Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras

A literatura moderna é uma corrente literária que surgiu no final do século XIX e se estende até os dias atuais, marcando uma ruptura com as tradições e estilos literários anteriores. Caracterizada pela experimentação formal, linguagem mais coloquial e temáticas mais próximas da realidade contemporânea, a literatura moderna reflete as transformações sociais, políticas e culturais do mundo moderno. Neste contexto, diversos autores se destacaram, como James Joyce, Virginia Woolf, Franz Kafka, Fernando Pessoa, Clarice Lispector, entre outros, produzindo obras que se tornaram referências no cenário literário mundial. Neste artigo, exploraremos a história, características, autores e obras da literatura moderna, destacando sua importância e influência na literatura contemporânea.

Principais características, autores e obras do modernismo: um panorama completo da literatura modernista.

O modernismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no início do século XX, marcando uma ruptura com as tradições e estilos anteriores. Caracterizado pela experimentação, inovação e busca por novas formas de expressão, o modernismo influenciou profundamente a literatura de diversos países ao redor do mundo.

Entre as principais características do modernismo estão a fragmentação da narrativa, a subjetividade, a linguagem coloquial, o uso de técnicas como o fluxo de consciência e a intertextualidade. Os autores modernistas buscavam romper com as convenções literárias e explorar novas temáticas, como a alienação, a crise de identidade e a incerteza do mundo moderno.

Alguns dos principais autores do modernismo incluem James Joyce, autor de obras como “Ulisses”, Virginia Woolf, autora de “Mrs. Dalloway”, e T.S. Eliot, poeta conhecido por “A Terra Desolada”. Esses escritores revolucionaram a literatura com suas experimentações formais e temáticas inovadoras, influenciando gerações posteriores de escritores.

Além dos autores mencionados, o modernismo também foi marcado por obras como “A Metamorfose”, de Franz Kafka, “O Grande Gatsby”, de F. Scott Fitzgerald, e “Ensaio sobre a Cegueira”, de José Saramago. Essas obras refletem a diversidade e a riqueza do movimento modernista, que se manifestou de diferentes formas em diferentes contextos culturais.

Em resumo, o modernismo foi um movimento literário que marcou uma ruptura com as tradições e influenciou profundamente a literatura mundial. Com suas características inovadoras, autores renomados e obras icônicas, o modernismo continua a ser uma fonte de inspiração e reflexão para escritores e leitores até os dias atuais.

Principais aspectos do modernismo: uma análise das características mais marcantes na arte e literatura.

O modernismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no final do século XIX e se estendeu até meados do século XX. Caracterizado pela ruptura com as formas tradicionais de expressão, o modernismo trouxe uma nova maneira de pensar e criar na arte e na literatura.

Na literatura, o modernismo se manifestou através de uma linguagem inovadora, muitas vezes fragmentada e experimental. Os autores modernistas buscavam romper com as convenções estabelecidas, explorando temas como a alienação, a crise de identidade e a fragmentação da realidade.

Entre os principais aspectos do modernismo na literatura, destacam-se a subjetividade, a fragmentação narrativa, a experimentação formal e o uso de técnicas como o fluxo de consciência e a colagem. Autores como James Joyce, Virginia Woolf, Fernando Pessoa e Guimarães Rosa são exemplos de escritores que contribuíram significativamente para o movimento modernista.

Na arte, o modernismo também se caracterizou pela busca por uma nova estética, marcada pela abstração, pela geometria e pela valorização da forma e da cor. Artistas como Pablo Picasso, Wassily Kandinsky e Piet Mondrian foram figuras importantes do movimento modernista, que influenciou profundamente a arte do século XX.

Em resumo, o modernismo foi um movimento que revolucionou a arte e a literatura, trazendo uma nova forma de expressão e questionando as tradições estabelecidas. Suas características mais marcantes, como a experimentação formal, a subjetividade e a fragmentação, continuam a influenciar a produção artística e literária até os dias de hoje.

Autores e obras da 1ª fase do modernismo: quem são os principais representantes e suas produções.

O modernismo foi um movimento literário que surgiu no início do século XX, marcando uma ruptura com as tradições literárias anteriores. Na primeira fase do modernismo no Brasil, destacaram-se diversos autores e obras que contribuíram significativamente para a literatura brasileira.

Entre os principais representantes dessa fase, podemos citar Mário de Andrade, com sua obra Macunaíma, um dos romances mais importantes da literatura brasileira, que mistura elementos da cultura popular com técnicas modernistas de escrita. Outro autor de destaque é Oswald de Andrade, com o manifesto Manifesto Antropófago, que propunha uma nova forma de se relacionar com a cultura estrangeira, devorando-a e transformando-a em algo próprio.

Além de Mário de Andrade e Oswald de Andrade, outros autores importantes da primeira fase do modernismo incluem Manuel Bandeira, com sua obra poética marcada pela simplicidade e sensibilidade, e Cassiano Ricardo, com seus poemas que exploram temas sociais e políticos da época.

Em resumo, a primeira fase do modernismo no Brasil foi marcada pela diversidade de estilos e temáticas, com autores que buscavam romper com as tradições literárias e explorar novas formas de expressão. Suas obras continuam sendo estudadas e apreciadas até os dias de hoje, contribuindo para enriquecer o cenário literário brasileiro.

Relacionado:  Os 13 personagens de La Celestina e suas características

Principais autores da Arte Moderna: quem foram os escritores mais influentes nesse movimento?

A Literatura Moderna foi marcada por uma série de escritores influentes que contribuíram significativamente para o movimento. Alguns dos principais autores da Arte Moderna incluem Virginia Woolf, James Joyce, Franz Kafka, T.S. Eliot e Marcel Proust.

Virginia Woolf, conhecida por suas obras inovadoras e experimentais, como “Mrs. Dalloway” e “To the Lighthouse”, foi uma das vozes mais importantes da literatura moderna. Seu estilo de escrita único e sua abordagem inovadora da narrativa a tornaram uma figura central no movimento.

James Joyce, autor de “Ulisses”, é outro escritor que teve um impacto significativo na literatura moderna. Sua técnica narrativa complexa e sua exploração profunda da psique humana o tornaram uma figura influente no cenário literário do século XX.

Franz Kafka, autor de “A Metamorfose” e “O Processo”, é conhecido por suas narrativas surrealistas e existencialistas. Sua escrita distinta e seus temas perturbadores fizeram dele uma figura proeminente na literatura moderna.

T.S. Eliot, famoso por seus poemas como “The Waste Land” e “The Love Song of J. Alfred Prufrock”, foi uma figura central no movimento modernista. Sua poesia inovadora e sua abordagem única da linguagem o tornaram uma influência duradoura na literatura.

Marcel Proust, autor de “Em Busca do Tempo Perdido”, é conhecido por sua prosa complexa e sua exploração da memória e da percepção. Sua obra monumental é considerada uma das maiores realizações da literatura moderna.

Esses autores, juntamente com muitos outros, ajudaram a moldar a literatura moderna e a definir o que significa ser um escritor na era contemporânea. Seus trabalhos continuam a inspirar gerações de leitores e escritores até os dias de hoje.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras

Nicolás Bravo (1786-1854) era um soldado e ex-presidente do México, pertencente a uma das famílias crioulas mais ricas durante o período de independência do México. Ele foi um dos heróis da independência de seu país e viveu os estágios mais importantes de sua consolidação como nação soberana até sua morte em 1854.

Ele atuou como presidente do México em três ocasiões, começando sua primeira etapa no final da década de 1830 e culminando na sua última em 1846. Sua presidência foi marcada pela luta contra as disposições de Santa Anna.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras 1

Por José Inés Tovilla (Arma Tu Historia (Primária II)) [Domínio público ou Domínio público], via Wikimedia Commons

Ele era um soldado corajoso e justo com seus inimigos. Depois de se aposentar da vida militar (após sua presidência), ele decidiu retornar brevemente às armas durante a guerra entre o México e os Estados Unidos.

Ele ocupou outros cargos políticos durante sua vida: foi vice-presidente de Guadalupe Victoria em 1824 e Mariano Paredes em 1846. Ele foi chefe de duas províncias durante sua carreira política e altos cargos do poder executivo mexicano.

Biografia

Primeiros anos

Nicolás Bravo Rueda nasceu em Chichigualco, em 10 de setembro de 1786. Era o único filho de uma família crioula com grandes possibilidades econômicas.

Seu ambiente de educação sempre teve como principal protagonista as palavras negativas contra a coroa espanhola, como resultado do manuseio brutal da colônia da Nova Espanha .

Seu pai era Leonardo Bravo, um exército mexicano que apoiava o movimento insurgente contra as forças da coroa espanhola desde o seu início. Sua mãe, uma mulher com ideais liberais, também estava do lado de Leonardo Bravo durante a revolta contra a Espanha.

Quando o pai de Nicolás Bravo se alistou nas fileiras do exército insurgente, em 1810, Nicolás ainda era jovem. No entanto, ele decidiu seguir os passos de seu pai e se juntar ao movimento insurgente.

Seu pai foi designado para uma unidade militar, que ficou sob seu comando. Nicolás juntou-se às forças de seu pai.

Vida militar

Logo após ingressar no exército em 1810, ele foi designado para o comando de Morelos em 1811. Esse comando foi liderado por Hermenegildo Galeana, um dos líderes do levante pró-independente da região. Galeana posteriormente se tornou um dos heróis da independência mexicana.

Suas primeiras ações militares ocorreram principalmente entre sua cidade natal e Morelos. Ele liderou uma ofensiva para tomar Chichigualco e acabar com o domínio espanhol da região. Ele também travou várias batalhas em Morelos, sob o comando de Galeana.

Esses movimentos militares foram combinados com outras ofensivas da independência em vários estados mexicanos, particularmente na cidade crucial de Veracruz.

Reputação

Nicolás Bravo era um soldado corajoso, que raramente agia com malícia militar. Isso se refletiu repetidamente em suas ações no campo de batalha. Um evento que marcou sua vida como militar e melhorou infinitamente sua reputação no exército local, foi a captura de seu pai.

Relacionado:  Rosario Castellanos: biografia, estilo, obras e frases

O vice-rei da Nova Espanha, em 1812, capturou seu pai durante uma batalha. Em troca de sua liberdade e perdão, ele exigiu que Nicolás Bravo se rendesse às tropas da Espanha. Embora Bravo também tenha sido perdoado, as ameaças do vice-rei denotavam intenções espanholas na região.

Bravo tinha no controle uma guarnição de 300 soldados espanhóis, que haviam caído prisioneiros após uma das batalhas em agosto do mesmo ano.

O vice-rei da Nova Espanha decidiu executar o pai de Bravo. No entanto, ele decidiu libertar as tropas espanholas para demonstrar a diferença entre a causa do patriota e as ações do vice-rei.

A brilhante ação de Bravo fez com que várias tropas espanholas se juntassem à causa local. Sua reputação como comandante, por sua vez, aumentou estratosférica.

Lute pela independência

Durante grande parte do movimento insurgente da década de 1810, Bravo lutou pelas forças de José María Morelos . Morelos havia sido um dos líderes mais emblemáticos da independência, que assumiu o poder do movimento após a morte do padre Hidalgo, no início da década da independência.

Após a captura e controle de Chilapa, foi acordado criar um Congresso para nomear um novo presidente do México. Com a formação do “ Congresso Chilpancingo ”, a decisão tomada foi que Morelos, líder dos insurgentes, se tornaria o novo presidente do país.

No Congresso de Chilpancingo, foi elaborado o famoso documento mexicano “Sentimentos da Nação”, onde foram estabelecidas todas as diretrizes fundamentais que o México seguiria assim que a independência fosse estabelecida.

O documento geral que foi escrito, que serviu como uma espécie de constituição, declarou a independência do México, a divisão de poderes e a rejeição da ordem monárquica.

Durante o desenvolvimento do novo movimento da organização no México, Bravo nunca decolou das ações políticas e militares dos insurgentes.

Estágio pré-império

Antes da criação do Primeiro Império Mexicano, nas mãos de Agustín de Iturbide , os últimos anos antes da consolidação da independência do México foram marcados por grandes conflitos internos.

Bravo prendeu Ignacio López Rayón por ordem do Conselho de Xauxilla. Rayon havia sido um fiel defensor da criação de uma constituição semelhante à dos Estados Unidos, o que causou descontentamento em líderes insurgentes.

As batalhas continuaram. Ele defendeu a cidade de Cóporo da pressão espanhola por vários meses intermináveis. No entanto, em 1817, ele se aposentou temporariamente das atividades militares para retornar à sua cidade natal.

Ele permaneceu na propriedade de sua família, até que as forças monarquistas o capturaram em 1818. Enquanto lhe foi perdoado, ele se recusou a aceitá-lo. Bravo passou dois anos na prisão, até ser libertado em 1820 por meio de um perdão concedido por um novo governo constitucional.

Plano de Iguala e o Império

Bravo lutou pelo cumprimento do Plano de Iguala , junto com vários líderes do exército da independência e Agustín de Iturbide. Ele subiu das fileiras para se tornar um coronel do exército.

Além disso, ele foi um dos principais defensores da chegada do vice-rei da Espanha para a assinatura do Plano de Iguala, que validava a independência do México.

O estabelecimento do Primeiro Império Mexicano nas mãos de Iturbide não convinha a muitos generais, que buscavam uma república e não uma monarquia. Bravo, juntamente com Vicente Guerrero , liderou um movimento armado que acabou com o mandato do imperador Iturbide.

Bravo foi nomeado membro do Poder Executivo e lutou contra os ideais do embaixador americano Joel Poinsett, que acumulou um grande número de seguidores federalistas e radicais.

De fato, as diferenças entre alguns líderes mexicanos e o embaixador americano eram tão fortes que, em 1827, ele liderou uma rebelião contra Guadalupe Victoria para solicitar a expulsão do embaixador. Naquela época, Bravo era vice-presidente do país, então sua captura significava que ele estava a um passo da morte.

No entanto, o Presidente Victoria perdoou sua vida. Ele foi exilado no Equador por dois anos, até retornar em 1829, depois de receber um perdão do governo.

Caminho para a Presidência

Quando ele voltou ao México, Vicente Guerrero foi nomeado presidente do país; Ele seria o segundo presidente após o final do período de Guadalupe Victoria. No entanto, Anastasio Bustamante – um seguidor fiel das idéias de Bravo – se tornou o vice-presidente do país.

Foi então que a grande divisão que existia na política mexicana entre conservadores e liberais foi demonstrada. Bravo sempre foi um defensor dos conservadores, assim como o vice-presidente Bustamante, mas Guerrero era um liberal firme.

Relacionado:  20 Exemplos de Destaques do Sentido Literal

Uma batalha feroz entre os dois lados eclodiu novamente na continuidade dos eventos anteriores. Os conservadores perderam algumas batalhas, mas a guerra culminou com a vitória das forças de Bravo e o assassinato de Guerrero.

Lucas Alamán chegou à presidência por dois anos, apoiando o partido conservador. Bustamante permaneceu como vice-presidente, e Bravo retirou-se para o sul do México para manter as tropas do exército em alerta. Pouco depois, ele se juntou ao movimento militar de Santa Anna e o acompanhou durante sua derrota no Texas.

Quando Bustamante se aposentou do Congresso, Santa Anna o convocou para ocupar o cargo de presidente daquela instituição em 1839. Bravo aceitou e foi jurado presidente.

No entanto, durou apenas alguns dias no cargo, antes de se aposentar novamente na propriedade de sua família e desaparecer por alguns meses.

Presidência

Em 1842, ele retornou à presidência da República antes que as diferenças do governo com um congresso se voltassem completamente para o lado liberal. Bravo teve que resistir aos avanços do congresso para criar uma nova constituição, mas seu governo foi caracterizado por seus ideais conservadores.

As lutas contra os liberais eram praticamente insustentáveis, então o governo conservador tomou a decisão de encerrar o Congresso liderado pelos próprios liberais.

Para combater a ausência do congresso, foi formada uma reunião especial composta por 80 pessoas. A inauguração desta reunião foi em 1843, e qualquer ação política do então congresso nacional foi completamente anulada.

A liberdade de imprensa foi limitada durante esse período, precisamente para evitar problemas sociais que poderiam surgir de uma decisão do governo.

Essa mudança foi considerada um abalo absoluto dentro do governo conservador e um movimento político para neutralizar os inimigos do regime, acusados ​​de revolucionários.

De volta ao exército

Problemas internos no México fizeram com que Bravo se retirasse do governo, deixando o cargo de presidente do general Santa Anna. Ele voltou a fazer parte dos corpos militares em 1844 para combater os povos indígenas que iniciaram um movimento insurgente contra o governo.

Ele ficou com suas tropas no sul do México durante o governo de Santa Anna, que caiu no final de 1844. Após sua queda, ele foi apontado como um dos altos comandos do exército nacional.

Aliou-se ao general Paredes e obteve como recompensa a responsabilidade de reorganizar o Estado do México (estado mexicano). No entanto, em 1846, ele se relançou como candidato à presidência contra o próprio Paredes.

Ele chegou à vice-presidência, mas quando os americanos invadiram o México, Paredes teve que deixar seu cargo para lutar na guerra. Bravo voltou às suas funções presidenciais, mas era muito difícil governar na ausência de apoio militar e governamental.

A guerra contra os Estados Unidos o levou a pegar em armas novamente, mas o avanço americano foi implacável e resultou em sua captura em 13 de setembro de 1846.

Suas diferenças com Santa Anna cresceram exponencialmente, pois o general o acusou de traição depois de não ter conseguido deter os americanos.

Últimos anos

Seus últimos anos de vida foram marcados pela incerteza de uma morte sem explicação. Após o fim da guerra, ele voltou para sua fazenda em Chilpacingo, onde passou seus últimos anos de vida com sua esposa.

De fato, em 1854, ele foi convidado a voltar às armas para derrubar Santa Anna, que havia retornado à presidência. Bravo recusou, porque sua saúde estava em um estado precário.

Suspeita, ele morreu com sua esposa em 22 de abril de 1854, logo após a execução de seu médico. Embora não haja certeza de uma conspiração, é mais provável que Bravo tenha morrido de envenenamento em sua propriedade.

Trabalhos

Durante seus primeiros meses de mandato contra o congresso liberal, convocou Lucas Alamán para desenvolver um plano que servisse para promover a indústria nacional.

Além disso, a Bravo conseguiu formar em vários estados do país uma série de conselhos responsáveis ​​pela promoção do desenvolvimento industrial em todo o estado mexicano.

Além dos inconvenientes políticos que ocorreram durante seu tempo como governo, Bravo conseguiu iniciar várias infraestruturas e obras sociais no México. Por exemplo, a construção do estreito de Tehuantepec começou.

No campo militar, ele desenvolveu um plano para ampliar o tamanho do exército. Como conseqüência disso, um novo corpo militar foi criado para a defesa do território mexicano.

Referências

  1. Nicolás Bravo – Presidente do México, Encyclopaedia Britannica, 1999. Extraído de britannica.com
  2. Nicolás Bravo Biografia, Site de Biografia, (s). Retirado de biography.com
  3. Biografia de Nicolás Bravo (1764-1854), The Biography, 2018. Extraído de thebiography.us
  4. Nicolás Bravo, The Online Biographical Encyclopedia, 2018. Extraído de biografiasyvidas.com
  5. José María Morelos, A Enciclopédia Biográfica Online, 2018. Extraído de biografiasyvidas.com

Deixe um comentário