Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras

A literatura moderna inclui representações com determinadas características específicas que têm sido desenvolvidos desde o início da escrita Idade Contemporânea (período que se inicia em 1793 com a Revolução Francesa) até hoje, não literatura que se desenvolveu na Idade Moderna ( entre os séculos XV e XVIII).

Alguns colocam o início da literatura moderna no século XVII, em 1616, com a morte dos dois maiores expoentes da literatura mundial: Miguel de Cervantes e Saavedra e William Shakespeare. Diz-se então que as obras desses autores, por sua originalidade, lançaram as bases deste período literário.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras 1

Franz Kafka, escritor expressionista

História

Com o passar dos séculos, as diferentes colonizações e invasões ocorridas no Mediterrâneo deram lugar à distribuição das obras desses grandes e outros excelentes escritores que provaram ter seu próprio estilo de escrita, afastando-se das manifestações literárias anteriores.

Da Inglaterra e da Espanha eles se espalharam, fascinando cada novo escritor ávido de porto. A visão individual do mundo passou a ter mais força, gerando obras que se tornaram clássicas da literatura mundial, representando também um recurso histórico em que se apóia a riqueza descritiva que possuem.

Daqui resulta que a literatura moderna responde à estética e ao conteúdo (aos tópicos, escopo e oposição aos precedentes) das obras literárias, e não a uma cronologia específica. Portanto, em cada parte do planeta pode-se sentir um começo diferente, como na data da produção da literatura moderna.

De acordo com o contexto de produção que condicionou os escritores, os trabalhos resultaram. Situações pessoais, econômicas, históricas e políticas desempenharam um papel crucial na elaboração de diferentes textos em diferentes gêneros.

Isso permitiu o nascimento de vários movimentos nesse período literário, com diferentes nuances que lhe deram mais vida.

Principais movimentos na literatura moderna

Romantismo literário

Esse movimento literário foi desenvolvido no final do século XVIII, tendo como bandeira principal a liberdade de estar em suas diferentes facetas da vida.

Nasceu para se opor ao neoclassicismo e dar ao homem as ferramentas necessárias para permitir sua emancipação política, artística e pessoal, e viver de acordo com sua percepção das coisas. Além disso, ele rejeitou a razão como fundamento da vida e colocou o sonho e o sentimento individual como prioridades na produção escrita.

Quando o romantismo começou a dar lugar às mudanças estruturais das sociedades, deu lugar a uma série de correntes consideradas derivadas. Abaixo estão estes e seu significado.

Parnasianismo literário

Esse movimento literário nasceu no início do século XIX e tinha como premissa principal “arte para arte”.

Simbolismo literário

Essa corrente literária se desenvolveu entre os séculos XIX e XX. Parecia uma contraparte do aprendizado repetitivo, que ele descreveu como doutrinação, de cadeias que sustentam o ser. Ele também se opôs à objetividade, referindo-se à realidade geral como a soma das percepções individuais dos seres.

Decadentismo literário

Este movimento nasceu como uma contrapartida do Parnasianismo, desenvolvido entre os séculos XIX e XX. Ele derrubou toda a percepção estética relacionada à “arte por arte”, mostrando indiferença a falsos moralismos.

Ele apresentou uma produção literária livre, enraizada no indivíduo, na sensibilidade do ser, nos cantos mais sombrios da mente humana.

Realismo literário

O realismo literária apareceu como oposto ao romantismo, considerou-se em bruto e personalismos sobrecarregado. Além disso, ele apresentou um tédio em relação à irreverência e à suposta liberdade que isso trouxe.

O realismo literário tinha um caráter puramente descritivo e se apoderou das posições e ideais políticos da esquerda. Sua abordagem costumava ser extremista. Ele apresentou uma clara oposição a tudo o que representava religião e domínio das massas através de dogmas, porque eram consideradas prisões da consciência humana.

Entre seus modos mais representativos de expressão literária estão o romance psicológico e o romance social. Nestas, considera-se cuidadosamente como os indivíduos entrelaçam realidades de perspectivas subjetivas e como estas, através de intrincados acordos de convivência, deram lugar às sociedades e suas regras.

Também tem sido comum a presença de romances tradicionais dentro da corrente realista. Eles seguem os mesmos preceitos, apenas que as realidades que descrevem estão sujeitas a ambientes bem definidos, tanto espacial quanto culturalmente.

Naturalismo

O naturalismo é uma consequência de realismo. Ele apareceu para dar razão e voz às pinturas que são apresentadas diariamente na vida das sociedades. Ele descreveu detalhadamente vandalismo, prostituição, miséria, crianças abandonadas e o silêncio cúmplice de instituições diante de crimes, para falar de alguns pontos.

Ataca radicalmente as instituições religiosas e as expõe como parte do problema com suas doutrinas e gestão de massa. Esse movimento é extremista, sua bandeira é a queixa, expondo as feridas da sociedade para se concentrar na cura ou no apodrecimento.

Modernismo literário

O modernismo literário tem as suas raízes na América Latina. Originou-se no final do século XIX. Sua abordagem principal busca falar sobre o que é vivido no momento histórico, mas afastando qualquer senso de pertencer a uma cultura específica.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras 2

Rubén Darío, escritor modernista

Por essa corrente, o homem se torna um sujeito universal que cria todo o seu conhecimento. Essa tendência literária procurava romper com a estética imposta pelo romantismo e tudo o que dela derivava. A revolução do pensamento foi o norte franco a seguir.

Vanguarda literária

A vanguarda literária também apareceu como contrapartida do modernismo e apontou para a inovação, partindo de ser criadora de realidades. Além disso, coloca o sonho como um mundo de infinitas possibilidades no que diz respeito à produção literária.

A vanguarda literária procura renovar a sociedade a partir de seus fundamentos, acabar com dogmas, imposições e apostar no indivíduo para si e para si mesmo, como o cerne das coisas, a razão da existência.

Em seu discurso, ele aponta para a liberdade de expressão e a desordem dos parâmetros usuais com os quais o sistema submeteu indivíduos.

O impacto da vanguarda foi tal que resultou em uma série de movimentos literários alternativos em todo o mundo. A facilidade de comunicação no início do século XX e os avanços no campo dos transportes aumentaram a disseminação de idéias em todo o plano, gerando uma efervescência criativa como nenhuma outra.

As vanguardas resultantes são apresentadas abaixo:

Impressionismo literário

Por si só, essa corrente literária não deriva adequadamente da vanguarda, mas foi uma causa da vanguarda, deu lugar à sua consolidação. Os avant-garde se opuseram a esse ideal, apesar de reconhecerem que obtiveram expressividade e riqueza de seus discursos desse movimento.

Expressionismo literário

Esse movimento literário, pertencente ao século XX, tem como premissa a reestruturação da realidade como a conhecemos, a fim de proporcionar saídas aos homens de toda a série de nós e laços que as sociedades impuseram.

Ele propôs vincular cartas ao restante das artes, aludindo a sons, cores e movimentos. Ele procurou juntar as perspectivas para alcançar a maior manifestação possível – a mais confiável – dos pensamentos mais íntimos do ser, como suas fobias e angústias.

Cubismo literário

O cubismo literário , nascido no século XX, levanta o impossível, a união de propostas conflitantes, criando estruturas textuais improváveis que fazem a realidade questão leitor.

Essa tendência aposta na percepção do subconsciente, como as coisas acontecem atrás dos olhos, no mundo particular de cada indivíduo.

Futurismo literário

O futurismo procura para romper com o passado e adoração inovador. A máquina – e tudo o que implica saltos selvagens de realidades em busca dos avançados – é o centro das atenções e do culto.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras 3

Filippo Tommaso Marinetti, escritor futurista

Suas letras dão ênfase especial ao nacionalismo e movimento, conversas sobre o novo e o futuro, nunca sobre o que já aconteceu, sobre o que significa chegar atrasado.

Ultraismo literário

O Ultraism literária visa estancar oposição às propostas modernistas. Prega o uso do verso livre e está diretamente ligado ao criacionismo e ao dadaísmo, dando ao ser a onipotência criativa através das letras.

Literatura Moderna: História, Características, Autores e Obras 4

Jorge Luis Borges, escritor ultraísta
Dadaísmo literário

O dadaísmo literário surgiu produto da Primeira Guerra Mundial . Ele se opunha demais à burguesia e à apatia que resulta das realidades sociais.

Seu discurso é absurdo e ilógico, tingido de finais inacabados que deixam o leitor incerto. Apresenta um uso acentuado de sons e palavras fora de ordem, que supostamente fazem sentido para quem os cria, e o significado é dado pelo que todos querem entender.

Criacionismo literário

No criacionismo literário, o homem toma o lugar de Deus. O escritor é todo-poderoso e a palavra é o começo e o fim das realidades.

Surrealismo literário

O surrealismo literário é derivado de dadaísmo e é baseada em estudos de Sigmund Freud. Através das cartas são expostas as intimidades do subconsciente humano e toda a realidade dos espaços oníricos.

Essa tendência tem sido uma das mais pitorescas em termos de temas, além de uma das mais expostas ao escritor, por revelar as facetas de si mesmo.

Caracteristicas

Fugir da realidade

É apresentado como uma fuga da realidade para os leitores, uma espécie de conduta literária segura que permite, às vezes, abstrair-se dos desconfortos que ocorrem lá fora.

O assunto não é devido a uma única cultura

O sujeito pertence ao todo e não a um fragmento do todo. Isso denota sua universalidade e o colapso dos esquemas culturais tributários que reinam desde os tempos antigos.

Defender a liberdade de expressão

A linguagem do emissor lírico pode ser apresentada sem ser sujeita ou subjugada a qualquer realidade, anterior ou presente. Defende, portanto, a singularidade, que torna o sujeito um ser indivisível com propriedades únicas, um todo dentro do todo.

Exponha as realidades sociais de maneira grosseira

A crítica social é um dos seus pontos fortes, assim como a oposição a tudo o que representa elementos religiosos e doutrinadores. É uma corrente anárquica por excelência, rompe com o exposto para dar lugar a inovações, a evolução.

Procura mudar as realidades do próprio indivíduo

Procura mudar as realidades, bem como mostrar a subjetividade e sua influência no nível social. Ela expõe como a sociedade não cria indivíduos, mas os indivíduos moldam as sociedades. O sujeito é o centro do sujeito, ele recria as realidades.

É diferente da Era Moderna e do modernismo literário

Os termos “literatura moderna” não devem ser confundidos com “Idade Moderna” ou “modernismo literário”. A primeira coisa, que diz respeito a este artigo, é um período literário em que os autores que o integram manifestam em suas obras as características anteriormente levantadas.

Por seu lado, o modernismo é um movimento dentro da literatura modernista; isto é, é uma manifestação dentro de um universo. Por outro lado, a Era Moderna é o terceiro período histórico da humanidade, de acordo com a história universal, que ocorreu entre os séculos XV e XVIII.

Autores em destaque e seus principais trabalhos

Miguel de Cervantes e Saavedra

Escritor espanhol, século XVI (1547-1616). Juntamente com William Shakespeare, ele é considerado um dos pais da literatura moderna.

Trabalhos

– O engenhoso cavalheiro Don Quijote de la Mancha (1605).

– romances exemplares (1613).

– O engenhoso cavalheiro Dom Quixote de la Mancha (1615).

William Shakespeare

Escritor inglês, século 16 (1564-1616), considerado um dos pais da literatura moderna.

Trabalhos

– Romeu e Julieta (1595).

– Hamlet (1601).

– Macbeth (1606).

Théophile Gautier

Escritor e fotógrafo francês do século XIX (1811-1872), pertencia ao Parnasianismo.

Trabalhos

– Fortunio ou L’Eldorado (1837).

– Jean et Jeannette (1850).

– Le Capitaine Fracasse (1863).

Jean Moréas

Ele foi um escritor grego do século XIX (1856-1910), com tendência à poesia. Pertencia ao simbolismo.

Trabalhos

– O mar das sirtes (1884).

– Os cantilenas (1886).

– Os quartos (1899-1901).

Paul Marie Verlaine

Escritor francês do século XIX (1844-1896), foi o fundador do movimento decadente.

Trabalhos

Amigos (1867).

– Primavera (1886).

Mulheres (1890).

Honoré de Balzac

Escritor parisiense nascido no final do século XVIII (1799-1850), pertencia à corrente do realismo.

Trabalhos

– O couro do sapato (1831).

– O lírio no vale (1836).

– Prima Bette (1846).

Émile Édouard Zola, Charles Antoine

Escritor francês do século XIX (1840-1902), mais conhecido como Émile Zola. Pertencia à corrente do naturalismo.

Trabalhos

– Contos para Ninon (1864).

– A fortuna do Rougon (1871).

– A taberna (1877).

Rubén Darío

Poeta nicaragüense do século 19 (1867-1916), foi o fundador do modernismo.

Trabalhos

– azul (1888).

– A música errante (1907).

– Poema de outono e outros poemas (1910).

Marcel Proust

O escritor francês do século XIX (1871-1922) pertencia ao impressionismo.

Trabalhos

– A morte das catedrais (1904).

– Em busca do tempo perdido (1913).

– O prisioneiro (1925, trabalho póstumo).

Franz Kafka

O escritor austro-húngaro do século XIX (1883-1924) pertencia ao expressionismo.

Trabalhos

– contemplação (1913).

– Metamorfose (1915.)

– Na colônia prisional (1919).

Wilhelm Albert Włodzimierz Apolinário de Kostrowicki

Escritor francês do século XIX (1880-1918), conhecido como Guillaume Apollinaire. Pertencia ao cubismo.

Trabalhos

– O bestiário ou o namoro de Orfeu (1911).

– Álcoois (1913).

– Calligrams (1918).

Filippo Tommaso Marinetti

O poeta italiano do século XIX (1876-1944) pertencia ao futurismo.

Trabalhos

– Manifesto do Futurismo (1909).

– Mafarka il futurista (1910).

– Zang Tumb Tumb (1914).

Hugo Ball

O poeta alemão do século XIX (1886-1927) pertencia ao dadaísmo.

Trabalhos

– Die Nase des Michelangelo (1911).

– Umgearbeitete Fassung als: Die Folgen der Reformation (1924).

– Die Flucht aus der Zeit (1927).

Isidoro, Jorge Francisco Luis Borges Acevedo

O poeta argentino do final do século XIX (1899-1986), mais conhecido como Jorge Luis Borges, foi um dos fundadores do ultraismo na Espanha.

Trabalhos

– Fervor de Buenos Aires (1923).

– Luna na frente (1925).

– Caderno San Martín (1929).

Andre Breton

O escritor francês do século XIX (1896-1966) pertencia ao surrealismo.

Trabalhos

– Monte da Piedade (1919).

– Os passos perdidos (1924).

– Fata Morgana (1940).

Vicente García Huidobro Fernández

Poeta chileno do século XIX (1893-1948), mais conhecido como Vicente Huidobro, fundador do criacionismo.

Trabalhos

– Equatorial (1918).

– Ventos opostos (1926).

– Tremor do céu (1931).

Referências

  1. Edwards, J. (2004). Jornalismo e literatura. Espanha: o distintivo. Recuperado em: lainsignia.org
  2. As regras da literatura moderna foram escritas há 400 anos. (2016). Equador: The Telegraph. Recuperado de: eltelegrafo.com.ec
  3. Oleza Simón, J. (2010). Literatura moderna e contemporânea e herança teatral clássica. Espanha: Otri. Recuperado de: otriuv.es
  4. García, J. (2016). Os pais da literatura moderna. Espanha: agora semanalmente. Recuperado de: ahorasemanal.es
  5. Literatura moderna. (2011). (n / a): Literatura criativa. Recuperado de: literaturecreativa.wordpress.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies