Nicolás Lindley López: biografia, governo e obras

Nicolás Lindley López (1908-1995) foi um exército peruano que passou a ocupar a presidência do país por um curto período de tempo. Lindley participou de um golpe de estado liderado pelo general Ricardo Pérez Godoy em 1962, tornando-se parte do Conselho Militar que passou a governar o país.

Este Conselho havia prometido permanecer no poder somente até a organização das eleições no ano seguinte. No entanto, Lindley temia que Pérez Godoy tentasse se perpetuar no cargo e estrelou um novo levante para evitá-lo. Depois de atingir seu objetivo, ele cumpriu sua promessa de convocar eleições dentro do prazo prescrito.

Nicolás Lindley López: biografia, governo e obras 1

Fonte: Por Jose Joaquin Brunner [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) undefined CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ )], indefinido

Nascido em Lima em 1908, a vida profissional de Nicolás Lindley estava sempre ligada ao exército. Ele estudou em várias academias militares diferentes, incluindo uma nos Estados Unidos. Antes de se tornar chefe de governo, ele ocupou vários cargos nas fileiras militares.

Seu governo foi muito breve, mas ele teve tempo de lançar algumas iniciativas. O mais proeminente foi seu projeto de reforma agrária, embora tenha sido concluído por seu sucessor. Da mesma forma, crio um programa econômico para ajudar o desenvolvimento peruano.

Biografia

Nicolás Lindley López veio ao mundo em Lima em 16 de novembro de 1908. Sua família era bastante abastada, pois seu avô havia fundado a empresa Inca Kola. Os pais de Nicolás e seus outros dois irmãos nunca se casaram.

Estudos

O jovem Nicolás estudou no ensino médio na Escola Anglo-Peruana de Lima. No final desta etapa, em 1926, ingressou como cadete na Escola Militar Chorrillos. Ele passou quatro anos lá, até ser titulado como alferes da cavalaria, obtendo o número um de sua promoção.

Carreira militar

Nos dois anos seguintes, de 1930 a 1932, Lindley foi comandante de pelotão no Regimento de Cavalaria e, no ano seguinte, foi promovido a tenente. Seu próximo destino, no qual passou mais dois anos, foi no Regimento de Acompanhantes do Presidente. Esse trabalho lhe rendeu uma nova ascensão, desta vez ao capitão.

Após esse período, ele continuou seu treinamento na Escola Superior de Guerra do Peru (1939-1940). Como no centro anterior, essa etapa acabou sendo a primeira da promoção.

Relacionado:  As primeiras pessoas do estreito de Bering

Em 1941, já sendo major do exército, trabalhou como secretário da Escola Superior de Guerra, além de professor de tática geral e estado-maior.

Estados Unidos e retorno ao Peru

Um pouco mais tarde, em 1946, Lindley se mudou para os Estados Unidos. Lá, ele permaneceu como instrutor por um ano na Escola de Comando e Estado-Maior de Fort Leavenworth, Kansas.

Depois dessa experiência no exterior, ele voltou ao Peru. Em seu país, ensinou na Escola Superior de Guerra e conseguiu o cargo de diretor da Escola de Cavalaria.

Em 1951, seus superiores o enviaram como adido militar ao Chile. Seus dois anos nessa posição lhe renderam promoção para o posto de coronel.

A partir desse momento, a carreira de Lindley foi uma sucessão de promoções. Foi chefe de gabinete da Primeira Divisão da Luz (1953), chefe de gabinete do Centro de Instrução Militar (1954) e comandante geral deste (1955-1958).

Ele também obteve a posição de general de brigada (1956) e a de inspetor geral do exército (1958-1960). Finalmente, ele se tornou um general da divisão em 1960, Chefe do Estado Maior do Exército e Comandante Geral do Exército.

Golpe de Estado

As eleições realizadas em 1962 não concederam a nenhum partido a maioria necessária para governar sozinho. O vencedor foi o candidato da APRA, um partido de esquerda. A designação presidencial estava, portanto, nas mãos do Congresso e das alianças entre os diferentes grupos.

O favorito era Manuel Odria, da União Nacional Odriista, na qual os apristas estavam dispostos a votar. No entanto, as Forças Armadas intervieram antes e deram um golpe de estado.

A desculpa oferecida pelos militares foi uma suposta fraude eleitoral, embora eles nunca apresentassem nenhuma evidência. O líder do golpe foi o general Ricardo Pérez Godoy, apoiado por Nicolás Lindley.

Após a revolta, um Conselho Militar foi estabelecido para governar o país. Em teoria, ele só deveria permanecer no poder até convocar novas eleições em 28 de julho de 1963. Lindley atuou como Ministro da Guerra como um componente desse Conselho.

Apreensão do poder

Alguns meses depois, a situação mudou. Perez Godoy, líder da Junta Militar, começou a mostrar sinais de querer permanecer no poder por mais tempo do que o prometido. Dado isso, Lindley promoveu um novo golpe. Em 3 de março de 1963, ele próprio se tornou chefe do Conselho.

Relacionado:  Batalha de La Victoria: causas, desenvolvimento, consequências

Nos poucos meses em que ocupou a presidência, Lindley limpou a lista eleitoral, além de continuar o trabalho legislativo que o Conselho havia iniciado anteriormente.

Nicolás Lindley cumpriu a promessa de convocar eleições. A nova votação ocorreu em um clima político muito calmo. O vencedor foi Fernando Belaúnde Terry.

Morte

Depois de deixar o cargo na Junta Militar e com um governo democrático no país, Lindley foi enviado como embaixador do Peru na Espanha. Lá ele permaneceu de 1964 a 1975, quando retornou ao seu país.

Nicolás Lindley morreu na capital, Lima, em 3 de maio de 1995, aos 86 anos.

Características de seu governo

Como observado acima, Lindley governou por alguns meses. Mesmo contando o tempo em que ele era um dos membros do Conselho Militar presidido por Pérez Godoy, a duração total não chegou a um ano inteiro.

Lindley, que considerou essencial cumprir a promessa de convocar eleições dentro do prazo estabelecido, nem sequer ocupou o Palácio do Governo. Além disso, eu nunca uso a banda presidencial.

Os historiadores apontam que o relacionamento entre Pérez Godoy e Lindley foi muito tenso durante o tempo em que compartilharam o governo. As discussões foram constantes e as visões distantes.

Aspecto político

Não há dúvida de que o governo estabelecido pela Junta Militar era uma ditadura. A desculpa do golpe, uma suposta fraude eleitoral, nunca foi comprovada.

Especialistas apontam, pelo contrário, porque foi devido à agitação social que o país estava passando. A isso devemos acrescentar a possibilidade real de que um partido de esquerda assuma o poder conquistando os votos.

Apesar deste último, o governo militar desenvolveu uma política reformista bastante focada na melhoria das condições sociais. Sua proposta de reforma agrária ou sua vontade de planejar políticas econômicas não coincidem com a ideologia conservadora tão prevalecente em outros regimes militares.

Trabalhos

Nicolas Lindley ficou no cargo por cerca de cinco meses. Durante esse período, promoveu a purificação do censo eleitoral, além de tentar estabilizar o país.

No aniversário do golpe, em 18 de julho de 1963, Lindley explicou as realizações que, segundo ele, a Junta Militar havia alcançado.

Reforma agrária

Embora ele não tenha concluído a proposta, foi o governo Lindley que iniciou o projeto de reforma agrária no Peru. Por meio dessa lei, planejava-se desapropriar terras para grandes multinacionais e entregá-las a médios e pequenos agricultores. Além disso, regulamentou as contratações em campo e optou pela justiça social.

Relacionado:  Ricardo Flores Magón: Biografia e Contribuições

Em grande parte, o motivo do desenvolvimento dessa reforma agrária foi o fim das mobilizações camponesas no país. Seria o governo democrático subsequente que concluiu a redação da lei.

Sistema Nacional de Planejamento do Desenvolvimento Econômico e Social do Peru

O Sistema Nacional de Planejamento do Desenvolvimento Econômico e Social do Peru tinha o objetivo de coordenar a ação do Estado com a iniciativa privada para melhorar o desenvolvimento econômico do país.

Da mesma forma, ele propôs o uso de contribuições internacionais para aumentar o bem-estar das classes mais desfavorecidas. Com o governo de Belaúnde, foi renomeado Instituto Nacional de Planejamento (INP).

Habitação

A habitação foi um dos grandes problemas no Peru. Para tentar melhorar a situação, foram criados o Conselho Nacional da Habitação e o Banco da Habitação. Da mesma forma, a luz verde foi dada à formação de bancos privados de desenvolvimento da construção.

O governo militar também promulgou uma lei de desapropriações para obter terras para construir moradias populares.

Educação

A educação foi descentralizada e foram organizadas campanhas de alfabetização. O governo promoveu a construção de muitas escolas e aumentou as salas de aula.

Emprego

As políticas para aumentar o emprego começaram com a criação de centros de treinamento que melhorariam o nível técnico dos trabalhadores. Junto com isso, foi estabelecido um salário mínimo e decretados aumentos salariais para o setor estadual.

Outras ações legislativas

O governo de Nicolás Lindley também desenvolveu políticas que afetaram outros setores. Ele elaborou, por exemplo, o chamado Orçamento de Programa, que ordenou a administração pública.

No campo da saúde, destacou a construção de vários hospitais e centros de saúde, na tentativa de melhorar o acesso à assistência médica às classes populares.

Referências

  1. Pesquisa biografias. Nicolás Lindley López. Obtido em buscabiografias.com
  2. Peru e história. Nicolas Lindley. Obtido de peruehistoria.weebly.com
  3. História do Peru Nicolás Lindley López. Obtido de conhecer lahistoriadelperu.blogspot.com
  4. Enciclopédia de História e Cultura da América Latina. Lindley López, Nicolás (1908-1995). Obtido em encyclopedia.com
  5. Ortiz de Zárate, Roberto. Líderes do Peru Obtido em zarate.eu
  6. Revolvy Nicolás Lindley López. Obtido em revolvy.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies