Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas

A manga ( Mangifera indica) é uma espécie de árvore de fruto, que pertence à família Anacardiaceae. É nativo da Índia, embora atualmente seja amplamente distribuído em áreas tropicais e subtropicais.

Quanto à sua etimologia, uma origem é documentada para o nome científico e o nome comum. Agora, considera-se que Mangifera vem da versão latinoizada do nome malaio da fruta e do sufixo latino fer, que se refere a “produzir” (produção de frutas), e indica o indicus latino – a – um, que significa Índia

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 1

Árvore Mangifera indica L. Fonte: pixabay.com

Por seu turno, o nome comum “manga” em espanhol deriva do inglês homônimo “manga” e, por sua vez, do português “manga”, sendo estes os primeiros a introduzir esta fruta na América.

Agora, o fruto da mangueira é amplamente utilizado e recomendado para consumo humano devido à sua composição nutricional. É composto pelas vitaminas A, B, B6 e C, antioxidantes, estimulantes do sistema imunológico, fibra probiótica e açúcares naturais, entre outros.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 2

Fruto de Mangifera indica L. Fonte: pixabay.com

Caracteristicas

Raiz

Possui uma raiz principal que penetra no solo de 6 a 8 metros e raízes superficiais que se estendem em um raio de aproximadamente 10 metros do tronco. Isso permite que a árvore resista a ambientes de baixa umidade.

Tronco

É uma árvore mais ou menos reta, com 10 a 30 metros de altura e 20 a 30 cm de diâmetro. A cor da casca varia de cinza claro a marrom, com látex resinoso. A princípio, sua superfície é lisa e, com a idade, racha-se longitudinalmente ou com ranhuras reticuladas.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 3

Casca de árvore de manga. Fonte: Atamari [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Taça

Possui uma coroa densa e larga, oval ou globular. Seus ramos são grossos e robustos, geralmente encontrados em grupos alternados de internódios longos e curtos. São arredondados, lisos, verde amarelado e opacos, com presença de cabelos quando jovens.

Folhas

São alternados, persistentes ou semi-persistentes e não possuem pêlos, espaçados irregularmente ao longo dos galhos. Eles têm uma forma elíptica e medem em média 6-20 cm por 4-15 cm. Apresentam toda a borda, o ápice e a base arredondada. Os pecíolos medem 1 a 2 cm, lanceolados oblongos e coriáceos. Eles achataram a parte superior e a base inchada.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 4

Folhas de mangueira. Fonte: pixabay.com

Para esta espécie, existe uma costela central robusta e conspícua e 12 a 30 pares de costelas laterais um tanto proeminentes. Eles são caracterizados pelo cheiro resinoso que emitem quando são esmagados. Quanto à cor, quando jovens, são violetas avermelhadas e depois ficam verde-escuras.

Inflorescência

Eles aparecem em panículas ou aglomerados ramificados nos pedúnculos terminais ou axilares, com comprimento entre 10 e 25 cm. Há casos em que inflorescências laterais podem aparecer. Seus eixos principais são rosados ​​a roxos, e às vezes também podem ser amarelados, arredondados e verdes pubescentes.

Quanto às brácteas, elas podem ser oblongas – lanceoladas ou ovadas – oblongas, pubescentes, com 0,3 a 0,5 cm de comprimento.

Esse tipo de árvore possui um grande número de ramos floridos, levando-os por sua vez a milhares de flores.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 5

Inflorescência da mangueira. Fonte: pixabay.com

Flor

Eles aparecem em panículas ou aglomerados. São verdes amarelados, poligâmicos, com 0,2 a 0,4 cm de comprimento e 0,5 a 0,7 cm de diâmetro, com 4 ou 5 sépalas e pétalas.

Em relação às sépalas, estas são livres, decíduas, podendo ovar ou ovar – oblongas, um tanto agudas ou obtusas, côncavas, com cabelos visíveis de 0,2 a 0,3 cm de comprimento e 0,1 a 0,15 cm de largura. Eles são geralmente verde amarelado ou amarelo claro.

Relacionado:  Nocardia asteróides: características, morfologia, doenças

Em relação às pétalas, são vermelhas ou rosa, peludas, lineares e 9 a 13 mm de comprimento.

Agora, suas flores masculinas são compostas de 4 a 5 estames, dos quais apenas 1 ou 2 são férteis. Suas flores femininas são compostas de um ovário globular e um estilo.

Em relação ao antecedente, isso ocorre à noite ou nas primeiras horas da manhã.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 6

Mangifera flowers indica L. Fonte: Lalithamba da Índia [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Fruta

Seu fruto consiste em uma drupa carnuda e monoembrionária, de forma e dimensão variáveis ​​(sua forma é semelhante a um rim). É normalmente ovóide – oblonga, com 4 a 10 cm de comprimento e entre 4 a 8 cm de diâmetro. É verde, verde amarelado e diferentes tons de rosa, vermelho e violeta.

Tem um mesocarpo comestível muito suculento, amarelo ou laranja com fibrose (embora isso dependa da variedade). Seu peso varia de 150 gramas a 2 kg.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 7

Fruto da mangueira. Fonte: CostaPPPR [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Semente

Assim como o fruto, a semente também tem forma de rim, é ovóide ou oblonga, alongada, coberta por um endocarpo espesso e amadeirado com uma camada fibrosa externa. Sua testa é fina e permeável. A semente pode medir até 2,5 cm de comprimento.

Taxonomia

A espécie Mangifera indica L., além de ser conhecida como “manga”, também é documentada como: ambo, mangá, mangue, mangotina, mango pau, magueira, mangueiro.

Sua descrição taxonômica é a seguinte:

Reino: Plantae

Borda: Tracheophyta

Classe: Magnoliopsida

Ordem: Sapindales

Família: Anacardiaceae

Gênero: Mangue

Espécie: Mangifera indica L.

Habitat e distribuição

Em relação ao seu habitat, a mangueira tem certas limitações ao crescer em áreas acima de 1600 metros acima do nível do mar, portanto, exige climas amenos sem geada. Não tolera a sombra.

No entanto, em termos de distribuição, esta espécie é nativa da região indomalaya. A colheita data de mais de 4000 anos na Índia, onde podem ser encontradas populações selvagens, bem como cerca de 1000 variedades das espécies mais próximas, M. sylvatica.

A expansão das espécies para o leste poderia acontecer antes da era cristã. Sua extensão para o oeste deve ter ocorrido em um período mais recente, possivelmente quando os colonizadores portugueses e espanhóis a levaram a todas as áreas onde se estabeleceram. Hoje eles são amplamente distribuídos nos trópicos e subtrópicos do mundo.

Cultivo

Essa árvore pode ser propagada por sementes e, no caso de variedades, é utilizada a técnica de enxerto.

– Propagação por sementes

No caso de propagação de sementes, são utilizadas sementes sem casca. A melhor maneira de removê-lo é cortar as bordas da cápsula com tesouras de podar e depois plantá-las em sacos plásticos pretos, de preferência com 20 a 25 cm de profundidade e 18 a 20 cm de diâmetro.

O terreno a ser usado deve preferencialmente ser leve e misturado com turfa. As sementes devem ser enterradas de 2,5 a 3,5 cm de profundidade. Isso deve ser deixado sob pouco sol e em um ambiente úmido. Da semeadura à brotação, geralmente levam 2 ou 3 semanas.

É importante plantar as sementes imediatamente, preferencialmente nos dias após a liberação da polpa, pois o poder germinativo das sementes se perde rapidamente.

– Propagação por enxerto

Métodos de enxerto ou reforço de abordagem podem ser usados. O melhor momento para o enxerto de gema é no meio da primavera e do verão, pois as plantas estão crescendo ativamente.

Portanto, o momento certo para colocar os enxertos é quando a planta começa a brotar, sendo esses novos rebentos de cor vínica. Isso indica que a casca pode ser facilmente separada da madeira.

Relacionado:  Prados marinhos: características, fatores, flora e fauna

É importante considerar que a madeira enxertada é madura e que a ponta do galho da qual é retirada não está crescendo ativamente.

No entanto, a incisão no padrão deve ser feita na forma de um T ou T invertido, onde a gema deve ter 3,5 a 4 cm de comprimento. Depois de inserido, está amarrado. Após 3 ou 4 semanas, é necessário examinar a gema.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 8

Técnica de enxerto Fonte: Sorruno [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Recomenda-se a aplicação de fertilizante nitrogenado a cada dois meses, durante a fase de viveiro, além de aplicações foliares de boro, que podem ser combinadas com fungicidas e inseticidas.

– Plantação definitiva

É importante ter em mente que o transplante da planta constitui uma operação delicada e sua colheita depende disso.

Agora, no que diz respeito ao estabelecimento das plantas Mangifera indicadas no terreno definitivo, estas devem ser transportadas em quadro real, com distâncias de 8 por 8, 10 por 10 ou 12 por 12 metros.

Em relação ao momento do transplante, é pertinente a realização no início da estação chuvosa, após a redução do sistema foliar e a adubação com um produto com alto teor de fósforo.

Após 1 ou 2 meses e no final das chuvas, a aplicação de nitrogênio é necessária.No segundo ano, é importante iniciar um plano de fertilização de acordo com as características da fazenda, além de controlar a acidez com a aplicação de carbonato de cálcio.

– Requisitos edafoclimáticos

Solo

Em particular, requer solos moderadamente profundos, com boa drenagem. Esta planta se adapta a pisos de diferentes tipos e texturas. No entanto, areia arenosa e argila arenosa são ideais para a penetração e ancoragem das raízes.

Em relação ao pH, esta planta suporta solos levemente ácidos a neutros (entre 5,5 a 7), com disponibilidade de microelementos como ferro e magnésio.

Necessidades de água

Isso depende do tipo de clima da área onde a planta está localizada. Como se você estiver em áreas com períodos alternados de seca e úmida, uma pequena quantidade de água é suficiente no período seco.

Por outro lado, em áreas mais frias, a irrigação deve ser mais abundante, mas levando em conta que o excesso de umidade pode prejudicar a frutificação.

Acontece que essa espécie requer mais suprimento de água nos primeiros dias de vida, atingindo aproximadamente 16 a 20 litros por semana por árvore; sendo mais exigente no chão do que no berçário.

No entanto, a mangueira se adapta a condições variáveis ​​de precipitação, precipitação anual mínima entre 1000 e 1200 mm.

Há relatos que indicam a tolerância à seca por essa espécie. Essa tolerância é atribuída à presença de laticíferos, que permitem que as folhas retenham sua turgidez por meio de um ajuste osmótico, que evita o déficit hídrico interno.

Temperatura

Nesse sentido, a manga é cultivada com eficiência em temperaturas quentes dos trópicos. A temperatura ideal para o seu desenvolvimento varia entre 24 ° C e 26 ° C. Também se desenvolve bem em áreas subtropicais com temperaturas entre 17 ° C e 22 ° C.

Em relação às áreas mais frias, é aconselhável para o seu desenvolvimento ideal que a temperatura do mês mais frio esteja entre 10 e 15 ° C.

Benefícios para a saúde

Os frutos da mangueira são recomendados como alimento para consumo humano devido ao seu alto conteúdo nutricional.Devido a seus componentes, é usado para:

– Prevenir o câncer graças aos antioxidantes que ele contém.

Relacionado:  Plesiomorfia: o que é e exemplos

– Ajude a controlar os níveis de colesterol.

– Promover a limpeza da pele e sangue.

– Melhore a saúde do cólon graças à fibra que ele contém.

– Melhor digestão e perda de peso, bem como regular problemas de diabetes.

– Fortalecer o sistema imunológico.

– Melhore a concentração e a memória graças ao seu alto teor de ácido glutâmico.

Manga: características, habitat, cultura, doenças e pragas 9

O suco de manga tem vitaminas, minerais e outros benefícios essenciais à saúde.
Fonte: pixabay.com

Doenças e pragas

A espécie Mangifera indica não é muito vulnerável ao ataque de pragas e doenças. No entanto, são apresentados os seguintes:

– Pragas

Cochonilha-de- manga ( Aulacaspis tubercularis )

Esta praga perfura a fruta e causa descoloração. Forma colônias unidas em forma de escamas e dificulta a penetração do produto químico aplicado para seu controle.

Mosca da fruta

Esta é uma das pragas que traz mais problemas ao cultivo de manga. Produzidas por Ceratitis capitata e Anastrepha froterculus, essas moscas perfuram o pericarpo e depositam seus ovos que, quando chocados, passam para o pericarpo e se alimentam da polpa da fruta.

Gorgulho das sementes

Este é um besouro oval ( Sternochetus mangifera ) que perfura o pericarpo. Então suas larvas passam pelo fruto atingindo a semente.

Traças de flores

Duas mariposas dos gêneros Cryptoblabes e Prays que atacam flores de manga estão documentadas. Estes causam sérios danos à inflorescência, devoram as pétalas e estames e roem os ovários.

– Doenças

Antracnose

Esta doença é causada pelo fungo Colletotrichum gloesporioides e ataca a fruta na estação chuvosa. Ele gera manchas pretas nas folhas, nas flores e nos frutos.

Morte regressiva

Como o nome indica, ele ataca a planta avançando para o tronco, causando a morte de tecido vascular. Causa necrotismo e secagem de galhos.

Vassoura de bruxa de manga

Esta doença é causada pelo fungo Fusarium decemcelulare , que se manifesta pela proliferação excessiva de gemas.

Bacteriose da manga

É uma doença causada pela bactéria Erwinia , que causa queda prematura de pequenos frutos com podridão ao nível do pedúnculo, tronco e caule, além da presença de exsudato gomoso.

Mango Oidio

É caracterizada pela perda de inflorescências e tecidos sensíveis.

Referências

  1. Avilan L. 1974. Quatro anos de fertilização em manga ( Mangifera indica L.) em solos da série Maracay. Tropical Agronomy, 24 (2), 97-106.
  2. Bally S. 2006. Mangifera indica (manga). Perfis de espécies para a agrossilvicultura da ilha do pacífico, 1-25.
  3. Catálogo da Vida: Lista de Verificação Anual 2019. 2019. Mangifera indica L. Retirado de: catalogueoflife.org
  4. León J. 1968. Fundamentos botânicos de culturas tropicais (N ° 18). II Biblioteca da CA Venezuela.
  5. Olivas-Aguirre F., Wall-Medrano A., González-Aguilar G., López-Díaz, J., Álvarez-Parrilla E., Rosa, L. e Ramos-Jiménez A. 2015. Taninos hidrolisáveis: bioquímica, aspectos nutricionais e efeitos analíticos e de saúde. Nutrição hospitalar, 31 (1), 55-66.
  6. Pino J., Mesa J., Muñoz Y., Martí M. e Marbot R. 2005. Componentes voláteis de cultivares de manga ( Mangifera indica L.). Journal of Agricultural and Food Chemistry, 53 (6), 2213-2223.
  7. Ribeiro S., Queiroz J., de Queiroz M., Campos F. e Sant’Ana, H. 2007. Antioxidante na polpa da manga ( Mangifera indica L.). Alimentos Vegetais para Nutrição Humana, 62 (1), 13-17.
  8. Rondón V. & González M. 2009. Micobiota endofítica associada ao cultivo de manga ‘Haden’ ( Mangifera indica L.) no leste da Venezuela. Revista Científica UDO Agrícola, 9 (2), 393-402.
  9. Tharanathan R., Yashoda H. e Prabha T. 2006. Manga ( Mangifera indica L.), “O rei dos frutos” – Uma visão geral. Food Reviews International, 22 (2), 95-123.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies