Jorge Manrique: biografia e obras

Jorge Manrique (1440-1479) foi um importante poeta de Palencia, da influente família Manrique-Lara. Sua caneta marcou uma época na literatura espanhola, uma vez que sua poesia era a ponte que permitia a transição estilística da letra da corte medieval espanhola, em direção ao novo estilo renascentista .

Manrique era um militar proeminente na vida. Embora tenha mantido as duas disciplinas em equilíbrio, a de poeta e soldado, muito do seu valor como personagem histórico se deve às batalhas e guerras em que ele participou e que determinaram, a longo prazo, o curso da história da Espanha.

Jorge Manrique: biografia e obras 1

Retrato de Jorge Manrique. Fonte: Juan de Burgundy [Domínio público], via Wikimedia Commons

Biografia

Imprecisão de nascimento

Jorge Manrique, quarto de sete filhos da nobre e poderosa família Manrique Lara, era filho de Don Rodrigo Manrique (1406-1476), primeiro conde de Paredes de Nava, e da senhora Mencía de Figueroa (1400-1444), segundo primo de Don Rodrigo.

Não existem dados conhecidos que possam especificar claramente a data ou o local de nascimento. Estima-se que ele poderia ter nascido em Paredes de Nava, na província de Palencia, ou mais provavelmente em Segura de la Sierra, na província de Jaén, já que seu pai teve sua principal estadia lá até então.

Na data do nascimento de Jorge Manrique, estima-se que seja em 1437, em média entre 1431, data do casamento de seus pais, Don Rodrigo e Sra. Mencía, e 1444, ano em que sua mãe morreu. A queima do arquivo histórico em Jaén durante a invasão francesa impede que os estudiosos conheçam esses dados com precisão.

Nobreza do berço

A família Manrique Lara não era apenas muito poderosa, mas também uma das mais antigas da Espanha. Ele ocupou o Ducado de Nájera, o condado de Treviño e o Marquisado de Aguilar del Campoo, entre outros títulos nobres.

Manrique acabou detendo, entre outros títulos, o de Belmontejo de la Sierra, treze de Santiago, capitão dos homens de armas de Castela, comandante do castelo de Montizón, duque de Montalvo, para citar alguns.

Importância militar

Como em seu nascimento, não há dados sobre a juventude do nobre Jorge Manrique, mas sua participação é conhecida, há 24 anos, na luta contra cercos ao castelo de Montizón, do qual ele acabaria sendo comandante. O lema era dele: “Eu não minto ou me arrependo”.

Após essa vitória, ele participou de outra campanha: avançar militarmente na cidade de Baeza para apoiar os Benavides e ir contra o conde Cabra e o marechal de Baena. No entanto, ele foi levado em cativeiro e permaneceu algum tempo preso em uma prisão em Baena.

Seu irmão, que participou com ele no assalto à cidade, também foi preso, mas infelizmente ele não sobreviveu à prisão.

Participação na guerra de sucessão espanhola

Jorge Manrique, no entanto, deixou a prisão e continuou a participar das batalhas. Desta vez foi com seu pai, Rodrigo, em que seria uma das guerras mais importantes da Espanha na época, se não a maior: a Guerra da Sucessão Espanhola (1475-1479), que permitiu estabelecer o reinado dos reis católicos.

Causas da Guerra de Sucessão

Houve várias razões que causaram a guerra. Por um lado, havia um boato de que a esposa do rei Henrique IV, Joana de Portugal, teve uma filha fora do casamento com Beltrán de la Cueva. Por outro lado, a filha legítima do rei, Isabel I, e já proclamava uma herdeira legítima, não poderia se casar sem o consentimento prévio de seu pai.

Assim, Isabel I violou o Tratado dos Touros de Guisando, casando secretamente com Fernando de Aragão. Com raiva, seu pai proclamou sua filha ilegítima, Juana de Trastámara, “a Beltraneja” (aludindo a Beltrán, sua verdadeira parada), sucessora do trono. Isso desencadeou as intrigas do palácio e depois a guerra.

Apoio aos monarcas católicos

É nesse ponto que Dom Rodrigo e seu filho Jorge Manrique, ambos membros da Ordem de Santiago, decidiram aliar sua poderosa casa a Isabel I e ​​Fernando de Aragão.

Jorge Manrique: biografia e obras 2

Dísticos de Jorge Manrique

Esse fato acabou torcendo o equilíbrio em favor da sucessão daqueles que se tornaram os monarcas católicos, que catapultaram a grandeza do reino para as terras estrangeiras da América.

Morte e supostas versões do que aconteceu

Jorge Manrique morreu em 1479, em combate, durante a Guerra da Sucessão Espanhola. Duas versões deste evento são comentadas.

A primeira versão conta que, depois de ir a Ciudad Real para erguer o local que o Marquês de Villena tinha para Uclés, ele foi mortalmente ferido em uma batalha perto do castelo de Garcimuñoz, em Cuenca.

A segunda versão, após os eventos, relata que ele foi ferido em seu campo em Santa María del Campo Rus, alguns dias após a batalha.

A guerra terminou alguns meses depois. Jorge Manrique morreu apenas cerca de 2 anos e meio depois de seu pai, que morreu em 1467 vítima de um câncer que desfigurou completamente seu rosto.

No final, o apoio da nobre e poderosa família Manrique e Lara foi crucial para a vitória elizabetana, cujo reinado acabou colocando a Espanha entre os reinos mais poderosos do mundo, por duas razões: casamento com Fernando de Aragón, por um lado, e a expedição colonizadora que terminou com a expansão do reino espanhol nas Américas.

Os monarcas católicos e a grandeza da Espanha

Fernando de Aragón significou uma poderosa aliança para a coroa espanhola, já que ele já era rei em outros locais da Europa (Sicília, Nápoles, Navarra, entre outros). A Espanha havia garantido um reinado próspero, pois possuía um rei muito rico.

Como se isso não bastasse, as expedições de Cristobal Colón , apoiadas pelos reis católicos, acabaram anexando grande parte do continente americano e sua riqueza à Espanha. Mas as coisas teriam sido muito diferentes se Isabel I e ​​Fernando de Aragón não tivessem o apoio da casa de Manrique e Lara.

Jorge Manrique, o poeta

O fato de ele ter nascido nobre, e em particular na família que o tocou por sorte, permitiu a Manrique manter o equilíbrio entre a espada e a caneta. Embora na vida ele fosse mais conhecido no campo militar, não é por essa razão que sua produção poética, que apesar de breve, deixa de ser admirável.

Também é importante levar em consideração nessa família que a educação em humanidades que, como todos os militares da época, que ele recebeu e que precisava completar estava com sorte. Essa preparação influenciou bastante sua caneta.

O poeta veio do sangue. Basta mencionar Gomez Manrique, soldado e grande poeta, seu tio e, da mesma forma, Íñigo López de Mendoza, conhecido como Marquês de Santillana, também de sua linhagem.

Em suma, sua poesia foi uma pedra angular para a entrada do novo estilo pré-renascentista na literatura espanhola.

Características de sua poesia

Entre as características de sua poesia, podemos destacar:

A busca pelo simples

A purificação das metáforas complexas da escrita cavalheiresca e trovadora acima. Isso pode ser atribuído a um certo gosto de elite típico de um homem de nobreza, bem como à remoção de toda palavra erudita ou acadêmica.

Temas recorrentes de amor

Jorge Manrique: biografia e obras 3

Cruz de Jorge Manrique. Fonte: Por Angel Aroca Escámez [CC BY-SA 3.0], do Wikimedia Commons

Em quase meia centena de obras que ele compôs, a maioria toca o tema do amor cortês emoldurado na canção trovadora do século XV.

Referências de guerra para lidar com o tema do amor

O amor como guerra, conflito, a própria vida.

Brevidade nas formas

Os poemas de amor, por exemplo, são bastante curtos. Até a forma estrófica também é curta: versículos menores da arte: sextillas de pés quebrados (8a-8b-4c-8a-8b-4c) com rima consoante.

O uso de Esparza

Isso nada mais é do que escrever uma ideia breve e artística.

Sobriedade em grande estilo

Coisa que é apreciada em sua única elegia, escrita na memória de seu pai. Lá, a seriedade do assunto é abordada de maneira muito eloqüente e com novas perspectivas (além do já mundano ou religioso já usado típico da idade média).

Humor nas coisas cotidianas

Manrique escreveu algumas sátiras nas quais a surpresa, o irônico e o comum se reúnem para obter humor. Assim, compare uma freira a uma bêbada em uma de suas sátiras ou celebre uma festa de feiúra em homenagem a sua madrasta.

Trabalhos

Dada a brevidade de seu trabalho, faremos uma lista das coplas, sátiras e canções de amor de Jorge Manrique:

Poemas de amor

– “Don Jorge Manrique queixa-se do Deus do amor e como eles argumentam entre si”

– “Castelo do amor”

– “Para fortuna”

– “Porque enquanto ele estava dormindo, seu amigo o beijou”

– “Dizendo o que é o amor”

– “Da profissão que ele fez na Ordem do Amor”

– “Escala de amor”, “Com o grande mal que me resta”

– “Em uma ferida mortal”

– “Lembre-se, pelo amor de Deus, senhora”

– “Veja que isso aflige os meus”

– “Nem viver quer que eu viva”

– “Os fogos que acenderam em mim”

– “Estar ausente da amiga para um mensageiro que ela enviou para lá”

– “Memorial que ele fez ao seu coração, que começa com a ignorância do amigo, onde ele tem todos os sentidos”

– “Outros dela, nos quais ele coloca o nome de uma dama; e começa e termina nas primeiras letras de todos os dísticos e diz: “

– “Outra obra sua, na qual ele colocou o nome de sua esposa e também nomeou as linhagens dos quatro lados dela, que são: Castañeda, Ayala, Silva e Meneses”.

Músicas

– “Quem não estava presente”

– “Não sei porque me canso”

– “Quem quer te ver tanto?”

– “É uma morte oculta”

– “Para o seu grande mérito”

– “Com cuidado dolorido”

– “Quanto mais eu pretendo atendê-lo”

– «Feira foi minha queda»

– “Toda vez que minha memória”

– “Não demore, morte, estou morrendo”

Esparzas

– “Não encontro poder”

– “Fiquei doente sofrendo”

– “Pensando, senhora, em você”

– “Eu pedi muito medo”

– “Que amante infeliz”

– “Meu medo tem sido tão”

– “É minha vergonha desejar”

Gloss

– “No apelido dele, que diz:” Eu não minto ou me arrependo “”

– “Sempre amor e amor seguem”

– “Sem Deus e sem você e eu”

Mote

– “Don Jorge Manrique puxou uma roda gigante com seus arcaduzes cheios e disse:”

Perguntas

– “Para Juan Álvarez Gato”

– “Entre dois incêndios lançados”

– “Entre o bem e o mal dobrado”

– “Para Guevara”

Respostas

– “Para Guevara”

– “A Gómez Manrique”

Sátiras

– “Para um primo dele que atrapalhou alguns amores”

– “Coplas um beoda que teve um brial envolvido na taverna”

– “Um tratamento que fez sua madrasta, dona Elvira de Castañeda”

Elegia e obras de doutrina

– “Coplas pela morte de seu pai”

– “Oh mundo! Bem, você nos mata ”

Último trabalho

No último trabalho de Jorge Manrique, não há muita certeza de quando ele o escreveu, pois os detalhes de sua morte são, por si só, confusos. Não se sabe se os versos que apareceram em suas roupas foram escritos enquanto ele estava morrendo, ou alguns dias depois que ele foi ferido em batalha:

Oh mundo! Bem, você nos mata

a vida que você deu

toda a vida

mais como aqui você nos trata

o melhor e menos triste

é o jogo “

Se ele os escreveu enquanto estava ferido no campo de batalha ou enquanto estava convalescendo em seu acampamento, é algo que ainda não foi totalmente esclarecido.

Importância e transcendência

Geralmente, existem vários casos em que homens de armas também são homens de idéias e boas idéias. Isso pode ser visto nas famílias nobres e poderosas da Espanha do século XV, onde é comum ver homens dedicados à milícia e às humanidades.

Se podemos destacar Jorge Manrique entre esse grupo notável, é o fato de que tanto a espada quanto a caneta serviram como gatilho para algo totalmente novo.

Embora essas transições sejam lentas, é o trabalho de indivíduos como Manrique que serve como gatilho para que expressões como a poesia atinjam novas formas.

Com a espada permitiu a coroação dos reis católicos, com a caneta, a chegada da pré-rebelião.

Referências

  1. Jorge Manrique (s / f). (n / a): Wikipedia. Recuperado de: en.wikipedia.org
  2. Jorge Manrique (s / f). (n / a): Biografias e vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com
  3. Harlan, C. (2017). “Jorge Manrique, poeta e soldado do século XV.” Recuperado de: aboutespañol.com
  4. Cortina, A. (s / f). Trabalho completo / Jorge Manrique . Recuperado de: cervantesvirtual.com
  5. Jorge Manrique (2017). (n / a): “‘Coplas até a morte de seu pai’ por Jorge Manrique”. Recuperado de: zendalibros.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies