Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida

O louva-deus, também conhecido como mantis religiosa, é um inseto da ordem Mantodea conhecido por sua aparência única e comportamento predatório. Possui um corpo alongado, cabeça triangular e grandes olhos compostos. Sua coloração pode variar entre tons de verde, marrom e cinza, o que ajuda na camuflagem em seu habitat natural.

O louva-deus é encontrado em diversos habitats ao redor do mundo, incluindo florestas, campos e jardins. São insetos solitários e territorialistas, preferindo viver em locais onde possam se esconder e emboscar suas presas.

Quanto à reprodução, o acasalamento do louva-deus é conhecido por ser um dos mais curiosos do reino animal. A fêmea muitas vezes devora o macho após a cópula, o que garante a sustentação de energia para a produção dos ovos. Ela deposita os ovos em uma espécie de casulo, que fica protegido até a eclosão das ninfas.

Na dieta, o louva-deus é um predador voraz que se alimenta principalmente de insetos, como moscas, grilos e até mesmo pequenos vertebrados. Utilizando suas poderosas patas dianteiras, ele captura suas presas de forma rápida e eficaz.

Em resumo, o louva-deus é um inseto fascinante, com características únicas, adaptado a diversos habitats e com um comportamento de caça peculiar.

Onde o Louva Deus vive?

O Louva-Deus é um inseto conhecido por suas características únicas e fascinantes. Eles são encontrados em diversos habitats ao redor do mundo, desde florestas tropicais até jardins urbanos.

Os Louva-Deus são insetos predadores que se alimentam principalmente de outros insetos, como moscas, grilos e até mesmo pequenos pássaros. Eles são conhecidos por sua habilidade de se camuflarem e se mimetizarem com o ambiente ao seu redor, o que os torna excelentes caçadores.

Quanto à reprodução, os Louva-Deus possuem um comportamento peculiar. Após a cópula, a fêmea pode devorar o macho, o que garante sua sobrevivência e a proteção dos ovos. Os ovos são depositados em ootecas, estruturas semelhantes a casulos, que são fixadas em galhos ou folhas.

Em resumo, o Louva-Deus vive em diversos habitats, onde se camufla para caçar outros insetos, se reproduz de forma peculiar e se alimenta de presas menores. Sua natureza predadora e seu comportamento único os tornam insetos fascinantes para estudiosos e entusiastas da natureza.

Alimentação do louva-a-deus: saiba o que esse inseto come para se manter.

O louva-a-deus é um inseto fascinante conhecido por sua postura de oração e habilidade de caça. Esses insetos são carnívoros vorazes e se alimentam de uma variedade de presas, incluindo outros insetos, aranhas e até pequenos pássaros.

Esses insetos são encontrados em todo o mundo, em uma variedade de habitats, desde florestas tropicais até jardins urbanos. Eles são conhecidos por sua capacidade de se camuflar em seu ambiente, esperando pacientemente por sua presa.

Quando se trata de reprodução, os louva-a-deus têm um interessante ritual de acasalamento, onde a fêmea muitas vezes devora o macho após a cópula. Isso pode parecer cruel, mas é uma estratégia evolutiva que garante que a fêmea tenha nutrientes extras para produzir seus ovos.

Em relação à alimentação, os louva-a-deus são caçadores ágeis e eficientes. Eles usam suas patas dianteiras em forma de garra para agarrar e segurar suas presas. Eles são conhecidos por sua capacidade de capturar presas maiores do que eles mesmos, graças à sua mandíbula poderosa.

Para manter-se saudáveis e energéticos, os louva-a-deus precisam de uma dieta rica em proteínas. Eles podem se alimentar de uma variedade de insetos, como moscas, grilos e gafanhotos. Alguns louva-a-deus também são conhecidos por caçar pequenos vertebrados, como lagartixas e pássaros jovens.

Em resumo, os louva-a-deus são insetos fascinantes, com uma dieta diversificada e habilidades de caça impressionantes. Eles são parte importante do ecossistema, ajudando a controlar a população de insetos e contribuindo para o equilíbrio da natureza.

Reprodução do louva-a-deus: entenda o processo de acasalamento e postura de ovos.

O louva-a-deus, também conhecido como “santa” ou “cavalo-de-deus”, é um inseto da ordem Mantodea conhecido por sua postura única e curiosa. Com seu corpo esguio e suas pernas longas, o louva-a-deus é um predador habilidoso que se camufla perfeitamente em seu habitat natural.

Quando se trata de reprodução, o louva-a-deus tem um processo fascinante. Durante o acasalamento, a fêmea muitas vezes devora o macho depois da cópula, o que pode parecer brutal, mas é uma estratégia evolutiva para garantir que ela tenha nutrientes suficientes para produzir seus ovos. Uma curiosidade interessante é que o louva-a-deus fêmea pode até mesmo começar a se alimentar do macho enquanto ainda estão acasalando.

Após a cópula, a fêmea deposita seus ovos em uma massa protetora que endurece e forma uma espécie de cápsula. Essa cápsula é fixada em uma superfície segura, como galhos de árvores ou paredes, para garantir a sobrevivência dos ovos até que eles estejam prontos para eclodir. Cada cápsula pode conter centenas de ovos, o que aumenta as chances de sobrevivência da prole.

O louva-a-deus é um inseto carnívoro que se alimenta principalmente de outros insetos, como moscas, grilos e até mesmo pequenos pássaros. Sua capacidade de se camuflar e sua agilidade tornam-no um caçador eficaz no reino dos insetos.

Relacionado:  Protozoologia: história, campo de estudo e pesquisa

Em resumo, o louva-a-deus é um inseto fascinante com um processo de reprodução único e interessante. Seu habitat natural é variado, podendo ser encontrado em florestas, jardins e até mesmo em áreas urbanas. Sua dieta carnívora o torna um predador eficaz, contribuindo para o equilíbrio do ecossistema. É importante observar e apreciar esses insetos incríveis, que desempenham um papel vital na natureza.

Qual é o alimento verde que Deus aprecia?

O Louva-Deus é um inseto fascinante que pertence à ordem Mantodea. Possui características únicas que o tornam um predador eficaz e interessante de se observar. Seu habitat natural inclui áreas com vegetação densa, onde ele pode se camuflar e esperar por suas presas.

Quanto à reprodução, o Louva-Deus é conhecido por sua reprodução peculiar, em que a fêmea muitas vezes devora o macho após o acasalamento. Esse comportamento bizarro é uma estratégia evolutiva que aumenta as chances de sucesso reprodutivo da fêmea.

Em relação à comida, o Louva-Deus é um predador voraz que se alimenta principalmente de outros insetos. Sua dieta consiste em uma variedade de presas, incluindo grilos, moscas e até mesmo outros Louva-Deus. No entanto, há um alimento específico que o Louva-Deus aprecia e que é considerado o favorito de Deus: o alimento verde.

Os Louva-Deus são conhecidos por sua voracidade e habilidade de caça, sendo capazes de capturar presas maiores do que eles próprios. Sua coloração verde e postura de oração os ajudam a se camuflar entre as folhas, tornando-os predadores eficientes. Além disso, sua capacidade de girar a cabeça em até 180 graus lhes dá uma visão ampla e precisa de suas presas.

Em resumo, o Louva-Deus é um inseto fascinante com características únicas que o tornam um predador eficaz. Seu alimento favorito, o alimento verde, é apreciado por Deus e é essencial para a sobrevivência e reprodução desses incríveis insetos.

Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida

Mantis religiosa ou campamocha é um inseto hemimetábolo pertencente à família Mantidae. Várias espécies estão associadas a esta espécie, como Santa Teresa e Tatadiós, devido à posição assumida pelas pernas da frente, levantadas e flexionadas sob a cabeça, como se estivessem rezando.

Também é conhecida como mãe venenosa, pois foi erroneamente associada à idéia de ser um animal letal, que aniquila sua presa com veneno. O campamocha é um predador eficiente e feroz, capturando uma grande variedade de insetos, pequenos répteis , aves e mamíferos .

Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida 1

Louva-Deus Fonte: Alvesgaspar [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Seu corpo é alongado, com dois pares de asas e seis pernas; dois dianteiros e quatro traseiros. A principal característica desta espécie é a forma triangular de sua cabeça. Nisto são olhos simples e compostos, o que lhe confere um ótimo desenvolvimento visual.

A estrutura do tórax permite que o louva-a-deus mova a cabeça até 180 graus, facilitando a realização de uma ampla variedade de movimentos, que utiliza para visualizar melhor suas presas.

Tem uma pele lisa, quase sem pêlos. No entanto, em algumas regiões do corpo, possui grânulos, lóbulos ou espinhos. A coloração pode ser esverdeada, marrom ou acinzentada, apresentando a capacidade de imitação.

Caracteristicas

Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida 2

Louva-Deus na mão humana. Versão [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Canibalismo sexual

O louva-a-deus tem um comportamento de 90% de seus membros; eles matam o macho durante ou após o acoplamento. Isso é conhecido como canibalismo sexual.

A razão para esse comportamento foi estudada extensivamente. Geralmente é feito por fêmeas com baixa qualidade de alimentação, que também atraem menos machos do que aqueles que são bem alimentados.

Os machos abordam as fêmeas famintas com muita cautela, por medo de serem canibalizadas.

Uma vez terminada a relação, o ato de desmantelar a mulher pelo homem é extremamente arriscado, porque é nesse momento que existe a maior possibilidade de a mulher matar e consumir seu parceiro.

Pesquisas indicaram que há um aumento na duração do passeio, provavelmente porque o macho espera a oportunidade menos arriscada de descer da parte de trás da fêmea, onde está copulando.

Tamanho

O louva-a-deus tem um corpo magro e alongado. As fêmeas são geralmente maiores que os machos; Eles medem 7 a 9 centímetros em comparação com os 6 ou 7 centímetros de comprimento do macho.

Tórax

O peito do louva-a-deus é mais fino que o abdômen. No entanto, é uma das partes mais poderosas do corpo. Seu design permite que a cabeça gire até 180 graus. Essa estrutura possui uma fenda onde está o único ouvido que possui esse inseto.

Abdômen

O abdômen é coberto por um exoesqueleto. É alongado e arredondado, constituindo a parte principal do corpo do animal. Ele se conecta ao tórax e suporta as 4 patas traseiras e os dois pares de asas.

Membros

O louva-deus tem 6 pernas, duas dianteiras e quatro traseiras. As pernas dianteiras são usadas como armas de caça, uma vez que capturam presas com elas. A tíbia anterior se estende, retraindo-se como uma ferramenta automática. Eles têm espinhos que permitem capturar outros insetos.

Seu nome comum é devido à posição que adota com as pernas da frente: levantadas e dobradas sob a cabeça, como se estivesse rezando. No entanto, essa posição geralmente é assumida como caçada. Os membros posteriores são usados ​​para andar, impulsionar-se para a frente e manter o equilíbrio.

Cabeça

Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida 3

Fonte: pixabay

A cabeça tem uma forma triangular, fornecida com 2 olhos compostos, que permitem ao inseto ver imagens e cores. Entre estes, existem 3 olhos simples, alinhados na frente. Os olhos deste animal têm oito tipos de células fotorreceptoras, tornando-o excelente visão noturna.

O campamocha pode mobilizar a cabeça multidirecionalmente. Possui duas antenas que, quando você move ou vira a cabeça, atuam como sensores que ajudam na busca de sua comida.

Orelha

O louva-a-deus tem apenas um órgão auditivo, altamente sensível a baixas e altas frequências. Está localizado na linha média ventral, entre os coxas metatorácicos. Essa estrutura timpânica possui 32 sensibilidades cordotonais, organizadas em 3 grupos. A inervação vem do gânglio metatorácico.

Coloração

O sino pode ser marrom, verde, amarelo e preto. Essa variação de tons pode estar associada à camuflagem, o que permite que ela passe despercebida pelos predadores.

Algumas pesquisas indicaram que uma mudança na temperatura ambiente pode causar variação na cor desse inseto. Aqueles que nasceram em um clima frio mudaram para um tom verde após a mudança, quando foram expostos à luz e ao calor dos raios do sol.

Taxonomia

Reino animal.

Subreino Bilateria.

Superfilum Ecdysozoa.

Filum Arthropoda.

Subfilum Hexapoda.

Classe Insecta.

Infração de Neoptera.

Ordem Mantodea.

Subordem de Mantodea.

Família Mantidae.

Gênero Mantis

Mantis religiosa da espécie (Linnaeus, 1758)

Habitat e distribuição

Mantis religiosa é a espécie de Mantis mais difundida na Europa. Também é encontrado na Ásia e no norte da África. Em 1899, foi introduzido na América do Norte, sendo o inseto oficial de Connecticut nos Estados Unidos.

Nas últimas décadas, é distribuído na Austrália e na região da América do Sul. Atualmente, existem duas populações estáveis ​​na Alemanha, uma em Baden-Württemberg e a outra na Renânia-Palatinado.

Seu habitat são regiões quentes ou temperadas, para que possam ser encontrados em qualquer área, desde que não seja muito seco ou frio. Dessa maneira, ele geralmente vive em matas e florestas decíduas .

Geralmente é um animal solitário, que torna a vida entre a vegetação, sendo muito pouco no chão. O campamocha não exige condições especiais de vida, embora prefira os habitats com vegetação abundante, onde pode ser facilmente camuflado.

Frequenta ambientes de campo, campos ou pomares, onde você pode encontrar pequenos animais e insetos para se alimentar.

O campamocha é um predador generalista que pode viver em jardins urbanos, até tolerar fazê-lo em espaços urbanizados pelo homem. No entanto, prefere áreas selvagens e ambientes naturais com espaços abertos, com grama alta e pequenos arbustos.

Reprodução

Louva-Deus: características, habitat, reprodução, comida 4

Fonte: pixabay

Alguns dias após a última muda, a Mantis religiosa começa a mostrar interesse pelo sexo oposto, iniciando assim o estágio de maturidade sexual.

Namoro

Nesta espécie, existe um namoro preliminar, de modo que a relação sexual é realizada posteriormente. O namoro começa com o contato visual entre o homem e a mulher; quando entre eles é feito o contato físico, o acoplamento começa. Esse estágio culmina quando o espermatozóide é depositado.

Para que a fêmea concorde em copular com o macho, ele deve realizar uma cerimônia que permita que ele se aproxime da fêmea, evitando confundi-la com uma presa e comê-la.

Usando a tática “parar e ir”, o macho alterna momentos em que permanece imóvel, virando a cabeça para ver a fêmea, com outras pessoas balançando, com as quais ele acha que imita o movimento das folhas. Assim, ele se aproxima da fêmea por trás.

Acoplamento e acoplamento

Quando o macho está muito próximo da fêmea, ele abre as asas, tentando facilitar o salto abrupto que dá nas costas da fêmea. Lá, o macho agarra as asas e o tórax da fêmea com as patas dianteiras. Mais tarde, o abdômen arqueia, até que as estruturas sexuais de ambos entrem em contato.

Nesse momento, o macho deposita a costa espermática em uma câmara na base do oviscapto. Após a fertilização, a fêmea secreta uma espuma branca, conhecida como ooteca, onde pode depositar entre 100 e 300 ovos.

Essa espuma, produzida pelas glândulas do abdômen, é colocada nos galhos das árvores, onde começa a se solidificar. Desta forma, os ovos são protegidos. Os ovos são geralmente postos no outono, então os filhotes nascem na primavera.

No momento da cópula, ou quando termina, na maioria das vezes a fêmea ataca o macho, devorando a cabeça. Esse comportamento é conhecido como canibalismo sexual.

Alimento

O louva-a-deus é exclusivamente carnívoro. A principal técnica de ataque empregada por esse inseto é a perseguição. Nisso, o inseto permanece praticamente imóvel por horas na frente de suas vítimas, camuflando seu corpo entre as folhas e os galhos do ambiente.

Relacionado:  Urso polar: características, habitat, reprodução, alimentação

Enquanto espera o momento de capturar sua presa, calcule a distância em que está e mantenha as pernas anteriores dobradas, esperando para atacar. Para capturá-la, ela desdobra as patas dianteiras e a pega, imobilizando-a graças aos espinhos que possui. Este animal devora sua presa mesmo enquanto vivo.

A velocidade com que o Louva-Deus dirige as pernas da frente é tal que ele pode pegar uma mosca enquanto voa. Os pesquisadores determinaram que esse movimento poderia durar 100 milissegundos.

Campamocha é um predador eficiente, graças a vários fatores. Entre eles, está o excelente senso de visão, capaz de mover a cabeça em várias direções e os movimentos rápidos para capturar a presa.

Este inseto tem uma dieta muito variada; geralmente consomem grilos, formigas, gafanhotos, moscas, borboletas, mariposas, larvas de farinha e moscas. Você também pode ingerir pequenos pássaros, répteis e pequenos mamíferos, como ratos.

Isso é venenoso?

A letalidade do louva-a-deus é um mito que começou a se espalhar com base em sua grande eficiência como caçador e predador. Também contribui com sua aparência, o que é um pouco impressionante.

Esta espécie carece de estruturas morfológicas como um ferrão, por isso não poderia morder ou expulsar veneno. Tampouco possui glândulas que produzem algum tipo de substância mortal.

O fato de o campamocha ter um comportamento de canibalismo sexual antes do macho contribuiu para a falsa imagem de veneno que foi atribuída a esse inseto.

Ao contrário da qualificação de ser um inseto venenoso, este animal foi introduzido no início do século XX nos Estados Unidos, para ser usado no controle biológico de algumas pragas que afetavam várias plantações naquele país.

Comportamento

Sons defensivos

Algumas subespécies de louva-a-deus exibem tipo defensivo quando estão próximas de seus predadores. No louva-a-deus, esses comportamentos incluem elementos visuais e auditivos, como estridulação, usados ​​como um impedimento para uma ameaça.

Os sons defensivos do campamocha são gerados por meio de um mecanismo que envolve o contato entre duas estruturas orgânicas: os dentes que estão nas veias longitudinais das asas do metatórax e os pinos localizados na pleura abdominal.

Essa estridulação varia tanto no tempo quanto no domínio espectral. A variabilidade interespécies pode ser muito maior, pelo menos em um dos parâmetros acústicos, do que o que existe intraespécies.

A saída acústica nesta espécie tem baixa intensidade, é banda larga e não é ressonante.

Entre ambos os sexos e / ou entre as fêmeas que estão em diferentes estágios de reprodução, pode haver variações nos parâmetros acústicos. Por exemplo, a taxa de produção silábica é diferente entre o homem e a mulher.

Isso pode estar relacionado ao dimorfismo sexual existente no campamocha e às limitações do tipo morfológico relacionadas à produção de ovos.

Comportamento deimático

As espécies do gênero Mantis apresentam esse tipo de comportamento desde os estágios iniciais de sua vida, sendo usadas para assustar o predador e têm a opção de escapar da ameaça.

A visualização deimática no Mantis religiosa contempla a extensão e a flexão das asas, revelando duas manchas pretas com um centro branco. Isso faz com que o inseto pareça maior e mais ameaçador para o atacante.

Feromônios

A louva-a-deus feminina pode mostrar alguns comportamentos associados à liberação de feromônios, um deles relacionado à flexão abdominal. Durante o dia, o abdômen do campamocha não apresenta variações, estando em contato contínuo com as asas.

No entanto, durante a noite, as fêmeas dobram o abdome ventralmente, aumentando assim o espaço entre esse órgão e as asas. Esse comportamento de chamada é mantido durante toda a escotofase, culminando com o nascer do sol.

O Mantis tem a capacidade de liberar feromônios quando eles atingem 30 dias de idade. Geralmente desaparece quando estão em período de gestação, reaparecendo duas semanas após o parto.

Referências

  1. Wikipedia (2019). Louva-Deus europeu Recuperado de en.wikipedia.org.
  2. Battiston, R. 2016. Louva-Deus. A Lista Vermelha da IUCN de Espécies Ameaçadas. Recuperado de iucnredlist.org.
  3. ITIS (2019). Louva-Deus Recuperado de itis.gov.
  4. Gary Watkins e Ric Bessin (2003). Praying Mantids Entomologia Universidade de Kentucky. Recuperado de entomology.ca.uky.edu.
  5. Sheldon Zack (1978). Descrição do comportamento do louva-a-deus, com particular referência à aparência. ELSEVIER Recuperado de sciencedirect.com.
  6. Alan Gelperin (1968). Comportamento alimentar do louva-a-deus: uma modificação aprendida. Natureza Recuperado de nature.com.
  7. Felipe Pascual Torres (2015). Ordem Mantodea. Recuperado de sea-entomologia.org.
  8. Nanette Kelley (2018). Partes do corpo de um louva-a-deus. Sciencing Recuperado de sciencing.com
  9. César Gemeno, Jordi Claramunt, Josep Dasca (2005). Comportamento noturno de chamada em Mantids. Springer link Recuperado de link.springer.com.
  10. Stephanie A. Hill (2007). Geração de som em Mantis religiosa (Mantodea: Mantidae): Estruturas Estridulatórias e Sinal Acústico. Recuperado de jstor.org.

Deixe um comentário