O que é uma meta-análise e como ele é usado em pesquisa?

Uma meta-análise é uma técnica estatística utilizada na pesquisa científica para combinar e sintetizar os resultados de múltiplos estudos sobre um determinado tema. Ela permite que os pesquisadores analisem de forma mais abrangente e conclusiva os dados disponíveis, identificando padrões, tendências e relações que podem não ser evidentes em estudos individuais. A meta-análise é especialmente útil para avaliar a consistência e a magnitude dos efeitos de intervenções ou tratamentos em diferentes contextos e populações, contribuindo para a tomada de decisões baseadas em evidências sólidas. Por meio da combinação de dados de diversos estudos, a meta-análise amplia o poder estatístico da análise e oferece uma visão mais abrangente e confiável sobre o tema em questão.

Meta-análise: conceito, utilidade e método de realização para estudos mais abrangentes e precisos.

Meta-análise é uma técnica estatística utilizada para combinar os resultados de diversos estudos sobre um mesmo tema, permitindo uma análise mais abrangente e precisa dos dados. A utilidade da meta-análise está em possibilitar a síntese de evidências provenientes de diferentes estudos, aumentando o poder estatístico e a confiabilidade dos resultados.

Para realizar uma meta-análise, é necessário seguir alguns passos. Primeiramente, é preciso definir claramente a pergunta de pesquisa e os critérios de inclusão dos estudos. Em seguida, os dados relevantes de cada estudo são coletados e analisados estatisticamente. Os resultados são então combinados de acordo com métodos estatísticos específicos, como o cálculo de efeitos médios e intervalos de confiança.

A meta-análise é uma ferramenta poderosa para a síntese de evidências científicas, permitindo uma avaliação mais abrangente e objetiva de um determinado tema. Ela é amplamente utilizada em diversas áreas da pesquisa, como medicina, psicologia, educação e ciências sociais, entre outras.

Entendendo o conceito de pesquisa de metanálise: análise de múltiplos estudos para conclusões robustas.

Uma meta-análise é uma técnica estatística utilizada na pesquisa científica para combinar os resultados de vários estudos independentes sobre um determinado tema. Isso permite obter conclusões mais robustas e confiáveis, uma vez que os dados de diversos estudos são analisados em conjunto, aumentando a precisão dos resultados obtidos.

Em uma meta-análise, os pesquisadores realizam uma análise sistemática da literatura existente, identificando estudos relevantes que abordam a mesma questão de pesquisa. Em seguida, os dados de cada estudo são extraídos e combinados, permitindo uma análise mais ampla e abrangente do tema em questão.

Essa abordagem é especialmente útil quando os resultados dos estudos individuais são inconsistentes ou ambíguos, pois a meta-análise pode ajudar a esclarecer as discrepâncias e identificar padrões gerais. Além disso, a meta-análise também pode ser usada para quantificar o efeito de uma intervenção ou tratamento em uma determinada população, fornecendo uma estimativa mais precisa do impacto de uma determinada variável.

Passo a passo para realizar uma meta-análise de forma eficiente e precisa.

Uma meta-análise é uma técnica estatística utilizada na pesquisa para combinar os resultados de estudos independentes sobre o mesmo tópico, a fim de obter uma estimativa mais precisa do efeito de interesse. Para realizar uma meta-análise de forma eficiente e precisa, siga os passos a seguir:

1. Defina a pergunta de pesquisa: Antes de iniciar a meta-análise, é importante definir claramente a pergunta de pesquisa e os critérios de inclusão dos estudos.

2. Busque os estudos relevantes: Realize uma busca abrangente na literatura para identificar todos os estudos relevantes que abordam a questão de pesquisa.

3. Selecione os estudos a serem incluídos: Após a busca, selecione os estudos que atendem aos critérios de inclusão e extraiam os dados necessários para a análise.

Relacionado:  A avó mais jovem do mundo: conhecer o neto aos 23 anos!

4. Calcule os efeitos de cada estudo: Calcule os efeitos de cada estudo e sua variabilidade, geralmente usando medidas como o tamanho do efeito e o intervalo de confiança.

5. Combine os resultados dos estudos: Combine os resultados dos estudos usando técnicas estatísticas apropriadas, como modelos de efeitos fixos ou aleatórios.

6. Avalie a heterogeneidade: Avalie a heterogeneidade entre os estudos incluídos na meta-análise e investigue possíveis fontes de variação.

7. Interprete os resultados: Interprete os resultados da meta-análise e faça inferências sobre o efeito global do tratamento ou intervenção.

Seguindo esses passos, você poderá realizar uma meta-análise de forma eficiente e precisa, fornecendo insights valiosos para a pesquisa na área de interesse.

Benefícios da metanálise na integração de resultados de múltiplos estudos científicos.

Uma meta-análise é uma técnica estatística que permite combinar os resultados de vários estudos independentes sobre um determinado assunto, a fim de obter uma estimativa mais precisa dos efeitos de interesse. Esse método é amplamente utilizado em pesquisa, especialmente nas áreas da saúde, psicologia e educação.

Os benefícios da meta-análise são inúmeros. Primeiramente, ela permite a integração de um grande número de dados, aumentando o poder estatístico da análise e possibilitando a detecção de padrões ou efeitos pequenos que podem passar despercebidos em estudos individuais. Além disso, ela ajuda a reduzir a variabilidade dos resultados, fornecendo uma estimativa mais confiável e precisa do efeito em questão.

Outra vantagem da meta-análise é a possibilidade de investigar a consistência dos resultados entre os estudos, identificando possíveis fontes de heterogeneidade e explorando subgrupos de interesse. Isso permite uma análise mais abrangente e aprofundada do tema em estudo.

Por fim, a meta-análise também pode ser útil na identificação de viés de publicação, uma vez que ela permite a inclusão de estudos não publicados ou em andamento, evitando distorções nos resultados e proporcionando uma visão mais completa e imparcial da evidência disponível.

O que é uma meta-análise e como ele é usado em pesquisa?

O que é uma meta-análise e como ele é usado em pesquisa? 1

Imagine que pretendemos gerar um novo tipo de terapia para tratar um distúrbio, por exemplo, transtorno de personalidade limítrofe. Para isso, o primeiro passo a seguir é coletar e avaliar a eficácia dos diferentes tratamentos e metodologias pré-existentes para esse distúrbio: procurar a eficácia dos tratamentos em estudos anteriores. Mas um estudo primário simples não seria válido, pois pode ser tendencioso e até refletir resultados que contradizem os de outros.

Portanto, precisamos recorrer a estudos que analisaram o comportamento do que queremos observar ao longo de diferentes estudos, e para isso a metodologia ou documento mais confiável é o uso de metanálise.

O que é uma meta-análise? Vamos ver ao longo deste artigo.

O que é uma meta-análise?

Podemos definir uma meta-análise como resultado da realização de uma pesquisa sistemática e exaustiva sobre um tópico ou questão muito específica, ** combinando e valorando em conjunto os resultados obtidos por um grande número de estudos sobre esse aspecto ou tema **. Esta é uma revisão aprofundada que permite ver com grande clareza a maneira pela qual os estudos que você revisa foram selecionados e avaliados, além de analisar seus resultados e avaliá-los quantitativamente através de vários procedimentos estatísticos, entre os quais a avaliação do tamanho do efeito e controle de possível viés de publicação.

Tem a grande vantagem de nos permitir trabalhar com grande quantidade de informações de um grande número de estudos, de maneira altamente organizada e que nos permite trabalhar com o método científico com grandes amostras de maneira relativamente simples, além de avaliar aspectos diferenciais entre os estudos. e fontes de heterogeneidade que os estudos de linha de base podem não ter levado em consideração.

Relacionado:  5 truques para passar em um teste (sem conhecer a lição)

No entanto, a meta-análise não é a única metodologia existente na sistematização e síntese dos resultados da pesquisa sobre um tópico específico : há também o conceito de revisão sistemática, que, como a meta-análise, analisa objetiva, sistematicamente e refletindo sua metodologia para poder replicar os dados existentes na literatura científica existente até o momento.

É necessário ter em mente que, de fato, tecnicamente toda meta-análise é uma revisão sistemática à qual a análise estatística dos resultados é incorporada . E isso é fundamental e nos permite uma precisão muito maior em nossas investigações, podendo, por exemplo, avaliar, com base em análises estatísticas, quais tratamentos para um determinado distúrbio ou mesmo sintoma são mais eficazes de maneira consistente nos diversos estudos avaliados.

Quando deve ser usado?

O uso ou desempenho da metanálise pode ser de grande ajuda em um grande número de campos, mas são muito mais relevantes quando enfrentamos a necessidade de investigar aspectos nos quais estudos anteriores mostram algum grau de controvérsia e contradição entre si, ou quando queremos investigar qual o grau de relacionamento que diferentes variáveis ​​têm ou tentar avaliar qual tamanho do efeito existe em relação à eficácia de um programa ou tratamento. Assim, em áreas como psicologia ou medicina, esses tipos de revisões geralmente são usados ​​para explorar, investigar, priorizar e aplicar tratamentos baseados em evidências.

No entanto, deve-se ter em mente que sua aplicação só é viável quando os estudos primários escolhidos têm uma perspectiva quantitativa e uma amostra e condições homogêneas ou muito semelhantes entre si, e obviamente baseadas no pelo menos o mesmo objetivo e questão principal . Também seria irrelevante se procurássemos relacionamentos de causa-consequência.

Principais fases da metanálise

A realização de uma meta-análise não é simples e requer o acompanhamento sistemático de uma série de etapas ou fases, detalhadas abaixo.

1. Formulação do problema / questão de pesquisa

O primeiro passo, provavelmente o mais importante, mas por outro lado óbvio, envolve formular ou levantar o problema, tema ou aspecto que queremos investigar e analisar . Não se trata de fazer uma pergunta aleatória, mas de defini-la da forma mais clara e concisa possível e levar em conta as várias variáveis ​​que teremos que avaliar.

Com base nesta primeira questão, os objetivos da pesquisa serão construídos e a meta-análise começará a ser estruturada, e até a inclusão e exclusão de estudos serão geradas.

2. Pesquisa bibliográfica e seleção de estudos

A segunda das etapas, provavelmente uma das mais longas, passa pela busca ativa da bibliografia que vamos analisar juntos, a fim de fazer uma boa revisão do nosso tema de pesquisa.

Para fazer isso, não basta simplesmente realizar qualquer estudo que vemos: é necessário, em primeiro lugar, gerar critérios de inclusão e exclusão que permitam selecionar entre aqueles que atendem aos requisitos para serem avaliados na metanálise.

Entre os critérios devem ser levados em consideração o tipo de desenho que cada estudo possui, como eles mediram os resultados e as principais características das amostras utilizadas ou das metodologias experimentais. Assim, se considerarmos, por exemplo, quais os efeitos de um medicamento no ciclo menstrual, não faremos estudos nos quais a amostra é do sexo masculino. Ou se a idade é um fator a ser considerado em nossa pesquisa, nos limitaremos a estudos cuja amostra inclua apenas indivíduos com a idade que é relevante para nós ou que pelo menos tenha separado os grupos por idade.

Relacionado:  Morfopsicologia: suas características faciais ... indicam sua personalidade?

Além disso, outros fatores devem ser levados em consideração ao fazer a seleção: o idioma ou idioma em que foram escritos (se for relevante) ou a data de publicação (recomenda-se não usar dados de estudos com mais de dez anos ), entre outros.

Para a pesquisa, geralmente é aconselhável usar bancos de dados indexados, como SCOPUS ou PubMed , no nível do computador, embora outros tipos de documentos ou sistemas também possam ser usados.

3. Codificação de estudos

Uma vez selecionados os estudos que farão parte da metanálise, é necessário executar um manual de codificação no qual sejam registradas a confiabilidade dos dados e as variáveis ​​consideradas no modelo utilizado: as variáveis ​​devem ser incluídas entre elas da amostra, extrínseca, metodológica e contextual . Em geral, qualquer variável moderadora que possa influenciar os resultados deve ser incluída, bem como indicar como foram avaliadas para que outros pesquisadores possam alcançar os mesmos resultados se usarem os mesmos métodos.

  • Você pode estar interessado: ” Os 11 tipos de variáveis ​​usadas na pesquisa “

4. Análise e interpretação estatística

O quarto passo, no qual já estamos adequadamente confrontados com uma meta-análise, é a análise estatística dos resultados. Nesta fase , as implicações ou interpretações dos resultados são discutidas e discutidas posteriormente .

Como regra geral, essa análise estatística geralmente avalia os tamanhos dos efeitos dos diferentes tratamentos ou estudos comparativos, avalia se existe ou não heterogeneidade (se necessário, usando estratégias para reduzir o efeito que isso pode ter na interpretação dos dados) e, caso Que existe para avaliar quais variáveis ​​podem explicar essa heterogeneidade a partir de testes como o ANOVA.

5. Publicação

Uma vez concluída a interpretação dos resultados, a última das etapas para realizar a meta-análise é escrevê-la e publicá-la com pelo menos as seções de introdução (que incluem objetivos e hipóteses além do referencial teórico), método (que deve ser muito claro e detalhado para que outros autores possam replicá-lo e deve incluir como e onde pesquisamos os estudos, o manual de codificação e o tipo de análise realizada), resultados e discussão (onde é interpretado com base nos dados dos resultados )

O problema do viés de publicação

Um possível problema a considerar ao avaliar os resultados da pesquisa e até a meta-análise é que pode haver viés de publicação , entendido como o desvio nos resultados que pode ser causado pela tendência da literatura científica em buscar e favorecer estudos que demonstrem relações estatisticamente significativas entre as variáveis ​​utilizadas e ignorar aqueles que não as apresentam.

Ou seja: estudos nos quais as relações entre variáveis ​​são vistas são publicados, mas aqueles nos quais os resultados não mostram uma relação significativa tendem a ser menos publicados ou ignorados. Felizmente, esse efeito pode ser visualizado e avaliado em metanálises, embora seja um problema difícil de resolver.

Referências bibliográficas:

  • Marín Martínez, F., Sánchez Meca, J. e López López, JA (2009). Meta-análise no campo das ciências da saúde: uma metodologia essencial para a acumulação eficiente de conhecimentos. Physiotherapy, 31 (3): 107-114.
  • Sánchez-Meca, J. e Ato-García, M. (1989). Meta-análise: uma alternativa metodológica às revisões de pesquisas tradicionais. In: Arnau J, Carpenter H, editores. Tratado de psicologia geral I: história, teoria e método. Madri: Alhambra. 7-69.

Deixe um comentário