Quais são os elementos do Estado?

Os elementos do estado ou mais importantes são a população, território, governo e soberania. O Estado é uma forma de organização social dotada de soberania, que é o poder supremo que reside nos cidadãos.

A palavra Estado geralmente é confundida com governo. No entanto, deve ser esclarecido que o governo é simplesmente um elemento do Estado.

Quais são os elementos do Estado? 1

Além disso, os governos não são permanentes (duram no máximo 5 ou 10 anos) enquanto o estado existe mesmo após o término do governo.

Outro esclarecimento necessário é que o Estado não é sinônimo de nação, pois a última forma de organização carece de poder político.

Todo Estado deve ter quatro elementos básicos: população, território, governo e soberania nacional.

O Estado precisa (a) de uma população que lhe conceda soberania, (b) de um território no qual funcione, (c) de um governo pelo qual exercer e (d) do poder de exercer sua autoridade.

Principais elementos do estado

1- População

O Estado é uma instituição humana, o que significa que é composto de pessoas. Além do mais, um Estado é uma comunidade de indivíduos. Isso significa que sem população não pode haver estado.

Segundo Aristóteles , o número de membros de uma população não deve ser muito grande ou muito pequeno. De qualquer forma, deve ser grande o suficiente para que o Estado seja auto-suficiente e pequeno o suficiente para ser governado.

A população dos estados modernos varia de uma nação para outra. Por exemplo, a Suíça e o Canadá têm populações relativamente pequenas, enquanto a China e a Índia têm grandes populações.

As pessoas que vivem dentro dos limites de um Estado são chamadas de “cidadãos”. A eles, são conferidos uma série de direitos por sua qualidade como cidadãos, como liberdade, direito à educação, entre outros.

Em troca, o Estado pede que os cidadãos cumpram determinadas ações, chamadas deveres.

Pessoas de um Estado que vivem no território de outro Estado que não é o seu são chamadas de “estrangeiros”.

Essas pessoas desfrutam de uma série de direitos (não tantos como cidadãos) e estão sujeitas a vários deveres. Os estrangeiros podem optar pela cidadania do estado seguindo suas políticas.

2- Território

O território é o espaço físico em que o Estado se desenvolve. O Estado não pode existir no ar ou no mar, mas deve haver um espaço terrestre no qual possa se desenvolver.

A extensão do território varia de uma nação para outra. Existem estados com uma extensão territorial bastante ampla, como Rússia, Índia, China, Canadá, Estados Unidos e Brasil.

Relacionado:  25 exemplos de reciprocidade na vida diária

Da mesma forma, existem outros estados com pequenos territórios, como Suíça, Sri Lanka, Luxemburgo, Estado do Vaticano, entre outros.

O que realmente importa não é a extensão do território, mas sua delimitação. Isso significa que o Estado deve ser desenvolvido em um espaço terrestre definido, separado de outros Estados por limites claros e precisos.

O território de um Estado pode incluir ilhas. Por exemplo, o território da Coréia do Sul inclui a ilha de Jeju.

Note-se que o território de um Estado não inclui apenas solo sólido, mas também inclui espaço aéreo nessa terra, corpos de água que estão dentro de seus limites (rios, lagos, mares internos, entre outros).

Da mesma forma, a zona costeira (se houver) pertence ao Estado. Há também a noção de águas territoriais, o que significa que a soberania de um Estado se estende além de suas costas, sobre o mar.

Da mesma forma, o Estado tem soberania sobre a plataforma continental, que é a parte do território que está submerso.

3- Governo

O governo é a organização política de um Estado. Este é o elemento através do qual a vontade do Estado é formulada, expressa e concreta.

O governo é constituído por uma série de instituições que dão ao Estado autoridade para administrar questões que lhe dizem respeito, como administração de riqueza, otimização de serviços (educação, saúde, proteção), entre outras.

Nesse sentido, o Estado exerce sua soberania através dos órgãos do governo. A divisão dos órgãos governamentais pode variar de estado para estado. No entanto, a divisão clássica inclui três poderes: legislativo, executivo e judicial.

– O poder legislativo é responsável por formular as leis que regulam as ações do governo e dos cidadãos dentro do Estado.

– O executivo é o órgão encarregado de fortalecer a lei e garantir que essas leis sejam aplicadas por cidadãos e estrangeiros no território nacional.

– O judiciário é o órgão responsável por sancionar aqueles que não cumpriram as leis.

4- Soberania

O termo “soberania” vem da palavra latina superanus , que significa “supremo”. Nessa ordem de idéias, a soberania é o poder supremo: nenhum outro poder supera a soberania.

Isso significa que a soberania é o verdadeiro poder do Estado, que lhe permite comandar, governar e garantir a obediência das pessoas dentro dos limites de seu território.

A soberania vem do povo, que a concede aos líderes (presidente, primeiro ministro, governadores, prefeitos, entre outros) por meio do sufrágio.

Relacionado:  Qual é o objetivo de coletar impostos, taxas e impostos?

Harold J. Laski ressalta que o fato de o Estado ser soberano é o que o diferencia de qualquer outra forma de organização humana. Algumas organizações podem ter os três primeiros elementos, mas sem o quarto não se pode falar de um Estado.

Segundo Jean Bodin, político francês, a soberania tem dois aspectos: um interno e outro externo.

– Soberania interna significa que o Estado tem poder supremo sobre todos os seus cidadãos e associações.

– Soberania externa significa que o Estado é independente e, portanto, tem o direito de não ser interferido por outros Estados. Da mesma forma, a soberania externa envolve a capacidade do Estado de estabelecer relações com outros Estados.

México como estado

1- População

A população do México, segundo o censo realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI), totalizou quase 130 milhões de habitantes em 2015.

A maioria da população do México está localizada no Estado do México. Existem aproximadamente 15 milhões de habitantes, divididos proporcionalmente entre homens e mulheres (7,3 milhões de homens e 7,7 milhões de mulheres).

Com base nos estudos realizados pelo INEGI entre 2005 e 2011, a população mexicana tem tendência a crescer 1,6% a cada ano (INEGI, 2015).

O INEGI também observa que a maioria da população mexicana é católica, cobrindo 89,3% dos habitantes do território.

2- Território

O território mexicano é composto por áreas continentais e marítimas.

A área continental é a parte do território do México que fica dentro do continente americano, mais especificamente, ao norte dele.

Isso também inclui a superfície das ilhas localizadas dentro da área marítima que pertence ao país. No total, ocupa uma área de 1.947.156 km2

Enquanto isso, a área marítima é composta pela Zona Econômica Exclusiva ou ZEE e pelo Mar Territorial. O território marítimo mexicano foi definido por meio de tratados internacionais entre os estados da América Central (Guatemala, Honduras, Cuba e Belize) e os Estados Unidos. No total, ocupa uma área de 2.926.252 km2.

O território do México é dividido em um Distrito Federal e 31 estados. Dentro dos 31 estados, 17 têm um litoral e 10 compartilham uma fronteira com outros estados.

O território de cada estado é subdividido em municípios, cujo tamanho pode variar entre 4 e 5.500 km2 (território mexicano, 2017).

3- Governo

O México possui um sistema de governo democrático e federal, composto por um Poder Supremo que, por sua vez, é dividido em três ramos: legislativo, executivo e judicial.

Relacionado:  Talcott Parsons: biografia, contribuições e teorias

O ramo legislativo é responsável pela produção de leis. É representado pelo Congresso da União, que por sua vez é composto por duas câmaras, a dos senadores e a dos deputados.

Os deputados são eleitos pelo voto popular e podem permanecer no poder por três anos. Eles também são eleitos pelo voto popular e permanecem no poder por seis anos. Os senadores são eleitos em pares.

O poder executivo depende do Presidente da República. Ele é eleito a cada seis anos por voto popular. O presidente é o chefe de estado e deve ser responsável por executar todas as etapas relevantes do governo, sem violar as leis endossadas pelo poder legislativo.

O presidente nomeia seu gabinete de colaboradores, incluindo 18 secretários de estado e três advogados. Os secretários são responsáveis ​​por gerenciar questões relacionadas à saúde, turismo, educação, comércio, energia, ecologia, entre outras.

O judiciário, por outro lado, é responsável por garantir o cumprimento do que está incluído na constituição mexicana, sem considerar raça, sexo, nível educacional, cor, entre outros.

Este ramo do poder é representado pelo Supremo Tribunal de Justiça, os Tribunais e Tribunais ( Como está organizado o território mexicano ?, 2017).

4- Soberania

A soberania do México como Estado é contemplada nos artigos 38, 40 e 41 de sua constituição política. Neles, é estabelecido que a soberania do país reside em seu povo e que qualquer benefício procurado deve afetá-lo positivamente.

Também é apontado que o povo tem o direito de modificar sua forma de governo e que é sua vontade constituir-se como uma república representativa, federal e democrática, composta por estados livres e soberanos (Justia México, 2017).

Referências

  1. Estados e seus elementos. Recuperado em 24 de julho de 2017, de slideshare.net
  2. Estado: Elementos e Necessidade do Estado. Recuperado em 24 de julho de 2017, de yourarticlelibrary.com
  3. Quais são os elementos importantes do Estado? Recuperado em 24 de julho de 2017, de preservearticles.com
  4. Elementos de Estado Recuperado em 24 de julho de 2017, de philgovernment.blogspot.com
  5. Elementos de Estado Recuperado em 24 de julho de 2017, de hubpages.com
  6. Elementos de Estado Recuperado em 24 de julho de 2017, de readorrefer.in
  7. Quais são os elementos do Estado e suas definições? Recuperado em 24 de julho de 2017, de reference-definitions.blurtit.com.

Deixe um comentário