Locus coeruleus: sua anatomia, funções e doenças

Locus coeruleus: sua anatomia, funções e doenças 1

Todo o organismo humano abriga em seu interior uma série de estruturas e núcleos internos cujas funções e tarefas implicam um nível de complexidade que ainda surpreende a comunidade médica e científica. No entanto, existe um sistema que se destaca do resto: o sistema nervoso central.

Dentro disso, podemos encontrar toda uma gama de estruturas sem as quais não poderíamos fazer praticamente nada, nem responder a estímulos externos ou interagir com o ambiente. Uma dessas estruturas é o locus coeruleus , um núcleo localizado no tronco cerebral e sobre o qual falaremos ao longo deste artigo.

O que é locus coeruleus?

O locus coeruleus (LC), também conhecido como locus ceruleus ou locus caeruleus , é um núcleo composto principalmente por neurônios noradrenérgicos encontrados na protrusão do tronco cerebral. Esse centro é uma das partes pertencentes ao sistema de ativação reticular e tem como principais funções as respostas fisiológicas ao estresse e ao medo .

Além disso, o locus coeruleus fornece a principal fonte de noradrenalina (ou noradrenalina, NE) para todo o cérebro, tronco cerebral, cerebelo e medula espinhal . A atividade neuronal disso exerce um papel essencial na integração das informações sensoriais ao regular a ativação, atenção e certas funções da memória.

As conexões e circuitos correspondentes entre o locus coeruleus e o neocórtex, o diencéfalo, o sistema límbico e a medula espinhal destacam sua importância no funcionamento do eixo neural.

Devido ao envelhecimento da pessoa ou a certas doenças, o locus coeruleus pode sofrer perdas significativas na população neuronal, o que contribui para a deterioração cognitiva da pessoa e o aparecimento de uma série de distúrbios neurológicos .

Esse centro do sistema nervoso foi descoberto em 1784 pelo médico e anatomista francês Félix Vicq-d’Azyr, e mais tarde pelo psiquiatra alemão Christian Reil, o redefiniu de uma maneira mais concreta e específica. No entanto, foi somente em 1812, quando ele recebeu o nome que permanece até hoje, concedido pelos irmãos Joseph Wenzel e Karl Wenzel.

Anatomia e conexões do LC

A localização específica do locus coeruleus é encontrada na área posterior da protrusão do tronco encefálico, mais especificamente na parte lateral do quarto ventrículo cerebral. Essa estrutura é formada principalmente por neurônios de tamanho médio e distingue-se por abrigar grânulos de melanina dentro de seus neurônios, o que lhe confere a característica cor azul.

Em um ser humano adulto, um locus coeruleus saudável pode ser formado entre 22,00 e 51.000 neurônios pigmentados, dos quais pode variar em tamanho a ponto de os maiores dobrarem de volume em relação aos demais.

Quanto às conexões do locus coeruleus, ele tem projeções para praticamente qualquer área do sistema nervoso . Algumas dessas conexões incluem a função conservadora que desempenha na medula espinhal, tronco cerebral, cerebelo e hipotálamo , ou os núcleos de transmissão talâmica, a amígdala , o telencéfalo basal e o córtex.

Nós nos referimos ao locus coeruleus como um núcleo inervante, uma vez que a noradrenalina que existe nele tem efeitos emocionantes na maior parte do cérebro; mediando a excitação e estimulando os neurônios cerebrais a serem ativados por estímulos.

Além disso, devido à sua importante função como centro de controle homeostático no corpo, o LC também recebe fibras aferentes do hipotálamo . Da mesma forma, o giro cingulado e a amígdala também inervam o locus coeruleus, permitindo angústia e dor emocional, e estímulos ou estressores desencadeiam respostas noradrenérgicas.

Finalmente, o cerebelo e os aferentes do núcleo da rafe também enviam projeções para o locus coeruleus, especificamente o núcleo rafe pontis e o núcleo dorsal rafe.

Que funções essa região cerebral desempenha?

Devido ao aumento da produção de noradrenalina, as principais funções do núcleo coeruleus são aquelas relacionadas aos efeitos que o sistema nervoso simpático exerce nas respostas ao estresse e ao medo. Além disso, pesquisas recentes também apontam para a possibilidade de que esse centro do tronco encefálico seja de vital importância no bom funcionamento dos processos de vigília .

Da mesma forma, outros estudos vinculam o locus coeruleus ao Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), bem como à fisiopatologia das demências , as quais estão relacionadas à perda do estímulo noradrenérgico.

No entanto, devido ao grande número de projeções encontradas no LC, isso tem sido relacionado a um grande número de funções. Entre os mais importantes estão:

  • Ciclos de excitação e sono-vigília .
  • Atenção e memória.
  • Flexibilidade comportamental, inibição comportamental e aspectos psicológicos do estresse.
  • Controle cognitivo .
  • Emoções
  • Neuroplasticidade
  • Controle postural e equilíbrio .

Fisiopatologia desse núcleo: distúrbios associados

O funcionamento anormal ou patológico do locus coeruleus tem sido associado a um grande número de transtornos mentais e transtornos como depressão clínica, transtorno do pânico, ansiedade e doenças de Parkinson e Alzheimer .

Além disso, há um grande número de alterações mentais ou psicológicas que aparecem como conseqüência de uma série de alterações nos neurocircuitos moduladores da noradrenalina . Entre eles estão distúrbios de afeto e ansiedade, Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) ou Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Além disso, especula-se que certos medicamentos, como inibidores da recaptação de norepinefrina, inibidores da recaptação de serotonina-norepinefrina e inibidores da recaptação de norepinefrina-dopamina, podem ser muito eficazes para neutralizar os efeitos da desregulação do locus coeruleus.

Finalmente, uma das descobertas mais inovadoras e surpreendentes é a que sugere uma relação entre uma desregulação do funcionamento do locus coeruleus e o autismo . Essas investigações sugerem que o sistema locus coeruleus e o sistema noradrenérgico são desregulados por uma inter-relação de fatores ambientais, genéticos e epigenéticos. E que, além disso, os efeitos dos estados de ansiedade e estresse também podem desorganizar esses sistemas, especialmente nas fases posteriores do desenvolvimento pré-natal.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies