Loxosceles laeta: características, habitat, nutrição, reprodução

A aranha violinista ( Loxosceles laeta) é uma espécie de aracnídeo sul-americano cujo veneno possui compostos altamente letais. Pertence ao gênero Loxosceles, sendo a maior espécie desse grupo. Ele deve seu nome à figura do violino que se forma no cefalotórax, como um contraste entre as marcas negras e o fundo marrom dessa parte do corpo.

Esta espécie tem características muito particulares. Ele tem seis olhos, em vez de oito como o resto da classe. Seu movimento é muito lento, mas se estiverem ameaçados, eles podem virar o corpo, pular e correr a grandes velocidades.

Loxosceles laeta: características, habitat, nutrição, reprodução 1

Legenda: Usuário: Mampato [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons

Seu habitat natural é distribuído principalmente na parte sul da América do Sul, sendo Argentina, Brasil, Peru, Uruguai, Equador e Chile. No entanto, casos de Loxosceles laeta foram relatados em outros países, como Canadá, Estados Unidos, México, Austrália, Finlândia e Espanha.

Durante a alimentação, eles podem armazenar grandes quantidades de nutrientes, permitindo que durem muito tempo sem comer ou beber água. Isso contribui para a propagação das aranhas violinistas ou do canto, como também são conhecidas, pois podem viajar escondidas entre as frutas ou as gavetas sem precisar de alimento para sua sobrevivência.

Loxocelismo

O veneno produzido por Loxosceles laeta pode ser fatal para o homem, dependendo da relação entre a quantidade inoculada e a massa do indivíduo. Sua ação é necrótica e proteolítica, pois dissolve os tecidos do corpo, causando a morte celular.

Esta substância letal é composta por enzimas poderosas que destroem tudo o que possui proteínas. Pesquisas indicam que pode ser até 15 vezes mais tóxico que o veneno de uma cobra e cerca de 10 vezes mais potente que uma queima de ácido sulfúrico.

Além disso, pode facilmente e rapidamente penetrar nas vesículas biliares e no fígado, destruindo rapidamente esse importante órgão.

A condição anafilática sofrida pelo organismo que recebeu veneno da aranha violinista é clinicamente conhecida como loxoscelismo.

Sintomas

O veneno é hemolítico e dermonecrótico, destruindo os glóbulos vermelhos do corpo e a pele do indivíduo afetado.

Os sintomas podem ser cutâneos ou viscerais. Na maioria dos casos, a mordida é dolorosa. A lesão na pele pode começar com vermelhidão, inflamação e ao redor da picada pode ficar azul acinzentado.

Se não for tratada, a lesão pode desenvolver necrose, gerando uma úlcera que cicatriza muito lentamente, atingindo até quatro meses.

Apenas uma baixa porcentagem de pacientes desenvolve um loxoscelismo visceral, que começa entre 12 e 24 horas após a inoculação do veneno. Seus sintomas podem incluir palpitações, altas temperaturas (febre), dor nas articulações, sangue na urina, náusea e icterícia.

É muito importante controlar durante as primeiras 24 a 48 horas qualquer tipo de loxoscelismo. Em caso de dúvida, é aconselhável consultar um médico.

Medidas preventivas

Como a picada de aranha no violino é quase mortal, é importante reconhecer os sinais que alertam para a presença desse animal em determinadas áreas da casa.

Uma maneira de conhecer a existência desse animal é observar em detalhes o meio ambiente, em busca de exoesqueletos, pois estes são liberados nas mudas de seu desenvolvimento.

A outra maneira é detectar nos cantos das paredes, prateleiras ou gavetas, a presença de teias de aranha densas e brancas, semelhantes a um algodão.

Características gerais

Tamanho

Na fase adulta, a aranha violinista mede entre 7 e 15 milímetros. O macho tem um comprimento aproximado de 6 a 12 milímetros.

Corpo

Seu corpo é robusto e morfologicamente dividido em dois segmentos distintos; o opistosoma (abdômen) e o cefalotórax.

Esses animais têm dimorfismo sexual, as fêmeas geralmente são maiores e com um opistosoma maior que os machos.

Olhos

Ao contrário da grande maioria dos aracnídeos, que têm 8 olhos, a espécie Loxosceles laeta possui 6. Estes estão organizados em díades, distribuídas em um triângulo. Na frente há um par de olhos grandes e nas laterais há dois pares menores.

Essa característica dos órgãos visuais fornece ao animal um campo visual de 300 °, o que é altamente benéfico para capturar presas.

Cor

Esta espécie da América do Sul tem um tom marrom acastanhado, embora também possa apresentar marrom acinzentado, amarelado ou avermelhado, até preto. A grande diferença entre os tons pode ser devido aos cabelos e cogumelos que ele tem em seu corpo.

O cefalotórax é marrom, com manchas negras na área dorsal do tórax, o que lhe confere a imagem de um violino. A região abdominal é de uma cor, geralmente mais escura que o resto do corpo.

Quelíceros

A aranha violinista possui dentes inoculantes, que têm forma de arco. Os quelitros estão localizados horizontalmente na parte inferior do prosoma. Quando eles mordem, eles se cruzam como uma pinça.

Essa estrutura, em sua margem interna, é queratinizada, estendendo-se para a frente. As extremidades distais terminam em finas agulhas pretas, onde está localizado um tipo de unha articulada.

Casaco de pele

Seu corpo é coberto por dois tipos de cabelos, alguns longos e eretos, outros ramificados e deitados. As pernas, na área do tarso, têm cabelos que desempenham funções táteis.

Aparelho estridulatório

Este inseto possui um aparelho estridulatório, que se desenvolve nos estágios iniciais da maturação. É de um caráter quelante e sua função está relacionada à reprodução.

Membros

Suas pernas são formadas pelo fêmur, tíbia, metatarso e tarso. Eles têm características semelhantes em homens e mulheres, exceto que os homens têm comprimentos mais longos, tanto em tamanho relativo quanto absoluto.

Haplogins

O laeta Loxosceles é caracterizado por um simples genitais. As fêmeas desta espécie não possuem epígenos e nos machos os alvéolos do tarso não são diferenciados nos pedipalpos.

Glândulas venenosas

A espécie Loxosceles laeta possui um sistema corporal que produz um produto químico altamente tóxico e letal. O referido aparelho é composto por um par de glândulas, localizadas dentro da região cefalotorácica.

O veneno produzido lá contém neurotoxinas, citotoxinas potentes e hemotoxinas. Essa substância é usada pela aranha violinista para matar sua presa e depois digeri-la.

Taxonomia

Reino animal.

Subreino Bilateria.

Superfilum Ecdysozoa.

Filum Artrópode.

Classe aracnídeo.

Ordem Araneae.

Família Sicariidae.

Gênero Loxosceles

Espécies Loxosceles laeta

Habitat e distribuição

As aranhas violinistas, também conhecidas como aranhas reclusas chilenas, são amplamente distribuídas na América do Sul, especialmente no Chile. Dentro deste continente eles também foram encontrados no Brasil, Uruguai, Equador, Peru e Argentina.

Nos últimos anos, eles se espalharam para a Colômbia e para alguns países da América Central, como Honduras e Guatemala.

Populações isoladas de Loxosceles laeta foram relatadas no México, Austrália e Espanha, além de várias regiões nos Estados Unidos (Los Angeles, Kansas, Massachusetts e Flórida) e Canadá (Toronto, Vancouver, Ontário, Colúmbia Britânica e Cambridge).

Na Finlândia, no Museu de História Natural de Helsinque, há uma colônia de aranhas violinistas. Acredita-se que ele tenha chegado lá por volta dos anos 60 ou 70. No entanto, ainda é inexplicável como esse animal tropical percorreu mais de 13.000 km para habitar o porão de um museu localizado a uma curta distância do Círculo Polar Ártico.

Pode haver várias causas que explicam essa distribuição tão longe de seu nicho ecológico. Um deles pode ser atribuído ao fato de algumas espécies viajarem para terras distantes escondidas em produtos agrícolas. Eles também poderiam se esconder em caixas contendo frutas, legumes ou pedaços de madeira.

Habitat

A aranha violinista é uma espécie sinantrópica, pois é adaptada para viver em ecossistemas antropizados ou urbanizados pelo homem. Essa convivência com o ser humano é favorável aos Loxosceles laeta , pois eles podem suprir suas necessidades básicas e de desenvolvimento longe de seus predadores naturais.

No entanto, para os seres humanos, é altamente prejudicial porque aumenta o risco de ser picado por essa aranha altamente venenosa e pode levar a consequências fatais se a lesão não for tratada a tempo.

Eles geralmente se escondem nos cantos dos quartos, nos sótãos, atrás das pinturas, na parte inferior dos móveis, entre as roupas e nas prateleiras altas dos armários.

Na área ao redor da casa, no jardim ou no pátio, as aranhas violinistas se escondem em lugares escuros e úmidos. Assim, eles podem ser encontrados sob as toras de madeira, nos escombros e sob as pedras.

Área rural e urbana

Habitam habitualmente as diferentes áreas internas da casa, o que é conhecido como setor residencial, ou nos pátios e jardins circundantes (setor peridomiciliar).

Alguns estudos no México e no Chile mostram que existe um fator que os ajuda a se espalhar mais facilmente em casas urbanas do que nas rurais; A proximidade entre as casas. Se houver aranhas violinistas em uma casa, elas podem facilmente invadir a aranha adjacente.

No entanto, se for comparado o número de indivíduos que vivem em uma casa infectada urbana e rural, este último poderá ser encontrado em maior número. Isso pode ser devido às características da construção dessas casas rurais, onde suas paredes são geralmente feitas de adobe, e à deficiência de ventilação e iluminação.

Dessa forma, a aranha violinista encontra um ambiente propício ao desenvolvimento e à multiplicação, no qual dificilmente pode ser propagado para casas vizinhas, porque as casas geralmente são muito separadas umas das outras.

Nutrição

Loxosceles l aeta é um animal carnívoro, cuja dieta é baseada principalmente em insetos. Entre suas presas favoritas estão mariposas, moscas, baratas, grilos e alguns outros pequenos artrópodes. Você pode capturá-los de duas maneiras; caçando-os durante a noite ou prendendo-os com suas redes.

Este animal não precisa se preocupar muito com sua alimentação. A localização estratégica da web, juntamente com seu caráter pegajoso e resistente, geralmente faz com que algumas de suas presas favoritas fiquem presas nela.

O sistema digestivo é dividido em três partes: stomping, mesodeo e proctodeo. Sua alimentação é realizada fundamentalmente através da sucção dos líquidos formados como resultado da desintegração da barragem.

Processo digestivo

Depois de capturar sua presa, quer tenha sido caçada ou presa na rede, a aranha do violino a ataca, injetando seu poderoso veneno.

Quando a presa morre, a aranha continua a retê-la com o chelycer, através do qual derrama os sucos digestivos produzidos pelo intestino médio (mesodeo). Estes cumprirão a função de decompor os alimentos.

Rapidamente, essas enzimas digestivas convertem o alimento em um tipo de caldo nutritivo, que é sugado para a cavidade pré-oral, localizada na frente da boca.

Seus músculos bucais podem ser dispostos longitudinalmente e inseridos externamente, permitindo modificar seu volume e diâmetro. Isso o torna o principal órgão de aspiração da aranha violinista.

A ação de sucção é complementada pelo esôfago, contribuindo para que o líquido chegue ao mesodeo. Nele está o tubo central e vários divertículos auxiliares, localizados no opistosoma e no cefalotórax.

Nas paredes do mesodeo existem células que produzem enzimas que complementam a digestão química. Uma parte do alimento já digerido é armazenada no estômago, especificamente em seus divertículos múltiplos, enquanto o restante é absorvido pela parede do mesodeio.

O proctodeo desta espécie é formado pelo intestino e pelo ânus, onde os resíduos são armazenados e posteriormente expelidos do corpo.

Investigações

Os insetos que devoram as aranhas violinistas são relativamente grandes. Sua eficiência predatória e sua grande capacidade de rapinar animais volumosos se devem à combinação de digestão extracorpórea e intracelular.

Para ampliar o conhecimento sobre esse estágio da digestão, várias investigações foram realizadas sobre a composição protéica dos divertículos e do fluido digestivo.

Estes mostram que as enzimas digestivas contêm hidrolases e astaquinas, sugerindo que estas desempenham um papel importante na digestão extracorpórea. Foi demonstrado que o líquido digestivo se origina nos divertículos e que estes participam da digestão extracorpórea e interna.

Além disso, foram identificadas várias proteínas produzidas nos órgãos digestivos, aspecto anteriormente associado diretamente às glândulas de veneno de Loxosceles l aeta .

Reprodução

Como as aranhas violinistas são haplogins, as fêmeas não possuem órgãos sexuais externos que identificam quando são sexualmente maduros.

No entanto, o escopo desse estágio geralmente é acompanhado por um escurecimento da região cefalot torácica e uma melhor visualização da prega epigástrica.

No homem, a evidência que indica sua maturidade sexual é a transformação do palpus, como parte do aparato de acoplamento da espécie.

A fêmea é seletiva em relação ao homem com quem ela copulará. Durante o namoro, o homem realiza uma espécie de dança ao seu redor, dando grandes saltos com a intenção de impressioná-la. Eles também podem oferecer-lhe algumas presas, com a intenção de ser o escolhido.

Órgãos sexuais

O sistema reprodutor masculino é formado por testículos emparelhados, tubulares e ducto deferentes, com um diâmetro bastante pequeno. Estes se fundem na área próxima à abertura genital, formando o ducto de ejaculação.

O referido canal se abre em direção ao gonoporo, no sulco epigástrico. O ducto ejaculatório é discreto e pode ser aumentado ou aumentado no ducto deferente.

O esperma e as várias secreções que compõem o fluido seminal fluem do gonoporo. Como os homens não possuem glândulas acessórias, essa secreção é produzida pelo tecido somático que forma os testículos e os vasos deferentes.

As fêmeas têm um par de ovários e uma passagem abdominal que permite que os ovos saiam. A aranha violinista tem uma pequena abertura perto do sulco epigástrico, que atravessa o abdômen em sua parte ventral.

Dentro dessas aberturas estão as entradas das espermatecas, sacos cegos onde o macho deposita o esperma durante o acoplamento.

Processo reprodutivo

A reprodução de Loxosceles laeta possui várias características especiais. Primeiro, geralmente ocorre nos meses mais quentes do ano: maio, junho e julho. Outro destaque é que os machos transferem espermatozóides pelos pedipalpos, que são modificados em um órgão copulatório secundário.

Os órgãos envolvidos no acoplamento não estão associados ao sistema genital primário, localizado no opistossoma.

No acoplamento, após o contato masculino e feminino por um tempo, a fêmea levanta o cefalotórax e os primeiros pares de pernas. O macho estende os palpos, que fazem parte do aparelho estridulatório, introduzindo-os no sistema reprodutor feminino.

O estágio copulatório pode durar um tempo muito curto, embora possa ser repetido cerca de três ou quatro vezes. O esperma do homem é sempre transferido de forma encapsulada e inativa para a fêmea.

A costa do esperma é coberta por uma espécie de “tecido”, formado quando o esperma é exposto ao meio ambiente. Depois disso, a fêmea expele os óvulos para a passagem abdominal, onde são fertilizados pelos espermatozóides que viajam das espermatecas.

As fêmeas da aranha violinista colocam os ovos nas ootecas, que podem conter uma média de 89 ovos. Cerca de dois meses após o acasalamento, os ovos eclodem e a prole nasce.

Essas pequenas ninfas, se as condições de sobrevivência forem extremas, podem atingir o canibalismo. Aqueles que conseguirem sobreviver serão adultos quando chegarem ao redor do ano de idade.

O acasalamento pode ocorrer até duas vezes durante um período de 3 meses, o que leva a um lote duplo de postura de ovos por ano.

Comportamento

A aranha violinista é um inseto tímido, territorial, caçador e noturno, sendo ainda mais ativo nas noites de verão. Nas estações frias, sua vitalidade diminui acentuadamente. Esta espécie gosta de lugares escondidos e escuros, dos quais parte apenas para a caça.

Se ele percebesse alguma ameaça, seria capaz de reagir muito rapidamente, correndo a toda velocidade em busca de um abrigo. Ele também podia pular até 10 centímetros de altura para escapar do perigo.

Geralmente não são agressivos, preferem fugir do que atacar. No entanto, quando o fazem, primeiro levantam as pernas da frente como um sinal de alerta, dizendo ao adversário que não recuam.

Se eles decidissem atacar, usariam sua melhor arma: o poderoso veneno. Esta substância pode causar a morte de um ser humano em um tempo relativamente curto.

O tecelão de aranha

Loxosceles l aeta tece uma teia de aranha irregular, com um design confuso. Horizontalmente, tem outra rede, formando uma espécie de rede curta. Eles podem estar localizados em qualquer lugar onde esses insetos vivam: os cantos escuros das paredes, as gavetas ou as prateleiras.

Tem uma textura espessa, felpuda e pegajosa e a cor é branca. Seu comprimento pode atingir entre 4 e 8 centímetros, com uma espessura de 1 centímetro. A aranha violinista permanece muito tempo na rede, que serve tanto para descansar quanto para capturar suas presas.

Embora a aranha violinista seja sedentária, se ele precisasse fugir da teia, ele não faria isso muito longe, embora ocasionalmente os machos pudessem fazê-lo.

Comportamento sexual

A aranha violinista tem comportamentos sexuais que podem ser classificados em cinco estágios:

Antes do namoro

Esta etapa corresponde ao momento de reconhecimento do casal. Existem onze padrões de movimento diferentes, culminando no contato tátil entre o homem e a mulher.

Namoro

Depois de se tocarem, o macho poderia bater nas pernas da fêmea. Então, o casal é posicionado frente a frente. O macho estica as pernas da frente, tocando suavemente o cefalotórax da fêmea. Posteriormente, ele volta à sua posição original, atingindo a fêmea novamente em sua perna.

Nesta fase, a fêmea pode ser receptiva ao namoro do homem. Nesse caso, seus membros anteriores mostrariam um leve tremor. Se a fêmea não fosse receptiva, aumentaria o cefalotórax no momento em que fosse tocado pelo macho, podendo até atacá-lo.

Pré-acoplamento

Como o homem tem as pernas dianteiras na fêmea, agora tentará tocá-lo na região lateral do opistossoma.

Relações sexuais

Nesta fase, o macho já está posicionado diante da fêmea. Para iniciar a cópula, ela dobra as pernas para mais perto do corpo da fêmea. Depois disso, o macho move seus pedipalpos, tocando as partes bucais de seu parceiro.

Em seguida, o macho passa a baixar o cefalotórax, movendo-se sob a fêmea. Dessa forma, ele estica os pedipals para inseri-los nos sulcos genitais da fêmea.

Os êmbolos dos pedestres permanecem inseridos por alguns segundos, no entanto, essa ação pode ser repetida várias vezes. Na última inserção do êmbolo, antes que o macho se retire, pode ocorrer um ataque muito agressivo da fêmea.

Pós-cópula

Uma vez concluído o acoplamento, o macho pode remover as pernas do cefalotórax da fêmea ou esticá-las. Você também pode exibir os padrões pré-copulatórios novamente. Algumas amostras geralmente aproveitam a oportunidade para limpar os pedipalpos, passando-os pelas quelíceras.

Referências

  1. Willis J. Gertsch (1967). O gênero aranha loxosceles na América do Sul (Araneae, Scytodidae). Boletim do Museu Americano de História Natural, Nova York. Recuperado de digitallibrary.amnh.org.
  2. Andrés Taucare-Río (2012). Aranhas sinantrópicas perigosas do Chile. Scielo Recuperado de scielo.conicyt.cl.
  3. Wikipedia (2018). Loxosceles laeta. Recuperado de en.wikipedia.org.
  4. Fuzita FJ, Pinkse MW, Patane JS, Verhaert PD, Lopes AR. (2016). Técnicas de alto rendimento para revelar a fisiologia molecular e a evolução da digestão em aranhas. NCBI Recuperado de ncbi.nlm.nih.gov.
  5. Peter Michalik, Elisabeth Lipke (2013). Sistema reprodutor masculino de aranhas. Portão de pesquisa Recuperado de researchgate.net.
  6. Hugo Schenone, Antonio Rojas, Hernán Reyes, Fernando Villarroel e Andgerardo Suarez (1970). Prevalência de Loxosceles laeta em casas no centro do Chile. Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene. Recuperado de koivu.luomus.fi.
  7. Ministério da Saúde, Governo do Chile (2016). Guia para gerenciamento de picadas de aranha – Loxosceles laeta. Recuperado de cituc.uc.cl
  8. Demitri Parra, Marisa Torres, José Morillas, Pablo Espinoza (2002). Loxosceles laeta, identificação e um olhar sob microscopia de varredura. Recuperado de scielo.conicyt.cl.
  9. ITIS (2018). Loxosceles laeta. Recuperado de itis.gov.
  10. Marta L. Fischer (2007). Comportamento sexual de Loxosceles laeta (Nicolet) (Araneae, Sicariidae): influência da idade da fêmea. Recuperado de scielo.br.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies