Modernismo: contexto histórico, características, temas, etapas

O Modernismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no final do século XIX, em resposta à burguesa sufocante e tempo de vida capitalista. O modernismo celebrou a beleza, a liberdade e a arte não apenas como uma posição estética, mas também como um modo de vida e uma atitude em relação aos ideais supérfluos da sociedade mercantilista.

Segundo Juan Ramón Jiménez, crítico de arte e poeta espanhol, em termos gerais, o modernismo pode ser definido como um grande movimento estético e filosófico que expressa seus parâmetros e inclinações pelo entusiasmo pela beleza e pela liberdade. Isso envolvia a prática do isolamento criativo para se livrar de um tempo ensurdecedor.

Modernismo: contexto histórico, características, temas, etapas 1

Rubén Darío é considerado o precursor do modernismo. Fonte: Aqui [Domínio público]

Os artistas modernistas caracterizaram-se por rejeitar o crescente mundo positivista, que valorizava o homem em seu caráter funcional, deixando de lado qualquer qualidade que não fosse pragmática. A luta pela liberdade prosódica, bem como a inclinação ao neo-espiritualismo, mantinham os modernistas da América e da Espanha ligados.

Alguns autores queriam reduzir o modernismo, definindo-o como um movimento literário de extravagâncias retóricas e gramaticais; No entanto, essa definição é vaga para uma estética tão ampla e complexa. O modernismo trata da tendência de aumentar e refinar as sensações, intensificando a letra e o ritmo.

Outro autor de notável importância, como Teófilo Gautier, estabeleceu em sua obra intitulada Symphony in White maior que, para os modernistas, o valor que as palavras adquirem no dicionário é limitado, enquanto as palavras podem ser convertidas através do som. em conceitos muito mais elaborados.

Segundo este escritor, as palavras são semelhantes aos diamantes: é necessário poli-los para extrair toda a sua beleza. Por seu lado, a música desempenha um papel fundamental no modernismo: graças à letra perfeita e ao uso purificado do ritmo, os modernistas tocam frases musicais e constroem versos que evocam a dança.

Em conclusão, pode-se estabelecer que o modernismo, como movimento artístico, implicou uma evolução e um renascimento em termos de como a linguagem e a beleza são percebidas. Da mesma forma, surgiu como uma oposição ao espírito utilitário do século XIX; No entanto, hoje ainda é válido devido às diretrizes sufocantes do chamado progresso.

Contexto histórico

A gestação do artista modernista surgiu através do nascimento de uma geração cansada do serviço social e vítima de um forte desconforto causado por viver rápida e materialmente. Em um mundo de novas máquinas, imaginação e criatividade adormeceram.

Foi o período de maior auge do industrialismo, quando os problemas do dia-a-dia sufocaram a existência das belas artes e prejudicaram o cultivo do pensamento e da filosofia.

A geração do modernismo notou a presença de uma massa de pessoas que se tornaram triviais, indiferentes e distraídas diante de aspectos bonitos e estéticos.

Origem

Alguns consideram que o modernismo teve sua origem nos últimos vestígios do romantismo, pois reteve desse movimento a necessidade e a paixão pela arte, bem como o espírito de desacordo e rebelião.

Geralmente, as grandes correntes literárias que ainda são usadas hoje – como o naturalismo – surgem, por sua vez, do romantismo.

O modernismo também nasceu da busca de encontrar uma arte que respondesse ao momento histórico que estava sendo desenvolvido, uma vez que naquela época ainda não havia manifestação artística que respondesse a essa necessidade devido ao imediatismo da época.

A importância de Rubén Darío e os poemas azuis…

Quanto à data de início do modernismo, muitos autores concordam que isso aconteceu em 1888 com o aparecimento dos poemas azuis … pelo aclamado poeta Rubén Darío, considerado o pai desse movimento artístico.

A importância desses poemas foi monumental e inspirou muitos autores hispânicos. Este trabalho não possui apenas poemas, mas também uma série de histórias que seguem a mesma estética musical e colorida.

Para Rubén Darío, a imagem do cisne branco e da cor azul foram os principais emblemas de sua postura estética, por isso ele escolheu essa cor para nomear sua compilação lírica.

Em seu trabalho intitulado História dos meus livros , publicado em 1913, o poeta nicaragüense disse que escolheu essa cor porque a considerava a cor do devaneio, bem como a cor da arte.

Este autor estava inclinado à cultura greco-romana, por isso é comum encontrar referências mitológicas dentro de Blue … Ele também usou contos de fadas para criar mundos de fantasia e magia.

Além disso, alguns personagens mágicos reaparecem da peça O sonho de uma noite de verão , de William Shakespeare. Outro tema frequente na poesia de Rubén Darío é a simbologia erótica, que se manifesta através da figura feminina.

Embora o modernismo defendesse o isolamento, Darío fez críticas severas à sociedade burguesa dentro de seus poemas, como pode ser visto em O rei burguês ; Ele também questionou o papel do artista na sociedade.

Recepção da Azul na cultura hispânica e termo “modernismo”

No primeiro período após a sua publicação, os poemas não tiveram muita popularidade; Ele teve apenas algumas críticas na imprensa chilena.

No entanto, em meados do mesmo ano, Juan Valera – um importante romancista espanhol – publicou algumas cartas nas quais elogiava a capacidade poética de Rubén Darío, argumentando que, apesar da notável influência francesa em seus textos, o escritor nicaragüense conseguiu Emita um estilo único.

Graças à aprovação de Juan Valera, o livro se espalhou pelas Américas e por toda a Espanha, o que significou uma convulsão entre os escritores mais jovens, que começaram a usar as técnicas desse poeta.

A princípio, o termo “modernismo” tinha uma alusão pejorativa, como aconteceu com diferentes movimentos artísticos – o mesmo aconteceu, por exemplo, com impressionismo. No entanto, os artistas decidiram ganhar o termo para dar um nome às suas inclinações estéticas.

Características do modernismo

Segundo várias fontes bibliográficas, pode-se estabelecer que o modernismo consistia em uma síntese entre simbolismo e parnasianismo.

O primeiro referia-se à importância da sugestão na arte, enquanto o segundo era a busca pela perfeição nos aspectos formais da escrita, bem como as sensações propiciadas pelo tema exótico.

Da mesma forma, o modernismo também alimentou em menor escala outras correntes do século XIX, assim como os pré-rafaelistas e o decadentismo.

Uma característica fundamental do modernismo foi o fato de ser um movimento de ruptura causado por uma profunda crise espiritual que se manifestou no final do século e atingiu seu auge quando a Primeira Guerra Mundial começou . Após esse primeiro elemento essencial do modernismo, outros aspectos podem ser estabelecidos:

Corrente multidisciplinar

O modernismo se manifesta através de diferentes disciplinas, não apenas literatura ou poesia. Mostrou também as artes decorativas, cerâmica, pintura, escultura, desenho e arquitetura.

Devido à importância da industrialização na época, os processos de produção artesanal foram gradualmente superados pelas modalidades de produção em série.

Antítese do realismo

Ao contrário de movimentos como o realismo, o modernismo rejeitava a realidade cotidiana, que oferecia ao escritor a possibilidade de fugir do tempo em que vivia para evocar tempos passados ​​ou melhores.

A rejeição da realidade e a sobriedade da vida cotidiana

Os escritores modernistas optaram por se isolar de uma realidade que não os satisfazia; eles fizeram isso através da literatura, pois a partir disso criaram espaços distantes e exóticos nos quais se refugiariam no dia a dia insatisfatório.

Muitos deles falaram sobre “guardar-se em uma torre de marfim”, cuja metáfora aludia a esse mundo mágico e maravilhoso completamente diferente da realidade industrial.

Preciosidade sem corte

Devido à sua influência parnassiana, o modernismo desenvolveu um interesse notável na perfeição da forma. Isso levou seus escritores a desenvolver uma linguagem altamente preciosa, na qual se destacavam cores bonitas e jóias marcantes.

A preciosidade também está relacionada à imagem favorita do modernista, a torre de marfim, pois se refere a refugiar-se na beleza para escapar de um mundo sórdido e violento.

A melancolia oculta

Apesar de seus mundos mágicos e sua preciosidade, uma inclinação melancólica está oculta na literatura modernista. Isso se deve ao fato de que, apesar da tentativa desses escritores de se proteger da realidade, isso sempre os acompanhava no desenvolvimento de suas criações, pois fazia parte de sua episteme.

Isso significa que a evasão (ou a torre de marfim) funcionou apenas parcialmente, uma vez que os modernistas não podiam se separar da decadência e do pessimismo que abundavam no final do século.

Imagens plásticas e coloridas

Os modernistas consideravam que a beleza podia ser sugerida por imagens muito coloridas e plásticas, de modo que em seus textos predominava o uso de um adjetivo de cores.

As imagens que despertam os sentidos e as experiências sensoriais também predominaram.

Musicalidade na composição

Para conceder musicalidade e ritmo às suas criações, os modernistas usualmente abusavam de aliterações e sinestesia. Da mesma forma, eles gostavam de usar as estrofes clássicas, pois também facilitavam essa sonoridade.

Os versos favoritos dos modernistas eram o alexandrino, o eneasílabo e o dodecasílabo, embora também usassem o soneto clássico com algumas de suas próprias variantes.

Erotismo e mitologia

Como mencionado nos parágrafos anteriores, o modernismo estava inclinado a usar aspectos da cultura greco-romana, especialmente aqueles relacionados à mitologia. Por esse motivo, é comum encontrar referências dessa civilização nos textos desses autores.

Também era comum encontrar leves traços eróticos e sensuais nos textos modernistas através do uso de metáforas. A figura feminina foi amplamente usada e idolatrada por esses escritores.

Prevalência do nacionalista sobre o estrangeiro

Embora os escritores modernistas tenham sido influenciados por várias correntes européias e francesas – como o simbolismo -, esses autores defendiam aspectos nacionais. Isso significa que eles mantiveram o ideal romântico dos valores patrióticos e da cor americana.

Um exemplo desse nacionalismo pode ser encontrado nos poemas de Rubén Darío, nos quais o autor aclama e defende a natureza do solo americano.

Interesse em culturas exóticas

Essa característica é observável em algumas das obras modernistas mais importantes escritas na época. Neles está presente a afinidade pelo exótico e a recreação do meio ambiente da Índia ou da cultura oriental. As aparências de civilizações pré-colombianas também se destacam.

Busca pela liberdade

Os modernistas lutaram contra as tradições, buscando sempre novidade e liberdade, tanto na forma de seus textos quanto em seu conteúdo.

Da mesma forma, o modernismo compartilhou com outros movimentos essa natureza experimental e a velocidade com que suas propostas substituíram os movimentos estéticos anteriores.

Temas centrais

Considerando as características anteriores, pode-se argumentar que o tema modernista se consolidou em torno de lugares exóticos, fatos mitológicos e erotismo. No entanto, também foi caracterizado por expor a angústia e a melancolia da época.

Da mesma forma, os modernistas usaram o amor idealizado e a figura da mulher como um de seus principais temas.

Fome pela vida: melancolia e angústia

Os modernistas se preocuparam com o romantismo para expressar sua discordância diante de um mundo mercantilista, imediato e trivial. Por esse motivo, seus textos estão impregnados de melancolia e angústia.

Da mesma forma, a literatura desse movimento frequentemente questiona a figura do artista nesse novo mundo de máquinas e indústrias.

Geralmente, os personagens não se encontram na sociedade em que habitam. Conseqüentemente, o escritor modernista enfatizou a solidão do artista da época.

Evasão

Escapismo era um tema recorrente nos textos modernistas. Geralmente, nenhuma referência foi feita a um espaço ou tempo particular ou empírico.

Americanismo

Embora os modernistas sentissem uma profunda devoção e inclinação à Paris cosmopolita, eles também defendiam e usavam temas americanos.

O tema indígena se destacou bastante nesse movimento, pois consideravam a civilização indígena como criaturas ancestrais que coabitavam em perfeita harmonia com seu ambiente natural e primitivo.

Amor e mulher

O modernismo usou o tema do amor com alguma idealização; no entanto, diferia do romantismo em termos da profunda carga erótica.

O amor impossível também foi usado, mas em menor grau, enquanto a figura feminina era exaltada por belas metáforas.

Etapas do modernismo

O modernismo é considerado como tendo dois estágios principais, com diferenças marcantes entre eles. O primeiro período abrangeu entre 1888 e 1896, enquanto o segundo ocorreu de 1896 até sua evolução final após a Primeira Guerra Mundial.

No estágio entre 1888 e 1896, predominou o parnasianismo, como pode ser observado em autores como Rubén Darío, José Martí e Juan de Casal, que são os principais representantes dessa era do movimento.

A partir de 1896, houve uma ligeira mudança nas concepções modernistas, uma vez que uma maior influência do simbolismo se desenvolveu e se aventurou em temas íntimos. Isso pode ser percebido em autores como Antonio Machado e Juan Ramón Jiménez, que deram o tom para este segundo período.

Indo para as obras dos escritores deste movimento, será possível identificar e entender os diferentes elementos que compõem cada estágio do modernismo.

Representantes e seus trabalhos

O modernismo foi um dos movimentos literários mais importantes da América Latina e da Espanha, por isso possui uma grande variedade de autores. Esses personagens não apenas escreveram poesia e romances, mas também ensaios, cartas e histórias.

Para muitos críticos, Rubén Darío foi o autor mais importante do modernismo. No entanto, outros grandes autores, como José Martí, Julián del Casal, Henríquez Ureña, Amado Nervo, Manuel González Prada, José Assunção Silva e Salvador Rueda, entre outros, também se manifestaram.

-México

Amado Nervo

Um dos escritores modernistas mais importantes foi o poeta e jornalista mexicano Amado Nervo, que também se aventurou no misticismo.

Como era comum em autores latino-americanos, Nervo viveu por um tempo em Paris, onde conheceu o lendário escritor Oscar Wilde. Mais tarde, mudou-se para Madri, onde se dedicou à escrita.

Amado Nervo se destacou principalmente por seus textos poéticos, embora também tenha escrito ensaios e romances. Seu romance mais conhecido foi intitulado The Bachelor , publicado em 1895; Seu trabalho poético mais aclamado foi Pérolas Negras. Místicos , publicado em 1898.

Manuel Gutiérrez Nájera

Outro autor mexicano importante do modernismo foi Manuel Gutiérrez Nájera, conhecido por ter sido um precursor desse movimento.

Como Amado Nervo, Nájera se dedicou à poesia e ao jornalismo, embora também se envolvesse em críticas teatrais. Ele também foi muito aclamado por suas crônicas sobre a capital do México.

Seu estilo se assemelha ao romantismo, embora não seja excessivo, mas delicado e elegante. Seus trabalhos mais significativos foram A serenata de Schubert, O trabalho da duquesa, Contos frágeis e Hamlet a Ofélia.

-Colômbia

José Assunção Silva

José Asunción Silva é considerado um dos escritores mais importantes não apenas da Colômbia, mas da América Latina.

Ele era um jovem autodidata que abandonou a escola em tenra idade para se educar. Ele conheceu a cultura européia enquanto viajava para Londres, Suíça e Paris.

Silva teve uma vida conturbada e difícil, pois os negócios da família haviam sido um fracasso e o deixaram cheio de dívidas. Após a morte de seu avô e irmã, o jovem autor decidiu tirar a própria vida.

Embora seu trabalho seja escasso, um dos textos modernistas mais importantes foram seus poemas intitulados Nocturnos , nos quais realizou grandes inovações.

Guillermo Valencia Castillo

Guillermo Valencia Castillo também foi um autor colombiano de grande importância, que se destacou por seu trabalho diplomático: ele foi duas vezes candidato à presidência.

Castillo viajou para Paris, onde conheceu Rubén Darío. Isso o influenciou em um de seus trabalhos mais importantes, conhecido como Rites , publicado em 1899.

-Venezuela

Manuel Diaz Rodriguez

O escritor venezuelano mais importante para o movimento modernista foi Manuel Díaz Rodríguez, que realizou uma ampla gama de ensaios junto com alguns romances e histórias.

Um de seus trabalhos mais aclamados foi o intitulado Broken Idols , publicado em 1901. Nesse texto, Díaz Rodríguez se apresentou na figura decadente do intelectual do século XIX.

Outro de seus textos mais notórios foi Sangre Patricia , publicado em 1902. Neste romance, foi explorada a figura da femme fatale , além de uma investigação sobre a psique do homem e sua percepção amorosa.

Rufino Fombona Branco

Rufino Blanco Fombona foi outro escritor venezuelano que se destacou nas atitudes modernistas. Ele não apenas participou da disciplina literária escrevendo poemas frutíferos, mas também manteve uma vida política e militar ativa.

Entre seus trabalhos mais importantes estão o livro de poesia Little opera lyric , publicado em 1904; e Tales of Poet , publicado em 1900.

-Argentina

Leopoldo Lugones

Leopoldo Lugones foi um renomado ensaísta, jornalista e poeta argentino, que também se desenvolveu no campo da política. Ele teve a oportunidade de viajar para a Europa, que alimentou seu desenvolvimento artístico e intelectual.

Seus textos são carregados de simbolismos, como pode ser visto em obras como As Montanhas de Ouro , publicadas em 1897; e O Crepúsculo do jardim , publicado em 1905. Lugones cometeu suicídio em 1938, quando sofreu grave instabilidade psicológica.

Enrique Larreta

Outro autor argentino muito importante da corrente modernista foi Enrique Larreta, que serviu como embaixador e manteve uma vida confortável, pois vinha de uma família rica.

Larreta buscou sua inspiração literária no século dourado espanhol e no renomado escritor Miguel de Unamuno, que pode ser visto em seus textos. Ele também fez parte da Academia Argentina de História e da Real Academia Espanhola.

Ele escreveu várias obras importantes; no entanto, destacou-se especialmente por dois deles: Artemis , publicado em 1896; e A glória de Don Ramiro , publicada em 1908.

Artemis foi a primeira obra literária deste autor, que se passa na Grécia antiga. Por outro lado, a glória de Don Ramiro consiste em uma reconstrução literária histórica da Espanha do século XVI.

-Chile

Carlos Pezoa Véliz

Entre os escritores modernistas chilenos, destacou-se Carlos Pezoa Véliz, que também ficou conhecido por suas atividades militares. De fato, em 1898, ele abandonou seus estudos para entrar na Guarda Nacional.

Embora tenha tido muito sucesso no modernismo, Véliz decidiu se afastar dessa corrente para se inclinar para uma poesia mais regionalista.

Ele fez várias colaborações com importantes jornais chilenos como La voz del pueblo e seu trabalho mais importante foi Ateneo de Santiago.

Ele também fez uma série de histórias intituladas The Golden Bells , publicada em 1920. Outro texto aclamado por esse autor foi o título Chilean Soul , que incluía uma série de poemas nacionalistas; Foi publicado em 1911.

Artigos de interesse

modernismo literário .

Referências

  1. Ferrada, R. (sf) O modernismo como processo literário . Recuperado em 19 de maio de 2019 de Scielo: scielo.conicyt.cl
  2. Girardot, R. (sf) Modernismo e seu contexto histórico-social . Recuperado em 20 de maio de 2019 da Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes: cvc.cervantes.es
  3. Litvak, L. (1981) Modernismo: o escritor e o crítico . Recuperado em 19 de maio de 2019 da Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes: cervantesvirtual.com
  4. Murillo, M. (2013) Modernismo e sociedade na obra poética de Rubén Darío . Recuperado em 20 de maio de 2019 de Dialnet: dialnet.com
  5. A. (sf) Modernismo: características gerais através da figura de Rubén Darío. Recuperado em 19 de maio de 2019 da Virtual Classroom: edu.xunta.gal
  6. A. (sf) Modernismo (literatura espanhola) . Retirado em 20 de maio de 2019 da Wikipedia, a enciclopédia livre: en.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies