Kitasato Flask: características, usos e história

O Kitasato Flask é um equipamento de laboratório utilizado para o cultivo de microrganismos em ambiente anaeróbico. Este frasco foi desenvolvido pelo bacteriologista japonês Shibasaburo Kitasato no final do século XIX, sendo utilizado principalmente para o isolamento e cultivo de bactérias anaeróbias. O frasco é composto por um bulbo de vidro com um gargalo lateral que permite a entrada de ar, mas impede a entrada de oxigênio, criando assim um ambiente propício para o crescimento desses microrganismos. O Kitasato Flask é uma ferramenta fundamental em laboratórios de microbiologia, sendo essencial para a pesquisa e identificação de diferentes tipos de bactérias.

Qual a finalidade do Kitasato na microbiologia e imunologia?

O Kitasato Flask, também conhecido como frasco de Kitasato, é um equipamento de laboratório amplamente utilizado na microbiologia e imunologia. Ele foi desenvolvido pelo microbiologista japonês Shibasaburo Kitasato, no final do século XIX, e desde então tem sido uma ferramenta essencial para o cultivo e estudo de microrganismos.

O principal objetivo do Kitasato Flask é isolar e cultivar microrganismos em condições controladas, permitindo o estudo de suas características e propriedades. Ele possui um design especial, com um pescoço longo e estreito que impede a entrada de contaminantes do ar, garantindo um ambiente estéril para o crescimento dos microorganismos.

Além disso, o Kitasato Flask é frequentemente utilizado em testes de sensibilidade a antibióticos, permitindo a avaliação da eficácia de diferentes substâncias no combate a infecções bacterianas. Ele também é empregado em experimentos de cultura de células e na produção de soros e vacinas.

Em resumo, o Kitasato Flask desempenha um papel fundamental na pesquisa e no diagnóstico em microbiologia e imunologia, contribuindo para o avanço do conhecimento científico e para o desenvolvimento de novas terapias e tratamentos para doenças infecciosas.

Guia simplificado para utilizar o kitassato de forma correta e eficiente.

Para utilizar o kitassato de forma correta e eficiente, é importante seguir algumas orientações. O kitassato, também conhecido como Kitasato Flask, é um equipamento de laboratório utilizado para realizar reações químicas em condições controladas. Com sua forma de balão com um tubo lateral, é ideal para processos de destilação, filtração a vácuo e reações sob refluxo.

Para começar, certifique-se de que o kitassato está limpo e seco antes de utilizá-lo. Em seguida, insira o líquido ou solução a ser trabalhado no balão, tendo o cuidado de não ultrapassar a capacidade máxima indicada. Conecte o tubo lateral a outros equipamentos, como condensadores ou bombas de vácuo, conforme necessário.

Para iniciar a operação, aqueça o balão suavemente, controlando a temperatura de acordo com o processo desejado. Mantenha a pressão adequada no sistema, utilizando válvulas ou reguladores, para garantir a eficiência da destilação ou filtração. Lembre-se de monitorar constantemente o progresso da reação, ajustando os parâmetros conforme necessário.

Relacionado:  Quais são os elementos diatômicos?

Ao finalizar o procedimento, desligue o aquecimento e aguarde o resfriamento do kitassato antes de manipulá-lo. Descarte os resíduos de forma adequada e limpe o equipamento com cuidado, garantindo sua conservação e durabilidade.

Seguindo essas diretrizes, você poderá utilizar o kitassato de forma segura e eficiente, obtendo resultados precisos em suas experiências de laboratório.

Kitasato Flask: características, usos e história

O Kitasato Flask, inventado pelo cientista japonês Shibasaburo Kitasato, é um equipamento essencial em laboratórios de química e biologia. Sua forma peculiar, com um balão esférico e um tubo lateral, permite uma variedade de aplicações, desde a destilação simples até a realização de reações complexas sob refluxo.

Além disso, o kitassato é amplamente utilizado em processos de filtração a vácuo, sendo uma ferramenta indispensável para separar sólidos de líquidos de forma eficiente. Sua versatilidade e praticidade tornam-no um elemento fundamental em experimentos laboratoriais de diversos tipos.

A história do Kitasato Flask remonta ao final do século XIX, quando Shibasaburo Kitasato desenvolveu o equipamento como parte de suas pesquisas em microbiologia. Desde então, o kitassato se tornou um item padrão em laboratórios ao redor do mundo, sendo utilizado em uma ampla gama de aplicações científicas.

Com suas características únicas, usos variados e história interessante, o Kitasato Flask continua a desempenhar um papel crucial no avanço da ciência e na realização de experimentos laboratoriais com precisão e eficiência.

Kitasato Flask: características, usos e história

O balão Kitasato é um material de laboratório para o uso diário. Consiste em um frasco de vidro espesso cuja estrutura é em forma de cone, com um pescoço alongado e um tubo fino na parte superior e lateral.

Este frasco foi inventado pelo médico e bacteriologista japonês Shibasaburo Kitasato, que era uma personalidade amplamente influente no campo da medicina e pesquisa, dado que ele é creditado com várias descobertas de curas para doenças infecciosas crônicas.

Kitasato Flask: características, usos e história 1

O balão Kitasato tem diferentes funções no campo científico. Seu principal uso está relacionado à separação de compostos que contêm substâncias sólidas, líquidas e gasosas.

Através do balão Kitasato, é possível isolar as substâncias gasosas das demais que o acompanham em um determinado composto. Isto é graças ao tubo pequeno e fino que está localizado no gargalo do referido balão.

Quem foi Shibasaburo Kitasato?

Além da invenção do balão Kitasato, Shibasaburo Kitasato é creditado com várias descobertas que mudaram a concepção de certas doenças infecciosas graves, que afetaram muitas pessoas em seu tempo.

Sua pesquisa mais proeminente foi sobre tétano, peste bubônica e disenteria.

Shibasaburo Kisakato nasceu em 1852. Ele ingressou na faculdade de medicina e terminou seus estudos em 1883. Dois anos depois, viajou para Berlim, onde trabalhou no instituto do médico e microbiologista alemão Robert Koch.

Relacionado:  Centrifugação: o que é, tipos, importância, exemplos

No final de 1890, Kisakato retornou ao Japão e criou um instituto dedicado à investigação de doenças infecciosas. Mais tarde, também criei um sanatório chamado Yojoen, destinado a pessoas infectadas com tuberculose.

Em 1914, Kisakato fundou o Instituto Kisakato, que ele dirigiu até sua morte. Durante sua vida, Kisakato também se dedicou ao estudo de disenteria, lepra e tuberculose.

Principais conclusões

Uma das descobertas importantes atribuídas ao Kitasato é a descoberta de um soro capaz de neutralizar a doença do tétano, uma condição infecciosa gerada quando há feridas infectadas e que pode atacar o sistema nervoso do corpo. Nesta investigação, ele participou junto com o bacteriologista alemão Emil Behring.

Outra descoberta importante de Kisakato foi a descoberta do microrganismo causador da peste bubônica.

Como visto, Shibasaburo Kitasato foi um cientista notável que influenciou fortemente o tratamento eficaz de doenças infecciosas que afetaram milhões de pessoas.

Características do balão Kitasato

O balão Kitasato também é conhecido como Kitasato, seco. É um instrumento comumente usado em trabalhos de laboratório.

É um frasco de vidro bastante espesso, porque se destina a ser usado em condições em que a pressão pode variar abruptamente.

Este balão é caracterizado por uma forma de cone, possui um pescoço alongado e uma abertura na parte superior do referido pescoço, que é a área mais estreita.

Dadas essas características, o balão Kitasato é muito semelhante a outro balão chamado Erlenmeyer.

A principal característica que distingue o frasco Kitasato de Erlenmeyer ou outras garrafas é que ele possui um tubo, também de vidro, localizado na área lateral da parte mais estreita da garrafa.

Este tubo cumpre funções interessantes. Com isso, é possível que certos gases possam ser separados do composto em que estão trabalhando; pode ser isolado para ser estudado separadamente.

Usos

O balão Kitasato foi especialmente projetado para realizar experimentos relacionados à água. Como mencionado anteriormente, a espessura de sua estrutura é preparada para suportar diferentes níveis de pressão.

Três experimentos que precisam do balão Kitasato para sua execução serão descritos abaixo:

1- Destilação

Destilação é o processo pelo qual se busca isolar a substância volátil de um composto. Ou seja, a substância que foi convertida no estado gasoso após ser líquida ou sólida.

Através da destilação é possível separar este elemento volátil daqueles que não o são, e o meio pelo qual isso é alcançado é a evaporação da referida substância, seguida pela sua condensação.

2- Mudança de volume

Esse experimento tem a ver com a identificação do volume exato de um objeto impermeável, observando seu comportamento dentro de um líquido. Este método é ideal para determinar o volume de objetos irregulares.

Relacionado:  Hidrogenação catalítica: características, tipos e mecanismo

Pode-se dizer que o volume de um objeto será igual ao espaço que ele ocupa. Então, quando um objeto é submerso na água, ele desloca a água, que ocupará o espaço correspondente ao objeto.

3- Filtragem a vácuo

Este método procura separar misturas que contêm elementos sólidos e líquidos. Nesse caso, uma bomba de vácuo é usada junto com outro instrumento de laboratório chamado funil Büchner, no qual um filtro é colocado. O funil Büchner está localizado acima do balão Kitasato.

Essa técnica é usada quando você deseja recuperar a substância sólida do composto, especialmente se o composto for viscoso ou se os elementos sólidos forem muito pequenos.

A geração de vácuo em um recipiente aumentará bastante a velocidade na qual uma substância é filtrada.

Vantagens de usar o balão Kitasato

– A vantagem mais óbvia é que, graças ao tubo de descolagem, permite isolar substâncias gasosas de compostos nos quais são misturados com elementos líquidos e / ou sólidos.

– Ao contrário do balão florentino, cuja estrutura é arredondada, o balão Kitasato permite um melhor manuseio da substância, pois é possível manipulá-lo e deixar a garrafa em repouso sem correr o risco de derramar o composto.

– O balão Kitasato também gera uma vantagem no manuseio de substâncias líquidas. A borda estreita de sua abertura superior permite que a substância líquida seja mantida o mais pura possível, evitando a contaminação por agentes externos ou até a evaporação do fluido.

Os dois bicos pequenos que caracterizam a estrutura podem ser facilmente cobertos usando dois bujões, ou até pequenos algodão.

– Dentro do balão Kitasato, é possível misturar e agitar as soluções de maneira confortável e segura do que se, por exemplo, fosse usado um copo, caracterizado por ter uma boca muito mais larga que favorece derramamentos.

Referências

  1. “Kitasato Shibasaburo” na Enciclopédia Britânica. Retirado em 13 de setembro de 2017 de Encyclopedia Britannica: britannica.com
  2. “Kitasato, Shibasaburo” (2008) na Enciclopédia. Retirado em 13 de setembro de 2017 de Encyclopedia: encyclopedia.com
  3. Carter, F. “Shibasaburo Kitasato” (julho de 1931) no Centro Nacional de Informações Biotecnológicas. Recuperado em 13 de setembro de 2017 do Centro Nacional de Informações de Biotecnologia: ncbi.nlm.nih.gov
  4. “Kitasato” em EcuRed. Retirado em 13 de setembro de 2017 de EcuRed: ecured.cu
  5. Lederman, W. “Uma história pessoal de bactérias” (2007) no Google Livros. Recuperado em 13 de setembro de 2017 do Google Livros: books.google.co.ve
  6. “Filtragem a vácuo” na Universidade de Barcelona. Retirado em 13 de setembro de 2017 da Universidade de Barcelona: ub.edu.

Deixe um comentário