Literatura da Independência da Colômbia: história, temas

A literatura da Independência da Colômbia refere-se às obras literárias produzidas durante o período de luta pela independência do país, que ocorreu entre os séculos XVIII e XIX. Neste contexto, os escritores colombianos abordaram temas como patriotismo, liberdade, justiça social, identidade nacional e resistência contra o domínio espanhol. A literatura da Independência da Colômbia desempenhou um papel importante na formação da consciência nacional e na mobilização da população em prol da independência, deixando um legado cultural significativo para o país.

Resumo sobre o processo de independência da Colômbia: fatos importantes e desdobramentos históricos.

A independência da Colômbia foi um processo marcado por diversos eventos importantes e desdobramentos históricos. Iniciada em 1810, a luta pela independência do domínio espanhol foi liderada por figuras como Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander.

Um dos fatos mais significativos desse processo foi a Batalha de Boyacá, em 1819, onde as tropas colombianas lideradas por Bolívar conseguiram uma vitória decisiva sobre as forças espanholas. Esse evento marcou o fim do domínio espanhol na região e a consolidação da independência da Colômbia.

Após a independência, a Colômbia enfrentou diversos desafios, como as lutas internas pelo poder e a instabilidade política. Esses desdobramentos históricos foram retratados em diversas obras literárias que abordavam temas como a busca pela liberdade, a luta pela justiça e a construção de uma identidade nacional.

Autores como Jorge Isaacs e Tomás Carrasquilla exploraram em suas obras os dilemas e conflitos vividos pelos colombianos durante esse período conturbado. Suas obras refletiam a realidade social e política da época, contribuindo para a construção de uma memória coletiva sobre a independência da Colômbia.

Principais marcos históricos que moldaram a Colômbia ao longo dos séculos.

A Colômbia, um país com uma rica história marcada por diversos eventos que moldaram sua identidade ao longo dos séculos, teve sua independência conquistada em 1810, após séculos de domínio colonial espanhol. Esse marco histórico foi crucial para a formação do país e influenciou diretamente a literatura produzida nesse período.

Outro momento importante na história da Colômbia foi a Guerra dos Mil Dias, um conflito civil que ocorreu entre 1899 e 1902 e teve um impacto significativo na sociedade colombiana. Esse evento também deixou marcas na produção literária do país, refletindo as tensões e conflitos vivenciados pela população.

A ditadura de Gustavo Rojas Pinilla, que governou a Colômbia entre 1953 e 1957, foi mais um marco histórico que influenciou a literatura colombiana da época. O regime autoritário restringiu a liberdade de expressão, levando os escritores a explorarem temas de resistência e luta pela democracia em suas obras.

A violência e o narcotráfico, que assolaram a Colômbia nas décadas seguintes, também tiveram um impacto profundo na literatura do país. Autores como Gabriel García Márquez abordaram essas questões em suas obras, retratando a realidade colombiana de forma crua e impactante.

Em resumo, a história da Colômbia é marcada por uma série de eventos que moldaram sua identidade e influenciaram a produção literária do país ao longo dos séculos. A luta pela independência, os conflitos internos, as ditaduras e as questões sociais são temas recorrentes na literatura colombiana, refletindo a complexidade e a diversidade da sociedade colombiana.

Conheça a história da Colômbia: fatos, acontecimentos e principais momentos do país sul-americano.

A história da Colômbia é marcada por uma série de eventos importantes que moldaram o país ao longo dos séculos. Desde a chegada dos espanhóis no século XVI até a luta pela independência no século XIX, a Colômbia passou por diversas transformações que influenciaram sua cultura, política e sociedade.

Relacionado:  +1000 Palavras com Ja Je Ji Jo Ju

Um dos momentos mais significativos da história colombiana foi a luta pela independência do domínio espanhol. Figuras importantes como Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander lideraram movimentos de resistência que culminaram na independência do país em 1819. Esse período de lutas e conflitos foi crucial para a formação da identidade nacional colombiana e ainda hoje é lembrado com orgulho pelos colombianos.

Além dos aspectos políticos e sociais, a história da Colômbia também influenciou a sua produção literária. Durante o período da independência, surgiram obras que refletiam os ideais e as lutas da época. Temas como liberdade, justiça e nacionalismo eram frequentes nas obras dos escritores colombianos da época.

A literatura da independência da Colômbia é um reflexo do momento histórico do país, retratando as dificuldades e os desafios enfrentados pelos colombianos na luta pela liberdade. Essas obras são importantes não apenas como registros históricos, mas também como fontes de inspiração para as gerações futuras.

Em resumo, a história da Colômbia é repleta de fatos e acontecimentos que moldaram o país ao longo dos séculos. A literatura da independência reflete esses momentos históricos, trazendo à tona temas e questões fundamentais para a compreensão da identidade colombiana.

Grupos sociais que participaram da independência da Colômbia: quem foram?

A independência da Colômbia foi um processo marcado pela participação de diversos grupos sociais que buscavam se libertar do domínio espanhol. Entre os principais atores dessa luta estavam os criollos, os mestizos, os indígenas e os escravos.

Os criollos, descendentes dos colonizadores espanhóis nascidos na América, desempenharam um papel fundamental na organização e liderança dos movimentos independentistas. Eles buscavam mais autonomia política e econômica em relação à metrópole.

Os mestizos, por sua vez, eram filhos de espanhóis com indígenas ou africanos, e representavam uma parcela significativa da população colombiana. Eles também se mobilizaram em prol da independência, lutando por igualdade de direitos e oportunidades.

Os indígenas, historicamente marginalizados e explorados, viram na independência uma oportunidade de reivindicar suas terras e sua cultura. Muitos deles se uniram aos movimentos insurgentes e contribuíram com suas habilidades e conhecimentos para a causa.

Por fim, os escravos, que sofriam com a cruel realidade da escravidão, também participaram ativamente da luta pela independência. Muitos deles se rebelaram contra seus senhores e se juntaram às fileiras dos exércitos libertadores.

Esses diferentes grupos sociais, apesar de suas diferenças e desafios, uniram forças em prol de um objetivo comum: a conquista da liberdade e da autodeterminação para a Colômbia. Seus esforços e sacrifícios foram essenciais para o desfecho vitorioso desse importante capítulo da história do país.

Literatura da Independência da Colômbia: história, temas

A literatura da independência da Colômbia é o conjunto de obras literárias produzidas no âmbito do processo de independência do vice-reinado de Nova Granada durante o século XIX. Isso significou uma mudança substancial em relação à literatura neogranadina do século anterior.

Durante o domínio espanhol, os principais temas foram narrativas de conquista, crônicas das Índias, devoção religiosa e temas de amor. Nesse sentido, uma amostra dessa literatura é a obra de Juan de Castellanos (1522-1607).

Literatura da Independência da Colômbia: história, temas 1

Rafael Pombo, representante da literatura da Independência Colombiana

Uma de suas obras tem a distinção de ter sido o poema mais longo já escrito em espanhol. A obra Elegias de Varones Ilustres de Indias (1588) fez uma crônica detalhada da colonização do Caribe e dos territórios agora ocupados pela Colômbia e Venezuela.

Durante a independência colombiana , a maioria dos escritores colombianos tomou partido das idéias de liberdade. A literatura da independência da Colômbia foi fortemente influenciada pelas motivações políticas que prevaleceram naquele período. Os escritores se tornaram muito apaixonados e emocionais.

Por outro lado, um grupo de intelectuais começou a tomar consciência da riqueza existente em sua terra natal. Esse aumento de consciência fez com que seu nacionalismo fosse reafirmado. Ele também alimentou neles a necessidade de transformar a situação econômica e social de sua nação.

Origem e História

Primeiros elevadores

A partir de 1810, os primeiros levantes contra o domínio colonial imposto pela Espanha começam a ocorrer na América Latina. Esses movimentos tomaram forma no meio de um ambiente de liberalidade motivado por fatos que os sustentam.

Entre eles, destacam-se a promulgação da Constituição Americana (1787), a Revolução Francesa (1789-1799) e as Cortes de Cádis (1810-1814). Entre 1811 e 1825, todas as colônias espanholas na América (com exceção de Cuba e Porto Rico) declaram sua independência.

Reconquista e os ditadores

Posteriormente, com o retorno de Fernando VII ao trono em 1813 e a restauração do absolutismo espanhol (1814-1820), os exércitos espanhóis se lançaram na reconquista dos territórios rebeldes. Em todas as colônias americanas, o autoritarismo e o controle do ferro foram impostos como uma maneira de restaurar a ordem.

Isso resultou no surgimento de uma nova figura política e literária que foi chamada de “ditador sul-americano”. Neste personagem todas as armas, armas de guerra e literárias foram desenhadas.

A partir desses fatos, uma má imagem da Espanha começou a ser forjada na consciência dos americanos. A visão de uma nação espanhola fanática e intolerante tomou forma em contraste com uma América iluminada e sonhadora.

Durante a primeira metade do século XIX, esses sentimentos de liberdade e rejeição em relação à Espanha deram lugar à literatura sobre a independência da Colômbia, em particular, e da América Latina, em geral.

Nessa nova visão literária, a escrita, a sociedade e a política estavam intimamente relacionadas. Dessa maneira, os escritores mostraram sua preocupação em destacar os aspectos costumeiros da realidade. Da mesma forma, eles usaram a arte literária para fazer uma crítica social e moral ao seu entorno.

Temas abordados na literatura de independência da Colômbia

Sentimentos de patriotismo e libertação

O início dos movimentos de independência promoveu a ascensão do espírito patriótico e libertador nas colônias americanas. Esses movimentos foram expressos através do mainstream na época: neoclassicismo hispânico-americano.

A literatura de independência colombiana não escapou dessa influência. Essa corrente literária foi caracterizada por uma poesia que cantava as belezas naturais do Novo Continente.

Esperança e progresso

Gradualmente, e graças aos contatos culturais com a Inglaterra e a França, há uma transição para os temas do romantismo . Essa corrente dominou a paisagem literária da Colômbia e da América Latina até o final do século XIX.

Os românticos hispano-americanos mostraram uma tendência a ver um futuro cheio de esperança e progresso após o processo de independência. Eles não olhavam para o passado com ar sentimental como seu equivalente europeu. Em vez disso, eles se concentraram nos desafios futuros que seu novo status como pessoas livres traria.

Romantismo social

O primeiro estágio do romantismo hispano-americano ficou conhecido como romantismo social (1830-1860). Nesse estágio, as lutas pela independência geraram uma produção literária acesa, impetuosa e marcante corante político. Através deles, a liberdade individual foi exaltada diante da opressão dos governantes.

Relacionado:  Literatura persa: características, autores e obras

-Romanticismo sentimental

Então, quando a ordem e o progresso começam a se instalar na América, o Romantismo sentimental (1860-1890) aparece. A literatura então se torna subjetiva. Isso recupera sua pureza original e canta para a beleza. Os autores deixaram de lado as relações dessa beleza com o mundo real e seus problemas.

Reflexão dos costumes e tradições locais

Finalmente, há uma fusão com outro movimento literário. Isso começou em meados do século XIX, sob a influência do realismo espanhol.

Esse movimento era conhecido como costumbrismo. Com esse gênero, procuramos refletir os costumes e tradições locais.

Caracteristicas

Rebelião

Todas as características da literatura de independência colombiana convergem para uma faceta rebelde. Os tópicos de fala escritos para discursos foram eloquentes.

A maioria deles pretendia expor doutrinas políticas relacionadas ou antagônicas ao pensamento do orador.

Nacionalismo

Da mesma forma, os textos das diferentes expressões literárias estavam impregnados de um nacionalismo exacerbado. A palavra escrita moldou uma idéia de nação.

Aparece uma linguagem nacionalista que fala da liberdade, igualdade e direitos dos crioulos, mestiços e negros do vice-reinado de Nova Granada. O jornalismo aumentou e as pessoas começaram a falar contra o espanhol.

Desse modo, a razão de ser da atividade literária do estágio pré-independência é transformada. Passa de exaltar a beleza, a bondade, os sentimentos religiosos e as descobertas científicas, para ser o veículo de propagação do pensamento político e social.

As idéias de direitos humanos , criadas a partir da Revolução Francesa, têm precedência. Você começa a falar sobre as necessidades do homem.

Exploração da natureza

Também durante esse período, a literatura de independência colombiana também atinge as ciências naturais. A geografia colombiana continua a ser explorada intensivamente neste momento.

Novas pesquisas sobre flora, fauna e meio ambiente começam. Os resultados dessas expedições de pesquisa geram escritos nos quais a sensibilidade do autor na descrição de biossistemas excede a fria realidade científica.

Trabalhos e autores

Rafael Pombo (1833-1912)

Hélice de uma poesia que reflete um sentimento de ceticismo e desesperança, típico do espírito romântico mais genuíno. A hora da escuridão nasceu de sua inspiração (1855).

José Joaquín Ortiz (1814-1892)

Ele deu vida a um movimento que criava poesia de maneira clássica e espírito romântico. De sua caneta, ele deixou o primeiro romance romântico da literatura colombiana, María Dolores (1863).

Julio Arboleda (1817-1862)

Um dos poetas românticos mais importantes da Colômbia e autor do poema épico Gonzalo de Oyón (1883).

José Eusebio Caro (1817-1853)

O poeta mais representativo do romantismo colombiano . Ele é o autor de poemas carregados de sentimentos de melancolia como Estar com você (1857).

Eugenio Díaz (1804-1865)

Escritor do gênero de maneiras. Seu trabalho principal foi Manuela (1858).

Jorge Isaacs (1837-1895)

Outro renomado escritor de costumbrismo. Sua obra-prima foi Maria (1867).

Artigos de interesse

Literatura de Descoberta e Conquista na Colômbia .

Referências

  1. Don Quixote. (s / f). Literatura colombiana Retirado em 16 de fevereiro de 2018, de donquijote.org.
  2. Caputo, L.; Newton, P. e McColl, R. (2008). Colômbia Viva guias de viagem. Rede Viva Publishing.
  3. Velasco, S. (s / f). História e antologia da literatura latino-americana. Recuperado em 16 de fevereiro de 2018, em linguasport.com.
  4. Pegada. (s / f). Literatura colombiana Recuperado em 16 de fevereiro de 2018, em footprinttravelguides.com.
  5. Menton, S. (1994). Literatura colombiana Em AJ Arnold, J. Rodríguez e JM Dash (editores), A History of Literature in the Caribbean: regiões hispânicas e francófonas, pp. 54-74. Amsterdã: John Benjamins Publishing.

Deixe um comentário