Luto Perinatal: Como superar a perda de uma criança

O luto perinatal é um tema delicado e doloroso que aborda a perda de uma criança durante a gestação, parto ou nos primeiros meses de vida. É uma experiência devastadora para os pais e famílias que enfrentam essa realidade, e muitas vezes, sentem-se sozinhos e sem saber como lidar com a dor e o sofrimento. Neste contexto, é fundamental oferecer apoio e orientação para ajudar os pais a superarem essa perda e encontrarem maneiras saudáveis de lidar com o luto. Este livro aborda justamente esse tema, fornecendo informações, reflexões e estratégias para auxiliar os pais nesse processo de superação e enfrentamento da perda de uma criança.

Como lidar com a dor da perda de um filho pequeno?

Lidar com a dor da perda de um filho pequeno é uma das experiências mais devastadoras que um pai ou uma mãe pode enfrentar. O luto perinatal, ou seja, a perda de uma criança antes, durante ou logo após o nascimento, traz consigo uma dor inimaginável e uma sensação de vazio que parece insuperável. No entanto, é possível encontrar maneiras de lidar com essa dor e seguir em frente, mesmo que pareça impossível no momento.

Uma das primeiras coisas a se fazer ao lidar com a perda de um filho pequeno é permitir-se sentir a tristeza e o luto. É importante permitir-se chorar, expressar suas emoções e não reprimir o que está sentindo. O luto é um processo natural e saudável, e é importante permitir-se vivenciá-lo plenamente.

Além disso, buscar apoio é essencial. Conversar com um psicólogo, participar de grupos de apoio ou compartilhar sua dor com amigos e familiares pode ajudar a aliviar um pouco do peso que você está carregando. Não tenha medo de pedir ajuda e de se apoiar nas pessoas que estão ao seu redor.

Outra estratégia importante para lidar com a dor da perda de um filho pequeno é cuidar de si mesmo. Praticar atividades que lhe tragam conforto e paz, como meditação, exercícios físicos ou hobbies que lhe tragam prazer, pode ajudar a distrair a mente e a aliviar um pouco da dor que está sentindo.

Por fim, lembre-se de que o tempo é um aliado no processo de cura. A dor da perda de um filho pequeno não desaparece da noite para o dia, mas com o tempo ela se torna mais suportável e você encontra maneiras de conviver com essa dor. Seja gentil consigo mesmo e permita-se passar por esse processo de luto, confiando que, aos poucos, você será capaz de superar essa perda e encontrar um novo sentido para a sua vida.

Como enfrentar o luto após a perda de um filho natimorto.

Perder um filho natimorto é uma das experiências mais devastadoras que um casal pode enfrentar. A dor da perda misturada com a frustração e a sensação de vazio pode parecer insuportável. No entanto, é importante lembrar que é possível superar o luto perinatal e encontrar um caminho para a cura.

Uma das primeiras etapas para enfrentar o luto após a perda de um filho natimorto é permitir-se sentir todas as emoções que surgirem. É normal sentir tristeza, raiva, culpa e até mesmo um certo alívio. Aceitar esses sentimentos e permitir-se vivenciá-los é fundamental para iniciar o processo de cura.

Buscar apoio é outra parte essencial do processo de enfrentamento do luto perinatal. Conversar com um terapeuta, participar de grupos de apoio ou simplesmente compartilhar sua dor com familiares e amigos pode ajudar a aliviar o peso emocional da perda. Conversar sobre o que aconteceu e expressar seus sentimentos pode ser terapêutico.

Além disso, é importante cuidar de si mesmo durante esse período difícil. Praticar exercícios físicos, manter uma alimentação saudável e dedicar tempo para atividades que tragam conforto e relaxamento podem ajudar a fortalecer o corpo e a mente durante o luto perinatal.

Lembrar-se de que o processo de cura é único para cada pessoa e não há um prazo definido para superar a perda de um filho natimorto. Permita-se o tempo que for necessário para vivenciar o luto e busque ajuda sempre que precisar. Com o apoio adequado e o autocuidado, é possível encontrar um caminho para a cura e a esperança para o futuro.

Maneiras de lidar com o luto pela perda de um bebê querido.

O luto pela perda de um bebê querido é uma experiência devastadora e dolorosa para os pais e familiares. Lidar com essa perda pode ser extremamente desafiador, mas existem maneiras de enfrentar esse momento difícil e superar a dor.

Relacionado:  Doutor, por que me sinto triste?

Uma das maneiras de lidar com o luto pela perda de um bebê é permitir-se sentir todas as emoções que surgirem. É normal sentir tristeza, raiva, culpa e até mesmo alívio. Aceitar esses sentimentos e permitir-se vivenciá-los é essencial para o processo de cura.

Outra forma de lidar com o luto é buscar apoio emocional. Conversar com amigos, familiares, ou participar de grupos de apoio pode ajudar a compartilhar a dor e encontrar conforto. Buscar a ajuda de um profissional de saúde mental também pode ser benéfico para lidar com a dor de forma saudável.

Além disso, honrar a memória do bebê pode ser uma maneira reconfortante de lidar com o luto. Criar um memorial, plantar uma árvore em sua homenagem, ou participar de alguma atividade em sua memória pode ajudar os pais a encontrar uma forma de conexão e paz interior.

Por fim, é importante lembrar que o processo de luto é único para cada pessoa e não tem um prazo definido. Permitir-se viver o luto de forma autêntica e respeitar o próprio tempo é fundamental para superar a perda de um bebê querido.

Em resumo, lidar com o luto pela perda de um bebê requer tempo, paciência e autocuidado. Permitir-se sentir as emoções, buscar apoio, honrar a memória do bebê e respeitar o próprio processo de cura são maneiras importantes de enfrentar esse momento difícil e encontrar conforto e paz interior.

Auxiliando alguém que enfrenta o luto pela morte de um filho.

Perder um filho é uma das maiores dores que um ser humano pode enfrentar. O luto pela morte de uma criança, especialmente durante a gestação ou logo após o nascimento, é uma situação extremamente delicada e que requer apoio e compreensão daqueles que estão ao redor. Se você conhece alguém que está passando por essa situação, é importante estar presente e oferecer suporte emocional.

Em primeiro lugar, é fundamental escutar a pessoa enlutada. Permita que ela expresse seus sentimentos, suas dores e suas angústias. Não tente minimizar a dor ou encontrar justificativas para a perda, apenas esteja presente para ouvir e acolher. Mostrar empatia e compaixão é essencial para ajudar alguém que está enfrentando o luto pela morte de um filho.

Além disso, é importante oferecer apoio prático à pessoa enlutada. Pergunte se há algo que você possa fazer para ajudar, como cuidar de tarefas do dia a dia, preparar refeições ou simplesmente estar presente para um abraço ou um ombro amigo. Pequenos gestos de solidariedade podem fazer uma grande diferença nesse momento tão difícil.

Lembre-se também que cada pessoa enfrenta o luto de maneira única e que não há um prazo estabelecido para superar a perda de um filho. Respeite o tempo e o espaço da pessoa enlutada, permitindo que ela vivencie suas emoções e encontre seu próprio caminho de cura. Esteja disponível para oferecer suporte contínuo, mesmo após o período mais intenso do luto.

Em resumo, auxiliar alguém que enfrenta o luto pela morte de um filho requer sensibilidade, paciência e amor. Esteja presente, escute, ofereça apoio prático e emocional e respeite o processo de cura da pessoa enlutada. Com compaixão e empatia, é possível ajudar a superar essa dor tão profunda e encontrar um caminho de esperança e renovação.

Luto Perinatal: Como superar a perda de uma criança

O luto perinatal é o processo que as pessoas passam por após a perda de uma criança por nascer e, geralmente, não é reconhecido pela perda sociedade.Quando algo assim acontece, você sente uma dor de partir o coração, sua vida perde sentido, seus planos são interrompidos e nada mais importa.

Não há mais pressa, tarefas pendentes ou relatório de trabalho que você precisava entregar com urgência. Seu mundo ficou paralisado pela perda de sua amada.

Luto Perinatal: Como superar a perda de uma criança 1

Agora pense por um momento em uma das maiores perdas de sua vida, a dor que sentiu, como seu mundo se desfez, o tempo que você levou para superá-lo … e pergunte-se: como seria esse momento se ninguém tivesse reconhecido minha perda

A perda da criança foi capaz de ocorrer de várias maneiras:

  • Para um aborto espontâneo.
  • Para um aborto voluntário.
  • Para um aborto voluntário devido a malformações do feto.
  • Para um aborto voluntário porque a vida da mãe está em perigo.
  • Devido à redução seletiva de mulheres grávidas (no caso de gêmeos, trigêmeos …), porque um dos bebês tem um problema / malformação ou por qualquer outro motivo.
  • Para complicações no parto.
  • Etcetera
Relacionado:  Como saber se você tem depressão: 7 sinais (crianças e adultos)

Embora ao longo do artigo falemos de duelos pela perda de nascituros, o luto perinatal inclui as perdas produzidas desde o momento da concepção até os seis meses de vida do bebê.

Se lemos sobre a dor perinatal, podemos encontrar autores que estabelecem outras faixas (por exemplo, de 22 semanas de gravidez a um mês, seis meses …). Há muitas opiniões sobre esse tópico.

Devo enfatizar que a dor associada ao luto perinatal não difere da dor associada a um duelo normal, embora haja diferenças entre os dois.

Diferenças entre luto normal e perinatal

Quando um ente querido morre, a sociedade reconhece essa perda de várias maneiras:

  • Permitindo-nos realizar os rituais de luto que julgamos apropriados (funerais, missas, enterros …).
  • Mudando nosso papel: passamos de filho para órfão ou de marido e esposa para viúvo.
  • Tirando alguns dias de folga no trabalho para “se recuperar”.
  • Receber o apoio das pessoas que nos rodeiam, que nos pedem e se preocupam conosco.

No entanto, quando o duelo é perinatal e a perda é de um feto, as coisas mudam:

  • Não há rituais de luto estabelecidos para esse tipo de perda, que confunde os pais, que precisam realizar algum tipo de ritual, mas não sabem como, quando ou onde realizá-lo.
  • Não existe uma palavra em espanhol que descreva o novo papel dos pais que perderam um filho.
  • Não há opção para levar alguns dias no trabalho, mas você deve ingressar na sua posição imediatamente após a perda.
  • O apoio recebido é muito menor, uma vez que esse tipo de perda geralmente é um assunto tabu para o qual não se pede ou se pede pouco.

A sociedade não reconhece esse tipo de perda, nega-a, mantendo a falsa crença de que, se algo não é discutido, é como se nunca tivesse acontecido.Essa negação complica a situação dos pais, que são impotentes sem saber o que fazer ou como agir em uma situação tão dolorosa.

Devo enfatizar que a sociedade não nega a existência de uma gravidez que não deu frutos, mas nega a existência de uma relação social entre os pais / parentes e o bebê e, portanto, se não houver relação social, Não há duelo.

O fato de o luto não ser reconhecido pela perda de um filho ainda não nascido resulta em uma série de sérias conseqüências.

Consequências de uma perda perinatal

  • Isolamento social.
  • Ansiedade e medo de uma nova gravidez.
  • Crenças erradas sobre o próprio corpo e sobre o mesmo (meu corpo não é capaz de gestar, meu corpo não vale, não valho …).
  • Culpa por si mesmo.
  • Depressão .
  • Dificuldades ao tomar decisões .
  • Irritado com os outros (a equipe médica, Deus …).
  • Falta de cuidado com o resto das crianças.
  • Falta de interesse pelas atividades da vida cotidiana.
  • Problemas alimentares (não comer ou comer demais).
  • Problemas de relacionamento (tanto relacionais quanto sexuais).
  • Problemas físicos (aperto no peito, vazio no estômago …).
  • Problemas para dormir (insônia, pesadelos …).
  • Sentimentos de ambivalência diante de uma nova gravidez.
  • Sentindo-se sozinho , vazio.
  • Tristeza
  • Etcetera

Essas conseqüências não afetam apenas a mãe, mas também o pai, os irmãos e os avós. Não esqueça que eles também sofreram gravidez e, portanto, também sofrem a perda.

Como ajudar após um duelo perinatal?

Sejam profissionais ou não, podemos ajudar as pessoas que estão passando por esse momento ruim de várias maneiras. Se você quiser ajudar, deve:

  • Reconheça sua perda, sem negar a qualquer momento o que aconteceu.
  • Deixe-os falar com você sobre o que aconteceu, deixando-os chorar na sua frente, perguntando-lhes frequentemente como se sentem …
  • Ofereça seu apoio para tudo o que eles precisam, mesmo que o que eles perguntem lhe pareça ridículo e insignificante.
  • Encontre os recursos necessários para a sua melhoria (um médico, um psiquiatra, um psicólogo …).
  • Respeite suas decisões, como se livrar das coisas do bebê ou não.

Você também deve levar em consideração vários aspectos a serem evitados e que, infelizmente, tendemos a fazer:

  • Você nunca deve dizer frases como essa: “Não se preocupe, você terá mais filhos” , porque para os pais cada filho é único, especial e insubstituível.
  • Você deve evitar as frases típicas antes de uma perda: “Seja forte”, “Está em um lugar melhor”, “Tudo acontece por uma razão” … Eles não ajudam.
  • Não diga “entendo sua dor” se você não passou por algo semelhante.
  • Não julgue as decisões que os pais tomaram.
  • Não procure aspectos positivos do que aconteceu.
Relacionado:  Mudanças de humor: 8 dicas práticas para tratar

Infelizmente, o luto perinatal é uma questão desconhecida para a maioria da população, portanto, temos deficiências em ajudar aqueles que estão passando por esse momento doloroso.

Em muitas ocasiões, é melhor permanecer ao lado da pessoa enlutada, oferecendo nosso amor e apoio, do que falar sem ter muita ideia e causar mais dor.

Como se ajudar

Se você está enfrentando um duelo perinatal e não sabe muito bem o que fazer, como agir ou como lidar com todos os sentimentos que o dominam, não se preocupe, é totalmente normal.

A primeira coisa que você deve fazer é entender que está passando por um processo de luto, o que implica um tempo de elaboração e muita dor associada. Você acabou de perder um ente querido e isso é muito difícil.

Aqui estão vários passos a serem seguidos para superar o duelo:

  • Dizer adeus ao seu bebê é muito importante para o luto. Peça às enfermeiras para trazê-lo para você e passar algum tempo a sós com ele.
  • Realize algum tipo de ritual funerário, no qual familiares e parentes podem dizer adeus a ele.
  • Em alguns hospitais, eles permitem que você faça um molde das mãos ou pés do seu bebê, fotografe-se com ele ou até banhe-o. Sempre que você quiser, essas atividades são recomendadas.
  • Fale sobre o que aconteceu com seus entes queridos. Se isso não for possível, procure um grupo de apoio para este trabalho.
  • Não contenha seus sentimentos e emoções, não os reprima; é necessário que você melhore a dor associada à perda.
  • Descubra o sofrimento perinatal, quanto mais informações você tiver, melhor.
  • Existem muitas associações de pais que perderam um filho, descobrem e incentivam a participação.
  • Não se apresse para superar o duelo, é um processo longo.
  • Vá a um psicólogo, ele irá ajudá-lo nestes tempos difíceis.

Dependendo das condições, o duelo será mais ou menos complicado de elaborar. Não é o mesmo que um aborto natural para agendar a morte do seu bebê, não é o mesmo ter uma ou várias perdas …

Quanto à duração do duelo, é muito difícil prever, uma vez que muitas variáveis ​​influenciam: a história dos duelos anteriores, as características da personalidade, o tipo de morte, o tipo de relacionamento com o falecido …

Como coloca o autor William Worden: “perguntar quando um duelo termina é um pouco como perguntar qual é a altura dele” .

Todas essas recomendações destinam-se a aceitar a perda de seu filho, tanto intelectual quanto emocional. Eu sei que é difícil, mas é o primeiro passo para avançar com sua vida.

A dor do luto faz parte da vida tanto quanto a alegria do amor; talvez seja o preço que pagamos pelo amor, o custo do compromisso ”- Colin Murray.

Referências

  1. Cacciatore, J. Flenady, V. Koopmans, L. Wilson, T. (2013). Apoio a mães, pais e famílias após a morte perinatal. Grupo Cochrane de Gravidez e Parto , 6, 1-22.
  2. Davidson, D. (2011). Reflexões sobre a realização de pesquisas fundamentadas em minha experiência de perda perinatal: do auto / biografia à autoetnografia. Pesquisa Sociológica Online , 16 (1), 6.
  3. Forhan
    , M. (2010). Fazendo, Ser e Tornar-se: a jornada de uma família através da perda perinatal. American Journal of Occupational Therapy , 64,
    luto 142-151.Complicated após a perda perinatal
  4. Gausia, K. Moran, A. Ali, M. Ryder, D. Fisher, C. Koblinsky, M. (2011). Consequências psicológicas e sociais entre mães que sofrem de
    perda perinatal: perspectiva de um país de baixa renda. BMC Public Health , 11, 451.
  5. Gaziano C. O’Leary. J. (2011). Sofrimento do irmão após a perda perinatal. Jornal de Psicologia e Saúde Pré-Natal e Perinatal , 25 (3).
    Luto complicado após perda perinatal
  6. Kersting, A. Wagner, B. (2012) Luto complicado após perda perinatal. Dialogues in Clinical NeuroSciences , 14 (2), 187-194.
  7. Whitaker, C. (2010). Luto perinatal em pais latinos. The American Journal of Maternal / Child Nursing , 35 (6), 341-345.

Deixe um comentário