Eles se estabeleceram principalmente na região Nordeste, onde fundaram missões e aldeias indígenas. Seu principal objetivo era converter os índios ao cristianismo, ensinando-lhes a língua portuguesa e os princípios da religião católica.

Além da catequese, os Jesuítas também se dedicaram à educação. Eles fundaram escolas, colégios e até mesmo uma universidade, a famosa Universidade de Coimbra. Seu método pedagógico era baseado nos princípios da Companhia de Jesus, que valorizava o ensino humanista e a formação integral dos alunos.

Apesar de sua atuação benéfica na educação e na evangelização dos indígenas, os Jesuítas também enfrentaram críticas e oposição. Muitos colonos e autoridades acusavam a ordem de acumular riquezas e de exercer um poder excessivo sobre a população. Essas críticas culminaram na expulsão dos Jesuítas do Brasil em 1759, por ordem do Marquês de Pombal.

Mesmo após sua expulsão, o legado dos Jesuítas no Brasil é inegável. Sua atuação foi fundamental na formação da sociedade colonial e na disseminação da cultura e da religião europeias. Seus representantes mais famosos incluem Padre Antônio Vieira, Padre Manoel da Nóbrega e Padre Anchieta, que são lembrados até hoje por sua dedicação à causa jesuítica.

Principais representantes dos jesuítas na era colonial: quem foram e qual sua influência?

Os Jesuítas foram uma ordem religiosa fundada por Inácio de Loyola no século XVI, com o objetivo de propagar a fé católica e combater o avanço do protestantismo. Na era colonial, os Jesuítas desempenharam um papel fundamental na evangelização dos povos nativos das Américas, bem como na educação e na proteção dos indígenas contra os abusos dos colonizadores.

Entre os principais representantes dos Jesuítas na era colonial, destacam-se José de Anchieta, Manuel da Nóbrega e Antônio Vieira. José de Anchieta foi um missionário que se dedicou à catequese dos índios no Brasil, contribuindo para a pacificação entre os colonizadores e as tribos nativas. Manuel da Nóbrega, por sua vez, foi um dos fundadores da cidade de São Paulo e atuou na defesa dos direitos dos índios contra a escravidão. Já Antônio Vieira foi um pregador influente que defendeu os direitos dos índios e denunciou a exploração dos colonizadores.

A influência dos Jesuítas na era colonial foi marcante, pois além de sua atuação religiosa, também desempenharam um papel importante na educação e na proteção dos povos nativos. Sua presença contribuiu para a formação de uma identidade cultural híbrida nas Américas, combinando elementos europeus e indígenas. Os Jesuítas também tiveram um papel significativo na organização social e econômica das colônias, promovendo a agricultura, a educação e a defesa dos direitos dos mais vulneráveis.

Relacionado:  O que é o modelo de desenvolvimento compartilhado?

Em resumo, os Jesuítas foram figuras-chave na história colonial das Américas, deixando um legado de evangelização, educação e proteção dos povos nativos. Seus principais representantes, como José de Anchieta, Manuel da Nóbrega e Antônio Vieira, exerceram uma influência duradoura na sociedade da época, contribuindo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Qual era a identidade do líder da ordem dos jesuítas na história religiosa?

A ordem dos jesuítas, também conhecida como Companhia de Jesus, foi fundada por Santo Inácio de Loyola em 1534. Os jesuítas eram uma ordem religiosa católica que tinha como principal objetivo propagar a fé católica e combater a Reforma Protestante.

O líder da ordem dos jesuítas era conhecido como o Superior Geral, que era responsável por liderar e orientar os membros da ordem. O primeiro Superior Geral dos jesuítas foi Inácio de Loyola, que ocupou o cargo de 1541 até sua morte em 1556.

O Superior Geral era eleito pelos membros da ordem em um processo democrático e tinha autoridade sobre todos os jesuítas em todo o mundo. Ele era responsável por tomar decisões importantes, supervisionar as atividades da ordem e garantir que os jesuítas seguissem os princípios e valores estabelecidos por Santo Inácio.

Em resumo, o líder da ordem dos jesuítas na história religiosa era o Superior Geral, uma figura de grande importância e influência dentro da ordem.

Jesuítas: história, características e representantes

Jesuítas ou Companhia de Jesus é uma organização da Igreja Católica que é definida como uma ordem religiosa. Refere-se ao fato de ser composto por um grupo de membros que seguem as regras e normas do fundador da referida instituição. Neste caso, as regras de San Ignacio de Loyola.

O principal objetivo desta ordem é servir aos outros através da busca pela salvação e perfeição. Ele tem uma estreita relação com o Papa, através do amor e da vocação de serviço. Ao longo de sua história, passou por uma quantidade considerável de mudanças, que talvez tenham levado muitos a decidir se retirar.

Jesuítas: história, características e representantes 1

Noviciado da Companhia de Jesus em Madri, 1860. Fonte: Por Eusebio de Lettre [domínio público], via Wikimedia Commons

Esta empresa é considerada uma das maiores do mundo em seu gênero. Para seu crédito, ele tem um número aproximado de mais de 18 mil membros. Note-se que todos são homens. Caracteriza-se por ser apostólico e sacerdotal, embora alguns de seus membros colaboradores ainda não tenham sido ordenados.

Origem e História

A Companhia de Jesus nasceu no século XVI, por iniciativa de Ignacio de Loyola, primeiro militar e depois religioso espanhol, fiel cumprimento dos padrões do Papa. Depois de ter lutado na guerra a favor de Carlos I, Ignacio tomou a decisão de se dedicar a servir as pessoas.

De Loyola começou a estudar na escola de Santa Barbara, que dependia da Universidade de Paris. Lá ele fez amizade com Francisco de Javier e Pedro Fabro, a quem convidou para orar e meditar por um certo período; tudo com o objetivo de se fortalecer espiritualmente.

Primeiros membros

Em 1533, eles se juntaram ao “grupo” Diego Lainez, que mais tarde se tornou o segundo general da Companhia; Alfonso Salmerón, considerado um dos primeiros jesuítas; Nicolás de Bobadilla e Simão Rodrigues. Com eles, a equipe para o nascimento da Companhia de Jesus foi consolidada.

Os votos, novos membros e fundação

Jesuítas: história, características e representantes 2

Ignacio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus. Fonte: Pela escola francesa, anônima [domínio público], via Wikimedia Commons

Um ano depois, em 1534, durante a celebração da Assunção da Virgem, os homens fizeram os três votos: castidade, pobreza e peregrinação por Jerusalém. A atividade foi realizada na mesma cidade de Luz, hoje conhecida como morro de Montmartre.

Após a votação, mais três membros se juntaram ao grupo: Claudio Jayo, Juan Coduri e Pascasio Bröet. Juntos, eles decidiram viajar para Jerusalém, mas quando estavam na Itália a guerra entre o Império Otomano e Veneza os impediu. Então eles foram para Roma e, depois de um longo debate espiritual, decidiram fundar a Companhia de Jesus.

Foi exatamente em 27 de setembro de 1540 que o papa Paulo III aprovou a criação. O representante do Vaticano o aprovou e o reconheceu como uma ordem religiosa. Finalmente, ele assinou o documento papal, conhecido como Bula, onde afirmou a referida fundação.

Crescimento da empresa

A partir do fato anterior, os membros da organização começaram sua expansão. Muitos se interessaram pela criação de escolas, reformas dos conventos, missões diplomáticas, conversas com os chamados protestantes, e até pediram que participassem do histórico Conselho de Trento, realizado pela igreja para reafirmar sua hierarquia.

Desde o momento de sua fundação, os jesuítas ou Companhia de Jesus estavam crescendo em número. Com a morte de quem foi considerado seu fundador, Ignacio de Loyola, Diego Lainez estava à frente. Ele desempenhou um papel importante durante o processo de Reforma Católica.

Os jesuítas na reforma católica

Eles foram convocados pela igreja para participar do mencionado Conselho de Trento, onde, entre outras questões, foram discutidas a hierarquia eclesiástica e as respostas à reforma de Lutero. Alfonso Salmerón e Diego Laínez participaram como representantes da Companhia.

No mesmo contexto, Laínez também participou do encontro que a rainha da França reuniu para discutir com aqueles que apoiavam as idéias de Martin Luther. As diferentes intervenções dos membros durante a Contra-Reforma deram mais crescimento à Companhia de Jesus.

Partidas e eliminação da Companhia de Jesus

Os votos dos membros da Companhia pretendiam estar prontos no momento em que o Papa decidiu enviá-los em missão. Pode-se dizer que uma quarta votação é sua fidelidade ao mais alto representante da igreja católica. Isso rendeu a eles que muitos queriam eliminar os jesuítas.

Durante o século 18, vários governos europeus se tornaram seus principais inimigos. Eles discordaram de seu poder político, intelectual e do dinheiro que manuseavam. Os filósofos Montesquieu , Diderot e Voltaire se destacaram entre seus principais oponentes.

O rei Luís XV da França os acusou de abuso de dinheiro. Ele ordenou que seus bens fossem apreendidos, além de não permitir que operassem em seu território.

Em 1767, foi o monarca Carlos III que expulsou a Companhia espanhola de solo. Mais tarde, por pressão do Papa Clemente XIV, a companhia de várias terras européias foi liquidada.

Retorno da empresa

Depois de quatro décadas, o papa Pio VII tomou a decisão de retomar as operações da Companhia de Jesus. Desde então, até 1962, foi considerada uma organização de caráter conservador e elitista. Depois de expulsos da Alemanha e da Rússia, eles deixaram como missionários para os Estados Unidos.

Eventos na Espanha

Na Espanha, o sistema democrático ocorrido em 1931, antes de Franco, decretou em 23 de janeiro de 1932 a dissolução da empresa. Seus argumentos eram obedecer ao poder do papa, considerado uma força estrangeira. Seis anos depois, durante a guerra civil, eles voltaram a operar normalmente no país europeu.

O presente da empresa

Atualmente, continua operando dentro de seus principais estatutos, além de continuar crescendo em número. No entanto, muitos consideram que ele perdeu sua primeira essência.

Ao mesmo tempo, deixou de lado o sacrifício espiritual, adotando aspectos modernistas, entre os quais se destaca o pensamento de que a igreja não deve ser reformada.

No entanto, seus membros continuam realizando missões em todo o planeta, dando vida às pessoas mais necessitadas. Seus votos permanecem os mesmos, e eles trabalham constantemente no crescimento espiritual e na busca do caminho para a perfeição divina. Ainda existem aqueles que não compartilham suas idéias.

É importante mencionar o trabalho educacional que a Companhia de Jesus realizou. Nesta área, está presente em mais de 69 países, com um número total de estudantes superior a três milhões. No cinema e na literatura, os jesuítas também foram protagonistas. Seu trabalho é reconhecido mundialmente.

Caracteristicas

As principais características da empresa estão enquadradas no serviço e no amor de Deus. A universalidade de sua missão, um projeto definido, as pessoas e suas necessidades são o eixo central.

Por outro lado, há o desenvolvimento da sociedade e das comunidades por meio de seu trabalho missionário. Mais especificamente através da educação. Eles trabalham com um sentimento de pertencimento, promovendo o diálogo e o crescimento espiritual. Embora a economia seja um tópico em debate, eles afirmam trabalhar com total transparência.

Sua missão evangelística é a mensagem da fé, além de promover o caminho da justiça e da solidariedade. Talvez uma das características mais importantes dessa organização seja o carisma, focado como o próprio Santo Inácio disse: “Busque e encontre Deus em todas as coisas”.

Algo que também deve ser esclarecido é que a oração e a meditação são uma de suas primeiras particularidades. Estes Loyola deixaram refletidos em seus Exercícios de Espiritualidade.Eles sempre foram baseados na elevação do espírito e dispostos a enfrentar as grandes mudanças e desafios da humanidade.

Espiritualidade na perspectiva da empresa

É por causa do descrito acima que a Companhia lida com a espiritualidade da seguinte maneira:

Deus está sempre presente e ele passou pelo mundo através da “encarnação” em Jesus de Nazaré. É por isso que a espiritualidade deve ser dinâmica e ativa, sempre atuando a partir do amor e pelo amor, através da vocação de serviço.

Relacionado:  As 7 características de um formulário principal

Da mesma forma, tem a aplicação do que eles chamam de “quanto custa”. Isso significa que a humanidade tem à sua disposição tudo o que precisa. Portanto, você pode usá-lo quando precisar e, portanto, deixar de lado quando isso o machucar.

Jesuítas: história, características e representantes 3

Diego Lainez Fonte: Por Hieronymus Wierix-Biblioteca Nacional da Espanha (http://bdh-rd.bne.es/viewer.vm?id=0000009088) [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

Além disso, a espiritualidade deve se concentrar em dar importância ao que realmente a possui. Daí o dom do discernimento: todos os esforços devem se concentrar na missão que o homem estabeleceu para sua vida.

Finalmente, há o “mais” ou no latim magis . Isso se refere a sempre dar e fazer o melhor. Colocar o coração e deixar semear amor e serviço aos outros, que consegue mudar o modo de vida e leva a uma expressão máxima de fé.

Trabalhos

Referir-se às obras da Companhia de Jesus é falar principalmente de trabalho educacional. É uma parte da missão evangelizadora que eles têm.

Seus centros educacionais oferecem à sociedade uma educação cristã, humana e ao mesmo tempo libertadora. A faixa educacional vai de universidades, escolas, centros de treinamento profissional a redes educacionais.

Com presença nos cinco continentes, possui mais de 231 instituições de ensino superior. Os do ensino fundamental são 187, enquanto o ensino médio é 462. Na América Latina, milhões de crianças são beneficiadas pela rede Fe y Alegría.

O trabalho evangelizador dos jesuítas permaneceu amplamente na América, África e Europa. O objetivo sempre foi o de ajudar os mais necessitados, proporcionando-lhes amor, caridade e bondade, as ferramentas para viver uma vida mais digna.

Os trabalhos da Companhia alcançam o nível espiritual, formando-se continuamente de seus membros. Levando essa preparação a cada uma das pessoas que anseiam por crescimento espiritual e busquem o renascimento de suas vidas através de um encontro próximo com Deus.

Representantes em destaque

A Companhia de Jesus tem sido uma ordem que formou grandes personalidades, que deixaram sua marca na história da humanidade. Abaixo está uma breve descrição dos mais destacados:

San Ignacio de Loyola

Ele foi o fundador da empresa. Nasceu em Loyola-Espanha, em 23 de outubro de 1491, e morreu em 31 de julho de 1556. Primeiro foi militar e depois se rendeu ao sacerdócio. Ele elaborou os famosos Exercícios Espirituais , e sempre procurou se preparar em tudo a respeito de Deus.

Juntamente com os amigos com quem fundou a ordem, ele se dedicou a cuidar dos doentes, a ensinar e a transmitir a mensagem de Deus. Por causa de como ele viveu e das obras que realizou, ele foi canonizado por Gregório XV, em 1622. Seu trabalho serviu de exemplo para muitos homens de fé.

Pedro Fabro

Seu verdadeiro nome era Pedro González, mais tarde conhecido como San Telmo. Ele foi um dos principais fundadores da ordem. Ele se formou em teólogo, dedicou-se incansavelmente e continua como pregador e missionário.

Ele é considerado o santo padroeiro dos que estão em perigo no mar. Ele foi canonizado pelo Papa Bento XIV no ano de n1741.

Baltasar Gracian

Ele era escritor e, é claro, jesuíta espanhol, nascido em 1601. Ele morreu em 1658. Ingressou na empresa em 1619 e em 1635 foi recebido como sacerdote. A maioria de suas obras é voltada para a fé, o cristianismo e os valores e princípios de uma vida espiritual.

Francisco de Javier

Fundador também da empresa. Ele nasceu em 1506 e morreu em 3 de dezembro de 1552. Foi um grande colaborador de San Ignacio de Loyola.

Seu trabalho missionário foi realizado principalmente na Ásia, especificamente no Japão. Sua canonização foi realizada em 1622, juntamente com Loyola, Santa Teresa de Jesus, San Isidro Labrador e San Felipe Neri.

Diego Lainez

Ele foi o segundo general da Companhia de Jesus. Nasceu na Espanha em 1512 e morreu em Roma em 19 de janeiro de 1565. Foi um grande amigo de Loyola, além de se tornar seu biógrafo. Sua vida se destacou por seu cuidadoso trabalho social e por seu profundo conhecimento em teologia.

Outros

Os itens acima são apenas alguns dos membros proeminentes da empresa jesuíta. Além disso, podemos citar: San Pedro Canisio, San José de Anchieta, José de Acosta, Atanasio Kircher, Juan de Mariana, José Maria Rubio, Wlodimir Ledochowsk, entre muitos outros.

Referências

  1. (2008). A Companhia de Jesus, a mais poderosa ordem poderosa da igreja católica. Roma: jornal El País. Recuperado de: elpais.com
  2. Companhia de Jesus. (2018). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org
  3. Vidal, P. (2011). A Companhia de Jesus Breve revisão de sua origem, treinamento e características . Espanha: jesuítas e contra-reforma. Recuperado de: blogs.ua.es
  4. Martínez, A. (2012). Jesuítas no mundo. (N / a): blogspot. Recuperado de: jesuitasporelmundo.blogspot.com
  5. Companhia de Jesus. (2005). (N / a): jesuíta. Recuperado em: indautxujesuitak.org

Deixe um comentário