Lincomicina: características, para que serve, efeitos

A lincomicina é um antibiótico da classe das lincosamidas, que atua inibindo a síntese de proteínas bacterianas. É indicada para o tratamento de infecções causadas por bactérias sensíveis à substância, como infecções do trato respiratório, pele, ossos, articulações e tecidos moles.

Os efeitos colaterais mais comuns da lincomicina incluem náuseas, vômitos, diarreia, irritação gastrointestinal e reações alérgicas. Deve-se ter cuidado ao utilizar este medicamento em pacientes com histórico de colite, pois pode causar colite pseudomembranosa, uma infecção intestinal grave. Além disso, a lincomicina pode interagir com outros medicamentos, como relaxantes musculares e anticoagulantes, por isso é importante consultar um médico antes de iniciar o tratamento com este medicamento.

Benefícios e indicações da Lincomicina: o que você precisa saber sobre esse medicamento.

A Lincomicina é um medicamento antibiótico utilizado no tratamento de diversas infecções bacterianas. Este medicamento é indicado para o tratamento de infecções das vias respiratórias, pele, ossos, articulações e infecções ginecológicas.

Além disso, a Lincomicina também pode ser utilizada em casos de infecções causadas por bactérias resistentes a outros tipos de antibióticos. Este medicamento age inibindo a produção de proteínas necessárias para o crescimento e reprodução das bactérias, ajudando assim no combate à infecção.

É importante ressaltar que a Lincomicina deve ser utilizada apenas sob prescrição médica, pois o uso indevido ou em doses inadequadas pode causar efeitos colaterais indesejados, como diarreia, náuseas, vômitos e reações alérgicas.

No entanto, seu uso deve ser sempre orientado por um profissional de saúde para garantir a segurança e eficácia do tratamento.

Qual é o mecanismo de ação da clindamicina?

A lincomicina é um antibiótico da classe das lincosamidas, sendo um medicamento bacteriostático que inibe a síntese proteica das bactérias. Já a clindamicina, derivado da lincomicina, atua de forma semelhante, inibindo a síntese de proteínas nas bactérias ao se ligar à subunidade 50S dos ribossomos bacterianos.

Esse mecanismo de ação da clindamicina impede que as bactérias produzam proteínas essenciais para seu crescimento e reprodução, levando-as à morte. Assim, a clindamicina é eficaz no tratamento de diversas infecções bacterianas, como infecções de pele, tecidos moles, ósseas e dentárias, infecções do trato respiratório e ginecológicas.

Apesar de ser um medicamento eficaz, a clindamicina pode causar alguns efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, diarreia, erupções cutâneas e disfunção hepática. É importante seguir as orientações médicas quanto à dosagem e duração do tratamento para evitar complicações e garantir a eficácia do medicamento no combate às infecções bacterianas.

Conheça os principais antibióticos do grupo das Lincosamidas no mercado farmacêutico.

A Lincomicina é um antibiótico pertencente ao grupo das Lincosamidas, amplamente utilizado no tratamento de infecções causadas por bactérias. Este medicamento é indicado para o tratamento de infecções graves, como pneumonia, infecções da pele e tecidos moles, infecções ósseas, infecções intra-abdominais, entre outras.

Um dos principais efeitos colaterais da Lincomicina é a possibilidade de causar diarreia, náuseas e vômitos. Além disso, pode ocorrer reações alérgicas, como erupções cutâneas e coceira. É importante ressaltar que o uso indiscriminado de antibióticos pode levar ao desenvolvimento de resistência bacteriana, tornando o tratamento menos eficaz.

É fundamental seguir corretamente as orientações médicas para o uso da Lincomicina, respeitando a dose e a duração do tratamento. Não interrompa o uso do medicamento sem a autorização do médico responsável. Em caso de dúvidas ou reações adversas, consulte um profissional de saúde.

Relacionado:  O que é amigdalite pultácea?

Benefícios e indicações do medicamento Frademicina para tratamentos específicos de infecções bacterianas.

A Frademicina é um medicamento antibiótico que contém como princípio ativo a substância Lincomicina. Este medicamento é indicado para o tratamento de infecções causadas por bactérias sensíveis à Lincomicina, tais como infecções da pele, tecidos moles, ossos, articulações, trato respiratório, trato gastrointestinal e infecções geniturinárias.

Um dos principais benefícios da Frademicina é a sua eficácia no combate a infecções bacterianas, ajudando a eliminar as bactérias causadoras da doença e promovendo a recuperação do paciente. Além disso, a Frademicina possui uma boa tolerabilidade e baixa incidência de efeitos colaterais, o que a torna uma opção segura para o tratamento de diversas infecções.

É importante ressaltar que a Frademicina deve ser utilizada somente sob prescrição médica, pois o uso indiscriminado de antibióticos pode levar ao desenvolvimento de resistência bacteriana. Portanto, siga sempre as orientações do seu médico e não interrompa o tratamento antes do tempo recomendado, mesmo que os sintomas da infecção desapareçam.

Consulte um médico para saber mais sobre as indicações e benefícios deste medicamento.

Lincomicina: características, para que serve, efeitos

A lincomicina é a partir do grupo de lincosamidas antibiótico natural, o qual é extraída a partir de uma bactéria denominada Streptomyces lincolnensis. S e podem ser administrados por via oral, por via intramuscular ou por via intravenosa.

É um antibiótico indicado no tratamento de infecções graves causadas por cepas de aeróbios gram-positivos sensíveis, como estreptococos, pneumococos e estafilococos ou por bactérias anaeróbicas suscetíveis.

Lincomicina: características, para que serve, efeitos 1

Imagem recuperada do TQFarma.

Para que serve a lincomicina?

Geralmente é indicado em pacientes alérgicos à penicilina ou nos casos em que o médico considera que o uso da penicilina não é apropriado. É facilmente absorvido pela maioria dos tecidos, por isso é eficaz no tratamento de infecções causadas por germes sensíveis a essa substância, como:

  • Trato respiratório superior : amigdalite, faringite, sinusite, otite, escarlatina e como tratamento adjuvante na difteria.
  • Vias aéreas inferiores : bronquite aguda e crônica e pneumonia.
  • Pele e tecidos moles : furúnculos, celulite, impetigo, abscessos, acne, infecções causadas por feridas, erisipela, linfadenite, paroníquia, mastite e gangrena cutânea.
  • Ossos e articulações : osteomielite e artrite séptica.
  • Septicemia e endocardite .
  • Disenteria bacilar .

Contra-indicações

A lincomicina não é indicada no tratamento de infecções leves ou causada por vírus.

Por via oral, a apresentação de lincomicina (cápsulas) geralmente apresenta lactose, sendo contraindicada em pacientes com intolerância a esse componente.

A apresentação em solução injetável contém álcool benzílico, portanto não deve ser administrada em bebês prematuros ou com menos de um mês de idade.

Não deve ser administrado em pacientes hipersensíveis ou alérgicos a esta substância ativa ou à clindamicina. Também não deve ser administrado a pessoas que tiveram ou tiveram infecções por monilias.Não é indicado em pacientes com meningite ou insuficiência renal aguda.

Precauções

A lincomicina deve ser administrada com muito cuidado em pessoas com as seguintes patologias:

  • Distúrbios neuromusculares ou em tratamento com bloqueadores neuromusculares: uma vez que a lincomicina possui propriedades bloqueadoras e pode dobrar ou aumentar seu efeito no paciente.
  • Colite ou história desta condição.
  • Condições hepáticas ou renais (insuficiência renal aguda).
  • Doenças endócrinas ou metabólicas.

Existe um risco de colite pseudomembranosa e crescimento de organismos não suscetíveis. O médico assistente deve fazer uma avaliação funcional dos órgãos envolvidos antes e durante o tratamento com lincomicina, especialmente se for prolongado. Sugere-se realizar exames de fígado, rins e hemograma periodicamente.

Como com outros antibióticos, o tratamento com lincomicina tem sido associado a episódios de colite grave, que podem pôr em risco a vida do paciente. Em caso de diarréia, interrompa o tratamento imediatamente e consulte um médico.

Como qualquer outro medicamento, a lincomicina deve ser administrada mediante prescrição e acompanhamento médico durante a gravidez e lactação.

Embora um estudo realizado em 322 mulheres grávidas que receberam 500 miligramas de lincomicina quatro vezes por dia durante uma semana não tenha apresentado nenhum efeito prejudicial à mãe ou ao feto, não existem estudos suficientemente controlados e documentados, portanto, não há estudos Pode garantir sua segurança no feto.

No caso da amamentação, o antibiótico é eliminado pelo leite materno, por isso é considerado incompatível com a amamentação e deve-se usar medicamentos substitutos ou interromper a amamentação.

Interações

A lincomicina altera (eleva) os valores analíticos das transaminases (ALT / SGGPT AST / SGOT) e da fosfatase alcalina no sangue.Antagoniza com eritromicina e ocorre resistência cruzada quando co-administrado com clindamicina.Ele também interage com os seguintes medicamentos ou componentes:

  • Clorofórmio
  • Ciclopropano
  • Enflurano
  • Halothane
  • Isoflurano
  • Metoxiflurano
  • Tricloroetileno
  • Canamicina e Novobiocin
  • Eritromicina

Finalmente, a absorção da lincomicina é reduzida se for administrada em conjunto com redutores da motilidade intestinal ou antidiarreicos absorventes; portanto, é recomendável evitar a ingestão de alimentos ou bebidas de duas horas antes a duas horas após o uso do medicamento.

A ingestão de bebidas alcoólicas juntamente com este antibiótico aumenta o risco de efeitos colaterais.

Efeitos secundários

Como qualquer medicamento, a lincomicina pode causar certas reações adversas que podem ocorrer com mais ou menos frequência em cada paciente, variando de muito frequentes (mais de 1 em 10 pacientes), frequentes (1-10 em 100 pacientes) infreqüentes ( 1-10 de cada 1000 pacientes), raro (1-10 de cada 10.000 pacientes) e muito raro (menos de 1 de cada 10.000 pacientes).

Algumas dessas reações adversas podem ser:

  • Gastrointestinal : náusea e vômito; glossite, estomatite, dor abdominal, diarréia persistente e / ou colite e prurido anal. Esofagite no caso de administração oral do medicamento.
  • Hematopoiético : neutropenia, leucopenia, agranilocitose e púrpura trombocitopênica. Em alguns casos isolados, foram relatados anemia aplástica e paitopenia, nos quais não foi possível descartar a lincomicina como agente causador.
  • Hipersensibilidade : edema angioneurótico, doença sérica e anafilaxia. Casos raros de eritema multiforme e síndrome de Stevens-Johnson.
  • Pele e mucosas : prurido, erupção cutânea, urticária, vaginite e casos raros de dermatite esfoliativa e vesícula bolhosa.
  • Hepático : icterícia e anormalidades nos testes de função hepática. Não foi estabelecida uma relação entre possíveis distúrbios funcionais do fígado e lincomicina.
  • Renal : casos raros de elevação da uréia, oligúria e proteinúria; Nenhuma relação causal foi estabelecida com o uso da lincomicina.
  • Cardiovascular : hipotensão e casos raros de parada cardiorrespiratória; ambas as reações em casos de administração parenteral rápida ou pouco diluída (intramuscular ou intravenosa).
  • Sobre os sentidos : Zumbido (solavancos ou sons dentro do ouvido) e ocasionalmente vertigem.
  • Reações localizadas : irritação, dor e formação de abscesso na administração intramuscular ou tromboflebite no local da injeção.

Embora os efeitos colaterais geralmente ocorram no momento da administração do medicamento, em alguns casos, eles podem ocorrer várias semanas após a interrupção do tratamento.

Apresentações e usos

A lincomicina pode ser apresentada em cápsulas (500 mg) e ampolas injetáveis ​​(600 mg / 2 ml por via intramuscular ou intravenosa).

  • Uso intramuscular : adultos 600mg / 2ml a cada 12-24 horas, dependendo da gravidade do caso. Crianças com mais de um mês: 10 mg / kg a cada 12-24 horas, dependendo da gravidade do caso.
  • Uso intravenoso : adultos e crianças, diluídos como infusão em uma concentração determinada pelo médico, dependendo da gravidade do caso.
  • Uso subconjuntival : para o tratamento de infecções oculares, 75 mg / dose.
  • Uso oral : adultos 1 cápsula de 500 mg 3 ou 4 vezes ao dia, dependendo da gravidade do caso.
  • Crianças com mais de um mês : 3060 mg / kg / dia divididas em 3 ou 4 doses, dependendo da gravidade do caso.
  • Doentes com compromisso renal : devem tomar doses proporcionalmente mais baixas deste medicamento.
Relacionado:  Candida Albicans: Benefícios, Doenças, Tratamentos

Dicas

Como a maioria dos antibióticos, é aconselhável concluir o tratamento indicado pelo médico, mesmo que os sintomas da doença para a qual foram prescritos tenham diminuído ou desaparecido completamente.

Isso se torna muito mais importante no caso de tratamento para infecção estreptocócica; Problemas cardiológicos graves podem se desenvolver a médio ou longo prazo, se a infecção não tiver sido completamente curada.

Também é importante cumprir a periodicidade na ingestão ou aplicação do medicamento, uma vez que funciona melhor quando há uma quantidade constante no sangue. Se uma dose é esquecida, deve ser tomada o mais rápido possível.

No entanto, não é aconselhável dobrar a dose no caso de um esquecimento mais longo. Nestes casos, é aconselhável que passem 2 a 4 horas entre a dose esquecida e a próxima.

Se qualquer reação alérgica ou anormalidade for observada após a administração do medicamento, seu uso deve ser interrompido imediatamente e consulte o médico.

Pesquisa e outras aplicações

Um experimento em ratos realizado no Brasil concluiu que o uso de lincomicina tópica é eficaz no reparo ligamentar periodontal e na restauração da articulação dentoalveolar, além de reduzir a inflamação nos casos de reimplantes dentários.

Utilizada na medicina veterinária, a lincomicina demonstrou ser eficaz no controle de doenças respiratórias em suínos e na promoção do crescimento, principalmente na fase inicial do suíno.

Também foi utilizado com sucesso em casos superficiais não complicados de pioderma canino, uma das dermopatias mais frequentes em cães.

O uso da lincomicina provou ser altamente eficaz no tratamento de amigdalite aguda e sinusite aguda.

Referências

  1. Propriedade editorial da monografia de Vidal Vademecum (2016). Recuperado de vademecum.es.
  2. Lincomicina: informação para os pacientes. Recuperado de medizzine.com.
  3. Embora no antibiograma o Shigella que produz disenteria bacilar pareça ser resistente à lincomicina, em muitos casos ele provou ser eficaz devido aos altos níveis encontrados no conteúdo intestinal.
  4. Nascimento, Dias e outros (2009). Efeito do tratamento com lincomicina da superfície radicular no reimplante dentário: um estudo em ratos. Recuperado de revistaseletronicas.pucrs.br.
  5. Salleras JM (1987). Efeitos da lincomicina no controle das doenças respiratórias dos suínos. Instituto Nacional de Pesquisa e Tecnologia Agropecuária e Alimentar (INIA). Recuperado de agris.fao.org.
  6. Rejas López Jy outros (1998) Pyoderma Canina Qual antibiótico usar? Pequenos animais. 22-31. Recuperado de agrovetmarket.com.
  7. Montiel, Rodríguez e Oñate (1985). Eficácia da lincomicina no tratamento da amigdalite aguda. Recuperado de bases.bireme.br.
  8. Suáres, Suáres, Uriol e Mercado (1992) Estudo comparativo da eficácia de dois regimes de lincomicina no tratamento de sinusite aguda. Recuperado de bases.bireme.br.

Deixe um comentário