Macrocystis pyrifera: características, taxonomia, ciclo de vida

Macrocystis pyrifera, conhecida popularmente como alga gigante do Pacífico, é uma espécie de alga marrom pertencente à família Laminariaceae. É uma das maiores algas do mundo, podendo atingir até 60 metros de comprimento.

Esta alga é encontrada principalmente nas águas frias e profundas do oceano Pacífico, ao longo da costa oeste das Américas, da Califórnia até o Chile. Ela se fixa no substrato por meio de um disco de fixação e cresce em direção à superfície da água, formando densas florestas submarinas.

O ciclo de vida de Macrocystis pyrifera é caracterizado por uma alternância entre gerações haploides e diploides. A fase haploide produz gametas que se unem para formar zigotos diploides, que se desenvolvem em esporófitos multicelulares. Estes esporófitos crescem até atingir a maturidade e produzem esporos que se desenvolvem em gametófitos, fechando o ciclo de vida da alga.

Principais características das algas pardas: o que você precisa saber sobre elas.

As algas pardas são um grupo diversificado de organismos aquáticos que pertencem ao Reino Protista. Elas são conhecidas por suas grandes dimensões e cores que variam do marrom ao verde-oliva. Uma das algas pardas mais emblemáticas é o Macrocystis pyrifera, também conhecido como alga gigante do Pacífico.

O Macrocystis pyrifera é uma alga marinha que pode atingir comprimentos impressionantes, chegando a mais de 50 metros de altura. Sua estrutura principal é composta por um estipe longo e flexível, que se ramifica em várias lâminas foliares. Essa alga é encontrada em águas frias e ricas em nutrientes, como as do oceano Pacífico.

No que diz respeito ao ciclo de vida, o Macrocystis pyrifera apresenta uma alternância de gerações, com a fase reprodutiva ocorrendo na forma de gametófitos e esporófitos. Os gametófitos produzem gametas que se fundem para formar o zigoto, que se desenvolve em um esporófito maduro. Este, por sua vez, libera esporos que germinam e dão origem a novos gametófitos.

Em resumo, as algas pardas, como o Macrocystis pyrifera, são organismos marinhos fascinantes que desempenham um papel fundamental nos ecossistemas aquáticos. Sua grande diversidade e complexidade biológica as tornam objetos de estudo importantes para a compreensão da vida no meio aquático.

O que diferencia algas como florestas de Kelps? Características que definem.

As algas conhecidas como florestas de Kelps são caracterizadas principalmente por sua estrutura complexa e tamanho impressionante, em comparação com outras algas. Um exemplo notável desse grupo é o Macrocystis pyrifera, uma alga parda encontrada em regiões costeiras de águas frias em todo o mundo.

O Macrocystis pyrifera é uma alga gigante que pode atingir até 60 metros de comprimento, tornando-a uma das maiores algas do mundo. Sua estrutura consiste em um caule longo e flexível, chamado de hapterão, que se prende ao substrato marinho, e diversas lâminas foliares que se estendem para a superfície da água, onde realizam a fotossíntese.

Além do tamanho impressionante, o Macrocystis pyrifera também se destaca por seu ciclo de vida complexo. Ele passa por diferentes fases, incluindo a fase esporofítica, onde produz esporos que se desenvolvem em gametófitos, e a fase gametofítica, onde ocorre a reprodução sexuada e a formação de novos indivíduos.

Em resumo, as algas como o Macrocystis pyrifera se diferenciam das demais por sua estrutura complexa, tamanho impressionante e ciclo de vida elaborado. Essas características únicas as tornam essenciais para os ecossistemas marinhos e merecem ser estudadas e preservadas.

Relacionado:  Boletus edulis: características, morfologia, nutrição

Macrocystis pyrifera: características, taxonomia, ciclo de vida

O Macrocystis pyrifera é um macroalgas pertencente ao (algas castanhas) classe Phaeophyceae. É uma das maiores algas do planeta, com predileção por habitats marinhos de água fria.

Foi descrita pela primeira vez pelo botânico sueco Carl Adolph Agardh em 1820. É uma alga que forma verdadeiras florestas marinhas, na qual serve de sustento para várias espécies de animais aquáticos.

Macrocystis pyrifera: características, taxonomia, ciclo de vida 1

Macrocystis pyrifera. Fonte: Por Claire Fackler, CINMS, NOAA. (Biblioteca de fotos da NOAA: sanc0058) [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0) ou Domínio público], via Wikimedia Commons
No entanto, eles também podem ser a causa de alguns incidentes infelizes, pois são tão abundantes que podem se enredar nos propulsores de barcos.

Essa macroalga é uma das que mais traz benefícios para o ser humano. Por suas aplicações em gastronomia, ecologia e no campo da saúde, conquistou uma posição de honra muito merecida.

No entanto, existem muitos aspectos que permanecem desconhecidos sobre Macrocystis pyrifera . É por isso que os estudos sobre suas propriedades se multiplicaram nos últimos anos.

Espera-se que essa alga marinha se torne um dos melhores aliados naturais do homem em relação aos cuidados de saúde e ao planeta.

Taxonomia

A classificação taxonômica de Macrocystis pyrifera é a seguinte:

Domínio: Eukarya

Reino: Protista

Borda: Heterokontophyta

Classe: Phaeophyceae

Ordem: Laminarial

Família: Laminariaceae

Gênero: Macrocystis

Espécie: Macrocystis pyrifera

Morfologia

O Macrocystis pyrifera é uma das maiores algas conhecidas, assim estados que são organismos multicelulares. Foi até listado como o ser vivo aquático mais longo, pois embora seu tamanho médio seja de 30 metros, foram encontradas amostras que atingem um comprimento entre 50 e 70 metros.

Da mesma forma, é uma alga cujo crescimento é bastante ativo. De acordo com vários estudos, foi estabelecido que uma média de 12 cm por dia cresce.

Morfologicamente falando, a alga marinha é composta por uma estrutura de fixação, conhecida como rizóide, que pode atingir até 40 cm de diâmetro e um total de 38 cm de altura. Seus stipes (pedículo da haste) são bastante longos e de forma cilíndrica.

Dos stipes surgem os lençóis, ásperos com certas bordas irregulares. As folhas que estão longe da base têm estruturas conhecidas como pneumatóforos, que são preenchidos com ar e permitem que as algas flutuem.

A cor característica dessas algas abrange um espectro que varia do amarelo ao marrom, passando pelo marrom esverdeado.

Características gerais

Habitat

Essas algas estão distribuídas em todo o mundo, com predileção por águas de baixa temperatura, com média de 21 ° C.

Eles estão localizados em quase todos os continentes. No continente americano, é encontrado na América do Sul e na América do Norte (da Califórnia ao Alasca); na África é particularmente abundante na África do Sul; na Oceania, pode ser encontrada no sul da Austrália e na Nova Zelândia.

Eles têm pigmentos

As algas pertencentes à espécie Macrocystis pyrifera possuem, como todas as algas, vários pigmentos que fornecem certa coloração característica.

Entre os pigmentos presentes nesse tipo de alga, podem ser mencionadas xantofilas, como fucoxantina (cor marrom) e flavoxantina (cor amarela dourada). Existem também dois tipos de clorofila, a e c.

Relacionado:  Cladoceros: características, classificação, habitat, alimentação

Embora seja verdade que as xantofilas são responsáveis ​​pela coloração das algas, a clorofila tem um papel preponderante no processo de fotossíntese realizado nas células das algas.

Nutrição

As algas Macrocystis pyrifera são organismos autotróficos. Isso significa que é capaz de sintetizar seus próprios nutrientes e o faz através do processo de fotossíntese.

A fotossíntese é um dos processos fundamentais para a manutenção da vida no planeta.O Macrocystis pyrifera pode realizar a fotossíntese, porque tem em suas células de clorofila, que é responsável por absorver a luz solar, elemento também essencial para o processo de desenvolvimento de forma otimizada.

É muito útil em ecossistemas

No fundo do mar, essas algas constituem florestas verdadeiras. Portanto, eles são refúgio, habitat e alimento para um grande número de espécies de peixes e invertebrados. Eles também podem ser substratos para outros tipos de algas.

Macrocystis pyrifera: características, taxonomia, ciclo de vida 2

Macrocystis pyrifera é um meio de subsistência e refúgio para muitas espécies de peixes. Fonte: Por Stef Maruch (kelp-forest.jpg) [CC BY-SA 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0)], via Wikimedia Commons

Da mesma forma, graças à sua atividade fotossintética, são considerados produtores primários de grande importância dentro do ecossistema. Portanto, eles são responsáveis ​​por fixar grandes quantidades de carbono.

Reprodução

Essas algas manifestam os dois tipos de reprodução existentes: assexuada e sexual.

A reprodução assexuada é dada pela produção de esporos, conhecidos como zoósporos, enquanto a reprodução sexuada ocorre por ligação e fertilização de um gameta feminino por uma gâmeta masculina.

Ciclo de vida

Este tipo de alga tem um ciclo de vida no qual se pode ver a alternância de gerações heteromórficas: esporófito e gametófito. O esporófito (diplóide) constitui a planta macroscópica visível, enquanto o gametófito (haploide) é de tamanho microscópico.

Tomando como ponto de partida, o esporófito diplóide, quando atinge uma idade aproximada entre seis e doze meses, produz os zoósporos.

Esses zoósporos são armazenados em uma estrutura conhecida como esporófilos. Eles são o produto de inúmeras divisões meióticas, portanto, geneticamente falando, são haplóides.

Os zoósporos são liberados das esporófilas, que se depositam no substrato rochoso onde germinam inevitavelmente. Através de numerosas divisões mitóticas sucessivas, os esporos geram gametófitos (feminino e masculino) que são microscópicos em tamanho.

O gametófito masculino gera células móveis e biflageladas chamadas anterozoides. O gametófito feminino gera o óvulo, que é imóvel.

Quando ocorre a fertilização ou união das células sexuais masculinas e femininas, é gerado um zigoto diplóide. Desenvolve-se gradualmente e cresce através de um grande número de divisões mitóticas. Em quatro semanas, pequenas folhas de 1-2 mm podem ser observadas.

Dois meses após a fertilização, o esporófito é totalmente visível, atingindo um comprimento entre 5 e 10 cm. Com o tempo, o esporófito continua a experimentar divisões por mitose, crescendo e se tornando evidente. Aos 12 meses, as algas já podem atingir um comprimento de 20 m.

Uma vez totalmente desenvolvido, o esporófito é capaz de produzir mais zoósporos, culminando o ciclo e iniciando um novo.

Usos

O Macrocystis pyrifera é uma das algas têm como muitos usos para benefícios humanos. A versatilidade desta alga marinha permitiu seu uso em vários campos, como farmacológico, ambiental e indústria de alimentos.

Relacionado:  Heterosporia: processo e reprodução

Utilizações farmacológicas

Esta espécie de alga marrom tem sido muito útil no campo da farmacologia. É uma fonte abundante de ágar, que pode ser usada na preparação de alguns medicamentos.

Primeiro, o ágar possui certas propriedades que permitem a limpeza do corpo. É um excelente limpador e laxante. Essas propriedades são devidas ao fato de o ágar estimular o trânsito intestinal. É benéfico porque, além disso, não causa desconfortos (cãibras, cólicas abdominais) que causam outros laxantes.

Da mesma forma, essa propriedade também está relacionada à diminuição do colesterol e dos triglicerídeos, pois acelera a passagem desses compostos pelo intestino, impedindo que sejam totalmente absorvidos e passem para a corrente sanguínea.

Da mesma forma, numerosos estudos demonstraram que certos componentes obtidos a partir dessas algas contribuem para o controle do diabetes, uma vez que retarda a absorção de glicose pelas células intestinais.

Outros estudos que ainda estão em fase experimental determinaram que alguns compostos extraídos dessas algas, conhecidos como fulfanos e galactanos sulfatados, têm ação anticoagulante.

Os efeitos a longo prazo ainda precisam ser determinados. Se considerados seguros, seriam um grande avanço no tratamento de certas patologias do sistema cardiovascular.

Usos na indústria alimentícia

O ágar que é extraído de várias algas, incluindo Macrocystis pyrifera , tem sido amplamente utilizado na área gastronômica.

Um dos usos que lhes é dado é na preparação de sobremesas como geléias. É utilizado graças ao seu efeito gelificante e por não ter gosto, o que não interfere no sabor das sobremesas e alimentos a serem preparados.

Da mesma forma, outro composto extraído dessas algas, o ácido algínico, é amplamente utilizado como emulsificante e espessante de certos alimentos amplamente utilizados por toda a população. Estes incluem molhos, molhos para salada e comida para bebê, entre outros.

Além disso, a própria alga é usada em várias receitas internacionais. Particularmente no Peru e no Chile, eles fazem parte de muitos pratos.

Uso ecológico

O Macrocystis pyrifera contém em sua composição uma grande quantidade de açúcares. De fato, constituem mais de 60% do seu peso total.Bem, os avanços na biotecnologia nos permitiram obter formas de combustíveis através do processamento de compostos orgânicos.

Nesse caso, os carboidratos contidos na Macrocystis pyrifera são processados ​​e fermentados para convertê-los em um biocombustível conhecido como etanol. Também pode ser transformado em outros tipos de biocombustível.

Isso é de grande importância no nível ambiental, uma vez que o uso de biocombustíveis reduz bastante a emanação de gases tóxicos na atmosfera, produto da combustão.

Referências

  1. Alveal, K., Romo, H. & Avila, M. (1982). Estudo do ciclo de vida de Macrocystis pyrifera de Isla Navarino, Chile. Bot. 39: 1-12.
  2. A. Jackson, “Modelando o crescimento e o rendimento de colheita da alga gigante Macrocystis pyrifera “, Instituto de Recursos Marinhos, Scripps Institution of Oceanography, Universidade da Califórnia, San Diego, Marine Biology 95 (611-624), 1987
  3. Mondragon, Jennifer e Jeff Mondragon. (2003) Algas da costa do Pacífico. Monterey, Califórnia: Desafiantes do Mar
  4. Norte, WJ, GA Jackson e SL Manley. (1986) “Macrocystis e seu ambiente, conhecidos e desconhecidos”. Aquatic Biology 26: 9-26
  5. Ríos, C. e Mutschke, E. (2009). Contribuição no conhecimento de Macrocystis pyrifera: revisão bibliográfica dos “furúnculos” distribuídos na região de Magallanes. Annals Paragonia Institute. 37 (1) 97-102.

Deixe um comentário