Ometéotl: significado e mitologia

Ometéotl: significado e mitologia

Ometéotl , cujo nome em Nahuatl pode ser traduzido como “deus duplo ou deus duplo”, era o deus da criação na mitologia mexica. Essa divindade também é chamada de Moyocoyani, “aquele que se criou”: ele pensou e se inventou para ser o começo e, mais tarde, para gerar tudo o que existe, tanto divino quanto humano.

Essa divindade tem duas naturezas diferentes, um macho, chamado Ometecuhtli, e uma fêmea, Omecihuatl. Unindo ambas as facetas, Ometéotl foi o progenitor dos quatro deuses principais que participaram da criação, os Tezcatlipocas. Alguns autores, como Léon Portilla, afirmam que essas quatro divindades são manifestações do deus original.

Ometéotl é um deus muito antigo e nenhum templo foi encontrado em sua homenagem. Alguns especialistas até duvidam de sua existência. Outros, por outro lado, afirmam que era uma divindade pouco conhecida e que só aparece, com muita frequência, nos escritos da classe alta.

León Portilla ressalta que é possível que os sábios mexicas estivessem em um processo de unificação de todos os deuses nessa divindade. Apesar de sua onipresença, Ometéotl não era um deus que interveio nos assuntos dos deuses que ele criara ou dos seres humanos.

Ometéotl, o deus da dualidade

Um dos deuses menos conhecidos e mais misteriosos da mitologia mexica é Ometéotl, o deus da dualidade. Seu nome, em Nahuatl, refere-se a “dois deuses”, uma vez que essa divindade tem duas naturezas diferentes: Ometecuhtli (senhor), homem; e Omecihuatl (a dama), feminina.

Dualidade

Como observado, uma das características que fazem de Ometéotl um deus peculiar é a dualidade de sua natureza, com facetas masculina e feminina. O primeiro foi representado pelo dia, enquanto a parte feminina apareceu à noite.

Relacionado:  Quais mecanismos as colônias usaram para se tornar independentes?

Em seu aspecto masculino, o criador de tudo o que existia era chamado Ometecuhtli, enquanto o feminino era conhecido como Omecihuatl. Eles são, respectivamente, o Senhor e a Senhora da dualidade.

As duas naturezas de Ometéotl foram os progenitores de quatro deuses que receberam a capacidade de criar.

Esses deuses eram os Tezcatlipoca vermelhos, chamados Xipe Tótec e designados ao leste; o Tezcatlipoca preto, simplesmente chamado Tezcatlipoca e designado ao norte; o branco Tezcatlipoca ou Quetzalcoatl, atribuído ao oeste; e o azul Tezcatlipoca, conhecido como Huitzilopochtli e atribuído ao sul.

Ometéotl residia em Omeyocan. Foi o ponto mais alto do céu.

Diferenças entre  Ometecuhtli e Omecihuatl

Ambas as naturezas de Ometéotl foram identificadas com um animal: Ometecuhtli com a águia e Omecihuatl com a cobra.

A segunda é considerada por alguns especialistas como a força feminina divina, a Virgem cósmica. Além da serpente, também se identifica com a lua. Ometecuhtli, enquanto isso, é a representação do Sol e da força masculina divina.

Moyocoyani

Ometéotl, o deus dual, criou-se do nada, algo que lhe valeu o nome de Moyocoyani. Essa divindade foi auto-formada, e é por isso que é considerada o verbo da criação.

Depois de pensar e se inventar, o deus emergiu como o começo de tudo e, a partir daí, gerou a criação de tudo o que existe. Além disso, ele era considerado responsável por manter a ordem das coisas. Finalmente, já que tudo derivava disso, ele estava encarregado de oferecer a energia cósmica de que tudo no universo precisa.

Omeyocán era seu local de residência, no ponto mais alto do céu. Este lugar foi considerado o centro do deus e de lá ele gerou os deuses e as forças da natureza.

Esse centro era, além disso, o eixo central dos quatro pontos cardeais, o que torna o deus onipresente. Os Nahuas costumavam se referir a Omeyocán como “o umbigo da Terra”, “entre as nuvens” ou “a região dos mortos”, entre outros nomes.

Relacionado:  Quem venceu a Primeira Guerra Mundial?

Sem adoração

Ometéotl, ao contrário do resto das divindades, não recebeu nenhum tipo de adoração. A razão, segundo os especialistas, era sua maior antiguidade, além de ser uma divindade pouco conhecida pelo povo.

Os dados que se sabe sobre o deus dual provêm, em grande parte, da poesia e dos escritos das classes mais altas do México, nas quais muitas referências foram feitas ao deus. No entanto, não havia templo em sua honra e nenhum sacrifício foi feito para honrá-lo.

Algumas fontes, como o Códice Florentino, colocam o deus no mais alto nível do céu, o lugar da dualidade. Um padre franciscano, André Thevet, traduziu um texto de Nahuatl que relatava a existência de um deus chamado Ometecuhtli naquela área do céu. Essa mesma fonte afirmou que era uma divindade dupla com uma faceta feminina.

Essas referências encontradas levaram alguns acadêmicos, entre os quais Miguel León-Portilla se destaca, a afirmar que Ometéotl era visto pelos mexicas como uma divindade transcendental, com uma natureza semelhante à trindade dos católicos.

Manifestações

Nenhuma das fontes que falam desse deus relata que ele alguma vez interveio nos assuntos da humanidade. A única exceção era quando uma mulher estava em trabalho de parto, momento em que Ometéotl cuidava do parto para que tudo estivesse bem.

Além disso, o deus se manifesta nos quatro elementos básicos do universo: água, terra, ar e fogo. Cada uma dessas manifestações é realizada através de seus filhos, que surgiram e fazem parte dele.

Assim, a manifestação através da água corresponde a Tlaloc, a que ocorre através da terra corresponde a Tezcatlipoca, quando o nome de Ometéotl se manifesta com fogo seria Huitzilopochtli e, finalmente, quando o faz através do ar seria Quetzalcoatl.

Relacionado:  Iósif Stalin: biografia

Tloque Nahuaque

Outro termo com o qual Ometéotl é identificado é o de Tloque Nahuaque, cujo significado é “o que está próximo, o que está no circuito” ou “dono da cerca e do lado”.

O deus dual estava presente no céu e na terra e, em sua faceta de nahuaque de Tloque, ele era onipresente nas três direções do cosmos.

Assim, tem a tarefa de apoiar tudo o que existe no Universo e na Terra, bem como os quatro pontos cardeais. O mesmo vale para a região dos mortos.

Desta forma, tudo o que existe e é verdade é graças à sua faceta de Nahuaque de Tloque. Todo o Universo, nas três orientações que o compõem, é baseado nele.

Referências

  1. Mythology.info. Ometéotl. Obtido de mythology.info
  2. Povos nativos. Ometeotl. Obtido de povosoriginario.com
  3. México desconhecido. Ometéotl, a dualidade divina dos mexicas. Obtido em mexicodesconocido.com.mx
  4. Meehan, Evan. Ometeotl. Obtido em mythopedia.com
  5. Cline, Austin. Ometeotl, deus da dualidade na religião asteca. Obtido em learnreligions.com
  6. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Ometecuhtli. Obtido em britannica.com
  7. Cartwright, Mark. Panteão Asteca. Obtido em ancient.eu

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies