Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases

Octavio Paz (1914-1998) foi um escritor, poeta e diplomata mexicano. Ele foi considerado um dos escritores mais importantes e influentes do século XX, entre outras razões, por renovar e inovar a poesia através da expressividade e beleza de suas letras. Seu nome completo era Octavio Irineo Paz Lozano.

O trabalho de Paz foi caracterizado por não ter sido submetido a nenhum movimento literário. Pelo contrário, ele era um autor que se dedicou a criar a partir do pessoal, o que deu a seus textos um caráter único, expressivo e profundo. O poeta, com inteligência, tirou o melhor de cada corrente que foi apresentada.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 1

Octavio Paz. Fonte: Foto: Jonn Leffmann [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons
O escritor produziu uma obra abundante, que abrangeu diferentes gêneros, dentre os quais se destacaram a poesia e os ensaios. Entre as obras de paz mais conhecidas, incluem-se: O labirinto da solidão e da liberdade sob palavras . Em todos os seus escritos, você pode ver a genialidade do autor.

Biografia

Nascimento e família

Octavio nasceu na Cidade do México em 31 de março de 1914. Ele veio de uma família culta. Seus pais eram Octavio Paz Solórzano, jornalista e advogado, e Josefina Lozano. A vida do escritor foi influenciada por seu avô paterno, Ireneo Paz, que era um escritor, advogado, jornalista e historiador de destaque.

Infância e educação

Os primeiros anos da infância de Octavio Paz estavam sob a tutela de sua mãe, avô e tia paterna. O trabalho do pai do poeta, como advogado e secretário do líder militar Emiliano Zapata, manteve-o longe de casa por um longo tempo.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 2

Emiliano Zapata. Fonte: Museu Soumaya [Domínio público], via Wikimedia Commons
A ausência paterna por motivos de trabalho significou um vácuo emocional que o avô de Octavio aproveitou, enchendo-o de ensino sobre literatura. Isso marcou a vida do poeta para sempre. A letra serviu de ponte entre o autor e o seu eu interior, refletindo magistralmente em seus muitos trabalhos.

O mesmo trabalho que levou o pai do poeta para longe de casa, fez com que Octavio se mudasse para os Estados Unidos, e foi lá que ele estudou seus primeiros anos de estudo. Então ele voltou ao México, onde continuou sua preparação. Ainda adolescente, aos quinze anos fazia parte do Sindicato dos Trabalhadores Profissionais e Camponeses.

Formação universitária e primeiros passos literários

Paz completou seus estudos de bacharelado na Escola Preparatória Nacional San Ildefonso, no início dos anos trinta. Então ele começou a estudar direito, filosofia e literatura na Universidade Nacional Autônoma do México. Ele teve uma brilhante carreira acadêmica, sendo um aluno aplicado.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 3

A terra devastada, por TS Eliot. Fonte: TS Eliot [Domínio público], via Wikimedia Commons
Durante esse período, ele já havia entrado em contato com grandes clássicos da literatura, incluindo TS Eliot. Inspirado na tradução do escritor britânico The Waste Land, ele escreveu aos dezessete anos um texto intitulado Ethics of the artist , relacionado à poesia e seus vínculos com a moral. Seu amor por grandes escritores influenciou bastante seu trabalho.

Barandal e Lua Selvagem

O gosto e a paixão de Octavio Paz pela literatura e pelas letras levaram o poeta, ainda estudante, a fazer parte da direção da revista Barandal em 1931, junto com outros jovens. Além disso, ele publicou com certa frequência algumas histórias na edição de domingo do jornal El Universal.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 4

II Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura. Fonte: II Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura [Domínio público], via Wikimedia Commons
Dois anos depois, em 1933, o poeta incipiente trouxe à luz seu livro de poemas Wild Moon. Era um poema cheio de sensibilidade e sentimentos, onde suas palavras eram cheias de paixão. No ano seguinte, ele mostrou ao poeta espanhol Rafael Alberti, depois de uma visita ao México.

Crítica de Alberti à poesia da paz

A visita de Rafael Alberti ao México em 1934 foi importante para os poetas locais que estavam começando sua carreira literária. Naquela época, o poeta espanhol simpatizava com o comunismo, que levou um tempo a produzir poesia social e características políticas. Sabendo disso, Octavio Paz queria mostrar seu trabalho a Alberti para apreciá-lo.

Quando Alberti leu a obra de Octavio Paz, ele deixou claro que sua poesia era mais romântica e pessoal do que social, e disse: “não é uma poesia revolucionária no sentido político”. No entanto, Alberti reconheceu as mudanças em sua linguagem e formas únicas de expressão, então ele já sabia que estava enfrentando um homem que havia encontrado seu caminho.

Confrontado consigo mesmo

Em meados da década de 1930, Octavio Paz se confrontou, sua posição política e o conteúdo de sua poesia. Com a leitura de San Juan de la Cruz, o poeta conseguiu avançar em direção à beleza da poesia e sua conexão com a vida. Esse encontro com seu “eu” levou o escritor a fortalecer ainda mais seu estilo único e a se desapegar de qualquer fórmula.

Depois de confirmar esse tipo de “comunhão”, o autor começou a escrever uma espécie de diário ou confissões. Então, em 1936, ele iniciou o processo de desenvolvimento da poesia Raiz do Homem. No ano seguinte, ele se formou na Universidade Nacional Autônoma do México, obtendo notas consideravelmente boas.

Missão em Yucatán e primeiro casamento

Em 1937, Octavio Paz viajou a Yucatán com a missão de criar uma instituição educacional para os filhos dos trabalhadores, sob as ordens do então presidente do México Lázaro Cárdenas . Os quatro meses que ele passou naquela cidade o levaram a escrever o poema Entre a Pedra e a Flor.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 5

Elena Garro, primeira esposa de Octavio Paz. Fonte: Elena Garro Fonte: Documentação da CITRU [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons
No meio do mesmo ano, o poeta se casou com Elena Garro, que também trabalhou como escritora. O casamento concebeu uma filha. Em julho, o casal viajou para a Espanha, após um convite que Paz recebeu para participar do II Congresso Internacional de Escritores para a Defesa da Cultura.

A favor da República Espanhola

A visita que Octavio Paz fez à Espanha durante a Guerra Civil o fez se colocar ao lado do lado republicano. Então, quando ele voltou ao México, não hesitou em ajudar os espanhóis que estavam em condição de refugiado. Ele também participou da criação do Workshop, publicação literária.

Durante esse tempo, ele se concentrou em escrever, enquanto trabalhava em um banco. Alguns de seus escritos de conteúdo político foram publicados no jornal El Popular; Além disso, por volta de 1942, ele fundou duas revistas literárias, chamadas O Filho Pródigo e Nova Terra.

Hora fora do México

Desde 1943, e por cerca de dez anos, o escritor residiu fora do México. Inicialmente, ele foi para os Estados Unidos depois de ganhar a bolsa Guggenheim, para estudar na Universidade da Califórnia. Em 1945, ele iniciou sua carreira diplomática como representante de seu país na França.

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 6

Biblioteca da Universidade Nacional Autônoma do México. Fonte: Gonzjo52 [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons
Ele viveu na França entre 1945 e 1951. Também naquela época ele publicou o ensaio O Labirinto da Solidão. Ele também se separou do marxismo e abordou o socialismo e o movimento surrealista. A partir de então, seus escritos se aproximaram do misterioso e do irreal.

Relacionado:  Os 17 tipos de narração e suas características

Octavio voltou ao seu país

Antes de retornar ao México em 1953, Paz realizou trabalhos diplomáticos na Índia e no Japão. Depois de se estabelecer em seu país, trabalhou como diretor na seção de organizações internacionais. Ele também se juntou à criação do Jornal Mexicano de Literatura.

Depois de quatro anos em solo asteca, ele foi morar em Paris. Em 1959, ele se separou de Elena. Em 1962, Octavio Paz retornou à Índia como diplomata. No plano do amor, ele conheceu Marie José Tramini, uma francesa com quem se casou em 1964, e se tornou sua parceira de vida.

Demissão como embaixador

Octavio Paz sempre se mostrou um homem justo e apegado às regras, além de ser um defensor e amante de seu país. Por isso, quando ocorreu o assassinato de civis e estudantes em 1968, conhecido como massacre de Tlatelolco, ele não hesitou em renunciar ao cargo de embaixador na Índia.

A partir desse momento, atuou como professor universitário nas principais casas de estudos dos Estados Unidos, como Harvard, Pensilvânia, Texas e Pittsburgh. Em 1971, ele fundou a Plural , no México , uma revista que combinava questões políticas e literárias.

Últimos anos e morte

Os últimos anos de vida de Octavio Paz foram de atividade constante. Ele trabalhou como professor, deu palestras, escreveu e fundou várias revistas. No entanto, ele começou a sofrer de câncer e morreu em 19 de abril de 1998 na Cidade do México, aos 84 anos de idade.

Prêmios e reconhecimento a Octavio Paz

A obra literária de Octavio Paz foi reconhecida e aclamada através de um grande número de prêmios e distinções. Alguns deles estão listados abaixo:

– Prêmio Xavier Villaurrutia, em 1957, por seu ensaio El arco y la lira.

– Prêmio Internacional de Poesia na Bélgica, em 1963.

– Membro do Colégio Nacional do México desde 1967.

– Prêmio do Festival de Poesia de Flandres em 1972.

– Doutor Honoris Causa em 1973 pela Universidade de Boston.

– Prêmio Nacional de Ciências e Artes em 1977.

– O Prêmio de Jerusalém em 1977.

– Prêmio da Crítica Espanhola em 1977.

– Doutor Honoris Causa em 1978 pela Universidade Nacional Autônoma do México.

– Grand Golden Eagle Award em 1979. Realizada em Nice, durante o Festival Internacional do Livro.

– Prêmio Ollin Yoliztli em 1980.

– Doutor Honoris Causa em 1980 pela Universidade de Harvard.

– Prêmio Miguel de Cervantes em 1981.

– O Prêmio Internacional Neustadt de Literatura em 1982.

– Prêmio da Paz da Livraria Alemã em 1984.

– Doutor Honoris Causa em 1985 pela Universidade de Nova York.

– Prêmio Internacional Alfonso Reyes em 1985.

– Prêmio de poesia de Oslo em 1985.

– Prêmio Mazatlan de Literatura em 1985 por seu ensaio Homens em seu século.

– Prêmio Internacional Menéndez Pelayo em 1987.

– Medalha Picasso em 1987.

– Prêmio Britânico em 1988.

– Prêmio Alexis de Tocqueville em 1989. Doutor Honoris Causa em 1989 pela Universidade de Múrcia.

– Prêmio Nobel de Literatura em 1990.

– Grande Oficial da Ordem do Mérito da República Italiana em 1991.

– Doutor Honoris Causa em 1992 pela Universidade do Texas.

– Grande Cruz do Mérito, Berlim, em 1993.

– Prêmio Príncipe das Astúrias de Comunicação e Humanidades, em 1993, pelo trabalho realizado em sua revista Vuelta.

– Grã-Cruz da Legião de Honra da França em 1994.

– Medalha Gabriela Mistral, Chile 1994.

– Prêmio Mariano de Cavia de Jornalismo em 1995.

– Prêmio Blanquerna em 1996.

– Doutor Honoris Causa em 1997 pela Universidade de Roma.

– Membro honorário da Academia Mexicana de Idiomas desde 1997.

– Prêmio Nacional de Jornalismo do México em 1998 por sua carreira literária.

Póstumo

– Medalha de Mérito Cidadão da Assembléia Legislativa do Distrito Federal em 1998.

– Grande cruz de Isabel La Católica em 1998.

– Prêmio Honorário “We” Golden Eagle, Los Angeles em 1998.

– Prêmio do Instituto Cultural Mexicano, Washington em 1999.

Estilo

O estilo literário de Octavio Paz foi caracterizado por ser único, expressivo, profundo e intenso. Ele estava separado de qualquer movimento ou movimento literário, ou seja: seu trabalho não seguia normas ou formas estabelecidas, mas era responsável por imprimir autenticidade e personalidade às suas palavras.

O fato de que em seu trabalho havia traços de surrealismo, neo-modernismo ou existencialismo, não significava que o poeta permanecesse ali. Pelo contrário, ele experimentou e procurou novas formas de inovação na literatura; Sua língua era culta, apaixonada e bonita.

Poesia

Octavio Paz desenvolveu um trabalho poético cheio de beleza, erotismo e romance. Ao mesmo tempo, ele a dirigiu para o futuro do homem como um ser individual, bem como para seu relacionamento com o tempo e a solidão. Nos seus versos, havia inteligência, reflexão e amplo uso de imagens visuais.

O poeta desenvolveu sua letra em três ciclos. O primeiro, relacionado à sua tentativa de ir além do visível e do tangível. Depois, ele o orientou para os elementos surrealistas que conheceu na França e foi para o leste depois de seu tempo na Índia. Finalmente, ele foi para o amor e intelectual.

Ensaio

O trabalho de Paz foi caracterizado por ser curioso, completo e analítico. Questões sociais, culturais, artísticas, políticas e literárias interessavam ao escritor. A intensidade e, ao mesmo tempo, a percepção de sua língua foram fundamentais para o desenvolvimento desse gênero literário.

Trabalhos

Ensaios

– O labirinto da solidão (1950). Mais tarde, em 1959, uma edição corrigida e ampliada foi publicada.

– O arco e a lira (1956). Em 1967, foi feita uma edição ampliada.

– Elm Pears (1957).

– Quadrivio (1965).

– Sinais em rotação (1965).

– Portas para o campo (1966).Corrente alternada (1967).

– Claude Levi-Strauss ou The New Aesop Feast (1967).

– Marcel Duchamp ou O Castelo da Pureza (1968). Em 1973, ele relançou com o título Naked Appearance.

– Conjunções e disjunções (1969).

– Postscript (1970). Com este título, o escritor deu continuidade ao labirinto da solidão.

– O sinal e o doodle (1973).

– Os filhos do lodo. Do romantismo à vanguarda (1974).

– A busca pelo começo. Escritos sobre surrealismo (1974).

– Xavier Villaurrutia em pessoa e trabalho (1978).

– O ogro filantrópico (1979).

– In / Mediations (1979).

– Ir. Juana Inés de la Cruz ou As armadilhas da fé (1982).

– Tempo nublado (1983).

– Sombras das obras (1983).

– Homens em seu século e outros ensaios (1984).

– Primeiras letras (1931-1943) (1988).

– Crônica pequena de grandes dias (1990).

Relacionado:  Hermann Hesse: Biografia e Obras

– a outra voz. Poesia e fim de século (1990).

– Convergências (1991).

– Para a etapa (1992).

– A chama dupla (1993).

– Itinerário (1993).

– Um erótico além: Sade (1994).

– Vislumbres da Índia (1995).

Breve descrição dos ensaios mais significativos

O labirinto da solidão (1950)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 7

No final de 1945, o poeta mexicano marcha para Paris para fazer parte do serviço diplomático do México, cargo que ocuparia por 23 anos de vida. A capital francesa não apenas significou no escritor uma oportunidade de entrar em contato com o surrealismo de André Breton, mas também uma mudança cultural influenciada em todos os níveis.

Além de seu forte caráter poético, Octavio Paz é reconhecido pelos numerosos ensaios que escreveu como The Labyrinth of Loneliness , editado pela influente revista American Notebooks em 1950.

O labirinto da solidão é um livro de cabeceira para a historiografia do México, já que Octavio Paz se concentra em fazer uma introspecção psicológica do sujeito mexicano, buscando sua identidade ao longo da evolução histórica.

O livro foi reeditado no final dos anos 60, justamente quando começou a ser reconhecido por seus leitores. Seu sucesso subsequente foi tal que hoje faz parte da imaginação coletiva do México, sendo um trabalho essencial nos programas educacionais das escolas e centros pré-universitários do país.

O arco e a lira (1956)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 8

Como poeta, Octavio Paz medita neste ensaio de 1956 sobre a poesia e os elementos que a compõem para adquirir significado como ritmo, linguagem ou imagem. Por sua vez, o escritor faz uma menção especial ao tratamento da poesia e da prosa e ao poder revelador que tem inspiração no caminho criativo.

Em termos gerais, O arco e a lira são compostos como um ensaio maduro, onde o escritor pode responder a uma pergunta que o perturbará desde a adolescência: o fenômeno poético. E ao qual ele se referirá pela primeira vez em um texto publicado, como prelúdio, no número cinco da revista O filho pródigo, com o título Poesia sob solidão e poesia de comunhão.

Em linhas gerais, O arco e a lira fazem parte de um trabalho fundamental da trajetória de redação do autor e que nos permitiria adivinhar qual seria o pensamento estético do futuro Prêmio Nobel. Graças a esta peça, o escritor ganhou o prêmio Xavier Villaurrutia do México, o maior reconhecimento que o país dá a um livro específico.

As Peras do Olmo (1957)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 9

Depois de escrever O arco e a lira , Octavio Paz publica este livro em ensaio de 1957. Nesse caso, o autor analisa, em sua primeira parte, seu México natal, conduzindo um estudo sobre poesia mexicana através dos olhos do escritor Sor Juana Inés da Cruz e dos poetas Juan José Tablada e José Gorostiza.

Na segunda parte, talvez mais versátil, o autor faz uma incursão na literatura japonesa, arte e poesia que o fascinavam tanto. Por sua vez, ele ousa com críticas de filmes que mostram interesse na exibição surrealista de Luis Buñuel na tela grande. O livro também inclui incursões do escritor em jornalismo literário.

Quadrivio (1965)

Como o próprio nome indica, este ensaio de 1965 apresenta uma divisão em quatro partes, de acordo com os poetas a que se refere: Rubén Darío, Ramón López, Fernando Pessoa e Luis Cernuda, que eles realizaram, segundo o escritor mexicano , rupturas em relação à poesia de seu tempo.

Cuadrivio é uma aposta interessante para o colapso da poesia moderna. Questão que tenta ser explorada por Octavio Paz em suas imersões em direção ao surrealismo artístico e literário do momento.

Como autor revolucionário, não apenas no campo político, mas também poético, Octavio Paz sente parte da tradição da ruptura à qual esses autores pertencem. De fato, o poeta sublinha no prólogo de Cuadrivio a seguinte idéia: «É a tradição da nossa poesia moderna. […] um movimento iniciado no final do século passado pelos primeiros modernistas hispano-americanos e que ainda não acabou ».

Claude-Lévi-Strauss ou a nova festa de Esopo (1967)

As teorias do antropólogo desencadearam algumas das obras mais importantes de Octavio Paz, como Labirinto da Solidão, onde o poeta procurou, entre outras questões, desvendar alguns dos mitos do país mexicano.

O contexto deste livro é colocado sob a Paris do final dos anos sessenta, onde tudo começou a girar em torno da idéia de um código de sinais que precisavam ser decifrados; estruturalismo

Em homenagem ao pai dessa teoria, o poeta escreve o ensaio Claude-Lévi-Strauss ou a nova festa de Esopo, em 1969, para homenagear as descobertas do etnólogo francês que foi um visionário de Octavio Paz. O livro é um diálogo aberto entre o poeta mexicano e as teorias antropológicas de seu contemporâneo.

Nessa linha, Octavio Paz escreve obras como Os Sinais da Rotação (1965), Conjunções e Disjunções (1969), The Sign and the Scribble (1973) e The Grammar Monkey (1974).

Aparência nua: o trabalho de Marcel Duchamp (1973)

Entre outras figuras pelas quais Octavio Paz mostrou admiração estava o pintor surrealista Marcel Duchamp. Seu interesse é tal que, em 1973, o poeta mexicano publicou o ensaio Naked Appearance: Marchel Duchamp para aplaudir a atitude irônica do artista e reconhecer em suas peças mais importantes, ready-mades , as principais obras do século XX.

No entanto, é importante saber que, embora o poeta tenha mantido relações estreitas com os maiores expoentes do surrealismo incipiente, seu estilo literário não foi colocado sob os parâmetros desse movimento em expansão.

A contribuição de Octavio Paz ao surrealismo foi tangencial e intelectual, lendo em profundidade as obras de seus principais autores e reconhecendo o movimento como poucos autores universais até então.

Ir. Juana Inés da Cruz ou as armadilhas da fé (1982)

Este ensaio é uma análise da vida do poeta espanhol Sor Juana Inés da Cruz apresentado na Universidade Autônoma de Madri em 1982. Consiste em três partes, que tentam fazer, ao fundo, um retrato historiográfico das colônias espanholas durante o vice-tribunal.

Octavio Paz escreveu este livro fascinado pela personalidade dessa freira intelectual que queria se render à vida eclesiástica para acessar o conhecimento, reservado naquela época ao poder masculino e que ele tinha que enfrentar.

Para o poeta, Sor Juana é o último poeta do barroco espanhol, sendo um visionário da poesia moderna, uma idéia com a qual a escritora encerra a última parte de seu livro.

A Chama Dupla (1993)

Este trabalho foi uma investigação e uma análise profunda do escritor sobre amor, sexualidade e erotismo, parte de seus assuntos favoritos. Octavio investigou a origem desse triângulo de sentimentos e como eles servem de inspiração na poesia. Para cumprir sua missão, Paz fez uma jornada literária, investigando as diferentes religiões, mitos, culturas e lendas.

Este ensaio manifesta uma sabedoria e um gerenciamento de linguagem digno de um advogado e, por sua vez, revela o octaviano humano. A paz, em cada época que abrange, juntamente com os diferentes autores que expõe, indica os estágios do que ele entende como amor e como é transformada de acordo com o momento da vida até que transcenda.

Relacionado:  Linguagem formal: características e exemplos

Poesia

– Lua selvagem (1933).

– Não passaram! (1936).

– Raiz do homem (1937).

– Sob sua sombra clara e outros poemas sobre a Espanha (1937).

– Entre a pedra e a flor (1941).

– No limite do mundo e primeiro dia (1942).

– Liberdade sob a palavra (1949).

– Águia ou sol? (1951).

– Sementes para um hino (1954).

– Filha de Rappaccini (1956).

– Sunstone (1957).

– A estação violenta (1958).

– Liberdade sob palavra. Trabalho poético 1935-1957 (1960).

– Salamandra, 1958-1961 (1962).

– Vento total (1965).

– Branco (1967).

– Discos visuais (1968).

– declive leste, 1962-1968 (1969).

– Topoemas (1971).

– Renga (1972).

– O macaco gramático (1974).

– Past clear (1975).

– Return (1976).

– Nascido no ar. Filhos do ar (1979).

– Poemas, 1935-1975 (1979).

– Árvore dentro (1987).

– Trabalho poético, 1935-1988 (1990).

– Figuras e figuras (1990).

Breve descrição dos poemas mais representativos

Lua Selvagem (1933)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 10

Sob o selo da editora Fábula, Octavio Paz publica seus primeiros poemas em 1933, com apenas 18 anos, no mesmo ano em que fundou a revista Cuadernos del Valle de México.

Nestes primeiros versos juvenis do autor, você já pode adivinhar sua faceta como escritor romântico. Como curiosidade, Wild Moon consiste apenas de sete poemas divididos em apenas quarenta páginas que tratam de amor, poesia e mulheres.

Como curiosidade, os poemas eram pouco conhecidos na época devido à circulação limitada de cópias e à falta de aparição na imprensa.

Não passaram! (1936)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 11

Este livro foi uma resposta de solidariedade do autor às forças republicanas espanholas em guerra. Em 1936, a editora mexicana Simbad publica um único poema na forma de um livreto intitulado: Eles não serão aprovados! , que lembrou o grito de luta liderado pelos seguidores do lado democrático pela defesa de Madri contra o exército do futuro ditador Francisco Franco.

Após o sucesso deste livro, Octavio Paz foi convidado pelas forças republicanas para o Segundo Congresso Internacional de Intelectuais Antifascistas da Espanha. Com esses poemas, o poeta não só foi reconhecido, em ambos os lados da poça, por autores como Rafael Alberti, Vicente Huidobro ou Antonio Machado, mas também começou a se estabelecer como o grande poeta universal das letras mexicanas do século XX.

Sob sua sombra clara e outros poemas sobre a Espanha (1937)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 12

Um ano depois, e nesse estreito relacionamento político do escritor com a pátria, seu poema não passará! Foi relançado novamente pelo escritor Manuel Altolaguirre em 1937 sob uma antologia poética chamada Under Your Clear Shadow e outros poemas sobre a Espanha .

O ensaísta espanhol Juan Gil-Albert aplaudiu a iniciativa de Octavio Paz ao escrever como os versos do autor mexicano não expressavam de maneira alguma uma falsa preocupação ou abandono diante da situação crítica das tropas republicanas.

Entre a pedra e a flor (1941)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 13

Desta vez, em vez de olhar além de suas fronteiras, Octavio Paz redirecionou o olhar para o horizonte da Mesoamérica mais ancestral. Dessa forma, ele publica Entre pedra e flor , no exercício de análise e reflexão da evolução dos descendentes do povo asteca.

Atualmente, o livro é considerado um de seus primeiros poemas longos, composto por quatro partes claramente definidas, baseadas nos quatro principais elementos naturais: pedra, terra, água e luz.

Os dois primeiros se referem à referência social e econômica da civilização mesoamericana, o terceiro concentra-se na figura do camponês e o quarto nas consequências da imposição cultural que o sistema capitalista teve sobre esse povo.

O livro é influenciado pela viagem que Octavio Paz recomeçaria aos Estados Unidos em 1943, graças à concessão da bolsa de estudos da Fundação Guggenheim com a qual ele pôde entrar em contato com a poesia inglesa e norte-americana.

Nessa linha, o contato com poetas como Walt Whitman, Ezra Pound, Wallace Stevens ou TS Elliot marcaria um antes e um depois em seu estilo. A poesia do escritor seria libertada dos velhos laços da poesia mexicana para introduzir novos elementos da estética lírica pós-moderna, como o uso de versos livres, detalhes históricos diários ou a conjunção de diálogos coloquiais com imagens tradicionais fortes.

Liberdade sob a palavra (1949)

O título deste trabalho refere-se a uma concepção paradoxal da liberdade, que deve ser limitada por algo, assim como a poesia é condicionada pela linguagem.

Esta antologia poética reeditada em 1960 inclui o poema mencionado Piedra de sol e os poemas de Octavio Paz escritos entre 1935 e 1957. É uma das primeiras grandes antologias do escritor e é considerada uma das obras líricas mais importantes em espanhol do século XX. por seu caráter inovador. A primeira versão do livro foi escrita como prova sob o nome de Still em 1942, a ser finalmente publicada em 1949.

Nesta linha, a liberdade da poesia sob a palavra é uma testemunha aberta de seu tempo, pois nela podem ser detectados traços de correntes e movimentos artísticos e literários, como o surrealismo. Como um recurso a destacar, o livro é colocado como uma publicação de ponta em pleno andamento deles.

Nele, você encontra os novos parâmetros da poesia latino-americana contemporânea. De fato, em um dos poemas que inclui, o hino entre as ruínas , surge o simultaneismo, uma nova forma artística criada pelo escritor.

Para escritores e estudiosos mexicanos da estatura de Alberto Ruy Sánchez, este trabalho é uma formulação madura de Octavio Paz com El laberinto da la soledad e ¿Águila o sol? em seu estágio como escritor no final dos anos quarenta.

¿ Águila o sol? (1951)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 14

Publicado em 1951, Eagle ou Sun? É um caminho de conhecimento místico que leva o escritor a encontrar-se através das três partes que estruturam o livro escrito em prosa e poesia. Com ele, ele confirma sua genialidade como poeta e evidencia a influência que existe em seu estilo de Rafael Alberti ou Jorge Guillén.

A primeira parte, intitulada Trabalho forçado, é marcada por seu caráter de aprendizado. Nele, ele tenta encontrar o papel das palavras e expurgar todos os males e vícios para alcançar a pureza poética.

Em seguida, o autor apresenta Quicksand , onde ele se ajuda com uma série de contos em prosa para sair deles e, assim, alcançar a luminosidade que o leva a sua terceira e última parte, intitulada como o nome do livro, ou seja, Eagle ou sol?

Pedra do Sol (1957)

Octavio Paz: biografia, estilo, obras e frases 15

Prova dessa precisão e cuidado poético do escritor é Piedra sol, um poema de 1957 composto por 584 endecasílabos (11 versos da sílaba) publicados na coleção Tezontle do Fundo de Cultura Econômica.

No poema, o eu poético faz uma jornada, em 584 versos, através de outro corpo amado, assim como Vênus começa sua jornada ao sol em 484 dias. A conjunção entre poesia e fragilidade humana é realizada através do grande número de imagens que aludem à natureza e à passagem tempestuosa do tempo.

Com

Deixe um comentário