O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar?

Uma cadeia alimentar é uma sequência de seres vivos interligados, em que cada organismo serve de alimento para o próximo. Ela representa as relações de transferência de energia e nutrientes entre os diferentes níveis tróficos de um ecossistema. Já uma teia alimentar é uma representação mais complexa e realista, que mostra as múltiplas interações entre os diferentes organismos de um ecossistema, levando em consideração que um mesmo organismo pode ter mais de um tipo de alimento e mais de um predador. Ambas são importantes para o equilíbrio e funcionamento dos ecossistemas.

Entenda o significado e a importância da cadeia alimentar na natureza.

Uma cadeia alimentar é a sequência de seres vivos que se alimentam uns dos outros, transmitindo energia e nutrientes ao longo do processo. Cada elo dessa cadeia é composto por organismos que desempenham diferentes funções, desde produtores até consumidores e decompositores.

A cadeia alimentar é essencial para manter o equilíbrio dos ecossistemas, pois regula as populações de diferentes espécies e garante a circulação de matéria e energia. Quando um elo da cadeia é afetado, isso pode desencadear um desequilíbrio em todo o sistema, afetando a sobrevivência de outras espécies.

Os produtores, como plantas e algas, são responsáveis por captar a energia do sol e transformá-la em alimento por meio da fotossíntese. Os consumidores, como herbívoros e carnívoros, se alimentam dos produtores para obter energia. Já os decompositores, como fungos e bactérias, decompõem a matéria orgânica dos seres mortos, devolvendo os nutrientes ao solo.

Portanto, a cadeia alimentar é fundamental para a manutenção da biodiversidade e a sustentabilidade dos ecossistemas. Cada espécie desempenha um papel único e interligado, contribuindo para a harmonia e o funcionamento equilibrado da natureza.

Desvendando a dinâmica da cadeia alimentar: uma explicação simples e clara para todos.

Para entender o que é uma cadeia alimentar e como funciona, é importante ter em mente que se trata de uma sequência de seres vivos interligados pelo hábito de se alimentarem uns dos outros. Cada elo dessa cadeia representa um nível trófico, ou seja, um grupo de organismos que se alimentam de forma semelhante.

Por exemplo, imagine uma cadeia alimentar simples em um ecossistema aquático: fitoplâncton é consumido por zooplâncton, que por sua vez é comido por peixes pequenos, que são predados por peixes grandes. Nesse caso, o fitoplâncton é o produtor primário, o zooplâncton é o consumidor primário, os peixes pequenos são o consumidor secundário e os peixes grandes são o consumidor terciário.

É importante ressaltar que uma cadeia alimentar não é estática, mas sim dinâmica. Ou seja, os organismos podem ter mais de um tipo de alimento e podem ser consumidos por diferentes predadores. Além disso, muitas vezes as cadeias alimentares se entrelaçam, formando uma teia alimentar mais complexa.

Assim, a dinâmica da cadeia alimentar é essencial para o equilíbrio dos ecossistemas, garantindo que os nutrientes e a energia fluam de forma eficiente entre os seres vivos. Quando um elo dessa cadeia é afetado, seja por mudanças climáticas, poluição ou outras interferências humanas, todo o ecossistema pode ser impactado.

O que significa cadeia alimentar em ecologia e como ela funciona na natureza?

Uma cadeia alimentar é um conceito fundamental em ecologia que descreve a relação entre os diferentes seres vivos em um ecossistema, mostrando quem se alimenta de quem. Ela representa a transferência de energia e matéria ao longo de uma sequência de organismos, começando com os produtores, que são os seres capazes de produzir seu próprio alimento, como plantas, e terminando com os consumidores, que se alimentam de outros organismos.

Na natureza, as cadeias alimentares funcionam de forma interligada, formando teias alimentares complexas. Cada elo na cadeia alimentar é chamado de nível trófico, e a transferência de energia ocorre à medida que os organismos são consumidos por outros. Os produtores captam a energia do sol e a transformam em alimento, que é então consumido pelos herbívoros. Os herbívoros, por sua vez, são consumidos pelos carnívoros, e assim por diante.

É importante ressaltar que cada organismo em uma cadeia alimentar desempenha um papel crucial na manutenção do equilíbrio do ecossistema. Se um elo for removido, isso pode ter um impacto significativo em toda a cadeia, afetando a disponibilidade de alimentos e recursos para os demais seres vivos.

Portanto, as cadeias alimentares são essenciais para a sobrevivência e a sustentabilidade dos ecossistemas, garantindo a circulação de energia e nutrientes entre os seres vivos. Elas demonstram como os diferentes organismos estão interligados e dependem uns dos outros para garantir o funcionamento saudável do ambiente em que vivem.

Entendendo a cadeia alimentar através de um exemplo prático.

Uma cadeia alimentar é uma sequência de seres vivos interligados, onde cada organismo serve de alimento para o próximo. Ela representa a transferência de energia e matéria entre os diferentes níveis tróficos de um ecossistema. Para entender melhor, vamos analisar um exemplo prático de cadeia alimentar.

Relacionado:  Como os ventos se originam?

Imagine um ecossistema aquático, onde temos algas como produtoras de energia, que são consumidas por pequenos crustáceos, que por sua vez são comidos por peixes. Os peixes, por fim, são predados por aves aquáticas. Neste exemplo, as algas são os produtores, os crustáceos são os consumidores primários, os peixes são os consumidores secundários e as aves aquáticas são os consumidores terciários.

É importante ressaltar que uma cadeia alimentar não é um processo isolado, mas sim parte de uma complexa rede de interações entre os seres vivos de um ecossistema. Alterações em um dos elos da cadeia alimentar podem afetar todo o equilíbrio do ambiente.

Portanto, compreender como funciona uma cadeia alimentar é fundamental para a conservação e preservação dos ecossistemas naturais, garantindo o equilíbrio e a sustentabilidade da vida na Terra.

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar?

Uma rede trófica é um conjunto de diferentes tipos de organismos que pertencem ao mesmo nicho ecológico associado entre si por meio de relações alimentares (Fabré, 1913).

As redes tróficas fornecem temas unificados para a ecologia (Lafferty, et. Al., 2006), ou seja, pretendem explicar os comportamentos da biodiversidade em diferentes nichos, além do fluxo de energia que ocorre entre eles.

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar? 1

A cadeia alimentar ou cadeia alimentar é uma rede linear de links em uma cadeia alimentar entre organismos produtores (como grama ou árvores que usam a radiação do sol para produzir seus alimentos) e espécies predadoras (como ursos ou lobos).

Uma cadeia alimentar mostra como os organismos se relacionam entre si pelos alimentos que ingerem. Cada nível de uma cadeia representa um nível trófico diferente.

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar? 2

Uma rede trófica é frequentemente confundida com uma cadeia trófica. A diferença entre os dois reside no fato de a cadeia alimentar descrever a rota de energia transformada em alimento de um produtor para um consumidor final através de links.

Por outro lado, a rede trófica é um conjunto de interações descritas nos níveis tróficos existentes no mesmo ecossistema.

Níveis tróficos

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar? 3

Pirâmide trófica de quatro níveis.

Os organismos de um ecossistema são classificados, de acordo com sua forma de alimentação, em diferentes níveis tróficos. Esses níveis correspondem a produtores, consumidores e decompositores.

Produtores são os organismos que produzem seus próprios alimentos a partir da fotossíntese, também conhecidos como organismos autotróficos. Nesta classificação são a maioria das plantas e algas.

Os organismos consumidores são divididos em primário, secundário e terciário. Os consumidores primários está alimentando directamente de plantas. Eles podem ser grandes herbívoros como o elefante, ou insetos, como abelhas e borboletas. As plantas parasitas também são consideradas consumidores primários.

Os consumidores secundários são os principais predadores dos consumidores e outros consumidores, por isso os produtores estão indirectamente dependentes. Exemplos deles podem ser o lobo, aranhas, sapos, pumas, o urso e plantas carnívoras.

Os catadores estão no último nível de consumidores, pois comem todos os animais mortos. Exemplos de catadores são o condor, o caracara e os abutres.

Finalmente, organismos em decomposição são aqueles que se alimentam de animais mortos e de plantas. Eles desempenham um papel muito importante no ciclo de nutrientes, pois devolvem os elementos da matéria morta ao solo para serem reintegrados ao ecossistema. Exemplos de decompositores são fungos e bactérias .

Características de uma rede trófica

Supõe-se que o organismo pertença à rede trófica desde que faça parte do ecossistema considerado (Fabré, 1913).

É comum que predadores tendam a ser maiores que suas presas, com exceção de patógenos, parasitas e parasitóides. Além disso, o volume corporal das espécies é influenciado pela estrutura das cadeias tróficas e pelas interações entre todas as espécies (Brose, et. Al., 2006).

No máximo, um nível usa apenas 10% da energia do nível trófico anterior, portanto, devido à grande perda de cadeias alimentares energéticas, geralmente há poucos passos.

As redes alimentares fornecem representações complexas, porém gerenciáveis, da biodiversidade, interações entre espécies e estrutura e função do ecossistema (Dunne, et. Al., 2002).

Riscos no desaparecimento de um link

O risco de que algum elo seja quebrado e não haja espécies que o substituam seria radical para a sobrevivência das outras espécies que nele vivem e para a saúde da floresta.

Existem espécies consideradas essenciais nos ecossistemas e, se sua população for eliminada ou reduzida, causaria um desequilíbrio nas interações de todas as outras. Alguns podem estar produzindo espécies como plantas, que são a fonte de alimento dos estábulos superiores.

Também podemos encontrar espécies-chave que são predatórias. Eles regulam as populações de consumidores em níveis saudáveis ​​para o ecossistema e, se desaparecerem, levariam o consumidor em questão a aumentar sua população, causando um desequilíbrio no ecossistema.

Existem algumas teorias simples que afirmam que, aumentando a diversidade de espécies por grupo funcional nos ecossistemas, a estabilidade do ecossistema melhoraria (Borvall, et. Al., 2000).

Fluxo de matéria na rede

A matéria que flui na rede trófica consiste em um ciclo de minerais no solo, madeira, serapilheira e resíduos de animais.

Esse fluxo de matéria é considerado aberto porque os minerais entram no sistema de chuva e devido ao intemperismo no solo e são perdidos através do escoamento e lixiviação do solo (DeAngelis, 1980).

A matéria orgânica (organismos vivos, detritos) está disponível no solo como fonte de nutrientes. Isso é convertido em matéria inorgânica (atmosfera, solo e água) através da decomposição, secreção e excreção para subsequentemente reentrar no ciclo de nutrientes ou formar rochas sedimentares que não estarão disponíveis como nutrientes (minerais nas rochas).

A água é um transportador de nutrientes através da energia que vai da precipitação à evaporação ou evapotransporte e vice-versa, mantendo-se condensado na atmosfera. Esse mecanismo transporta amplamente hidrogênio e oxigênio entre outros minerais.

O oxigênio atmosférico é incorporado aos seres vivos na forma de gás, liga-se a outros elementos e é descartado dos organismos na forma de gás ou água.

O ciclo do carbono pode entrar na rede trófica da indústria, através da respiração dos seres vivos ou do CO2 presente na atmosfera , que é absorvido pelas plantas e posteriormente pelo solo.

Em geral, o ciclo do nitrogênio ocorre localmente entre organismos, solo e água através da decomposição e reassimilação. O nitrogênio livre na atmosfera passa para o solo através da fixação de microorganismos e é então absorvido pelas plantas ou liberado na atmosfera.

Posteriormente, as plantas são consumidas por outros organismos e esses organismos as descartam nas fezes que retornam ao solo.

Tipos de redes tróficas

As redes tróficas são uma explicação gráfica para descrever o ciclo de nutrientes através de diferentes cadeias tróficas que compõem os organismos com seus diferentes hábitos alimentares.

Os ecologistas classificaram diferentes tipos de redes tróficas:

Comunidade

É um conjunto de organismos escolhidos sem considerações prévias das relações nutricionais entre eles, mas por taxonomia, tamanho, localização ou outros critérios (Fabré, 1913).

Fonte

Inclui um ou mais tipos de organismos, os organismos que eles comem, seus predadores e, portanto, a cadeia segue (Pimm, et. Al., 1991).

Afundado

É um subobjeto direcionado de uma comunidade de rede trófica. Inclui um ou mais tipos de organismos (consumidores), além de todos os tipos de organismos que os consumidores comem (Fabré, 1913).

As unidades mais reconhecíveis e alcançáveis ​​na comunidade são sub-redes, grupos de organismos cobertos por um carnívoro terminal e inter-relacionados troficamente, de modo que, em níveis mais altos, haja pouca transferência de energia para sub-redes concorrentes (Paine, 1963; Paine, 1966 )

Redes terrestres tróficas

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar? 4

Nos ecossistemas terrestres, o fluxo de energia das redes tróficas começa nas folhas, realizando a fotossíntese para obter energia do sol.

As folhas são consumidas por organismos vertebrados e invertebrados, geralmente herbívoros, que posteriormente morrem ou descartam fezes que se tornam parte do solo (húmus) e são consumidas pelas plantas através de suas raízes.

Primeiro nível

Descobrimos que os principais produtores são principalmente plantas, que subsistem em climas que variam da tundra ao solo, através de vários tipos de florestas, selvas e pastagens.

Segundo nível

O segundo nível consiste principalmente de herbívoros, que podem ser vertebrados ou insetos. No entanto, também é ocupada por espécies onívoras, como o urso preto, que é predatório, mas em certas estações do ano se alimenta das bolotas das árvores. As espécies onívoras ocupam vários níveis da rede ao mesmo tempo.

Terceiro nível

No terceiro nível, siga os predadores, que são consumidos pelos consumidores dos níveis anteriores. Nesse nível, também podemos encontrar parasitas, como mosquitos, que se alimentam parcialmente de organismos consumidores.

Como regra geral, eles têm populações mais baixas do que as dos outros níveis, porque estão um nível acima da rede trófica.

A rede continua a aumentar de nível à medida que a energia flui até atingir os decompositores. Em geral, quanto mais o nível da rede trófica subir, menos energia ela alcançará, de modo que os organismos dos últimos níveis serão os mais vulneráveis ​​com relação a distúrbios nos ecossistemas.

Dentro das redes tróficas terrestres, podemos encontrar interações fracas ou fortes. Um exemplo de forte interação é a dependência de um predador de uma presa específica para sobreviver, como o lince ibérico que depende das populações de coelhos. Fortes interações indicam pouca diversidade de espécies e ecossistemas mais frágeis.

Em contraste, uma interação fraca é aquela que ocorre quando um predador não é específico, como o coiote, que caça uma grande variedade de roedores dos quais ele não depende tão fortemente e que também pode ser adaptado para comer frutas em determinadas estações.

Relacionado:  Os 14 tipos de ecossistemas no México mais comuns

Redes Tróficas Marítimas

O que é uma cadeia alimentar e uma cadeia alimentar? 5

Os ecossistemas marinhos são muito importantes para o homem porque nos fornecem alimentos, além de serem uma fonte de captura de oxigênio e CO2.

As redes marinhas tróficas são muito complexas porque possuem alta conectividade entre diferentes espécies. Muitos deles têm interações fracas, o que significa que as espécies não dependem exclusivamente de um único recurso. Essa situação torna o ecossistema marinho resistente a pequenos distúrbios (Rezende et al. 2011).

Além disso, cadeias tróficas curtas predominam no ambiente marinho, geralmente de três a quatro níveis de consumidores, antes de atingir o nível de grandes predadores, como tubarão, baleia, focas ou urso polar (Rezende et al. 2011).

Os principais produtores são algas, plantas marinhas e bactérias fotossintéticas e quimio-sintéticas. Os exemplos mais comuns de consumidores primários no ambiente marinho são ouriços do mar e copépodes, um grupo de crustáceos de tamanho muito pequeno, também conhecido como zooplâncton.

Exemplos de consumidores secundários são uma grande diversidade de espécies de pequenos peixes marinhos. Estes, por sua vez, são predados por grandes consumidores terciários, como lulas e atuns, para atingir posteriormente o nível de super-predadores.

No final, os decompositores são constituídos por organismos microscópicos que devolvem matéria no início da rede.

Apesar da resistência que o meio marinho tem às perturbações, o ser humano afetou em grande parte esses ecossistemas devido à contaminação, à caça e ao aumento da pesca nas últimas décadas, causando entre outras coisas que a população de Super-predadores caíram drasticamente. Isso resultou em sérias conseqüências ainda imprevisíveis para o ecossistema (Rezende et al. 2011).

Redes microbianas tróficas

Mantém uma rede trófica muito complexa, cuja operação acaba por resultar na reciclagem de matéria orgânica e no ciclo de nutrientes. Segundo Domínguez et al. (2009), os elementos das redes tróficas do subsolo são microorganismos, microfauna, mesofauna e macrofauna.

Os microrganismos são os principais consumidores dessa rede trófica (bactérias e fungos), que decompõem e mineralizam substâncias orgânicas complexas.

Microfauna

A microfauna inclui os menores invertebrados, principalmente os nemátodos e a maioria dos ácaros que ingerem microorganismos ou metabólitos microbianos ou fazem parte de redes tróficas de micro-predadores.

Mesofauna

A mesofauna é composta por invertebrados de tamanho médio, com uma largura corporal entre 0,2 e 10 mm. É taxonomicamente muito diverso, incluindo muitos anelídeos, insetos, crustáceos, miríápodes, aracnídeos e outros artrópodes que funcionam como transformadores de cobertura vegetal e ingerem uma mistura de matéria orgânica e microorganismos.Eles também geram fezes que sofrerão um ataque microbiano subsequente.

Macrofauna

A macrofauna é formada pelos maiores invertebrados (larguras corporais> 1 cm), incluindo fundamentalmente minhocas, além de alguns moluscos, miríápodes e diferentes grupos de insetos.

Os processos da comunidade microbiana são realizados na rizosfera, ou seja, trabalha em coordenação com a atividade das raízes das plantas. Aqui os atores são as raízes das plantas, bactérias, fungos, microfauna e mesofauna.

Essas redes são caracterizadas por serem mais eficientes na transformação de biomassa com 45% de sua capacidade de fixação.

Essas redes também são caracterizadas por ter uma diversidade muito alta de espécies que resulta em alta redundância no sistema.

Referências

  1. Brose, U., Jonsson, T., Berlow, EL, Warren, P., Banasek-Richter, C., Bersier, LF & Cushing, L. (2006). RELACIONAMENTO COM O TAMANHO DO CORPO DE RECURSOS DO CONSUMIDOR EM WEBS DE ALIMENTOS NATURAIS. Ecology, vol. 87 (10), pp. 2411-2417.
  2. Borrvall, C., Ebenman, B., Jonsson, T. e Jonsson, T. (2000). A biodiversidade diminui o risco de extinção em cascata nas redes alimentares modelo. Ecology Letters, vol. 3 (2), pp. 131-136.
  3. DeAngelis, DL (1980). Fluxo de energia, ciclagem de nutrientes e resiliência do ecossistema. Ecology, vol. 61 (4), pp. 764-771.
  4. Dunne, JA, Williams, RJ e Martinez, ND (2002). Estrutura da rede alimentar e teoria das redes: o papel da conectividade e do tamanho. Anais da Academia Nacional de Ciências, vol. 99 (20), pp. 12917-12222.
  5. Domínguez, J., Aira, M., & Gómez-Brandón, M. (2009). O papel das minhocas na decomposição da matéria orgânica e no ciclo de nutrientes. Ecosystems Magazine, vol. 18 (2), pp. 20 -31.
  6. Fabré, J. (1913). 1. Introdução Teias alimentares e espaço de nicho. EUA: Imprensa da Universidade de Princeton.
  7. Lafferty, K., Dobson, A. e Kuris, A. (2006). Parasitas dominam os links da web de alimentos. Anais da Academia Nacional de Ciências, vol. 103 (30), pp. 11211 – 11216.
  8. Paine, R. (1966). Complexidade da cadeia alimentar e diversidade de espécies. O naturalista americano, vol. 100 (910), pp. 65-75.
  9. Pimm, SL, Lawton, JH & Cohen, JE (1991). Padrões da cadeia alimentar e suas conseqüências. Nature vol. 350 (6320) pp. 669-674.
  10. Rezende, EL, Albert, EM e Fortuna, MA (2011). Redes marinhas tróficas.

Deixe um comentário