Os 11 principais elementos paratextuais e suas características

Os elementos paratextuais são a série de componentes discursivos relacionados à produção escrita, que acompanham sua estruturação sem alterar seu conteúdo original e que visam apresentar o motivo e as diferentes características da referida produção escrita.

Elementos paratextuais, também chamados paratexts, dão ao receptor da letra uma idéia do que será encontrado em uma obra escrita, mas eles não definem completamente seu conteúdo. O artigo é informativo, busca captar a atenção dos leitores em relação aos textos.

Os 11 principais elementos paratextuais e suas características 1

Etimologicamente, o prefixo “para” na palavra “paratextual” significa “associado a”, “vinculado a”, “próximo a”, “próximo a” ou “próximo ao texto” em questão.

Além disso, os paratextos adicionam precisão ao processo de busca de informações dos receptores líricos. Esse é um aspecto fundamental da pesquisa, em que os leitores precisam reduzir os tempos e obter elementos específicos com precisão, sem ter que se aprofundar em um trabalho.

O agregado referencial, organizacional e explicativo que os paratextos agregam aos trabalhos escritos é de grande valor. Do ponto de vista pedagógico-andragógico, abre os caminhos necessários para o aluno, gerando vínculos cognitivos – anteriores ao encontro real com o trabalho – que permitem uma assimilação maior e mais fácil do conhecimento.

Classificação

Se falamos sobre o que percebemos em um texto, podemos falar sobre dois tipos de elementos paratextuais:

– Elementos paratextuais icônicos, associados a fotografias, caixas, diagramas, ilustrações, entre outros.

– Elementos paratextuais verbais, associados ao título, à dedicação, ao resumo, à epígrafe, entre outros.

Agora, dentro dos elementos paratextuais verbais, três tipos deles podem ser vistos nos trabalhos:

– Elementos paratextuais de natureza editorial, pertencentes à empresa responsável pela publicação da obra e pela resposta aos aspectos legais, de produção e edição.

– Paratexts do próprio autor e como ele concebeu o conteúdo de sua criação.

– Elementos paratextuais de terceiros, que são as contribuições que as pessoas próximas ao autor adicionam ao trabalho. Esse tipo de paratexto pode ser visto no prólogo, nas citações e nas notas.

Relacionado:  Conectores de conclusão: recursos, usos e exemplos

Principais elementos paratextuais e suas características

Título

Caracteriza-se principalmente por ser o primeiro elemento paratextual com o qual o leitor é alcançado. Devido à sua exterioridade e visibilidade, é necessário que seja o mais explícito e impressionante possível.

Em obras literárias como romances ou contos, esse elemento paratextual é geralmente acompanhado por componentes de design gráfico e tipográfico que aumentam sua eficácia visual e, portanto, seu escopo.

Dedicação

Esse elemento paratextual permite que o autor da obra reconheça as pessoas ou instituições que facilitaram a elaboração da obra ou estão imersas nela, após o título.

É esticado e recomendado para ser breve, e normalmente aparece alinhado à direita. Tem um caráter puramente subjetivo para significar o espaço em que o autor oferece seu esforço, tempo investido e resultados obtidos para aqueles que estima.

Epígrafe

Esse paratexto teve um boom desde o século XVI, antes de não ser estipulado para colocá-lo em obras. É uma frase curta que se refere ao conteúdo do texto em questão. Pode pertencer a um autor reconhecido ou não, e até ao mesmo escritor.

Às vezes, esse elemento é relacionado individualmente aos outros elementos paratextuais, na forma de um “subparatetexto”, para indicar o que será discutido ou discutido nessa parte. É um microelemento comunicativo.

Sumário

Caracteriza-se por expressar objetiva e brevemente o assunto que trata do trabalho em questão. Esse elemento paratextual não aceita a inclusão de críticas positivas ou negativas; Ele se concentra simplesmente em divulgar de maneira precisa o que essa produção escrita compreende.

Outro particular que identifica o resumo é sua extensão e disposição. Estima-se que isso ocupe uma meia página aproximada e que sua extensão seja preferencialmente um parágrafo, embora também sejam aceitas subdivisões. No entanto, a brevidade deve sempre prevalecer.

Prefácio

É o elemento paratextual que serve como uma introdução ao trabalho. Pode ser escrito pelo autor ou por alguém próximo à obra que tenha tido contato com seu conteúdo e seu processo de produção, a quem a honra é conferida.

Caracteriza-se por tocar questões inerentes à organização do trabalho, os detalhes de sua elaboração, as dificuldades que isso pode implicar e a atuação de seu autor. Também lida com o conteúdo e seu valor; É uma carta de apresentação necessária.

Relacionado:  20 Exemplos de Textos Narrativos

Seu principal objetivo é a persuasão, anterior ao trabalho do leitor antes mesmo de ele enfrentar os primeiros capítulos. Estipula-se que o responsável pela redação do prólogo, também chamado prefácio, gere uma boa linguagem discursiva, agradável e simples para alcançar um número maior de receptores líricos.

Tabela de conteúdos

Esse paratexto permite que o leitor seja mostrado separadamente, cada uma das partes e subpartes que compõem um trabalho. Tem um caráter pontual, permite especificar o conteúdo e, além disso, colocar o leitor com precisão na frente do trabalho.

Sua amplitude e especificidade estão sujeitas ao autor, depende da profundidade do seu escopo. Pode ser localizado após o prólogo ou no final do trabalho, de acordo com o gosto do autor.

Citações de texto

Esse elemento paratextual cumpre uma função de reforçar o discurso. Este recurso procura dar confiabilidade a uma premissa baseada em pesquisas ou propostas anteriores de outros autores.

Esse paratexto é muito comum e necessário em trabalhos de natureza de pesquisa, mas não em gêneros como o romance, a história ou a poesia; no entanto, seu uso no último não é excluído ou catalogado como impossível.

A citação, além de fornecer veracidade ao trabalho, reconhece o trabalho de pesquisadores ou escritores que anteriormente falaram sobre o tema do texto.

Anotações

Esse elemento paratextual é um recurso de reforço discursivo fora do texto que cumpre uma função semelhante à da citação; No entanto, é um pouco mais direto e específico.

É normalmente usado em textos de investigação para esclarecer certos aspectos incompletos em algum parágrafo ou termos de difícil compreensão, embora também sejam apresentados em outras obras literárias, como romances ou ensaios, de forma intercambiável.

Eles também explicam o motivo de certas citações ou complementam o que se refere aos livros em que as informações de um autor nomeado na obra aparecem.

Relacionado:  Carlos Arniches: biografia, estilo e obras

Eles podem estar localizados na parte superior ou inferior da página. Em certos casos, muito estranhamente, eles podem ser encontrados nas bordas laterais.

Bibliografia

Esse paratexto, muito típico dos trabalhos de pesquisa, permite que os leitores mostrem os textos que serviram de suporte para a elaboração de uma investigação, os quais são mostrados alfabeticamente pelos nomes dos autores.

Este elemento apresenta dados como: autor, data de preparação, nome do trabalho, país e editor. A ordem dos dados pode ter variantes.

Glossário

É um elemento paratextual caracterizado por oferecer ao leitor uma lista ordenada alfabeticamente de termos que, por serem técnicos ou pertencerem a certos dialetos de algumas áreas, exigem uma explicação para serem compreendidos.

Anexos

Esse elemento paratextual apresenta uma dualidade em poder conter paratexts icônicos, como fotografias ou ilustrações, e paratexts verbais, como documentos ou pesquisas. Seu objetivo é reforçar e dar verdade ao que foi afirmado anteriormente no trabalho.

Importância

Os elementos paratextuais são um recurso necessário para a legitimação de obras escritas. Eles vêm para representar o leitor que janela com luz para uma casa escura.

Eles são um fã disposto a atualizar as preocupações, são a maneira ideal de a mensagem codificada por um escritor chegar ao leitor de maneira mais simples.

O papel orientador que o paratexto desempenha na leitura rompe as barreiras que são comumente apresentadas entre o leitor iniciante e os textos e convida você a mergulhar nos trabalhos. Esta é talvez a mais importante de suas funções.

Referências

  1. Gamarra, P. (2016). Elementos paratextuais. (n / a): ABC Color. Recuperado de: abc.com.py
  2. Fabiana, A. (2013). Elementos paratextuais. Argentina: Ort. Recuperado de: belgrano.ort.edu.ar
  3. Romaris-Pais, A. (2008). Elementos paratextuais em prosa auspiciosa de Luis Felipe Vivanco. Espanha: Universidade de Navarra. Recuperado de: dadun.unav.edu
  4. Oviedo Rueda, J. (2017). Familiaridade com os elementos paratextuais. Equador: Hora. Recuperado de: lahora.com.ec
  5. Arredondo, MS (2009). Paratexts na literatura espanhola. Espanha: Casa Velásquez. Recuperado de: casadevelazquez.org

Deixe um comentário