O que é exogamia?

A exogamia corresponde a uma regra para a eleição do cônjuge, onde são proibidas as relações conjugais entre membros do mesmo grupo ou sistema de parentesco. Esta regra determina que o cônjuge deve ser escolhido de um clã diferente do seu, proibindo casamentos entre parentes.

Na sociedade de hoje, a regra é definida especificamente para proibir casamentos entre grupos de parentes diretos, como o caso de irmãos, mãe, pai; etc. No entanto, em algumas culturas a exogamia é uma norma severa que especifica quem deve ser escolhido como cônjuge e o casamento com membros da mesma vila, vila ou tribo é proibido. No caso de não conformidade com a provisão de exogamia, as punições variam de desaprovação aberta à morte.

O que é exogamia? 1

Isso implica que, para conseguir um parceiro, os membros de uma determinada tribo ou comunidade devem deixar seu ambiente para procurá-lo em um grupo completamente diferente. A utilidade desta regra é manter a cooperação entre grupos, especialmente em tribos e aldeias onde o trabalho conjunto é essencial para a sobrevivência.

Existem dois tipos de formas de parentesco na sociedade, uma através do sangue e a outra através do casamento. Dessa forma, o parentesco forma uma estrutura completa que, embora de natureza coletiva, mantém sua individualidade, espalhando sua influência pela criação de outras estruturas de parentesco, ou seja, novas famílias. Essa rede de parentesco não apenas tem uma função biológica, mas também desempenha funções políticas e econômicas.

Pensa-se que a exogamia possa estar relacionada à regra de proibição do incesto. No entanto, a exogamia proíbe o casamento entre pessoas do mesmo grupo – sejam ou não parentes. Além disso, a regra de proibição do incesto visa proibir a relação sexual, enquanto a exogamia se concentra especificamente na proibição do vínculo matrimonial.

Origem da exogamia

A origem da regra da exogamia é favorecer a união entre diferentes grupos sociais e o conceito começou a ser usado em meados do século XIX, quando as primeiras observações do fenômeno foram feitas nas tribos australianas. A importância dessa fundação é estabelecer vínculos entre outros grupos.

A exogamia começou então na esfera política, para fortalecer as tribos com alianças com outros grupos de povos. Acredita-se que a exogamia tenha começado com a captura de mulheres de tribos vizinhas para ganhar mais poder sobre elas, ou talvez devido à escassez de mulheres dentro do mesmo grupo.

Relacionado:  Erasmus Darwin: Biografia e Contribuições

O antropólogo belga Claude Levi-Strauss disse em seu trabalho que tanto a exogamia quanto a lei de proibição do incesto têm uma abordagem prática: forçar as mulheres a se reproduzirem com outros homens de diferentes grupos.

O mesmo acontece na biologia. Sabe-se que o cruzamento entre indivíduos de diferentes grupos ou clãs é útil para diversificar a prole. Um caso diferente é o da endogamia, que para alguns autores incesta mais do que ser um tabu, gera pessoas com problemas físicos e mentais hereditários e transmissão de condições genéticas paralelas. Deste modo, acredita-se que as sociedades mais antigas se desenvolveram de maneira exogâmica e não-endogâmica, como foi considerado no passado.

É provável que nessas sociedades, embora o casamento entre irmãos tenha sido permitido, ele tenha sido reservado apenas para famílias reais que procuram preservar sua linhagem pelas gerações vindouras. Mas esse não é o caso de todo o seu povo, que não tinha essa regra para escolher seu cônjuge.

Dessa forma, a exogamia corresponde a um padrão adaptativo que favorece a evolução do grupo e evita a possibilidade de gerar filhos com problemas genéticos associados à consanguinidade. Isso não se aplica apenas aos seres humanos, mas a todos os animais.

Quanto mais distante a mistura de indivíduos, seus descendentes serão mais saudáveis ​​e mais fortes. As condições genéticas que predispõem à doença são geralmente encontradas em locais onde a consanguinidade era comum, como em pequenas comunidades fechadas por longos períodos de tempo.

No entanto, a exogamia não apenas representa um benefício na área genética, mas também envolve muitos aspectos sociais e políticos de diferentes sociedades e sistemas.

A exogamia na cultura

Existem várias explicações da exogamia ao longo da história. Muitos acreditam que isso está relacionado ao totemismo, a idéia religiosa do respeito divino pelo sangue do clã, que é uma substância sagrada. É provável que essa tenha sido uma das motivações das tribos ao procurar cônjuges em outros grupos.

No entanto, o intercâmbio de homens e mulheres não pode ser considerado uma força unificadora de diferentes grupos, aumentando a força econômica e política da aliança formada.

Atualmente, a exogamia continua a ser praticada em várias sociedades modernas e muitas descritas na literatura clássica. É praticado em algumas tribos australianas, na sociedade turca e nos esquimós. Nesses grupos humanos, a exogamia permaneceu por várias gerações, conseguindo unir diferentes clãs no mesmo sangue ou idioma e, assim, alcançar o pertencimento e o senso de uma única nação.

Relacionado:  Método indutivo: características, tipos e exemplos

Existe também um tipo de exogamia chamada exogamia linguística. Nesse caso, o casamento ocorre entre duas pessoas que falam idiomas diferentes.

É muito comum nas tribos Tukano, grupos indígenas na região noroeste da Amazônia. Nesses casamentos, fazer os cônjuges falarem a mesma língua e torná-los membros de uma nação dá a sensação de pertencimento e aliança.

Em outras partes do mundo, como na região atlântica do Canadá, o mesmo fenômeno ocorre regularmente e as famílias geralmente são compostas por um cônjuge que fala francês enquanto o outro fala inglês.

A exogamia na biologia

Do ponto de vista científico, a exogamia está relacionada à distância genética entre o casal. No entanto, se você observar do ponto de vista dos interesses genéticos étnicos, a consanguinidade permite manter o parentesco entre as famílias, sem perder nenhum gene ou característica representativa.

Tomemos, por exemplo, o caso de um casal caucasiano e chinês. Seus filhos terão os genes mais dominantes no caso de cada pai, mas cerca de 80% das condições genéticas da outra pessoa serão perdidas.

Desse modo, descobrimos que, embora a exogamia não preserve as características genéticas puras do grupo de onde vem, o que ela permite é espalhar os genes mais dominantes em novas áreas onde nascem os filhos.

Olhando de maneira simples, a endogamia em cada combinação genética retorna para “embaralhar as cartas no pool genético”, distribuindo uma nova combinação, mas com os mesmos elementos. Em vez disso, a exogamia “embaralha e substitui o baralho por um novo” e distribui as novas “cartas” (genes) em cada um dos descendentes.

Portanto, o interesse da exogamia não é a preservação do material genético ao longo do tempo, de geração em geração. Sua intenção é se misturar com pessoas diferentes e, assim, expandir uma influência que vai além da estrutura do DNA.

A exogamia no mundo

Embora dentro das explicações da exogamia, encontremos até a teoria da seleção natural de Darwin, onde os organismos mais fortes e mais bem preparados são aqueles que sobrevivem (melhores combinações genéticas geradas pela exogamia); Atualmente, a exogamia é interpretada como um mecanismo de sobrevivência, pois reduz os conflitos dentro do clã de origem, com as tribos vizinhas e estabelece um sentimento de pertencimento e solidariedade entre diferentes indivíduos não relacionados.

Relacionado:  James Chadwick: Biografia, Modelo Atômico, Experimentos

A exogamia então estabelece lealdade e solidifica laços. Isso promove a solidariedade social e a coesão, reduzindo qualquer conflito interno entre as comunidades. Nesse olhar de aliança, o casamento seria considerado uma forma primária e básica de troca, como a troca.

Em um clã, a exogamia reduz a tensão de suas mulheres, pois elimina a competição entre elas. Por outro lado, permite garantir positivamente alianças e estimular a preocupação e o cuidado entre os diferentes grupos sociais.

A exogamia é um padrão comum nas sociedades da África e da Índia, onde o estabelecimento de alianças com clãs vizinhos por meio da exogamia desempenha um papel vital na sobrevivência de seus sistemas de castas e sub-castas. Nesse caso, uma mulher em um papel relevante dentro de sua casta ou clã passa a ter outro papel importante em um grupo que não o seu, mantendo a posição da tribo ou do clã.

Dessa maneira, o casamento é importante para formar alianças, transformar relacionamentos, certos direitos e estabelecer relações legais entre os filhos. As alianças matrimoniais são básicas para a estrutura social das culturas primitivas, com elas é possível uma formação mais sólida, estabelecendo arranjos domésticos, transmitindo propriedade e autoridade política.

Existem três formas de casamento no mundo: consanguinidade – casamento com pessoas pertencentes ao mesmo parentesco ou grupo; hipogamia; casamento em que o cônjuge é escolhido por interesses semelhantes e um deles perde sua posição social ao ser incluído no grupo do outro; e exogamia – que indica que o casamento deve ocorrer com alguém de outro clã que não seja o seu.

Finalmente, a exogamia seria uma ferramenta com a qual grupos e clãs buscam estender sua rede na sociedade, desenvolvimento de alianças políticas, aumento de parentesco e poder, senso de pertencimento e unidade nas nações, escolha de cônjuge, aumento de laços de amizade. afeta entre diferentes tribos, doenças menos herdadas e vantagens adaptativas para criar laços e fortalecer alianças que permitem o fortalecimento e a sobrevivência no tempo das culturas.

Deixe um comentário