Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens)

A medula espinhal é um feixe tubular que contém uma estrutura longa e fina de tecido nervoso e células de suporte. Essa região do corpo cobre uma grande parte do organismo, especificamente desliza do bulbo espinhal do tronco cerebral (cérebro) para a região lombar.

A principal função da medula espinhal é transmitir impulsos nervosos para os 31 pares de nervos do bulbo espinhal. Dessa forma, é a região responsável pela comunicação do cérebro com o corpo.

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 1

A comunicação entre o organismo e o cérebro é realizada através de dois principais mecanismos de transmissão: a função aferente que envia impulsos nervosos do tronco, pescoço e membros para o cérebro e a função eferente que transmite sinais do cérebro para diferentes regiões do corpo .

A medula espinhal é uma das estruturas do organismo que tem mais estudo e análise sobre sua anatomia e suas principais funções. Está estabelecido que é uma das regiões mais importantes e comprometidas do corpo.

Características da medula espinhal

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 2

Evolutivamente, a medula espinhal é a primeira região do sistema nervoso a aparecer. É uma estrutura necessária para integrar funções corporais, comunicá-las com o funcionamento do cérebro e relacioná-las com o mundo exterior.

Por esse motivo, não apenas os primatas, mas todos os seres vertebrados são caracterizados por terem uma medula espinhal no corpo.

Nesse sentido, existem áreas da pele chamadas dermátomos , que constituem segmentos organizados. Esses segmentos contêm sua representação na medula espinhal.

Assim, dependendo dos processos excitatórios ou inibitórios presentes na medula espinhal, os diferentes segmentos da pele causam respostas primárias ou reflexos medulares. Esses reflexos são caracterizados por sempre produzir a mesma resposta aos mesmos estímulos, sem exigir mais processadores.

Um exemplo desse funcionamento básico da medula espinhal seria a transmissão da dor que causa um furo na pele. Receber danos em uma região específica da pele se traduz automaticamente em uma sensação de dor que é transmitida ao cérebro.

Assim, em geral, a medula espinhal constitui um conjunto de segmentos funcionais com conexões aferentes (corpo ao cérebro) e eferentes (cérebro ao corpo). Atualmente, oito segmentos cervicais, doze torácicos, cinco lombares e seis sacrococcígeos são atualmente distinguidos.

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 3

Segmento cervical (8 pares), torácico (12 pares) e lombar (5 pares). Sob a lombar está o sacrococcígeo (5 pares de nervos sacrais e 1 nervo coccígeo).

Os segmentos cervicais controlam principalmente o pescoço, diafragma e extremidades superiores. Por outro lado, os segmentos dorsais controlam o tórax e o abdome, os segmentos lombares as extremidades inferiores e os segmentos sacrococcígeos regulam o funcionamento da pelve e dos esfíncteres.

Partes da medula espinhal – Anatomia

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 4

Anatomicamente, a medula espinhal tem dois elementos principais de estudo: sua anatomia externa e sua anatomia interna.

A anatomia externa refere-se às qualidades das regiões superficiais da medula espinhal, enquanto a anatomia interna refere-se às estruturas e substâncias que abrigam a medula espinhal no interior.

A esse respeito, deve-se notar que a medula espinhal é uma estrutura altamente complexa. Ele possui vários elementos, tanto internos quanto externos, além de várias propriedades cientificamente relevantes.

O estudo das propriedades anatômicas da medula espinhal nos permitiu aumentar o conhecimento sobre as características dessa delicada estrutura do organismo.

Da mesma forma, também nos permitiu identificar o funcionamento da medula espinhal e detectar possíveis lesões ou condições que podem ocorrer nessa parte do corpo.

Anatomia externa

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 5

Coluna vertebral com medula espinhal.

Antes de tudo, deve-se notar que a medula espinhal é o tecido nervoso mais extenso do corpo humano. De fato, os axônios dos neurônios dentro dele podem atingir um metro de comprimento, sendo muito maiores que os neurônios do cérebro.

Aproximadamente, pesa cerca de trinta gramas no total e, em seu pleno desenvolvimento, pode atingir um comprimento entre 40 e 45 centímetros. P t parece para ser um pouco maior em homens (45 centímetros) do que nas mulheres (43 centímetros). Isto é devido ao fato de que o corpo dos homens tende a ser um pouco maior do que o das mulheres.

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 6

Medula espinhal marcada em azul

A medula espinhal está localizada dentro do osso intravertebral, chamado canal medular, localizado do grande orifício à primeira ou segunda vértebra lombar.

Dessa maneira, a medula espinhal de um recém-nascido atinge as três vértebras lombares e, nos embriões, encontra-se na base do cóccix do corpo. Com base nesses dados, é revelado que é uma das primeiras regiões do corpo a se formar.

Por outro lado, possui uma forma cilíndrica nos segmentos cervicais superior e ventral. Em vez disso, adota uma forma ovóide com um diâmetro transversal maior que o anverso nos segmentos cervicais inferior e torácico.

Lembre-se de que a medula espinhal é uma estrutura assimétrica na maioria das pessoas. Ou seja, tende a ser maior no corpo certo dos indivíduos.

Outros elementos importantes sobre as propriedades anatômicas externas da medula espinhal são: as faces e as membranas.

Faces

Externamente, a medula espinhal tem duas faces e duas arestas principais. Especificamente, ele contém uma face anterior, uma face posterior e duas bordas laterais.

O aspecto anterior da medula espinhal contém, em sua linha média, um sulco médio anterior, que limita lateralmente com os sulcos colaterais anteriores. Esses sulcos colaterais anteriores são as origens aparentes das raízes nervosas motoras eferentes dos nervos espinhais.

A face posterior também possui um sulco medial posterior, que se estende através de um septo até atingir a substância cinza central. O aspecto posterior da medula espinhal é limitado aos lados pelos sulcos colaterais posteriores, que correspondem às origens aparentes das raízes nervosas sensoriais dos nervos espinhais.

Por outro lado, a medula espinhal tem dois espessamentos principais (regiões onde seu diâmetro aumenta). Um deles está localizado na região cervical, enquanto o outro está localizado na região lombar.

O espessamento cervical é chamado de intumscência cervical e fica entre a quarta vértebra cervical e a primeira vértebra do tronco. O espessamento é formado pelas raízes dos nervos que transmitem sensibilidade e ação motora dos membros superiores.

O espessamento lombar é chamado de intumescência lombossacra e está localizado entre a décima primeira vértebra do tronco e a primeira vértebra lombar. Nesse caso, o espessamento ocorre devido às raízes nervosas que permitem transmitir sensibilidade e ação motora de e para as extremidades inferiores.

Finalmente, na porção inferior, as faces da medula espinhal tornam-se visivelmente finas e acabam na forma de uma ponta de cone na região do cóccix. Esta última região da medula é chamada de cone terminal.

Nas pernas laterais, a medula espinhal tem dois ligamentos serrilhados como elemento de fixação. Por outro lado, na parte inferior, a medula continua com o terminal filum, que se estende até o fundo do saco dural no nível da segunda vértebra do sacro.

Membranas

A medula espinhal contém três membranas que circundam toda a sua estrutura. São eles: a pia-máter, o aracnóide e a dura-máter.

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 7

Seção transversal da medula espinhal e suas membranas

a) Piamadre

A pia-máter é uma meninge interna que protege o cérebro e a medula espinhal. É encontrada cera das estruturas nervosas e é responsável por estofar as convoluções do cérebro.

Da mesma forma, a pia-máter gera formações coróides, que são aplicadas contra a membrana ependimária dos ventrículos.

Um espaço cheio de líquido cefalorraquidiano chamado espaço subaracnóideo está localizado acima da pia-máter. Acima desse espaço, encontra-se a parte mais homogênea e distinta do aracnóide, que forma uma rede fina, transparente e relaxada que não é introduzida nas ranhuras da medula espinhal.

b) Aracnóides

Os aracnóides são uma meninge intermediária que também protege o cérebro e a medula espinhal. Está localizado logo abaixo da dura-máter e sua principal função é distribuir o líquido cefalorraquidiano , que circula pelo espaço subaracnóideo.

Essa membrana é formada por uma folha externa homogênea, além de uma camada interna areolar que contém malhas grandes e constitui o espaço subaracnóideo.

A lâmina externa dos aracnóides adere diretamente à dura-máter. A cavidade subaracnóidea é cilíndrica e envolve a medula espinhal e suas raízes ao longo de todo o comprimento do canal vertebral (até o fundo do sacro dural).

c) Dura mater

Finalmente, a dura-máter é a membrana mais externa da medula. Constitui um cilindro oco formado principalmente por uma parede fibrosa, espessa, sólida e pouco extensível.

A superfície externa da dura-máter é regularmente arredondada e responde às paredes ósseas e ligamentos do canal vertebral. A parte posterior da superfície externa dessa membrana está em contato com o ligamento longitudinal posterior. Em vez disso, lateralmente, estende-se ao redor de cada nervo espinhal.

A superfície interna da dura-máter é lisa e polida e corresponde ao aracnóide. Sua extremidade superior continua sem limites líquidos com a dura craniana. Sua extremidade inferior constitui o fundo do saco dural, que para entre a segunda e a terceira vértebras sacrais.

Anatomia interna

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 8

Substância cinzenta (1,2,3). Substância branca (4-13)

Internamente, a medula espinhal é composta principalmente de regiões da substância branca e regiões da substância cinzenta .

Transversalmente, a medula contém em todo o seu comprimento e em suas diferentes divisões uma grande área de massa cinzenta. Esta região adota um “H” ou formato de borboleta.

Em torno da região formada pela substância cinzenta, a medula espinhal contém outra região composta por substância branca. Assim, a medula espinhal é caracterizada por ter massa cinzenta no centro e massa branca nas regiões periféricas.

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 9

Substância branca e cinza

Essa organização é importante, pois forma uma estrutura inversa à do cérebro. Ou seja, as regiões do cérebro são caracterizadas por possuir substância branca nas áreas centrais e substância cinzenta nas regiões periféricas; no entanto, a medula espinhal tem uma organização oposta.

As extensões internas e posteriores da medula espinhal são relativamente finas. Essas extensões são chamadas de chifres posteriores e praticamente atingem o sulco posterior.

Por outro lado, as extensões anteriores são amplas e arredondadas. Eles são chamados de chifres anteriores e atingem as regiões do cérebro.

O arranjo tridimensional dos chifres anterior e posterior permite constituir uma série de colunas que percorrem a medula espinhal e constituem as colunas cinza anterior e posterior.

No nível funcional, os chifres posteriores são responsáveis ​​por realizar atividades sensíveis ao somato. Eles consistem em neurônios sensoriais que recebem impulsos que atingem as raízes posteriores.

Nesse sentido, a principal função dos chifres posteriores (os que estão mais afastados do crânio) é receber estímulos e transmiti-los às regiões do cérebro.

Os chifres anteriores, no entanto, são funcionalmente somato-motores. São conformados por neurônios motores cujos axônios saem pelas raízes anteriores.

Por outro lado, um pequeno corno lateral está localizado nos segmentos torácicos e lombares superiores. Surge da união do corno anterior com o corno posterior e é caracterizado por conter neurônios viscerais simpáticos.

Finalmente, na parte lateral da base do corno posterior dos segmentos cervicais superiores há uma região chamada formação reticular . Esta formação é caracterizada por conter substância branca e substância cinzenta mista.

1- Substância cinzenta

A substância cinzenta da medula espinhal é uma região composta principalmente por corpos de neurônios e células de suporte. Essa região contém dois chifres cinza anteriores e dois chifres cinza posteriores, que são unidos por uma comissura cinza.

A comissura cinza da medula espinhal, por sua vez, é dividida por uma região posterior e uma região anterior. Essa divisão da comissura é feita por um pequeno orifício central chamado ducto ependimário ou medula espinhal.

Na região torácica e lombar da medula espinhal, detectam-se chifres laterais cinzas com formato de cunha. Esses chifres são formados pelos somas de neurônios no sistema autônomo simpático.

A consistência dos chifres laterais cinza é uniforme, embora a substância que circunda o ducto ependimário seja um pouco mais transparente e macia que as demais. Essa região específica da substância cinzenta da medula espinhal é conhecida como substância gelatinosa central.

2- Substância branca

A substância branca da medula espinhal é caracterizada por envolver a substância cinzenta. Ou seja, forma uma região que circunda completamente a substância cinzenta que está dentro.

A substância branca da medula espinhal é formada pelos axônios dos neurônios (não pelos núcleos). Esses axônios são as partes da célula que carregam as informações; portanto, essa região é catalogada como uma estrutura de transmissão.

A substância branca da medula espinhal é dividida em três regiões principais: a região anterior, a lateral e a posterior.

O local de entrada da raiz dorsal é detectado através de um sulco dorsal-lateral e a entrada da raiz ventral é determinada por um sulco ventro-lateral.

Esses dois sulcos permitem que a substância branca seja dividida em um funículo dorsal chamado funículo lateral e funículo ventral.

Células e funções

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 10

No nível microscópico, a medula espinhal é caracterizada por conter diferentes tipos de células . Esta região do organismo possui células ependimárias, células alongadas e células neurológicas.

Esses tipos de células estão organizadas de maneira diferente em cada região da medula espinhal. As áreas microscopicamente mais interessantes são a substância cinzenta e a substância branca.

Células da matéria cinzenta

A substância cinzenta da medula espinhal varia seu funcionamento e o tipo de neurônios que ela abriga em cada área. Assim, possui propriedades diferentes em seu corno dorsal, é um corno intermediário lateral, em seu corno ventral e na zona intermediária.

O corno dorsal da substância cinzenta recebe axônios dos gânglios dorsais através de sua região posterior. Essa transmissão axonal dos gânglios dorsais é realizada por meio de raízes homônimas e é caracterizada por conter principalmente feixes sensíveis.

Nesse sentido, o corno dorsal da substância cinzenta compreende o núcleo da comuna de Clarke, onde são feitas sinapses entre as fibras que transmitem a profunda sensibilidade inconsciente.

Por outro lado, o corno dorsal da substância cinzenta também contém a substância gelatinosa de rolando, região em que são realizadas sinapses das fibras que transmitem sensibilidade termo-analgésica.

Finalmente, o próprio núcleo do corno dorsal é caracterizado pela sinapse das fibras que transmitem a sensibilidade tátil.

Somente os segmentos torácicos e lombares superiores da medula espinhal são encontrados no corno lateral intermediário da substância cinzenta. Esta região está cheia de neurônios pré-ganglionares.

Finalmente, o pólo central é composto de axônios de neurônios motores multipolares e a zona intermediária é caracterizada por abrigar um grande número de interneurônios.

Células da substância branca

A substância branca da medula espinhal é composta principalmente por um grande número de fibras nervosas, neuroglia e vasos sanguíneos.

No cordão posterior da substância branca estão os axônios dos neurônios sensoriais, cujos núcleos estão localizados nos gânglios dorsais. Esses neurônios participam de dois modos de propriocepção consciente: cinestesia e toque epicrítico.

O cordão posterior da substância branca também é caracterizado por ser composto por dois feixes diferentes: o feixe de Goll nas regiões mediais e o feixe de Burdach nas áreas laterais.

O cordão lateral da substância branca contém vias de ascensão e descida. Os axônios ascendentes são responsáveis ​​por conduzir a estimulação da dor, temperatura e toque espesso. Por outro lado, as fibras descendentes são principalmente neurônios motores, responsáveis ​​pelo controle dos movimentos voluntários.

Finalmente, o cordão anterior da substância branca também contém vias ascendentes e descendentes. Os neurônios ascendentes transmitem informações espinotetais (movimentos reflexos), espinoolivar (sensação da pele) e espinotalâmico (toque e pressão espessos). As vias descendentes contêm neurônios motores que são responsáveis ​​pelo controle do movimento.

Lesões na medula espinhal

Lesões incompletas

Medula Espinhal: Peças, Funções e Anatomia (com imagens) 11

Na imagem acima, você pode ver as síndromes produzidas por lesões incompletas da medula espinhal.

Mielopatia

A condição medular (mielopatia) é uma doença que se caracteriza por causar uma alteração crônica da medula espinhal.

Esta doença é frequentemente usada para nomear condições da medula espinhal que não foram causadas por trauma.

Os efeitos da mielopatia podem depender do grau de dano causado à medula espinhal, de modo que podem resultar em uma lesão completa (se todos os sintomas da doença ocorrerem) ou uma lesão incompleta (se apenas algumas ocorrerem).

A lesão medular pode gerar vários sintomas, sendo os principais: paralisia ou perda de sensibilidade nos músculos do tronco, pescoço e extremidades, distúrbios da bexiga, esfíncter anal ou sêmen e bloqueio do sistema simpático, causando hipotensão, bradicardia ou distensão abdominal.

Lesões por região

Por outro lado, lesões na medula espinhal, devido a mielopatia ou trauma nas regiões da medula espinhal, variam significativamente, dependendo da região afetada. Por esse motivo, geralmente é essencial detectar a região da medula lesada.

Como vimos, cada segmento central é responsável por realizar uma série de ações específicas relacionadas ao movimento, percepção, funcionamento do sistema parassimpático e controle de diferentes órgãos.

Nesse sentido, agora foi detectado que lesões nas quatro e sete vértebras cervicais causam paralisia das quatro extremidades, e o envolvimento da décima primeira vértebra do tórax causa paralisia das extremidades inferiores.

Referências

  1. Bryan Kolb, Ian Q. Whishaw (2006): Neuropsicologia Humana. Editorial Panamericana Médica, Barcelona.
  2. Junqué, C. I Barroso, J (2009). Neuropsicologia Madrid, Ed. Synthesis.
  3. Kaufman, Bard. «Medula espinhal – desenvolvimento e células-tronco» . Compêndio de Descoberta do Mapa da Vida . Recuperado em 12 de dezembro de 2015 .
  4. Michael J. Aminoff … [et al.] (2008). Neuropsicologia e neurologia comportamental.
  5. Anatomia Bruta da Medula Espinhal ». Recuperado em 27 de dezembro de 2015.
  6. A ciência da CSM ». org: um recurso on-line para mielopatia espondilótica cervical . Página visitada em 2015-11-05.
  7. Polarlys [GFDL (gnu.org/copyleft/fdl.html), CC-BY-SA-3.0 (creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/) ou CC BY 2.5 (creativecommons.org/licenses/by/2.5 )], do Wikimedia Commons
  8. Leandromartinez na Wikipédia em português [GFDL (gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons
  9. Por OpenStax [CC BY 4.0 (creativecommons.org/licenses/by/4.0)], via Wikimedia Commons
  10. Por FpjacquotSpanish translation by Angelito7 (Trabalho publicado por Fpjacquot) [GFDL (gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC-BY-SA-3.0 (creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/)], via Wikimedia Commons

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies