Occipital: características, funções, malformações

O osso occipital é uma das partes do crânio humano que faz parte da região posterior da cabeça, na parte de trás do crânio. É um osso ímpar, localizado na parte inferior e posterior do crânio, e apresenta uma forma que se assemelha a um trapézio invertido. Ele possui várias características anatômicas importantes, como o forame magno, que é por onde passa a medula espinhal, e as protuberâncias occipitais externas e internas, que servem de pontos de fixação para ligamentos e músculos.

Além disso, o osso occipital desempenha funções essenciais para o corpo humano, como proteger o cérebro e a medula espinhal, fornecer suporte estrutural para a cabeça e facilitar o movimento da mesma. No entanto, em alguns casos, podem ocorrer malformações no osso occipital, como a craniossinostose, que é o fechamento prematuro das suturas cranianas e pode levar a deformidades craniofaciais e problemas neurológicos.

Portanto, o estudo do osso occipital, suas características, funções e possíveis malformações, é fundamental para compreender a anatomia e a fisiologia do crânio humano e suas implicações para a saúde e o bem-estar das pessoas.

Qual é o papel da região occipital no funcionamento do cérebro humano?

A região occipital é uma parte fundamental do cérebro humano, localizada na parte posterior da cabeça, atrás dos olhos. Esta área desempenha um papel crucial no processamento visual e na interpretação das informações visuais recebidas pelos olhos. É responsável por ajudar-nos a reconhecer formas, cores, movimentos e profundidade, permitindo-nos compreender o mundo ao nosso redor.

Uma das principais funções da região occipital é a de integrar e interpretar os estímulos visuais recebidos pelos nossos olhos. Quando olhamos para algo, os sinais visuais são enviados para a região occipital, onde são processados e transformados em imagens que podemos compreender. Este processo é essencial para a nossa capacidade de navegar no mundo e interagir com ele de forma eficaz.

Além disso, a região occipital também desempenha um papel importante na percepção da profundidade e na capacidade de reconhecer rostos. É nesta área do cérebro que as informações visuais são organizadas e interpretadas de forma a dar sentido ao que vemos.

Malformações na região occipital podem resultar em problemas de visão, tais como dificuldade em reconhecer rostos, distorções na percepção de cores e formas, e até mesmo cegueira parcial ou total. Estas condições podem ter um impacto significativo na qualidade de vida da pessoa afetada, tornando difícil ou impossível realizar tarefas do dia-a-dia.

É uma parte vital do nosso sistema sensorial, que nos permite ver, reconhecer e interagir com o ambiente. Portanto, cuidar da saúde desta região do cérebro é fundamental para manter uma visão saudável e uma boa qualidade de vida.

Consequências da lesão do lobo temporal no cérebro: o que pode ocorrer?

As consequências da lesão do lobo temporal no cérebro podem ser significativas e afetar diversas funções cognitivas e emocionais. O lobo temporal é responsável por diversas funções, incluindo a memória, o processamento auditivo e visual, a linguagem e o reconhecimento facial.

Uma lesão no lobo temporal pode resultar em dificuldades de memória, tanto de curto prazo quanto de longo prazo. Os pacientes podem ter dificuldade em lembrar eventos recentes ou em formar novas memórias. Além disso, podem apresentar dificuldades em reconhecer rostos familiares e em compreender a linguagem.

Outras consequências da lesão do lobo temporal incluem alterações no humor e no comportamento. Os pacientes podem apresentar irritabilidade, agressividade, ansiedade e depressão. Além disso, podem ter dificuldades em regular as emoções e em reconhecer as emoções dos outros.

Em casos mais graves, a lesão do lobo temporal pode levar a convulsões e epilepsia. As convulsões temporais são as mais comuns e podem causar sintomas como perda de consciência, movimentos involuntários e sensações estranhas.

Occipital: características, funções, malformações

O lobo occipital é uma parte do cérebro localizada na região posterior e é responsável pelo processamento visual. Ele desempenha um papel fundamental na interpretação das informações visuais recebidas pelos olhos e na formação das imagens visuais que vemos.

As principais funções do lobo occipital incluem a percepção de formas, cores, movimentos e profundidade. Ele também é responsável pela capacidade de reconhecer e interpretar objetos e rostos. Qualquer lesão ou malformação no lobo occipital pode resultar em distúrbios visuais, como dificuldades de percepção de cores, de reconhecimento de objetos e de processamento de informações visuais.

Relacionado:  Árvore brônquica: características e funções

Além disso, algumas malformações congênitas no lobo occipital podem levar a condições como a prosopagnosia, que é a incapacidade de reconhecer rostos familiares, e a agnosia visual, que é a incapacidade de reconhecer ou interpretar objetos visuais.

Consequências de uma lesão no lobo frontal: impactos no comportamento e funções cognitivas.

Uma lesão no lobo frontal do cérebro pode ter graves consequências no comportamento e funções cognitivas de um indivíduo. O lobo frontal é responsável por diversas funções importantes, como o controle do comportamento, tomada de decisões, planejamento, organização e regulação das emoções.

Quando ocorre uma lesão nessa região do cérebro, o indivíduo pode apresentar alterações significativas em seu comportamento, como impulsividade, agressividade, falta de controle emocional e dificuldade em seguir regras sociais. Além disso, pode haver dificuldades na capacidade de planejamento e organização, levando a problemas no cumprimento de tarefas e na resolução de problemas.

Do ponto de vista das funções cognitivas, uma lesão no lobo frontal pode resultar em dificuldades de atenção, concentração, memória de trabalho e flexibilidade cognitiva. O indivíduo pode ter problemas para manter o foco em uma tarefa por longos períodos de tempo, dificuldade em alternar entre diferentes tarefas e em adaptar-se a novas situações.

Occipital: características, funções, malformações

O lobo occipital é uma região do cérebro localizada na parte posterior da cabeça e é responsável pelo processamento visual. Ele contém o córtex visual primário, onde as informações visuais são recebidas e interpretadas pelo cérebro.

As principais funções do lobo occipital incluem a percepção de formas, cores, movimentos e profundidade. É nessa região que ocorre a interpretação das informações visuais que recebemos do ambiente ao nosso redor.

Malformações no lobo occipital podem resultar em problemas de processamento visual, como dificuldades na percepção de cores, reconhecimento de rostos, distorções na visão e até mesmo cegueira parcial ou total. Essas condições podem ter um impacto significativo na qualidade de vida do indivíduo e exigir intervenções específicas para o seu tratamento.

Qual região do cérebro é responsável pelo pensamento lógico e raciocínio?

O córtex occipital é a região do cérebro responsável pelo processamento visual, sendo essencial para a percepção de formas, cores e movimentos. Localizado na parte posterior do cérebro, o córtex occipital desempenha um papel fundamental no pensamento lógico e raciocínio, uma vez que é responsável por interpretar as informações visuais recebidas pelos olhos e transformá-las em imagens coerentes.

Além disso, o córtex occipital também está envolvido na percepção de profundidade e distância, contribuindo para a nossa capacidade de julgar espaços e objetos no ambiente. Portanto, é uma área crucial para a nossa capacidade de compreender o mundo ao nosso redor e tomar decisões baseadas em informações visuais.

Quando ocorrem malformações no córtex occipital, podem surgir problemas na visão e na capacidade de processamento visual. Algumas condições associadas a essas malformações incluem a cegueira cortical, a síndrome de Anton e a agnosia visual, que afetam a capacidade de reconhecer objetos e interpretar estímulos visuais de forma adequada.

Occipital: características, funções, malformações

O occipital é o termo científico que descreve uma parte anatômica da cabeça. Está localizado na parte inferior do crânio, especificamente na área inferior da parte de trás da cabeça. O termo occipital deriva da combinação de duas palavras latinas ( occĭput ou occipitĭum) .

Também é conhecida como protuberância occipital externa, porque em certos pacientes essa área pode ser mais volumosa do que em outras. É o caso de pacientes nascidos com síndrome de Edward (trisonomia 18) ou com síndrome de trisonomia 9.

Occipital: características, funções, malformações 1

Tipos de occipital (normal, plano e protuberante). Fonte: (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), (Centro Nacional de Defeitos Congênitos e Deficiências do Desenvolvimento). Imagem Editada

Em ambas as alterações, são observadas malformações craniofaciais importantes que afetam o occipital. A microcefalia (crânio pequeno) geralmente é observada com um occipital excelente, além de outras malformações que acompanham essas síndromes.Em outros casos de malformações congênitas, pode ocorrer o contrário, observando um occipital achatado.

Na neonatologia, a medida do perímetro da cabeça é um fato importante como avaliação geral do estado físico do recém-nascido.

A medição da circunferência da cabeça (circunferência) é feita passando uma fita métrica ao redor da cabeça, ou seja, a fita deve ser colocada sobre o occipital em direção à frente da cabeça, especificamente no arco superciliar (acima das sobrancelhas).Enquanto isso, o comprimento da cabeça é medido colocando a fita métrica horizontalmente da testa ao occipital.

Relacionado:  O que é emagrecimento?

Caracteristicas

Na gíria popular, o occipital é chamado colodrillo. Se você procurar no dicionário a palavra colodrillo significa: “parte de trás da cabeça”.

Anatomia

O osso encontrado no occipital é chamado occipital. Este é um osso plano e não emparelhado. Une a coluna através da primeira vértebra cervical, chamada atlas e com a qual forma a articulação atlantooccipital.

Esse osso também possui um orifício occipital chamado forame magno , onde passa pela medula espinhal para alcançar o cérebro.

O occipital possui quatro partes: processo basilar, 2 massas laterais e a escala.O processo basilar une fibrocartilagens aos ossos temporais e esfenóides.As duas massas laterais estão intimamente relacionadas à primeira vértebra (atlas) e aos ossos temporais.Enquanto, a escala occipital tem comunicação com os ossos parietais. No centro está a protuberância occipital externa.

Em um indivíduo normal, a forma do occipital não é tão volumosa nem achatada. Quando existem malformações congênitas, a forma do occipital pode ser alterada (occipital protuberante ou achatado).

Occipital: características, funções, malformações 2

Fonte: Francois R. (2005). Tratado de Osteopatia Craniana. Articulação temporomandibular. Análise e tratamento ortodôntico. 2ª edição. Editora Panamericana. Madrid Espanha. Disponível em: books.google.co.ve

Occipital e parto

Os obstetras estão muito interessados ​​na posição e tamanho da cabeça do bebê ao nascer. Quando o recém-nascido vem da cabeça, as posições podem ser: occipital, facial ou frontal. Embora também possa vir do ombro ou das nádegas, é menos frequente.

O obstetra deve saber se o perímetro da cabeça é capaz de passar pela pélvis da mãe. Embora os ossos cranianos do bebê possam ser ajustados para atravessar o canal do parto, às vezes uma cabeça muito grande pode merecer uma cesariana.

Sob condições normais, o occipital do bebê repousa na sínfise púbica da mãe e, subsequentemente, na contração uterina subsequente, a cabeça é estendida para sair.

Quando a mãe exerce muita força durante o parto, a cabeça do bebê pode ser temporariamente deformada. O uso de pinças também pode afetar a esse respeito.

Funções

O occipital suporta o resto dos ossos do crânio e articula-se com a coluna vertebral. Juntamente com o restante dos ossos do crânio, sua função é proteger o cérebro.

Em acidentes com politrauma, o occipital pode ser afetado. Um trauma nesse nível pode causar fratura da base do crânio, sendo um trauma bastante frequente e geralmente grave.

Esse trauma não apenas leva à fratura dos ossos na área, mas também produz um importante hematoma intracraniano, que pode levar à morte.

Malformações congênitas que afetam a forma do occipital

– Occiput eminente

Em algumas malformações congênitas, podem ser observadas irregularidades no formato da cabeça do indivíduo. No caso de bebês nascidos com síndrome da trisonomia 18 (síndrome de Edwards) e trisonomia 9, são observados pequenos crânios com um occipital excelente.

Outras malformações podem envolver craniossinostose, o que sugere que as suturas entre as placas ósseas foram fechadas prematuramente, limitando o crescimento do crânio nessa área.

Isso resulta em uma variedade de malformações que, de acordo com o tamanho e a forma da cabeça como um todo, recebem um nome.

Na maioria desses casos, é visualizado um crânio maior ou menor que o normal, com o occipital proeminente.Entre as malformações que resultam em um occipital excepcional estão:

Escafocefalia

Ocorre devido a uma sinostose sagital, ou seja, o fechamento prematuro da sutura sagital ocorre da fontanela ao pescoço. Isso produz uma cabeça alongada e estreita. Pode haver inchaços no nível frontal ou occipital. Essa anomalia é bastante comum e não melhora espontaneamente.

Dolichocephaly

Nesse caso, a cabeça é alongada e estreita. Ocorre em bebês prematuros de baixo peso. É uma malformação postural devido à imaturidade do músculo cervical. É muito semelhante à escafocefalia, mas diferem na medida em que não há fechamento prematuro da sutura sagital e, portanto, corrige espontaneamente.

Encefalocele occipital com saco inteiro

Quando durante a gravidez o tubo neural não se dobra e não fecha para formar o cérebro, sai aproveitando qualquer abertura do crânio. Essa malformação causa a formação de uma protuberância em forma de saco que contém o cérebro.

O inchaço pode ocorrer em qualquer lugar, mas o mais comum é na parte de trás e na parte inferior da cabeça, no nível do occipital.

Relacionado:  Dermatoma: o que é, tipos e significado clínico

Macrocefalia

Uma malformação frequente em certos bebês é um aumento exagerado na circunferência da cabeça, ou seja, no tamanho da cabeça. Geralmente é causado por um aumento na pressão intracraniana.

Em algumas síndromes, o paciente pode apresentar macrocefalia juntamente com occipital proeminente, entre outras anormalidades. Um exemplo claro é dado em indivíduos com síndrome acrocallous.

Hidrocefalia

Nesse caso, há um aumento no tamanho da cabeça devido ao acúmulo de líquido cefalorraquidiano. A causa mais frequente é obstrutiva. Algumas síndromes congênitas se apresentam com hidrocefalia e um occipital proeminente, como é o caso da doença de Dandy-Walker.

– Occipital plano

Existem outras malformações no nível da cabeça que seguem com um occipital completamente plano. Por exemplo, acrocefalia, turbicefalia, braquicefalia, entre outros.

Acrocefalia

É uma deformação caracterizada por um crânio em forma de cone, ou seja, o crânio tem uma altura exagerada, com um occipital plano. Essa deformidade é causada pelo fechamento precoce das suturas cranianas.

Turricefalia

É uma deformação caracterizada por um crânio em forma de torre (crânio com grande altura e occipital plano). Essa deformidade é causada pelo fechamento precoce das suturas coronal e lambdoide.

Braquicefalia

Originado por uma sinostose bicoronal, ou seja, fechamento prematuro das suturas coronais em ambos os lados da cabeça. O que resulta em uma cabeça larga e curta. O occipital é achatado.

Plagiocefalia posicional

Também é chamada de síndrome da cabeça achatada, geralmente ocorre em bebês prematuros que passam longos períodos de tempo em uma posição. Isso causa o achatamento da cabeça, uma vez que o crânio de bebês prematuros ainda é muito macio.

Os tipos de plagiocefalia podem ser occipital (occipital achatado), frontal (frontal achatado) ou mista.

Também pode ocorrer antes do nascimento por pressão da cabeça da barriga contra a pelve ou torcicolo da mãe.

Neste último caso, o bebê tem dificuldade em mover a cabeça e isso faz com que ela permaneça em uma única posição, geralmente nas costas, causando a síndrome da cabeça chata (occipital plano total ou parcial).

Plagiocefalia sinostótica

O débito ocorre no fechamento precoce das suturas cranianas. Se a sutura afetada é a coronal, é chamada de plagiocefalia anterior ou coronal . E se a sutura afetada é a lambdoide, é denominada craniossinostose lambdoide.

Síndrome de Gómez-López-Hernández

Essa síndrome também é chamada de displasia cerebelo -trigeminal-dérmica. É caracterizada por apresentar sinapse romboencefálica, alopecia e anestesia trigeminal.

Galvez e colegas analisaram um caso clínico cuja ressonância magnética cerebral revelou hidrocefalia grave, forma turréfica do crânio, fusão dos hemisférios cerebelares, occipital plano e ausência de vermis anterior e posterior.

Síndrome de Apert

Também chamado de acrocefalia-sindactilia. É uma síndrome congênita hereditária. É caracterizada pela fusão de certos ossos no crânio, mãos e pés. Isso resulta em malformações craniofaciais importantes, além de mãos e pés.

Em relação às malformações cranianas, são caracterizadas por acrocefalia, diminuição do diâmetro ântero-posterior do crânio, exoftalmia (olhos salientes), frente proeminente com occipital e face achatada.

Referências

  1. Virgili J, Cabal A. Síndrome de Dandy-Walker. Atenção primária . 2010. 42 (1): 50-51. Disponível em: elsevier.es
  2. Gálvez C, Huete I, Hernández M. Hidrocefalia congênita: síndrome de Gómez-López-Hernández, uma síndrome subdiagnosticada. Caso clínico. chil Pediatr . 2018; 89 (1): 92-97. Disponível em: scielo.org
  3. Vargas Sanabria Maikel. Anatomia e exame físico da coluna cervical e torácica. perna. Costa Rica , 2012; 29 (2): 77-92. Disponível em: scielo.org
  4. Suárez F, Zarante I, Prieto J. (2007). Atlas de semiologia médica e genética. Editorial Pontificia Universidad Javeriana. Disponível em: books.google.co.ve
  5. Villarroel A, Hochstatter E, claustro R. Apert, síndrome (acrocefalosindactilia). Gac Med Bol. 2007; 30 (1): 58-62. Disponível em: scielo.org.
  6. Pandey S, Pandey K. (2011). Diagnóstico em ortopedia clínica. Terceira edição Editorial Jaypee Highlights Medical Publisher, INC Panamá. Disponível em: google.co.ve
  7. Niswander K. (1987). Obstetrícia, Prática Clínica. Reverté Editorial. Disponível em: books.google.co.ve
  8. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Centro Nacional de Defeitos Congênitos e Deficiências do Desenvolvimento do CDC. Defeitos congênitos 2016. Disponível em: cdc.gov.
  9. «Occiput.» Wikipedia, A Enciclopédia Livre . 10 de outubro de 2018 01:42 UTC. wikipedia.org
  10. François R. (2005). Tratado de Osteopatia Craniana. Articulação temporomandibular. Análise e tratamento ortodôntico. 2 Edition. Editora Panamericana. Madrid Espanha. Disponível em: books.google.co.ve

Deixe um comentário