Kaoru Ishikawa: Biografia, Contribuições e Filosofia da Qualidade

Kaoru Ishikawa é conhecido internacionalmente como o guru da qualidade. Entre suas principais contribuições está a criação do modelo de causa-efeito, focado na identificação dos problemas que uma empresa deve enfrentar.

Ishikawa nasceu em Tóquio em 1915 em uma família de oito filhos. Seu pai era um industrial importante, de quem herdou seu amor pelas organizações.

Kaoru Ishikawa: Biografia, Contribuições e Filosofia da Qualidade 1

Desde tenra idade, Ishikawa teve contato com a indústria, graças ao trabalho realizado por seu pai, e tornou-se químico, engenheiro e administrador de empresas, obtendo um doutorado nessa última área.

Aos 24 anos, obteve o diploma de engenheiro na Universidade Imperial de Tóquio e, posteriormente, trabalhou em uma empresa naval e em uma grande empresa petrolífera japonesa, onde obteve uma prática importante no conhecimento das relações de trabalho e nas motivações de trabalhadores.

Ele estudou administração de empresas e oito anos depois se tornou professor titular da mesma universidade; Em seu desejo de investigar métodos estatísticos, ele recebeu um convite para participar de um grupo de estudos sobre qualidade nas organizações.

Esse convite marcou o resto de sua vida, pois a partir dessa experiência, ele se tornou um especialista e trouxe à humanidade um grande conhecimento sobre o sucesso nas empresas.

Em 1960, ele fazia parte da Organização Internacional de Normalização (ISO), responsável pela emissão de regulamentos sobre produtos e processos nas empresas.

Sete anos depois, ele foi nomeado presidente da delegação da ISO no Japão, posição em que continuou com o trabalho de resgatar e fortalecer as empresas afetadas após a Segunda Guerra Mundial.

No campo das organizações, Ishikawa é reconhecida principalmente pela invenção do modelo de causa-efeito ou espinha de peixe, que busca solucionar os problemas detectados.

Relacionado:  O que é o Índice de Desenvolvimento Social?

Ishikawa morreu em 1989. Na vida, ele recebeu inúmeros prêmios por suas contribuições à administração de empresas e também por seu trabalho de ensino e pesquisa.

Principais Contribuições

Na companhia de importantes pesquisadores, como William Edwards Deming e Joseph M. Juran, Ishikawa desenvolveu conceitos importantes que se aplicam ao estudo das organizações e sua relação com o mercado japonês desde os anos 80.

Modelo de causa-efeito

Ele foi o criador do modelo de causa-efeito, que começa com a identificação de um problema enfrentado por uma determinada empresa.

Uma vez identificadas e com a ajuda de um grupo de membros da organização, as causas e seus possíveis efeitos são identificados, com base em um esquema conhecido como espinha de peixe, pela forma do gráfico proposto.

Para seguir o modelo de causa-efeito, é importante desenvolver um tipo de workshop com membros de toda a organização.

Algumas categorias estão determinadas a realizar o estudo e, por meio de um brainstorm, são escritas no esquema em forma de espinha de peixe.

Os membros da organização identificam causas até encontrar a origem do problema em cada caso. Por esse motivo, afirma-se que é o modelo do porquê. Os líderes devem perguntar constantemente aos participantes por que as causas.

Círculos de qualidade

Outra contribuição importante são os círculos de qualidade, usados ​​na gestão das organizações. Eles consistem em grupos de trabalho compostos por pessoas que realizam atividades semelhantes na mesma área da empresa.

Juntamente com um líder ou supervisor, eles analisam os problemas existentes em seu grupo e desenvolvem possíveis soluções. Dessa maneira, é possível identificar completamente a origem de um problema organizacional.

Relacionado:  O que é cosmologia filosófica?

A filosofia de Ishikawa sobre qualidade

Ishikawa era um crítico do modelo ocidental: considerava que o trabalhador era tratado sem dignidade humana.

Em vez disso, ele era a favor de alcançar o compromisso dos trabalhadores de tratá-los como pessoas; Segundo ele, um trabalhador cujos direitos são reconhecidos e sua capacidade de trabalho tem maior interesse em melhorar a qualidade e a produção.

Ele chamou a atenção para a necessidade de entender a qualidade em uma organização como um compromisso constante com a educação. Para Ishikawa, a qualidade começa e termina na educação.

Ele também chamou a atenção para o reconhecimento de pessoas interessadas nos produtos ou serviços oferecidos por uma organização; Ele enfatizou a importância de reconhecê-los como sujeitos com necessidades.

Para Ishikawa, ficou clara a importância da participação de todos os membros de uma organização no desenvolvimento da mesma. Ele garantiu que a qualidade era da conta de todos e que deveria ser motivada e atendida principalmente pelos gerentes.

Princípios principais da qualidade

Ao longo de sua vida, Ishikawa ficou obcecado em obter qualidade nas organizações. Portanto, em seus estudos, ele desenvolveu alguns princípios básicos.

Ele afirmou que sempre se deve considerar que o homem é um bom ser e, por esse motivo, seu trabalho deve ser confiável.

Para Ishikawa, um trabalhador compromete seu bem-estar, o que indica que ele está interessado em desempenhar suas funções da melhor maneira possível.

De uma abordagem de qualidade, os gerentes da empresa devem ser capazes de reconhecer esse interesse dos trabalhadores.

Ishikawa pensou que toda atividade comercial deveria ser direcionada a indivíduos que precisavam de certos produtos ou serviços, e é por isso que era importante conhecê-los.

Relacionado:  10 Culturas do Mundo da História e Atualidades

Ele considerou que a participação e o trabalho em equipe, através de círculos de qualidade, deveriam estar presentes em todos os níveis da organização.

Identificou o marketing como o centro de qualquer organização, entendido como a disposição correta de produtos e serviços para as partes interessadas.

Ele acreditava firmemente que trabalhar pela qualidade favorecia a melhoria contínua. Para isso, foi necessário monitorar cada um dos processos realizados em uma organização.

Referências

  1. Ishikawa, K. (1985).O que é controle de qualidade total? O jeito japonês . Prentice Hall.
  2. Ishikawa, K. & Ishikawa, K. (1994).Introdução ao controle de qualidade . Diaz de Santos,.
  3. Ishikawa, K. (1963). Diagrama de causa e efeito. Em Anais da Conferência Internacional sobre Qualidade . sn.
  4. Ishikawa, K. (Ed.). (1968).Atividades do círculo de CQ (Nº 1). União de cientistas e engenheiros japoneses.
  5. Watson, G. (2004). O legado de Ishikawa.Quality progress , 37 (4), pp 32-52.

Deixe um comentário