O que são gimnospermas?

Gimnospermas são um grupo de plantas vasculares que se reproduzem por meio de sementes nuas, ou seja, as sementes não estão protegidas por um fruto. São plantas que possuem sementes expostas, geralmente em estruturas chamadas de cones. As gimnospermas incluem espécies como pinheiros, ciprestes, cedros e sequoias, e são conhecidas por serem adaptadas a climas mais frios e secos. São consideradas as plantas mais antigas do planeta, com um registro fóssil que remonta a mais de 300 milhões de anos.

Descubra o universo das angiospermas: plantas com flores e sementes protegidas por frutos.

As gimnospermas são um grupo de plantas que possuem sementes nuas, ou seja, não são protegidas por frutos. Ao contrário das angiospermas, as gimnospermas não produzem flores. Em vez disso, elas reproduzem por meio de estruturas chamadas cones.

Existem quatro principais grupos de gimnospermas: as coníferas, as cicadáceas, as gnetófitas e as ginkgófitas. As coníferas são as mais conhecidas, e incluem árvores como pinheiros, cedros e abetos. As cicadáceas são plantas tropicais que se assemelham a palmeiras, enquanto as gnetófitas são plantas de pequeno porte encontradas em regiões de clima árido. Já as ginkgófitas são representadas por apenas uma espécie, o Ginkgo biloba.

As gimnospermas são plantas adaptadas a climas frios e secos, e muitas delas são usadas como árvores de Natal, plantas ornamentais ou na produção de madeira. Apesar de não produzirem flores, as gimnospermas desempenham um papel fundamental na reprodução de muitas espécies de insetos e animais, que se alimentam de seus cones e sementes.

Em resumo, as gimnospermas são um grupo diversificado de plantas que possuem sementes nuas e que desempenham um papel importante nos ecossistemas terrestres. Ao contrário das angiospermas, elas não produzem flores, mas ainda assim são fundamentais para a biodiversidade do nosso planeta.

Principais características das gimnospermas e angiospermas: o que você precisa saber.

As gimnospermas são plantas vasculares que se reproduzem por sementes nuas, ou seja, sem a proteção de um fruto. Elas possuem óvulos expostos em estruturas chamadas de cones, onde ocorre a fertilização. As gimnospermas também possuem folhas em forma de agulha ou escama e são adaptadas a climas mais secos e frios.

Por outro lado, as angiospermas são plantas vasculares que se reproduzem por sementes protegidas por um fruto. Elas possuem flores, que são as estruturas reprodutivas responsáveis pela produção de sementes. As angiospermas são as plantas mais diversificadas e abundantes do planeta, sendo encontradas em diferentes habitats e climas.

Em resumo, as principais diferenças entre gimnospermas e angiospermas são a forma de reprodução (sementes nuas ou protegidas por fruto) e as estruturas reprodutivas (cones ou flores). Ambos os grupos de plantas desempenham papéis importantes nos ecossistemas terrestres, contribuindo para a biodiversidade e o equilíbrio ambiental.

Principais exemplos de gimnospermas: conheça algumas espécies características desse grupo de plantas.

As gimnospermas são um grupo de plantas vasculares que se caracterizam por apresentar sementes nuas, ou seja, não protegidas por frutos. Diferentemente das angiospermas, as sementes das gimnospermas ficam expostas em estruturas chamadas cones. Essas plantas são consideradas as mais primitivas do reino das plantas com sementes e possuem diversas espécies características.

Relacionado:  Alucigenia: características, habitat e morfologia

Um dos principais exemplos de gimnospermas são os pinheiros, pertencentes à família Pinaceae. Essas árvores são conhecidas por suas folhas em forma de agulha e pelos cones que produzem. Os pinheiros são comuns em regiões de clima temperado e são amplamente utilizados na indústria madeireira.

Outra espécie característica de gimnosperma são os ciprestes, que pertencem à família Cupressaceae. Essas árvores são encontradas em diversas partes do mundo e são conhecidas por suas folhas escamosas e cones pequenos. Os ciprestes são frequentemente utilizados em projetos de paisagismo devido à sua beleza e resistência.

Além dos pinheiros e ciprestes, as sequoias também são exemplos importantes de gimnospermas. As sequoias são árvores gigantes, pertencentes à família Cupressaceae, e são conhecidas por serem algumas das maiores e mais antigas árvores do mundo. Um exemplo famoso é a sequoia gigante, que pode atingir alturas impressionantes e viver por milhares de anos.

Em resumo, as gimnospermas são um grupo diversificado de plantas com sementes nuas e cones como estruturas reprodutivas. Pinheiros, ciprestes e sequoias são apenas alguns exemplos de espécies característica desse grupo, cada uma com suas próprias características e importância na natureza.

Como ocorre a reprodução nas gimnospermas?

As gimnospermas são plantas vasculares que se reproduzem por meio de sementes, sendo um grupo diversificado que inclui pinheiros, ciprestes e cicas. Diferentemente das angiospermas, as gimnospermas não possuem flores verdadeiras, mas sim estruturas reprodutivas chamadas de cones.

A reprodução nas gimnospermas ocorre por meio de estruturas reprodutivas masculinas e femininas. Os cones masculinos, chamados de estrobilos, produzem grãos de pólen, que contêm os gametas masculinos. Já os cones femininos, chamados de estróbilos, contêm óvulos, que são os gametas femininos.

Quando o pólen é liberado e alcança os óvulos, ocorre a fecundação. O tubo polínico se desenvolve a partir do grão de pólen e cresce em direção ao óvulo, permitindo que os gametas masculinos cheguem até os gametas femininos. Após a fecundação, o óvulo se desenvolve em uma semente, que contém o embrião da nova planta.

As sementes das gimnospermas não estão protegidas por frutos, como nas angiospermas. Em vez disso, ficam expostas nos cones femininos até estarem maduras e prontas para a dispersão. Uma vez que as sementes são liberadas, podem ser transportadas pelo vento, pela água ou até mesmo por animais, contribuindo para a colonização de novas áreas.

Em resumo, a reprodução nas gimnospermas envolve a produção de cones masculinos e femininos, a liberação e fertilização do pólen, o desenvolvimento das sementes e sua dispersão para garantir a perpetuação da espécie.

O que são gimnospermas?

Os gimnospérmicas são um grupo de sementes – plantas produzindo pertencentes ao reino Plantae , dentro da sub – reino Embryophita .

Eles fazem parte da família mais comum de plantas verdes que compõem a vegetação terrestre. Eles se desenvolvem principalmente no nível do solo, e também são chamados de “plantas terrestres”.

Relacionado:  Coloração de Kinyoun: fundação e técnicas

O que são gimnospermas? 1

Atualmente, estima-se que existam mais de 1000 espécies de gimnospermas pertencentes a 14 famílias de plantas diferentes.

Devido à sua capacidade de produzir sementes, com um processo de gestação embrionária diferente de outras espécies, é considerado, juntamente com as angiospermas, plantas embriófitas.

A origem e aparência das gimnospermas remontam ao final do período carbonífero (299 milhões de anos aproximadamente). As gimnospermas são plantas de aparência arbórea que têm a qualidade de serem polinizadas graças ao vento.

Sua capacidade reprodutiva única, na qual produzem as sementes nas próprias folhas, sem a necessidade de um ovário protetor, permite sua proliferação em vários territórios.

Pinheiros, cedros, abetos são alguns exemplos da flora do gimnosperma. Essas plantas geralmente não produzem flores ou frutos de qualquer tipo.

Algumas de suas sementes crescem como pequenos pilares entre suas folhas e caule. São consideradas plantas vasculares porque possuem um tecido de transporte de água que permite sua completa distribuição do caule aos galhos.

Classificação do gimnosperma

As gimnospermas são divididas em quatro subdivisões, ou arestas, com ordens diferentes cada:

Pinidae

É a subclasse mais abundante e importante de gimnospermas. Refere-se a plantas coníferas, como pinheiros.

Existem cerca de 630 espécies sob esta classificação; São plantas que podem atingir vários metros de altura e geralmente são lenhosas. As sementes dessa borda estão presentes nos cones.

A subclasse Pinidae , que inclui árvores e arbustos, pode formar grandes áreas florestais e, devido à sua abundância, é considerada um dos elementos biológicos mais importantes do planeta.

Encomendas:

Pinales (pinheiros, cedros, abetos, lariços)

Araucariales (araucárias, wollemias, kauri pine)

Cupressales (sequóia, metassecuoya, cunninghamia)

Cycadidae

Comumente conhecido como cicadáceas. Esta subclasse abrange aproximadamente 185 espécies.

Sua presença nas Américas, Ásia ou Austrália, em regiões tropicais ou subtropicais, é muito mais comum do que no resto do mundo. Um número alto de espécies de cicadáceas está em risco de extinção.

As cicadáceas são semelhantes às palmeiras, com caules altos sem galhos, podendo atingir até 20 metros de altura; Grandes folhas e sementes em forma de cones.

Ao contrário das outras subdivisões do gimnosperma, as cicadáceas têm apenas uma ordem: Cycadales , que inclui duas famílias ( Cycadaceae e Zamiaceae ).

Gnetidae

Eles são uma subdivisão de plantas pequenas, comumente encontradas na Ásia. Eles estão mais próximos das plantas florais em comparação com as outras subdivisões do gimnosperma. Eles podem ser vistos como videiras

Eles incluem três famílias, com apenas um gênero cada, cujas espécies têm diferenças marcantes entre elas. Eles têm estruturas duras e alguns podem produzir odores desagradáveis ​​e desagradáveis ​​à noite.

Encomendas:

Welwitschiales

– Gnetales

– Ephedrales

Gingkoidae

Considerada principalmente como uma subdivisão de espécies extintas, atualmente existe apenas uma: gingko biloba .

As espécies desta subdivisão proliferaram e eram comuns durante o Jurássico, portanto a única espécie restante é considerada uma planta fóssil, com aproximadamente 250 milhões de anos de existência taxonômica.

Relacionado:  Orca: origem evolutiva, características, habitat, reprodução

A planta gingko biloba pode atingir entre 25 e 30 metros de altura, com folhas em forma de leque. Os gingkos não produzem suas sementes em cones, apesar de certas semelhanças com a família dos pinheiros, mas as descartam em uma extremidade do caule.

Eles podem gerar ramificações de comprimentos variados, classificados como macriblastos, que crescem indefinidamente a partir do caule e constituem os principais ramos da árvore; e os braquiblastos, de menor tamanho, que crescem a partir dos macriblastos.

Conservação de gimnospermas

Apesar de ser considerado um dos grupos de plantas mais comuns do planeta, espécies de todas as subdivisões foram vítimas de um declínio em sua população e outras estão oficialmente em perigo de extinção, por causa das mãos humanas. . Apesar de sua longevidade, o gingko biloba , como a única espécie remanescente de sua ordem, está ameaçado.

Outras gimnospermas não escapam ao mesmo destino. Várias espécies de famílias de pinheiros estão hoje seriamente ameaçadas de extinção; Isso se deve ao nível de superexploração aplicada à extração de seus recursos.

As gimnospermas mais afetadas por isso foram as cicadáceas. Aproximadamente 25% das espécies de cicadáceas do mundo estão agora em perigo de extinção ou na categoria de perigo crítico.

Assim como os pinheiros, eles são afetados pela superexploração, pelo desmatamento e pela constante urbanização que afeta seus habitats.

Gimnospermas como recurso

O uso que o homem deu às gimnospermas tem sido principalmente de natureza econômica. Devido às suas composições, as gimnospermas não são reconhecidas como espécies comestíveis (com algumas exceções, como os pinhões de certos pinheiros), devido à sua incapacidade de produzir frutos.

Até as características de seus caules e folhas fizeram sua importância, ou presença, na dieta humana, reduzida em todo o planeta.

As gimnospermas, no caso de suas espécies arbóreas, principalmente da subdivisão Pinidae , foram exploradas principalmente por recursos como madeira.

Réu por suas propriedades, o que facilita seu trabalho na produção de móveis e imóveis, bem como na produção de papel e resinas.

As propriedades de espécies como a gingko biloba expandiram o uso humano dessas plantas, com o desenvolvimento de cosméticos e medicamentos.

O gingko biloba são qualidades para tratar certas doenças cognitivas, tais como atribuída a doença de Alzheimer , embora a sua eficácia ainda é um problema.

Junto com isso, outras espécies de gimnospermas têm sido usadas para fazer sabão, verniz, tintas para unhas, componentes alimentares e perfumes.

Referências

  1. Barrera, E., & Meza, I. (1991). Características da epiderme foliar das gimnospermas chilenas. 25-37.
  2. Mongrand, S., Badoc, A., Patouille, B., Lacomblez, C., Chavent, M., Cassagne, C., & Bessoule, JJ (2001). Taxonomia de gimnospermas: análises multivariadas da composição foliar de ácidos graxos. Fitoquímica , 101-115.
  3. Sandoval, JA (2016). Gimnospermas Universidade Autônoma do Estado do México.

Deixe um comentário