Miscigenação cultural: características, exemplos, no México, no Peru

Miscigenação cultural: características, exemplos, no México, no Peru

A mistura cultural corresponde à troca de tradições, comportamentos e crenças que ocorrem entre indivíduos que se desenvolveram em diferentes contextos culturais. Essa troca pode ser gerada através de diferentes práticas, como relacionamentos matrimoniais e / ou convivência, entre outras.

Um dos contextos mais emblemáticos da América em termos de miscigenação cultural estava relacionado à chegada dos espanhóis a este continente. A partir desse primeiro contato, foi gerado um intenso e abrupto processo de intercâmbio cultural, que acabou definindo as características das sociedades de hoje.

No contexto atual, em que a globalização é cada vez mais difundida, a miscigenação cultural está muito presente nos países, que têm acesso mais direto a diferentes manifestações culturais de sociedades muito distantes entre si, espacial e culturalmente.

Características da miscigenação cultural

Envolver pelo menos duas culturas diferentes

Para que a miscigenação cultural seja gerada, pelo menos duas culturas diferentes devem ser encontradas. Graças à inter-relação dos membros dessas culturas, será possível gerar um contexto favorável à miscigenação.

As culturas inter-relacionadas podem ter mais ou menos elementos em comum. Como as correspondências são abundantes, o processo de mistura pode ser mais rápido. Contudo, em qualquer caso, a miscigenação cultural sempre pode surgir – pelo menos até certo ponto – quando há interação sustentada ao longo do tempo.

Uma nova realidade é criada

A bagagem cultural gerada como conseqüência da interação de diferentes culturas corresponde a uma nova realidade. É uma nova cultura que tem características próprias e cujos representantes se sentem como deles.

Foi exatamente o que aconteceu como resultado da miscigenação cultural causada pela interação entre espanhóis e americanos quando foi gerado o primeiro encontro entre as duas culturas.

A partir daí, emergiram culturas com características muito particulares, com elementos em comum, mas com códigos, tradições e formas de comportamento próprios que os diferenciam de outras realidades culturais.

Envolve práticas e tradições culturais

Como inferido do termo, a miscigenação cultural envolve especialmente aqueles aspectos diretamente relacionados ao patrimônio cultural de uma sociedade.

Dentro dessa herança, destacam-se manifestações folclóricas como gastronomia, vestuário, convenções sociais, tradições musicais, linguagem e outros elementos que constituem a base cultural de uma sociedade.

Graças à inter-relação desses elementos de diferentes culturas, é possível dar origem a um processo de miscigenação.

Influencia positivamente o cultivo da empatia

A miscigenação cultural implica o reconhecimento do outro através da adoção, adaptação e execução de várias manifestações culturais.

O fato de criar uma nova realidade a partir das existentes nos permite ter consciência de que o código cultural que determina uma sociedade específica é alimentado por essas outras realidades.

A miscigenação cultural dá origem à comunicação direta entre pessoas diferentes e permite que ela seja gerada em um contexto no qual, idealmente, mais ênfase é colocada nas coincidências do que nos elementos em conflito.

Exemplos de miscigenação cultural

Período colonial na América

Talvez um dos exemplos mais óbvios de miscigenação cultural possa ser encontrado na era colonial, quando os espanhóis chegaram ao continente americano e deram origem ao nascimento de uma nova cultura baseada naqueles que ali se relacionavam.

Relacionado:  População de Campeche: Principais Características

Este processo teve muitos elementos negativos; Um dos mais relevantes foi o fato de os espanhóis terem imposto seus próprios costumes pela força, de modo que não se tratava de uma miscigenação fluida e que respondesse aos interesses de ambas as culturas, mas sim de um ato de dominação.

Isso implicava que muitas civilizações indígenas extremamente ricas em termos de elementos culturais desapareciam; Sociedades inteiras que tinham seus próprios códigos tinham que se submeter àquelas impostas pelos espanhóis.

No entanto, o que aconteceu depois é que foi gerada uma nova realidade que não era completamente espanhola ou completamente nativa. Como conseqüência da inter-relação dos membros de ambas as culturas em diferentes áreas, surgiram novas culturas com seus próprios códigos e características definidas.

Migrações como impulsionadores da miscigenação cultural

As migrações são uma das principais causas dos processos de miscigenação cultural. Por exemplo, como conseqüência do deslocamento de cidadãos chineses ocorrido ao longo dos anos, é possível encontrar vestígios dessa cultura em quase todas as partes do mundo.

O mesmo aconteceu mais recentemente com os cidadãos venezuelanos. Este país sofreu uma onda migratória significativa nos últimos anos e muitos de seus habitantes se estabeleceram em diferentes países ao redor do mundo.

Ambas as situações implicam que as sociedades receptoras migrantes também recebam suas manifestações culturais, que acabam se combinando com as locais, para que uma adaptação fluida possa ser gerada sem perder os elementos essenciais da cultura de origem.

Miscigenação cultural no México

O processo de miscigenação cultural mexicana está indiscutivelmente relacionado à era colonial. Um dos primeiros elementos que tiveram grande influência foi o aprendizado da língua espanhola, que em princípio só era ensinada a pessoas diretamente relacionadas ao espanhol, membros da nobreza.

Os nativos mais predominantes da época, os membros da tribo Nahua, continuaram a usar sua língua e só usaram o espanhol para se referir a elementos sobre os quais acabavam de aprender. Essa inter-relação gerou um primeiro estágio de profunda miscigenação.

Têxteis

Os espanhóis introduziram lã e algodão, que foram incorporados por membros dos diferentes estratos da sociedade mexicana.

O produto têxtil local era de fibra maguey, que gradualmente teve menos demanda porque as peças têxteis feitas de algodão e lã eram mais duráveis ​​e de melhor qualidade.

A incorporação desses tecidos não significou uma perda total dos códigos de vestuário dos mexicanos, que mantiveram o uso de sandálias e, no caso das mulheres, blusas adornadas com flores e saias longas.

Gastronomia

Outro elemento muito característico da miscigenação cultural é a gastronomia gerada como conseqüência do intercâmbio.

O milho era o principal alimento da dieta dos mexicanos; A partir do intercâmbio cultural, os espanhóis começaram a incorporar esse alimento como parte fundamental de sua dieta.

Da mesma forma, trigo e carnes do continente europeu (como carne de porco e galinhas) foram incorporados à dieta dos mexicanos. Ao misturar esses elementos com seus próprios costumes gastronômicos, foram geradas novas propostas que definiam a atual gastronomia mexicana.

Relacionado:  As 7 atividades econômicas mais importantes do México

Música

A música mexicana mais tradicional tem origem mestiça. Por exemplo, os mariachis têm uma origem indígena que estava evoluindo para os conjuntos musicais atuais com roupas charro e seu chapéu característico.

No caso da Banda de Sinaloa, a fusão da música indígena com a européia ou a cumbia é mais do que evidente. Um caso semelhante ocorre com a música do norte ou a marimba.

Muitos desses gêneros são tocados com instrumentos musicais como violão, bateria, flauta ou castanholas, todos introduzidos pelos espanhóis.

Miscigenação cultural no Peru

No Peru, houve uma situação semelhante à do México, em que os espanhóis impuseram suas culturas pela força.

Como dissemos anteriormente, isso implicava o desaparecimento de muitas manifestações culturais; no entanto, restaram muitos elementos, principalmente nas áreas relacionadas às artes culinárias.

Gastronomia

A culinária peruana é uma das mais reconhecidas e premiadas do mundo e é o resultado de um interessante processo de cruzamento entre tradições culinárias espanholas, indígenas e africanas.

Os espanhóis introduziram produtos lácteos na América, que não haviam sido consumidos pelos indígenas peruanos. As carnes européias também começaram a ser consumidas, gerando até pratos típicos peruanos que atualmente representam sua idiossincrasia; é o caso do cau cau de mondongo.

Após a independência, a gastronomia do Peru também obteve influências francesas, asiáticas e italianas.

Cozinha Nikkei

Nikkei refere-se a emigrantes que vieram do Japão para o Peru no final do século 19 em busca de trabalho. O que a princípio seria um deslocamento temporário, acabou se tornando um assentamento fixo. Hoje, estima-se que haja mais de 150.000 descendentes diretos dos japoneses que chegaram aos portos do Peru.

Isso contribuiu para o fato de que no país sul-americano existem templos budistas, estilistas e artesãos com influências asiáticas ou que existem comunicados de imprensa japoneses em algumas cidades.

No entanto, o mais significativo é como a gastronomia peruana e japonesa se fundiram para dar origem à culinária nikkei. Essa fusão assumiu importância internacional e alguns de seus pratos mais conhecidos são polvo em azeite, tiraditos ou sushi com sabor de suco de limão em vez de soja.

Miscigenação cultural no Equador

A chegada dos espanhóis ao Equador também teve influências importantes, não apenas européias, mas também africanas e, é claro, indígenas. Uma das manifestações mais visíveis foi o código de vestimenta.

Na época colonial, começaram a ser adotadas práticas de costura diferentes das costumeiras da região, e uma delas foi a geração de pregas e bordados para decorar.

Ambos os elementos foram fundamentais nas roupas típicas dos equatorianos, que complementaram esses elementos com práticas típicas de sua herança indígena, como a fabricação de sandálias ou o uso de penas, que são mais usadas no sul do país.

Vale notar que o Equador é um dos países das Américas que mais fielmente manteve suas raízes indígenas. Neste país, existe uma grande população indígena que mantém muitos de seus costumes, apesar de terem adaptado seus modos de vida à dinâmica moderna da sociedade.

Relacionado:  Os 4 grupos étnicos mais destacados de Nayarit

Marimba Esmeralda

Esse gênero de música tão reconhecível decorre da miscigenação africana na província de Esmeraldas. Caracteriza-se pelo fato de uma voz feminina cantar acompanhada de guasá ou maracas, enquanto os homens tocam bumbo, cununos ou marimba.

Todos os instrumentos mencionados acima, exceto a marimba, são de origem africana, introduzidos pelas primeiras populações negras que chegam da África.

Miscigenação cultural na Venezuela

A miscigenação cultural venezuelana também foi fortemente influenciada por manifestações espanholas, africanas e indígenas. No caso da Venezuela, os espanhóis das Ilhas Canárias eram abundantes, de modo que nessa região houve uma influência cultural significativa nas Canárias.

Manifestação artística

A herança indígena é amplamente refletida no artesanato venezuelano. Por exemplo, redes ou chinchorros, bem como cestas feitas da prancha Moriche, são manifestações importantes dessa cultura e têm raízes profundamente indígenas.

No caso das contribuições africanas, elas são vistas em muitos instrumentos musicais típicos da cultura venezuelana, como bateria ou maracas. Finalmente, a influência espanhola se reflete na língua (como em toda a América Latina) e nas tradições venezuelanas, como a tourada.

Em todos esses casos, as influências de cada grupo contribuíram para a geração de produtos e tradições indígenas, que atualmente definem a idiossincrasia dos venezuelanos.

Semana Santa

Na Venezuela, a Semana Santa é de grande importância, pois quase 70% da população se declara católica. O que é relevante é que existem muitas celebrações que têm semelhanças com as realizadas em regiões da Espanha, como Andaluzia ou Ilhas Canárias.

De fato, o Nazareno de San Pablo, uma escultura localizada na Basílica de Santa Teresa de Caracas e uma das mais veneradas do país, foi esculpida pelo imageador de Sevilha Felipe de Ribas por volta do século XVII.

Este trabalho, como outros, é realizado em procissão na quarta-feira santa pelas ruas de Caracas até a conclusão das estações da cruz.

Referências

  1. Márquez, A. “A cultura da miscigenação: a Venezuela no limiar do século XXI” em Jstor. Recuperado em 8 de dezembro de 2019 de Jstor: jstor.org
  2. Castro, D e Suárez, M. “Sobre o processo de miscigenação na Venezuela” em Interciencia. Recuperado em 8 de dezembro de 2019 de Interciencia: interciencia.net
  3. Pinto, W. “Pegadas do mestiço viajaram pela história do Equador” em El Universo. Recuperado em 8 de dezembro de 2019 de El Universo: eluniverso.com
  4. “Miscigenação” na Enciclopédia do Novo Mundo. Retirado em 8 de dezembro de 2019 da New World Encyclopedia: newworldencyclopedia.org
  5. “Miscigenação no México” na Wikipedia. Retirado em 8 de dezembro de 2019 da Wikipedia: wikipedia.org
  6. “Miscigenação cultural no México” em História do México. Recuperado em 8 de dezembro de 2019 de História do México: lahistoriamexicana.mx
  7. “Cozinha peruana: história de miscigenação e fusão” na preocupação de Cook. Retirado em 8 de dezembro de 2019 da preocupação Cook: cookconcern.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies