Mercantilismo: História, Características e Representantes

O mercantilismo foi uma doutrina econômica predominante na Europa entre os séculos XVI e XVIII, que defendia a intervenção do Estado na economia visando o enriquecimento da nação. Suas principais características incluíam o acúmulo de metais preciosos, o protecionismo comercial, a balança comercial favorável e o estímulo à produção nacional. Alguns dos principais representantes do mercantilismo foram Jean-Baptiste Colbert, na França, Thomas Mun, na Inglaterra, e Antonio Serra, na Itália. Esta doutrina exerceu grande influência na formação das políticas econômicas dos países europeus durante a época do absolutismo.

Características principais do mercantilismo: conheça os principais aspectos desse sistema econômico.

O mercantilismo foi um sistema econômico predominante na Europa entre os séculos XVI e XVIII. Suas principais características incluíam a busca pelo acúmulo de metais preciosos, como ouro e prata, através do comércio exterior e da colonização. Além disso, os governos mercantilistas adotavam políticas protecionistas, como tarifas alfandegárias e monopólios comerciais, com o objetivo de fortalecer a economia nacional.

Outra característica importante do mercantilismo era a ideia de que a riqueza de uma nação estava diretamente ligada à sua quantidade de metais preciosos e ao seu saldo comercial positivo. Dessa forma, os países procuravam exportar mais do que importar, garantindo assim um fluxo constante de riquezas.

Alguns dos representantes mais conhecidos do mercantilismo incluem o francês Colbert, o inglês Thomas Mun e o espanhol Antonio Serra. Cada um deles contribuiu para o desenvolvimento e a disseminação das ideias mercantilistas em suas respectivas nações, influenciando políticas econômicas e comerciais por décadas.

Em resumo, o mercantilismo foi um sistema econômico baseado na busca pela acumulação de riquezas através do comércio exterior e da colonização, com políticas protecionistas e ênfase no saldo comercial positivo. Seus representantes foram importantes para difundir essas ideias e moldar as economias europeias da época.

Conheça os 4 principais tipos de mercantilismo e suas características distintas.

O mercantilismo foi uma doutrina econômica predominante na Europa nos séculos XVI e XVII, que defendia a intervenção do Estado na economia para aumentar o poderio nacional. Dentro desse contexto, surgiram diferentes tipos de mercantilismo, cada um com suas características distintas.

O primeiro tipo de mercantilismo é o metalismo, que priorizava a acumulação de metais preciosos, como ouro e prata, como forma de enriquecer a nação. Os estados mercantilistas buscavam superávits comerciais, exportando mais do que importavam, para obter esses metais preciosos.

O segundo tipo é o bullionismo, que enfatizava a importância do metalismo, mas também defendia a intervenção do Estado na economia para regular o comércio e assegurar a acumulação de metais preciosos. Os governos impostos regras rígidas de comércio e estabeleceram monopólios comerciais.

O terceiro tipo é o comercialismo, que se baseava na ideia de que a riqueza de uma nação estava ligada ao comércio exterior. Os estados mercantilistas buscavam ampliar suas colônias e estabelecer redes comerciais para aumentar suas exportações e, consequentemente, seus lucros.

O quarto tipo é o industrialismo, que surgiu posteriormente e defendia o desenvolvimento da indústria nacional como forma de aumentar a riqueza do país. Os estados mercantilistas passaram a investir em manufaturas e tecnologia, visando a produção de bens para exportação e o enriquecimento da nação.

Relacionado:  As 5 classes sociais do feudalismo e suas características

Em resumo, os diferentes tipos de mercantilismo tinham como objetivo comum o fortalecimento econômico e político das nações, mas cada um enfatizava aspectos específicos, como a acumulação de metais preciosos, o controle do comércio exterior, ou o desenvolvimento da indústria nacional.

Qual foi o responsável pela criação do mercantilismo?

O responsável pela criação do mercantilismo foi o economista francês Jean-Baptiste Colbert. Ele foi o ministro das finanças do rei Luís XIV, da França, e foi responsável por implementar políticas econômicas que visavam fortalecer a economia nacional. Colbert acreditava que a riqueza de um país estava diretamente ligada à quantidade de ouro e prata que possuía, e por isso incentivava a exportação de produtos manufaturados e a limitação da importação de bens estrangeiros.

Entenda o significado e a importância do mercantilismo na economia europeia.

O mercantilismo foi uma importante corrente econômica que vigorou na Europa entre os séculos XVI e XVIII. Seu principal objetivo era fortalecer o poder econômico e político dos Estados nacionais, através do controle do comércio e acumulação de riquezas.

Uma das características principais do mercantilismo era a defesa do protecionismo, ou seja, a imposição de altas tarifas sobre a importação de produtos estrangeiros, visando proteger a produção nacional. Além disso, os mercantilistas acreditavam na importância do acúmulo de metais preciosos, como o ouro e a prata, como forma de enriquecer o país.

Grandes pensadores como Jean-Baptiste Colbert, ministro das finanças do rei Luís XIV da França, foram representantes importantes do mercantilismo. Colbert implementou políticas econômicas que visavam fortalecer a indústria nacional e aumentar as exportações, contribuindo para o desenvolvimento econômico da França.

Em resumo, o mercantilismo desempenhou um papel fundamental na economia europeia, promovendo o desenvolvimento das nações através do controle do comércio e da busca pela acumulação de riquezas. Apesar de ter sido substituído pelo liberalismo econômico no século XIX, o mercantilismo deixou um legado importante na história do pensamento econômico.

Mercantilismo: História, Características e Representantes

O mercantilismo é uma doutrina econômica que se baseia na acumulação de riqueza através de metais preciosos. Não é considerada uma escola de pensamento no sentido estrito, porque tinha muito poucos representantes e não formulava uma teoria econômica articulada e finalizada.

No entanto, as idéias mercantilistas tiveram uma ampla aceitação entre a aristocracia e os comerciantes ingleses, franceses, espanhóis e portugueses, entre os séculos XVI e XVIII, bem como nas colônias americana, africana e oriental que esses impérios possuíam. Os teóricos do mercantilismo acreditavam que a riqueza das nações era estática.

Mercantilismo: História, Características e Representantes 1

Ele era conhecido por nomes diferentes de acordo com o país. Por exemplo, na Inglaterra, era chamado de sistema comercial ou sistema comercial, pois enfatizava a importância do comércio. Também era conhecido como sistema restritivo, porque se baseava na imposição de restrições e regulamentações sobre o comércio.

Na França, foi chamado colbertismo em alusão ao seu representante francês Jean-Baptiste Colbert. Na Alemanha e na Áustria, ele recebeu o nome de cameralismo, até se confundiu com o bullionismo, porque, como essa corrente de pensamento econômico, dava excessiva importância ao acúmulo de ouro e prata pelas nações.

Origem e História

O termo mercantilismo foi usado inicialmente apenas por seus críticos mais ferozes: Victor Riqueti de Mirabeau e Adam Smith. No entanto, foi imediatamente adotado pelos historiadores para se referir às idéias e práticas do comércio colonial.

Originalmente, o termo para se referir a essa doutrina era um sistema mercantil. Sua introdução do alemão para o inglês foi feita no início do século XIX.

O mercantilismo substituiu o sistema de produção feudal que prevaleceu na Europa até a Idade Média . Foi ampliado e popularizado durante o século XVI. Com isso, as cidades-estados e as nações-estados começaram a monitorar e controlar a economia .

Seus apoiadores acreditavam firmemente que a riqueza e o poder das nações dependiam do aumento das exportações, restrições de importação e acúmulo de metais preciosos.

Isso causou um aumento nos planos de exploração e conquista de territórios pelos impérios europeus do momento.

Leis mercantilistas

Por exemplo, a Inglaterra era relativamente pequena e tinha muito poucos recursos naturais. Ele então introduziu os impostos através da Lei do Açúcar (1764) e dos Atos de Navegação (1651), que mais tarde foram aplicados às colônias.

Dessa maneira, ele conseguiu aumentar suas finanças impedindo que suas colônias comprassem produtos estrangeiros e adquirissem apenas os ingleses. O resultado foi a obtenção de uma balança comercial favorável que ajudou sua expansão econômica posteriormente.

A Lei do Açúcar introduziu pesados ​​impostos sobre o açúcar e o melaço importado, e a Lei da Navegação restringiu que navios de bandeira estrangeira pudessem comercializar por toda a ilha.

A demanda de que as exportações coloniais passassem pelo controle inglês antes de serem distribuídas na Europa causou um terremoto nas colônias.

Sua reação aos impostos e restrições que tornaram seus produtos mais caros levou ao não cumprimento das leis; Além disso, era difícil para a Inglaterra controlar o comércio e os impostos.

Então a Inglaterra chegou a um acordo com as colônias. Ele continuou a cobrar impostos e regular o comércio em teoria, mas permitiu que os colonos cobrassem seus próprios impostos.

Alargamento em toda a Europa

O pensamento mercantilista britânico foi replicado e ampliado por todos os outros impérios (francês, espanhol e português).

Então começou uma sangrenta competição com os ingleses pelo controle do comércio marítimo e destes pela riqueza que outros saquearam em suas colônias.

Pensava-se que a riqueza das nações dependia da quantidade acumulada em ouro, prata e outros metais. Ao mesmo tempo, acreditava-se que os impérios deveriam ser auto-suficientes e possuir colônias ricas que forneceriam os recursos necessários.

O mercantilismo foi superado na Inglaterra após as idéias de Adam Smith expostas em seu livro A riqueza das nações, em 1776.

O crescimento econômico alcançado após a Primeira Revolução Industrial , juntamente com o desenvolvimento da concorrência bancária e comercial, foram decisivos.

Além disso, o desenvolvimento industrial mostrou que a riqueza das nações dependia de mão-de-obra, máquinas e fábricas, e não de ouro ou prata. Os estados nacionais entenderam que a riqueza poderia ser alcançada com uma combinação de recursos naturais e tecnologia.

Caracteristicas

As principais características do pensamento mercantilista foram as seguintes:

– Proclamou que o acúmulo de metais preciosos e não o trabalho é o principal fator de riqueza de uma nação. Nações que não possuíam colônias ricas em ouro e prata poderiam obtê-las através do comércio (incluindo pirataria).

Relacionado:  O que é o Carrancismo?

– O valor das exportações deve sempre ser maior que as importações. Ou seja, você deve sempre tentar ter uma balança comercial favorável. Nesse sentido, estimularam mais as exportações e desencorajaram as importações.

– Comércio e indústria são os setores mais importantes da economia nacional, enquanto a agricultura foi de menor importância. A eficiência produtiva nacional dependia da regulamentação de ambos os setores.

– As nações devem estimular o crescimento populacional para aumentar suas capacidades militares e produtivas. Segundo os mercantilistas, a disponibilidade de mão de obra barata permitiu manter baixos os custos de produção; Isso estimulou o comércio de escravos.

– Os recursos naturais devem ser explorados ao máximo para aumentar a produção, aumentar as exportações e importar menos.

– Segundo Thomas Mun, as taxas de juros dependiam das condições de cada país.

– A política tributária favoreceu a cobrança de múltiplos impostos, segundo os quais cada um tinha que pagar levando em consideração os benefícios recebidos do Estado.

– Eles reconheceram apenas o valor de uso dos bens, e esse valor foi determinado pelo custo de produção.

– Reconheceu os três fatores mais importantes de produção: terra, trabalho e capital.

– Era uma doutrina centralista, porque considerava que o Estado, como poder supremo, deveria controlar todas as atividades produtivas.

Representantes principais

Considera-se que a maioria dos economistas europeus que viveram entre 1500 e 1750 eram mercantilistas. Alguns de seus principais expoentes foram:

Thomas Mun (1571-1641)

Este economista inglês é considerado o representante mais proeminente do mercantilismo. Ele foi um dos primeiros a reconhecer a importância da exportação de bens intangíveis e defendeu as idéias iniciais do capitalismo.

Entre seus meios de enriquecer um reino, o comércio exterior é o primeiro, com uma preponderância das exportações.

Jean-Baptiste Colbert (1619-1683)

Foi economista francês na corte do rei Luís XIV da França, onde atuou como controlador geral de finanças e, em seguida, secretário de estado do exército.

Seu trabalho permitiu que a França se tornasse uma potência européia na segunda metade do século XVII, através de um programa de reconstrução econômica

Antonio Serra

Este mercantilista napolitano viveu entre o final do século XVI e o início do século XVI. Acredita-se que ele tenha sido o primeiro economista dessa corrente de pensamento a analisar e entender o conceito de balança de pagamentos, em relação a bens tangíveis, movimentos de capital e pagamentos por serviços.

Edward Misselden (1608-1654)

Economista inglês que estabeleceu que flutuações na taxa de câmbio dependiam dos fluxos do comércio internacional e não da administração dos bancos, bem como dos movimentos do comércio internacional de espécies.

Referências

  1. Mercantilismo: Conceito, Fatores e Características. Recuperado em 27 de abril de 2018 de economicsdiscussion.net
  2. Mercantilismo Consultado em investopedia.com
  3. Mercantilismo Consultado em britannica.com
  4. O que era mercantilismo? Consultado em economist.com
  5. A Declaração de Independência – Mercantilismo. Consultado em ushistory.org
  6. Mercantilismo Consultado em es.wikipedia.org

Deixe um comentário