Meios de cultura seletivos: fundação, sólidos e líquidos

Os meios de cultura seletivos são utilizados em microbiologia para promover o crescimento de determinados microorganismos enquanto inibem o crescimento de outros. Eles foram desenvolvidos com o intuito de facilitar o isolamento e identificação de microrganismos específicos em uma amostra complexa. Existem meios de cultura seletivos sólidos, como agar MacConkey e agar Sabouraud, e líquidos, como caldo de enriquecimento seletivo. Cada meio de cultura seletivo é formulado com ingredientes específicos que favorecem o crescimento de determinados microrganismos, tornando-os uma ferramenta essencial no estudo e diagnóstico de doenças infecciosas.

Conheça os diferentes meios de cultura seletivos utilizados em microbiologia laboratorial.

Os meios de cultura seletivos desempenham um papel fundamental no isolamento e identificação de microrganismos em laboratórios de microbiologia. Eles são formulados com ingredientes que favorecem o crescimento de certas espécies bacterianas, inibindo o crescimento de outras. Existem diferentes tipos de meios de cultura seletivos, incluindo os meios sólidos e líquidos.

Meios de cultura seletivos sólidos

Os meios de cultura seletivos sólidos são utilizados para isolar microrganismos específicos de uma amostra. Eles podem conter agentes seletivos como antibióticos, corantes ou sais que inibem o crescimento de determinadas bactérias, permitindo apenas o crescimento das bactérias alvo. Além disso, esses meios podem conter indicadores que facilitam a identificação das colônias bacterianas.

Meios de cultura seletivos líquidos

Os meios de cultura seletivos líquidos são utilizados para enriquecer e isolar microrganismos em suspensão. Eles também contêm agentes seletivos que inibem o crescimento de certas bactérias, permitindo o crescimento das bactérias desejadas. Esses meios são frequentemente utilizados em testes de sensibilidade a antibióticos, onde é importante isolar uma única espécie bacteriana para avaliar sua resposta aos medicamentos.

Em conclusão, os meios de cultura seletivos são uma ferramenta essencial em microbiologia laboratorial, permitindo o isolamento e identificação de microrganismos de interesse. Tanto os meios sólidos quanto os líquidos desempenham um papel importante nesse processo, fornecendo condições ideais para o crescimento seletivo de bactérias em amostras clínicas ou ambientais.

Diferenças entre meio de cultura sólido e líquido na microbiologia laboratorial.

Na microbiologia laboratorial, os meios de cultura desempenham um papel fundamental no crescimento e identificação de microrganismos. Existem dois tipos principais de meios de cultura: sólidos e líquidos. Cada um possui características distintas que influenciam o crescimento microbiano de maneiras diferentes.

Os meios de cultura sólidos são geralmente feitos com a adição de um agente solidificante, como agar, que permite a formação de uma superfície sólida para o crescimento microbiano. Esses meios são utilizados principalmente para o isolamento de microrganismos, pois permitem a formação de colônias distintas que podem ser facilmente identificadas. Alguns exemplos de meios de cultura sólidos são o Agar Sabouraud, utilizado para o crescimento de fungos, e o Agar MacConkey, utilizado para o isolamento de bactérias Gram-negativas.

Por outro lado, os meios de cultura líquidos não possuem uma superfície sólida e são utilizados principalmente para o crescimento em massa de microrganismos. Esses meios são ideais para a produção de grandes quantidades de biomassa, como na produção de antibióticos ou enzimas. Além disso, os meios de cultura líquidos são frequentemente utilizados em testes de suscetibilidade a antimicrobianos, pois permitem uma distribuição homogênea dos microrganismos no meio.

Em resumo, as principais diferenças entre os meios de cultura sólidos e líquidos na microbiologia laboratorial estão relacionadas à sua utilização e finalidade. Enquanto os meios de cultura sólidos são mais adequados para o isolamento e identificação de microrganismos, os meios de cultura líquidos são mais indicados para o crescimento em massa e testes de suscetibilidade. Ambos os tipos de meios desempenham um papel essencial no estudo e controle de microrganismos patogênicos.

Quais são os tipos de meios de cultura em forma líquida?

Os meios de cultura em forma líquida são utilizados em laboratórios para cultivar microorganismos de forma eficiente. Existem vários tipos de meios de cultura líquidos, cada um com suas próprias características e finalidades.

Um dos tipos de meios de cultura em forma líquida mais comuns é o meio de cultura simples, que consiste em uma mistura de nutrientes básicos como peptona, extrato de carne e água destilada. Este tipo de meio é utilizado para o crescimento de uma ampla variedade de microorganismos.

Outro tipo de meio de cultura líquido é o meio de cultura seletivo, que contém substâncias que inibem o crescimento de certos microorganismos, permitindo apenas o crescimento daqueles que possuem resistência a essas substâncias. Este tipo de meio é útil para isolar e identificar microorganismos específicos em uma amostra.

Além disso, há também os meios de cultura diferencial, que contêm indicadores que permitem a identificação de microorganismos com base em características específicas, como a capacidade de fermentar determinados açúcares. Este tipo de meio é útil para distinguir entre diferentes tipos de microorganismos presentes em uma amostra.

Relacionado:  Como os insetos se reproduzem? Recursos e estágios

Em resumo, os tipos de meios de cultura em forma líquida incluem os meios simples, seletivos e diferenciais, cada um com suas próprias aplicações e finalidades na microbiologia.

Entenda o significado de meio de cultura sólido utilizado em microbiologia laboratorial.

Um meio de cultura sólido é uma substância utilizada em microbiologia laboratorial para cultivar e estudar microrganismos. Esses meios são compostos por uma base sólida, como agar-agar, que fornece suporte físico para o crescimento das bactérias, fungos e outros microorganismos.

Os meios de cultura sólidos são fundamentais para o isolamento e identificação de microrganismos em laboratórios de microbiologia. Eles proporcionam uma superfície plana e estável para o crescimento dos microorganismos, facilitando a observação de colônias e a realização de testes bioquímicos.

Além disso, os meios de cultura sólidos podem ser seletivos, ou seja, podem conter substâncias que inibem o crescimento de determinados microrganismos, permitindo o crescimento de outros. Isso é especialmente útil em estudos microbiológicos que visam isolar um microrganismo específico em uma amostra complexa.

Em resumo, os meios de cultura sólidos são essenciais para o trabalho em microbiologia laboratorial, proporcionando um ambiente controlado e favorável para o crescimento e estudo dos microrganismos. Meios de cultura seletivos são especialmente úteis para esse fim, permitindo a diferenciação entre diferentes tipos de microrganismos.

Meios de cultura seletivos: fundação, sólidos e líquidos

O meio de cultura selectivo são caldos e ágares aqueles que servem para o isolamento de um grupo definido de microrganismos, enquanto que a inibição do desenvolvimento de outros. São ideais para a semeadura de amostras polimicrobianas, permitindo a recuperação do patógeno desejado entre a microbiota acompanhante.

Existe uma grande variedade de meios seletivos, entre sólidos e líquidos. Alguns são destinados ao isolamento de bactérias Gram-positivas, como Staphylococcus coagulase positivo, Lactobacillus, Bifidobacteria, etc.

Meios de cultura seletivos: fundação, sólidos e líquidos 1

Meios de cultura seletivos. Fonte: Air1404 [CC BY 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0)]

Outros para a recuperação de patógenos Gram-negativos, como espécies do gênero Salmonella, Shigella, Vibrio, Bordetella, Brucella, Pseudomonas, entre outros.

Além de favorecer o crescimento de fungos e leveduras, como espécies de Candida, Histoplasma, Cryptococcus, dermatófitos, entre outros.

Deve-se notar que alguns meios enriquecidos não seletivos podem se tornar seletivos com a adição de antibióticos. Além disso, alguns meios de cultura podem ser seletivos e diferenciais ao mesmo tempo.

Por outro lado, existem meios de cultura líquidos seletivos; alguns podem servir como meio de enriquecimento, favorecendo a exacerbação de um grupo seletivo de bactérias, enquanto suprimem o de outros.

Meios de cultura seletivos são amplamente utilizados em laboratórios de microbiologia para a análise de vários tipos de amostras; bem como para o isolamento de uma grande variedade de microrganismos de interesse clínico, industrial, ambiental e alimentar.

Fundação

Os meios de cultura seletivos baseiam-se em conter substâncias nutricionais que favorecem o crescimento de uma bactéria ou fungo específico ou de um grupo específico destes e, ao mesmo tempo, devem conter substâncias inibidoras que não permitam o desenvolvimento de outros microorganismos indesejáveis.

Entre as substâncias nutricionais que podem conter estão: caseína pancreática digerida, extrato de levedura, polipeptonas, entre outras.

Entre as substâncias inibidoras estão: antibióticos, sais biliares, verde-claro, cristal violeta, fucsina básica, eosina, azul de metileno, desoxicolato de sódio, sulfito de sódio, monoleato de sorbitano, citrato de amônio, cetrimida, cloreto de lítio, telurito de potássio , verde malaquita, entre outros.

Às vezes, a mídia pode ser seletiva e diferencial. Da mesma forma, o grau de seletividade varia de um meio para outro.

Algumas são altamente seletivas, caracterizadas por apresentar condições extremas de hostilidade para a maioria dos microorganismos e onde apenas um pequeno número de espécies é capaz de suportar as condições presentes no ambiente e, portanto, cresce satisfatoriamente. Por exemplo, o ágar TCBS e o ágar MRS, entre outros.

Enquanto outros são moderadamente seletivos, ou seja, aqueles que inibem um grupo específico de microrganismos, como bactérias Gram-positivas. Por outro lado, favorecem o crescimento de uma grande variedade de bactérias Gram-negativas; por exemplo, o ágar Mac Conkey.

Finalmente, existem meios de cultura com baixo poder seletivo, ou seja, são aqueles que permitem o crescimento de uma grande variedade de bactérias entre Gram-positivas e Gram-negativas, bem como algumas leveduras, enquanto inibem apenas um pequeno grupo de microorganismos. Exemplo: ágar EMB.

Meios de cultura sólidos seletivos

Ágar Baird-Parker

Meio projetado para a detecção de estafilococos coagulase positivos ( Staphylococcus aureus ). Contém como substâncias inibidoras cloreto de lítio e telurito de potássio.

Relacionado:  Episoma: tipos e suas características

Ágar BCYE ou levedura e ágar tamponado com extrato de carbono

É um meio de cultura muito enriquecido, especialmente para o isolamento de espécies de Legionellas e Nocardias. Esse meio se torna seletivo com a adição de antimicrobianos, como polimixina B, vancomicina e anisomicina.

Agar BHI com antibióticos

O ágar BHI é originalmente um meio enriquecido, mas se adicionar cloranfenicol e ciclo-heximida, é ideal para o isolamento seletivo de fungos de interesse clínico.

Agar BIGGY ou Nickerson

Meio seletivo e diferencial para o isolamento de espécies de Candida. Contém citrato de amônio, bismuto e sulfito de sódio, que atuam como inibidores de crescimento bacteriano.

Ágar Gengou Bordet

Meio de cultura enriquecido e seletivo, especialmente para o isolamento de B. ordetella pertussis e Bordetella parapertussis. Contém cefalexina para inibir a flora associada.

Ágar Campy com sangue

Meio utilizado para o isolamento do gênero Campylobacter. Contém cefoperazona, vancomicina e anfotericina B para inibir o crescimento de bactérias Gram-negativas, Gram-positivas e fúngicas.

Agar de Campylobacter Butzler

Meio especial para o isolamento de espécies do gênero Campylobacter. É complementado com sangue de cavalo, entre outros nutrientes. Também contém várias substâncias inibidoras, como novobiocina, colistina, cefazolina, bacitracina e ciclo-heximida.

Agar Campylobacter Skirrow

Meio seletivo para o isolamento de espécies de Campylobacter. Contém sangue de cavalo e outros nutrientes. Como substâncias inibidoras, contém vancomicina, polimixina B e trimetoprim.

Ágar CCF ou ágar frutose, cicloserina, cefoxitina

Como o nome indica, contém cicloserina e cefoxitina como substâncias inibidoras e é usado para o isolamento de Clostridium diffcile em amostras de fezes, entre outras amostras intestinais.

Ágar Cetrimida

Meio seletivo, projetado para o isolamento de Pseudomonas aeruginosa , favorecendo a produção de pigmentos. A cetrimida (brometo de cetil trimetil amônio) é a substância que inibe o crescimento de bactérias que não sejam P. aeruginosa .

Ágar de chocolate com isovitalex e vancomicina

Este meio é originalmente muito rico. A adição de vancomicina é útil para o isolamento seletivo das cepas de Neisseria gonorrhoeae e N. meningitidis.

Ágar CIN ou ágar cefsulodina, irgasan, novobiocina

É um meio de cultura meio seletivo para o isolamento de espécies de Yersinia.

Agar CNA (colistina, ácido nalidíxico)

É um meio seletivo especial para o isolamento de bactérias Gram-positivas, como Staphylococcus, Enterococcus, Streptococcus e leveduras, mas inibe o desenvolvimento de bactérias Gram-negativas, como Pseudomonas e espécies da família Enterobacteriaceae.

Ágar czapek

Meio projetado para o cultivo de bactérias e fungos saprófitas. Este meio contém nitrogênio do tipo inorgânico. Por esse motivo, esse meio é considerado seletivo, uma vez que apenas microorganismos capazes de usar compostos inorgânicos como única fonte de nitrogênio podem ser desenvolvidos.

Ágar EMB

Meio ligeiramente seletivo e diferencial, usado para o isolamento de enterobactérias. Escherichia coli é especialmente detectada neste meio pela cor preto esverdeado brilhante de suas colônias. O grau de seletividade é devido à presença de corantes de anilina (eosina e azul de metileno).

Endo agar

Meio minimamente seletivo e diferencial, usado para o isolamento e diferenciação de bacilos Gram-negativos fermentativos e não fermentativos pertencentes à família Enterobacteriaceae e outras famílias.

O sulfito de sódio e a fucsina básica inibem a maioria das bactérias Gram-positivas. Escherichia coli neste meio produz colônias vermelhas escuras características com um brilho metálico iridescente esverdeado.

Agar Hektoen

Meio seletivo e diferencial para o isolamento de bactérias enteropatogênicas dos gêneros Shigella e Salmonella. Como substância inibidora, contém sais biliares, suprimindo o desenvolvimento de bactérias Gram-positivas e algumas bactérias Gram-negativas.

Ágar Löwenstein-Jensen

Meio especialmente projetado para o isolamento e desenvolvimento de bactérias do gênero Mycobacterium, especialmente as espécies de tuberculose, entre outras.

O meio contém verde malaquita; Esta substância inibe a flora Gram-positiva e Gram-negativa que foi capaz de resistir à desinfecção prévia da amostra. Também contém glicerina que estimula o crescimento de M. tuberculosis, mas inibe o desenvolvimento de M. bovis e outros microrganismos.

Mac Conkey Agar

É um meio seletivo e diferencial. É utilizado para o isolamento de bacilos Gram negativos não exigentes, fermentadores e não fermentadores de lactose.

Sua natureza seletiva é proporcionada pela presença de sais biliares e cristal violeta. Essas substâncias inibem o crescimento de bactérias Gram-positivas e alguns bacilos Gram-negativos exigentes.

Agar com manitol salgado

Ágar seletivo e diferencial para o isolamento de Staphylococcus aureus . Este meio possui uma alta concentração de cloreto de sódio que inibe o crescimento da maioria das bactérias.

Ágar SS

Meio moderadamente seletivo e diferencial para o isolamento dos gêneros Salmonella e Shigella. O meio contém substâncias inibidoras, como sais biliares, citrato de sódio e verde brilhante. Essas substâncias suprimem o crescimento de bactérias Gram-positivas, certas bactérias Gram-negativas e alguns coliformes.

Relacionado:  Euphorbia pulcherrima: características, habitat, propriedades

Agar Regan Lowe

Ágar seletivo para o isolamento de Bordetella pertussis . O meio contém carbono, cefalexina e anfotericina B como substâncias inibidoras.

Ágar SABHI

Meio seletivo para o isolamento de fungos patogênicos, como dermatófitos, Blastomyces dermatitidis e Histoplasma capsulatum . Contém cloranfenicol.

Ágar sangue de cavalo com bacitracina

Meio especial para o isolamento de Haemophilus influenzae. Bacitracin inibe a flora que o acompanha.

Sangue de cavalo ágar com carvão

Meio seletivo útil para recuperar cepas de Bordetella pertussis e B. parapertussis de amostras clínicas. Contém cefalexina para inibir a flora associada.

Agar sangue de canamicina-vancomicina (KV)

Meio seletivo, especialmente para o isolamento de bactérias anaeróbicas, como Bacteroides, Prevotella, Fusobacterium e Veillonella.

Ágar de Sulfito de Bismuto

Meio seletivo para o isolamento do subgrupo de Salmonella enterica enterotipo sorotipo Typhi . Este meio contém sulfito de bismuto e verde brilhante para inibir o crescimento de microrganismos Gram-positivos e certas bactérias Gram-negativas.

Ágar TCBS (tiossulfato, citrato, sais biliares)

Meio altamente seletivo para o isolamento de espécies do gênero Vibrio. Contém citrato de sódio, bile de boi e um pH alcalino que inibe a flora que o acompanha.

Agar Thayer-Martin

Meio altamente nutritivo e seletivo para o isolamento de Neisseria meningitidis e Neisseria gonorrhoeae. A flora associada é inibida pela presença de vancomicina, colistina e nistatina.

Ágar verde brilhante

Meio seletivo para isolamento de linhagens do gênero Salmonella. Como o nome indica, contém verde brilhante como substância inibidora. Isso impede o desenvolvimento de bactérias Gram-positivas e um grande número de microorganismos Gram-negativos.

Agar Vogel-Johnson

É um meio de cultura seletivo e diferencial, formulado para o isolamento de Staphylococcus aureus e inibe o crescimento de bactérias Gram-negativas e até algumas Gram-positivas. As substâncias inibidoras são telurito de potássio, cloreto de lítio e glicina.

Ágar XLD

É um meio seletivo e diferencial para o isolamento dos enteropatógenos Salmonella e Shigella. O desoxicolato de sódio dá o caráter seletivo médio.

CHROMagar (Candida Medium)

É um meio seletivo e diferencial para ajudar no isolamento e identificação de espécies de Candida. O meio contém cloranfenicol para inibir o desenvolvimento de bactérias.

Meio Ellinghausen McCulough Johnson e Harris (EMJH)

Meio seletivo para o cultivo de leptospiras. Contém polissorbato 80, que inibe o crescimento da maioria das bactérias.

Meio de cultura líquido seletivo

Caldo BHI NaCL 6,5%

Caldo seletivo para recuperação de Enterococcus. A alta concentração de cloreto de sódio inibe o crescimento da microbiota associada.

Caldo CE

Caldo seletivo para recuperação de coliformes fecais e totais. Contém sais biliares que inibem o crescimento de outros microorganismos.

Caldo GN

Caldo seletivo para recuperação de Salmonella e Shigella. Contém citrato de sódio e desoxicolato de sódio, que inibem bactérias gram-positivas e coliformes.

Caldo Rappaport-Vassiliadis

É um meio de enriquecimento seletivo de espécies de Salmonella. Contém verde malaquita como substância inibidora.

Caldo Selenito

É um meio de cultura seletivo, útil para o enriquecimento de amostras em que se suspeita da presença de bactérias enteropatogênicas do gênero Salmonella.

Como o nome indica, ele contém selenito de sódio como substância inibidora, suprimindo o crescimento de bactérias Gram-positivas e da maioria das bactérias no trato gastrointestinal.

Caldo de tetrationato

Caldo seletivo para enriquecimento e recuperação de linhagens do gênero Salmonella.

O tetrationato formado pela reação gerada entre o tiossulfato de sódio e a solução iodada presente no meio inibe o crescimento de coliformes e favorece o desenvolvimento de bactérias que contêm a enzima tetrationato redutase (Salmonella).

Ele também contém sais biliares e algumas variedades incluem verde brilhante; ambas as substâncias inibem a maioria das bactérias Gram-positivas e algumas Gram-negativas (coliformes).

Caldo de tioglicolato Campy

Caldo especial para favorecer o desenvolvimento de C. jejuni subsp jejuni . Contém anfotericina B, cefalotina, polimixina B, trimetropim e vancomicina.

Caldo de Todd-Hewitt com sangue e antibióticos

Serve para enriquecer as amostras e promover o desenvolvimento de Streptococcus agalactiae a partir de secreções vaginais. Como substâncias inibidoras, contém ácido nalidíxico e gentamicina ou colistina.

Referências

  1. Meios de cultura de microbiologia clínica (ano acadêmico de 2012-2013). Disponível em: subject.us.es
  2. Laboratórios BD Agar Campylobacter Skirrow e Agar Campylobacter Butzler. 2013. Disponível em: bd.com
  3. Laboratórios de DIV. Löwenstein-Jensen. 2011. Disponível em: bio-rad.com
  4. Laboratórios Neogen Caldo GN (Hajna). Disponível em: foodsafety.neogen.com
  5. Laboratórios BD CHROMagar. Candida Medium 2014. Disponível em: bd.com
  6. Laboratórios BD Caldo Rappaport Vassiliadis. 2003. Disponível em: bd.com
  7. Portal da Web Lifeder.com. Disponível em: Lifeder.com
  8. Laboratórios BD Leptospira Medium Base EMJH2011. Disponível em: http://legacy.bd.com
  9. Koneman E, Allen S, Janda W, Schreckenberger P, Winn W. (2004). Diagnóstico microbiológico 5a ed. Editorial Panamericana SA Argentina.
  10. Forbes B, Sahm D, Weissfeld A. (2009). Diagnóstico microbiológico de Bailey & Scott. 12 ed. Editoria
    Panamericana SA Argentina.

Deixe um comentário